Olá, este é o meu novo fanfic. Na verdade é uma série que eu titulei como  Os Feiticeiros. Porque este nome? Porque eu vou dar ênfase no Syaoran também. Ele não vai ser apenas o par da nossa heroína, mas sim personagem principal assim como ela. Espero que gostem. Beijinhos, Kath

Capítulo 01: Amor por correspondência só existe no cinema

O despertador toca como louco na mesinha de cabeceira. Tomoyo que já estava acordada o desliga e olha para cama ao lado onde sua amiga preguiçosa continua a dormir como se nada tivesse acontecido. A menina pensa em como alguém consegue dormir tão pesado daquela maneira.

Tomoyo (para si mesma):  'O mundo podia desmoronar e a Sakura não acordaria.'

Kero (que tinha acabado de acordar): 'É isso que eu sofro por mais de 10 anos.'

Tomoyo: 'Bom dia Kero.'

Kero (ainda se espreguiçando): 'Bom dia Tomoyo. Hoje é a sua vez de acordá-la.'

            Tomoyo sorriu desanimada para o amiguinho  e foi até a cama da amiga.

Tomoyo: 'Sakura, acorda Sakura.'

Kero: 'Assim não irá acordá-la. Tem que ser assim: SAKURA!!!!'

            Sakura abre os olhos devagar e observa os amigos.

Sakura (com um sorriso): 'Bom dia Tomoyo. Bom dia Kero.'

Tomoyo: 'Já está atrasada para sua aula de anatomia.'

Kero: 'Isto mesmo, olha a hora.'

            Sakura olha devagar para o despertador e constata o inevitável.

Sakura (pulando da cama): 'Ai, ai, ai eu to atrasada.'

            Tomoyo observa a amiga correr para o banheiro para se arrumar, daqui a poucos minutos lá vinha ela tentando se pentear enquanto arrumava o material para a aula.

Sakura: 'Aquele professor já não vai com a minha cara.'

Kero: 'Claro, você sempre chega atrasada a aula dele.'

Sakura (fuzilando Kero com o olhar): 'Não é minha culpa. Você é que não me acordou.'

Kero (indignado): 'Mas eu te acordei, você é que é lerda mesmo.'

Sakura: 'KERO!'

Tomoyo: 'Isso não é hora de discussão. É melhor se apressar Sakura, ainda dá tempo.'

Sakura (olhando para amiga): 'E você, não tem aula agora?'

Tomoyo: 'Só daqui a meia hora.'

Sakura: 'Ah, é verdade aula de historia da arte.'

Tomoyo: 'Isso mesmo.'

Sakura (engolindo o pedaço de pão): 'Bem eu já estou indo. Tchauzinho.'

            Tomoyo e Kero acompanharam a menina correr até a porta e a fechar, depois ouviram Sakura correndo pelo corredor.

Kero: 'Às vezes tenho que dar razão ao Touya, ela até parece uma monstrenga.'

            Tomoyo sorriu com o comentário.

            Sakura corria como uma desesperada pelos corredores da enorme faculdade de Tomoeda, estava no quarto período da faculdade de educação física e dividia com Tomoyo um dos quartos do alojamento feminino da irmandade Kαβ, às vezes Kero passava uma temporada com ela, mas ele morava agora com Touya e Yukito. Sakura não tinha mais contato com Li, aos poucos a comunicação entre os dois começou a diminuir. Amor à distância só existe no cinema. Agora ela estava namorando Makoto, um belíssimo rapaz que cursa medicina e que estava na mesma sala de anatomia que ela.

            Sakura parou em frente à porta da sala de aula, olhou para dentro e seu coração se encheu de alegria em não ver o professor, entrou mais calma e tentando recuperar o fôlego da corrida.

Voz: 'Sente aqui Sakura.'

Sakura (virando-se para o rapaz que a chamava): 'Bom dia Makoto.'

Makoto (dando um estalinho): 'Bom dia. Está cada dia mais linda, meu bem.'

Voz: 'Como você é galanteador, Makoto. Chegou até me embrulhar o estômago.'

Makoto (para a jovem): 'Está com ciúmes, Kimura?'

Kimura (sorrindo debochando): 'Claro que não, só que este comentário foi um pouquinho assim brega.'

Sakura: 'Deixa ele Kimura.  Makoto é assim mesmo.'

Kimura: 'SOS Sakura, tudo para salvar seu namorado.'

            A jovem sorriu.

Sakura (sorrindo): 'Bom dia Kimura.'

Kimura: 'Bom dia.'

            Sakura se acomodou ao lado do namorado e amiga e ficou conversando com eles até o professor entrar em sala e começar mais uma das suas intermináveis aulas. A aula estava cada vez mais chata, Sakura mal conseguia ficar com os olhos abertos.

Makoto (sussurrando): 'Acho que as únicas pessoas que estão entendendo esta aula são aqueles cdf lá da frente.'

            Sakura concordou com a cabeça.

Kimura (a meia voz): 'Você ouviram o que aconteceu no alojamento da ΔPα?'

Os dois: 'Não o que aconteceu?'

Kimura: 'Me disseram que encontraram o corpo de um dos estudantes completamente mutilado.'

Sakura: 'Mutilado?'

Kimura: 'Isso mesmo. Andam dizendo que este não é o primeiro corpo que encontraram desta maneira, a reitoria tem feito de tudo para abafar os casos.'

Makoto: 'Que sinistro.'

Kimura: 'Parece que temos um assassino solto pelo campus.'

Sakura: 'Eu não gosto disso, me dá arrepios só de ouvir.'

Makoto (abraçando a namorada): 'Isso é muito sério, não é pouca coisa mutilar um corpo.'

Sakura: 'Deve ser um louco'

Kimura: 'Pessoas assim deviam ser colocadas em celas.'

Makoto: 'Nessas horas é que eu defendo a pena de morte.'

Professor: 'Será que os três aí atrás poderiam me disser o nome deste ligamento que estou mostrando para a turma?'

            Os três permaneceram em silêncio constrangidos.

Professor: 'Era o que eu imaginei. Deveriam prestar mais atenção na minha aula ou acabaram não passando nesta disciplina.'

Makoto: 'Desculpe professor.'

Professor (sorrindo maliciosamente): 'Não tenho nada a lhe desculpar senhor Makoto, deve pedir desculpas ao senhor mesmo quando tiver que fazer a minha disciplina novamente.'

            A turma riu do comentário do professor e o rapaz ficou completamente sem graça. Sakura realmente detestava daquele professor.

Sakura: 'Eu o detesto, ele é simplesmente...'

Makoto: 'Um imbecil.'

Sakura: 'Isso.'

Tomoyo (depois de parar de rir da história que os três colegas contaram): 'Assim não conseguiram passar nunca em anatomia.'

Kimura: 'Ele detesta a gente.'

Makoto: 'Isso porque demos uma surra no time do Yanagisawa.'

Tomoyo: 'O filho dele?'

Kimura: 'Isso mesmo. O KΩε nunca será páreo para nós.'

Tomoyo: 'Pelo menos nos esportes.'

Sakura: 'Isso mesmo.'

Tomoyo: 'Porque em notas eles são os melhores da faculdade inteira não importando em qual carreira.'

Makoto: 'Grande coisa, eles só sabem ficar estudando como uns nerdes.'

Kimura: 'Eles são nerdes.'

Sakura: 'Acho que vou ter que estudar mais anatomia senão não passo mesmo.'

Kimura: 'Falta muito para as provas, não precisa se desesperar.'

Sakura: 'Não sei não, depois de hoje ele nunca mais vai largar do nosso pé.'

Tomoyo: 'Isso é verdade. Mas tente não pesar nisso agora. Daqui a pouco temos aula e você ainda nem tocou na sua comida. Além disso, você tem que levar uma coisa pra o nosso dormitório.'

Sakura: 'O que?'

Tomoyo: 'Oras o que? Sakura acorda.'

Sakura (percebendo que a amiga se referia à comida de Kero): 'Ah claro, como poderia ter me esquecido.'

Tomoyo (sorrindo): 'Você nunca foi boa em lembrar das coisas.'

            Sakura sorri sem graça.

Kimura: 'Tem aula ainda hoje Tomoyo?'

Tomoyo: 'Não, eu só tenho ensaio para do coral.'

Makoto: 'Quando será sua apresentação?'

Tomoyo: 'Daqui a dois meses. Mas...'

Kimura: 'Mas o que?'

Tomoyo (baixinho): 'Encontrei com a Rika hoje e ela me disse que o reitor está pensando em cancelar todas as atividades do campus. Tá havendo um boato que estão acontecendo coisas estranhas aqui no campus.'

Kimura (quase gritando): 'Eu não disse a vocês.'

Makoto: 'Tá falando dos assassinatos?'

Tomoyo: 'Não assassinatos. Mas é verdade que encontraram um corpo na ΔPα.'

Kimura: 'Isso ta até parecendo filme de terror de segunda.'

Tomoyo: 'Acho melhor ficarmos atentos.'

Makoto (com voz assustadora): 'Será que é um fantasma que está atacando os estudantes.'

Sakura (se tremendo): 'Fan... fan... fantasma...'

Kimura: 'Não seja ridículo Makoto, deve ser um maluco psicopata.'

Makoto: 'É talvez seja um dos nerdes do KΩε que enlouqueceu de tanto que estudou. Mas não se preocupe meu amor, eu lhe defenderei do nerde maluco.'

            Os quatro riram do comentário malicioso do colega.

Sakura (se levantando): 'Tenho que ira agora. Vem comigo Tomoyo?'

Tomoyo: 'Claro. Até Makoto, Kimura.'

Makoto (enlaçando a cintura de Sakura): 'Espero você depois da aula para namorarmos um pouquinho, está bem?'

Sakura (sorrindo sem graça): 'Claro.'

            À noite Sakura e Tomoyo contaram a Kero o que estava acontecendo no campus.

Kero: 'Muito estranho...'

Sakura: 'O que é muito estranho, Kero?'

Kero: 'É que ontem de madrugada eu acordei com uma presença muito maligna.'

Sakura: 'Eu não senti nada.'

Kero (bravo): 'Claro, você dorme como uma pedra, sonhando com aquele seu namorado troglodita. O teto podia cair que você não estava nem aí.'

Sakura: 'E você fica no vídeo game e não quer saber de mais nada.'

Kero: 'Mas nunca me distraí no meu trabalho.'

Sakura: 'O que você quis disser com isso?'

Tomoyo (interferindo): 'Vocês não vão começar a brigar novamente não é?'

Sakura: 'Tomoyo está certa não vale a pena discutir com você.'

Kero: 'Concordo.'

            Os dois viraram a cara um para o outro.

Tomoyo: 'É verdade que sentiu uma presença maligna de madrugada, Kero?'

Kero: 'Sim, eu não pude identificar o que era mas...'

Sakura: 'Mas o que Kero?'

Kero: 'Talvez esta presença seja a responsável por estes acontecimentos.'

Tomoyo: 'Precisamos investigar.'

Kero: 'Isto mesmo, está na hora de voltar a usar seus poderes Sakura.'

Sakura: 'O que?!'

Kero: 'Você é a única feiticeira da faculdade, é você que deve investigar esta presença.'

Sakura: 'Vocês estão malucos, isso é coisa para a policia resolver, não devemos nos meter.'

Tomoyo: 'Mas a policia não possui poderes mágicos.'

            Sakura olha ainda meio abobalhada para os dois amigos.

Tomoyo: 'Que bom, vou poder voltar a fazer roupas de batalha para você.'

            Sakura e Kero caem no chão.

Sakura (sem graça): 'To...tomoyo...'

Tomoyo (com os olhos brilhando): 'E poderei filmar tudinho.'

Kero (tentando conter o entusiasmo de Tomoyo): 'Bem, primeiro Sakura deve ir a cena do crime e investigar.'

Sakura (apavorada): 'Você quer que eu entre na irmandade? Eles nunca permitiram isso.'

Kero: 'Por isso você deve invadir.'

Sakura: 'Invadir?! Enlouqueceu Kero.'

Kero: 'Só vejo esta solução.'

            Sakura olhou para Tomoyo a fim que a amiga a ajudasse a convencer Kero que aquela idéia era louca, mas a moça estava tão entusiasmada em prepara sua filmadora que nem prestou atenção no desespero de Sakura.

Kero (voando até a menina): 'Precisa proteger estes estudantes, Sakura. Você é a única que pode fazer isso, a única...'

Sakura (completando desanimada): 'Que tem poderes para isso. Já me convenceu Kero. Esta madrugada eu vou invadir a casa da ΔPα.'

Tomoyo: 'Isso! Está na hora da CardMaster entrar em ação.'

Sakura (sem graça): 'Tomoyo por favor...'

            Eram três da manhã, Sakura usando a carta flutuação desceu pela janela até parar no jardim da sua irmandade. Correu pelas sombras até se aproximar da casa da ΔPα. "Só Kero mesmo para me convencer a andar sozinha pelo campus de madrugada com um maluco solto."

            Parou encostada a parede do prédio que abrigava a irmandade. Não viu janela alguma aberta. Usou a carta Através para passar pelas paredes e entrar no enorme salão. Não havia ninguém, em silêncio subiu as escadas procurando o quarto onde estaria com faixas interditando-o, aquela seria a cena do crime. (Cara, isso soou como Sherlock Homes)

            Quase foi descoberta por um casal de namorados que desrespeitou as regras e namoravam numa das salas de estudo do prédio. Encontrou o que procurava, um dos quartos estava com o disser de interditado. Abriu a porta com cuidado, estranhou que ela estivesse aberta, entrou devagar olhando para os lados, estava tudo escuro pensou em usar a carta Luz, mas precisava primeiro fechar a porta para não perceberem. Foi quando sentiu ser pega por trás, ela tentou gritar, mas tamparam-lhe a boca impedindo.

Voz (sussurrando): 'Não grite.'

            Sakura vez que sim com a cabeça. Aos poucos a mão destampou a boca de Sakura, mas não a soltou.

Voz: 'O que está fazendo aqui?'

Sakura (nervosa): 'Só fiquei curiosa sobre a história que andam contando no campus.'

Voz: 'Menina tola.'

Sakura: 'Tola é sua vovózinha. Quem você pensa que é?'

            A pessoa solta Sakura que devido à imensa escuridão não conseguia enxergar nada, adoraria usar a carta luz para ver o idiota que lhe deu o susto. Ela apenas se afasta esbarrando num móvel qualquer do quarto.

Sakura: 'Espera aí, o que você ta fazendo aqui?'

Voz: 'Não lhe interessa o que estou fazendo, é melhor cair fora daqui.'

            Sakura ficou mais irritado com a arrogância dele. De repente ela sentiu uma forte presença maligna, só poderia ser daquela pessoa que estava no quarto com ela na escuridão (Ooooh!), Sakura não pensou duas vezes, pegou a carta Luz.

Sakura: 'Luz!!!'

Voz: 'Deus do fogo, vinde a mim!'

            O quarto ficou iluminado, mostrando assim Sakura e um jovem alto de cabelos castanhos segurando uma carta em chamas mágicas. Os dois se encararam por algum tempo não acreditando no que viam um à frente do outro. Nenhum tinha coragem de falar alguma coisa. Este momento poderia ter durado horas se não ouvissem passos e vozes de alguns estudantes  vindo pelo corredor.

Voz: 'Eu ouviu vozes vindo do quarto do Midori.'

Voz: 'É melhor chamarmos a policia.'

Voz: 'Não vamos pegar o desgraçado e acabar com ele nós mesmos.'

Voz: 'Tá maluco, o cara é um assassino.'

            Sakura olhou para a porta, daqui a alguns segundos seria encontrada com o báculo na mão na cena de um crime.

Voz: 'Estou vendo luz no quarto.'

Syaoran (correndo até a janela e a abrindo): 'Conjuração das flores do vento. Vamos sair daqui logo.'

            Sakura não pensou correu até a janela e pulou na nuvem de vento formada por Li para que flutuassem no ar. Pousaram no chão e se encolheram na sombra de um muro que estava perto. Viram os estudantes olharem pela janela do quarto para fora a fim de procurar alguém correndo pelo jardim da irmandade. Os dois permaneceram em silêncio, ouvindo apenas a respiração um do outro ofegante. Quando o perigo já havia passado.

Syaoran e Sakura (ao mesmo tempo): 'O que está fazendo aqui?...Estudando, oras.'

Sakura (depois de um tempo): 'Quando voltou da China?'

Syaoran: 'Há um mês.'

Sakura: 'Você estuda aqui?'

Syaoran: 'Sim.'

Sakura: 'Mas, você não me falou nada.'

Syaoran: 'Perdemos o contato há mais de cinco anos Sakura.'

Sakura: 'Eu sei, mas podia ter me avisado.'

Syaoran: 'E como você queria que eu fizesse isso?'

Sakura: 'Sei lá.'

            Syaoran desmaterializou a espada e deu um longo suspiro. Sakura também transformou o báculo em chave novamente.

Syaoran: 'Está em que irmandade?'

Sakura: 'Kαβ.'

Syaoran (caminhado): 'Vamos, eu levo você até lá.'

            Sakura correu até ele e começou a caminhar ao seu lado, não acreditando que seu amigo e namoradinho de infância estava ao seu lado.

Syaoran: 'Não entendo porque está morando aqui, sua casa era tão perto.'

Sakura: 'Sim é verdade, mas depois que papai morreu...'

Syaoran: 'Sinto muito.'

Sakura: 'Tudo bem, eu estou bem agora, sei que ele está junto com a mamãe e deve estar muito feliz.'

            Li olhou para ela e viu que seus olhos encheram de lágrimas.

Sakura: 'Bem, depois que papai morreu, eu fiquei meio que sozinha. Touya já estava morando com Yukito e eu não queria atrapalhar a vida deles, mesmo os dois insistindo muito para que eu ficasse morando com eles. Preferi vir para cá e morar num dos quartos do alojamento. Assim não dou trabalho para ninguém.'

Syaoran: 'Deve ter sentido muito  a mudança.'

Sakura: 'Nem tanto, Tomoyo e Kero vieram comigo.'

Syaoran: 'Aquela bola de pelo está aqui com você?'

            Sakura fez sinal de positivo com a cabeça.

Sakura: 'Ele não fica sempre. Mas e você?'

Syaoran: 'Depois que eu terminei meu treinamento, eu tinha que me preparar para assumir os negócios da família por isso vim para cá estudar administração.'

Sakura: 'É verdade aqui é uma das melhores faculdades de administração do mundo, mas foi só por isso?'

Syaoran (depois de um tempo): 'Não exatamente.'

Sakura: 'Como assim? Não vai me disser que veio por causa da nossa promessa?'

Syaoran (sorrindo): 'Não só por isso.'

Sakura (sem jeito): 'Mas por isso também?'

Syaoran: 'Fique calma não vim lhe cobrar nada. Éramos crianças quando fizemos aquela promessa. Não tinha sentido continuar com ela depois de tanto tempo.'

Sakura (aliviada): 'Graças a Deus. Ficaria muito sem graça se viesse cobrar.'

Syaoran: 'Não se preocupe com relação a isso.'

Sakura (encarando-o): 'Então por que voltou?'

Syaoran: 'Isso eu não posso falar.'

Sakura: 'Como assim não pode falar? O que está me escondendo?'

Syaoran: 'Nada de importante. Coisas particulares.'

Sakura (sem graça): 'Claro. Tudo bem se não quiser contar.'

Syaoran: 'Obrigado.'

Sakura: 'E em que irmandade está?'

Syaoran: 'Na KΩε.'

            Sakura sorriu lembrando do comentário de Makoto sobre os estudantes desta irmandade. Li não entendeu muito o porque daquele sorriso maldoso.

Syaoran: 'Porque está rindo?'

Sakura: 'Nada não.'

Syaoran: 'Já sei, é sobre a fama que os estudantes de lá tem.'

Sakura: 'Me desculpe.'

Syaoran: 'Tudo bem. Não ligo para isso.'

            Os dois ficaram um tempo caminhando em silêncio. Até chegarem ao prédio da irmandade Kαβ.

Sakura: 'Chegamos. Kero e Tomoyo devem estar me esperando aflitíssimos.'

Syaoran: 'Bem, eu vou indo.'

Sakura: 'Syaoran!'

Syaoran (voltando-se para ela): 'Hã?'

Sakura: 'Eu queria que soubesse por mim que eu estou namorando um rapaz.'

Syaoran: 'Tudo bem.'

Sakura: 'Eu queria ter lhe falado antes, mas...'

Syaoran: 'A culpa foi minha, meu treinamento não permitia que eu me comunicasse com outras pessoas. Imaginei que não poderia ter me esperado por tanto tempo.'

Sakura: 'Mas você cumpriu sua parte voltando para o Japão, eu é que não consegui cumprir. Não acreditei que voltaria...'

Syaoran: 'É verdade que eu voltei, mas isso não significa que eu voltei por você.'

Sakura: 'É.'

Syaoran: 'Bem...'

Sakura (interrompendo-o): 'Mas podemos ser amigos não é?'

Syaoran (sorrindo): 'Claro.'

Sakura (estendendo a mão): 'Amigos novamente.'

Syaoran (apertando a mão da jovem): 'Amigos.'

            Os dois ficaram um tempo se olhando com as mãos dadas. No fundo um estava reparando no outro, em como tinham mudado depois de mais de 6 anos de separação. Sakura admirava Li, como ele havia se tornado um rapaz lindo, com o corpo muito bem definido pelos anos de treinamento duro. Apenas o olhar penetrante e a cabeleira rebelde permaneciam nele. As feições do rosto se tornaram muito mais duras e masculinas, mostrando a marca da barba deixada por fazer.

            Li por sua vez admirava a bela moça que Sakura havia se tornado, não que Sakura algum dia fosse feia muito pelo contrário, mas agora o corpo que antes era reto ganhou inúmeras curvas acentuadas pela roupa colada negra que a jovem usava para invadir a irmandade. O rosto delicado apenas ganhou mais vida com a leve maquiagem e os cabelos continuavam curtos apenas um pouco despenteados devido à agitação dos últimos acontecimentos.

Syaoran (soltando a mão de Sakura): 'Bem acho que já vou. Hiroshi pode sentir minha falta no quarto.'

Sakura: 'É seu companheiro de quarto?'

            Li confirmou com a cabeça.

Syaoran: 'A gente se vê por aí.'

Sakura: 'Qualquer coisa, já sabe onde me procurar.'

Syaoran: 'Você também. Boa noite.'

Sakura: 'Boa noite.'

            Usando a carta flutuação, Sakura entrou no quarto pela janela. Li correu até o seu dormitório.

            Sakura entrou pela janela e encontrou Kero e Tomoyo a esperando.

Kero: 'E aí encontrou alguma coisa?'

            Sakura não ouviu o que o amiguinho perguntou, assim que entrou pela janela virou para trás e apenas viu o vulto de Li sumir na escuridão.

Kero: 'Você ta me ouvindo Sakura?'

Tomoyo (estranhando aquela distração da amiga): 'Tá tudo bem com você?'

Sakura (virando-se finalmente para eles): 'Tá tudo bem.'

Kero (irritadíssimo): 'E aí? Achou ou não achou alguma coisa?'

Sakura (batendo com a mão na testa): 'IH acabei esquecendo de procurar.'

Kero (não acreditando): 'Como é que é? Você foi até lá e se esqueceu de procurar algo suspeito?'

Sakura (tentando se explicar): 'Sabem quem eu encontrei no quarto do menino que morreu?'

Tomoyo e Kero: 'Quem?!'

Sakura (sorrindo): 'O Syaoran.'

Tomoyo: 'O Li?'

Kero: 'O Moleque?'

Sakura: 'Ele mesmo. Ele ta tão diferente. Eu só o reconheci por causa da magia que ele usou.'

Tomoyo: 'Ele usou magia em você?'

Sakura: 'Não em mim.'

Kero: 'Já sei, ele é o assassino!'

Sakura: 'Não fala besteira Kero.'

Kero: 'Você é que sempre o protege. Aposto como aquele treinamento deixou ele maluco, como se precisasse de alguma coisa para ele ter se tornado maluco.'

Sakura: 'Não viaja Kero.'

Tomoyo: 'Kero, você é que enlouqueceu agora com uma teoria tão sem pé nem cabeça. Li nunca faria isso se esqueceu que ele ajudou a Sakura a capturar muitas cartas Clow.'

Kero: 'Mas na verdade ele ta afim era de ficar com as cartas Clow.'

Sakura: 'Mas depois do julgamento ele ficou no Japão para me ajudar a transformar as cartas Clow em cartas Sakura. Ele não tinha nenhum interesse mais nas cartas.'

Kero: 'Mas nessa ocasião ele tava afim era de ficar com você.'

Sakura (envergonhada): 'Kero!'

Kero: 'Viu como eu tenho razão, este moleque age sempre com algum propósito.'

Tomoyo: 'Mas a Sakura nunca se importou com isso.'

Kero: 'É porque ela também não bate bem na cabeça, como alguém em sã consciência iria gostar que um moleque mal educado como o Li.'

Sakura (irritadíssima): 'Não fala isso, se Makoto um dia souber disso vai ficar maluco.'

Kero: 'Não, outro maluco é demais para mim.'

Tomoyo (com estrelinhas nos olhos): 'Isso até parece novela, o antigo amor retorna para enfrentar o novo amor. Qual será o mais forte?'

Sakura: ' Nem vem que não tem. Conversei com ele e contei tudo.'

Tomoyo: 'Contou que não o esperou como havia prometido?'

Sakura (um pouco triste): 'Contei. E ele me disse que não ficou chateado.'

Tomoyo: 'Como assim não ficou? Ele voltou para que então?'

Sakura: 'Ele não disse. Mas deixou claro que não foi só por mim.'

Tomoyo: 'Mas foi por você também.'

Sakura (com um leve sorriso): 'Vendo por esse lado.'

Tomoyo: 'É claro que voltou por você. Li sempre foi muito orgulhoso. Não queria levar um fora seu.'

Kero (se intrometendo): 'Isso é verdade. Aquele moleque era muito orgulhoso.'

Sakura: 'Espero que ele tenha me esquecido, agora estou com Makoto e gosto muito dele.'

Tomoyo: 'Será?'

Sakura (confusa): 'Será o que?'

Tomoyo: 'Que você realmente ama o Makoto?'

Sakura: 'Claro. Ele é um rapaz bonito, inteligente, bonzinho...'

Tomoyo: 'E parecido com o seu pai. Assim como o Yukito.'

Sakura: 'O que você quer disser com isso, Tomoyo?'

Tomoyo (sorrindo maliciosamente): 'Nada não. Acho que vou dormir, tenho aula daqui a poucas horas.'

Kero: 'É verdade. Você também Sakura.'

Sakura: 'Vou tomar um banho, depois irei dormir.'

Kero (voando até sua gaveta): 'Boa noite.'

            Sakura soltou um longo suspiro e foi até o banheiro tomar um banho e trocar de roupa para ir dormir.

Tomoyo (para a amiga que se deitava): 'E o que você sentiu quando viu o Li?'

Sakura: 'Ainda acordada, Tomoyo?'

Tomoyo (insistindo): 'O que você sentiu quando o viu?'

Sakura: 'Como assim?'

Tomoyo: 'Oras Sakura, sentiu alguma coisa?'

Sakura (depois de um longo suspiro): 'Eu não sei direito o que eu senti, é algo diferente. Syaoran foi uma pessoa muito importante para mim, quando estava capturando as cartas e me ajudou muito num dos momentos mais difíceis, mas agora... eu não sei...'

Tomoyo: 'E ele, o que ele falou?'

Sakura: 'Acho que ele pensa o mesmo que eu, é obvio que naquela época não sabíamos direito o que estávamos sentindo um pelo outro, éramos crianças demais para saber o que era.'

Tomoyo: 'Mas agora não são mais.'

Sakura: 'Eu sei, por isso achamos melhor ficarmos apenas como amigos.'

Tomoyo: 'Mas é só amizade que você sentiu por ele quando o viu?'

            Sakura abriu um enorme sorriso e ficou vermelha.

Sakura: 'Na verdade...bem...na verdade...'

Tomoyo (morrendo de curiosidade): 'Na verdade... o que?'

Sakura: 'Ai, ai, ai... ele ta tão bonito.'

            Tomoyo riu da amiga que estava completamente envergonhada, em muito se lembrava a época em que ela era apaixonada por Yukito.

            Na manhã seguinte, como era de se imaginar Sakura saiu de seu quarto no dormitório e correu até a quadra de esportes onde teria um jogo de vôlei com o pessoal do período acima, onde iriam treinar o que aprenderam sobre as regras desta modalidade de jogo.  Todos da turma já estavam prontos esperando a professora.

Sakura: 'Ainda bem que desta vez quem se atrasou foi a professora.'

Kimura: 'É verdade. Já até acostumei a montar um relatório para você do começo das aulas.'

Sakura: 'Foi mal. O Makoto veio assistir a gente jogar?'

Kimura: 'Makoto, olha só quem chegou antes do jogo começar!''

Makoto: '...'

Kimura: 'Terra para Makoto. Terra para Makoto.'

Makoto (sem graça): 'Desculpe.  Oi meu amor. (disse dando um estalinho em Sakura).'

Sakura (sorrindo): 'O que lhe deixou tão distraído que nem viu que eu cheguei?'

Makoto (voltando a olhar para a quadra ao lado): 'É que... bem, o pessoal do KΩε estão jogando na outra quadra.'

Kimura: 'E daí? O que a gente pode aprender com aqueles nerdes?'

Makoto: 'Eles estão jogando futebol.'

Kimura (ainda sem entender): 'E DAÍ?'

Makoto (olhando para a amiga): 'Daí que aquele cara ali joga pra caramba, ainda não percebeu que tá todo mundo olhando para ele.'

Kimura: 'Só os amiguinhos nerdes dele.'

            Sakura e Kimura repararam no que Makoto apontava e viram que realmente todos os alunos estavam prestando atenção no jogo entre veteranos e calouros do KΩε.

            Sakura sentiu as faces novamente esquentaram vendo Li jogar sem camisa, com certeza não era só ela que reparava no belo físico do rapaz Kimura então, só faltou ir atrás dele.

            À tarde, Sakura, Makoto e Kimura se encontraram com Tomoyo e Takeshi, um dos colegas de aula de Tomoyo que também fazia parte da irmandade Kαβ, Naoko, que estava cursado jornalismo e Yamasaki, que cursava história, no pátio principal da faculdade para conversarem no intervalo das aulas.

Takeshi (depois de ouvir de Makoto sobre o jogo do KΩε): 'Quer disser que eles finalmente conseguiram um atacante razoável.'

Makoto: 'Você precisa ver o cara jogando, é melhor a gente começar a levantar a galera para treinar senão a gente é que vai levar um banho dos nerdes.'

Yamasaki: 'Ele também representa perigo para a minha irmandade.'

Makoto: 'Para todas. Esse cara joga muito.'

Naoko: 'Acho que vou entrevistá-lo para o jornal do campus.'

Kimura: 'Isso mesmo, e coloca umas fotos dele também.'

Naoko (sorrindo): 'Porque? Ele é bonitinho?'

Kimura: 'Ele é um Deus Grego!'

Makoto: 'Ué já se esqueceu que ele é um nerde Kimura?'

Kimura: 'Ele pode até ser um nerde, mas é liiiiiiindo.'

Tomoyo: 'Mas vocês sabem quem é o rapaz?'

Sakura (baixinho para que os outros não ouvissem): 'É o Syaoran.'

Tomoyo: 'O Li!'

            Todos olharam para as duas rapidamente.

Yamasaki: 'Vocês estão falando de Syaoran Li?'

Takeshi: 'Vocês o conhecem?'

Tomoyo: 'Claro, eu, a Sakura, o Yamasaki e a Naoko fomos colegas dele no primário...'

Kimura: 'O que? Vocês conhecem aquele deus grego?'

Naoko: 'Ele ficou tão lindo assim?'

Kimura: 'Um gato.'

Takeshi: 'Aposto como ele é como qualquer um da KΩε.'

Tomoyo (sorrindo): 'Se vocês conhecerem Li, vão ver que ele pode até ser muito bom nas notas, mas está longe de ser um nerde.'

Makoto: 'O que você quer disser com isso?'

Tomoyo (espantada): 'Sakura não contou? Ele era tão bom quanto a Sakura na educação física no colégio, alem de que pertence a uma família de varias gerações de guerreiros chineses, não é Sakura?'

Yamasaki: 'Estamos ferrados. Li era o melhor.'

Sakura (mais sem graça ainda): 'É verdade. O Syaoran era muito bom nos esportes e lutava muito bem.'

Makoto: 'Syaoran...não sabia que vocês se tratam com tanta intimidade.'

Naoko: 'Kinomoto e Li foram namoradinhos...'

Sakura (vermelhona): 'Não!'

Kimura (zombando): 'Namoradinhos é? Sempre foi tão tímida Kinomoto.'

Sakura: 'Bem isso já foi há muito tempo...'

Takeshi: 'Esse cara deve ser um vassorinha...'

Kimura: 'Também lindo como ele é, as meninas só falavam nele depois do jogo de vôlei. E você quietinha, né Kinomoto!'

Sakura (ainda vermelha): 'Bem...é que a gente perdeu o contato há muito tempo...'

Takeshi: 'Bem agora a gente já sabe quem é o inimigo, precisamos alertar o pessoal e treinar, eu não vou querer perder um jogo de futebol para os nerdes da KΩε.'

Makoto: 'Nem eu.'

Tomoyo: 'Homens, só pensam em cerveja e futebol.'

Takeshi (sorrindo para Tomoyo): 'Se esqueceu do principal minha querida Daidouji: Mulheres! Homens só pensam em cerveja, futebol e mulheres.'

            Yamasaki riu com gosto. As meninas também, o único que permanecia sério era Makoto.

            Todos foram para suas aulas, deixando apenas Sakura e Makoto sozinhos.

Makoto: 'Porque não me contou antes?'

Sakura: 'Achei que não tinha importância.'

Makoto: 'Acha mesmo que não tem importância o fato do cara que você disse  ter esperado por quase cinco anos ter voltado.'

Sakura: 'Eu não o esperei, não estou namorando você?'

Makoto: 'Isso depois de eu ter ficado quase um ano no seu pé. Com o apoio da Daidouji e do pessoal.'

Sakura: 'Makoto, estamos namorando e é isso que importa.'

Makoto: 'Quando você o encontrou?'

Sakura: 'Ontem.'

Makoto (enciumado): 'Ontem? Onde?'

Sakura (mentindo): 'Bem..hã...quando estava indo para a irmandade.'

Makoto: 'Mas eu falei com você antes de ir para o dormitório, porque não me contou?'

Sakura: 'Já lhe disse que eu não dei importância para isso.'

Makoto: 'Mas eu dou. Tenho medo de lhe perder Sakura. Eu te amo.'

Sakura: 'Pois não se preocupe com isso.'

            Makoto então beijou sua namorada docemente.

            Sakura andava devagar pelo campus. Não tinha vontade de assistir aula, seus pensamentos estavam em quem menos queria que estivessem: Li. Por mais que dissesse a si mesma que não importava ele voltar ou não isso não afetaria a sua vida, ela não conseguia acreditar. Makoto tinha razão, era claro que a volta de Li mexia com ela. Ela imaginou por quase cinco anos a volta dele. Em como ele voltaria, como estava...e estava lindo. Não que Makoto não fosse bonito, mas Syaoran tinha uma beleza diferente, aquele ar sério e ao mesmo tempo inquieto era surpreendentemente envolvente. Sakura resolveu andar mais rápido, precisava realmente ir para a aula. Até que para variar esbarrou em alguém.

Sakura (pegando os livros do chão): 'Desculpe.'

Syaoran: 'Pelo jeito continua a mesma desastrada de sempre.'

Sakura (encabulada): 'Mais ou menos.'

Syaoran: 'Eu queria falar com você e com o Kerberus.'

Sakura: 'Ele não pode sair voando por aí.'

Syaoran (levantando uma das sobrancelhas): 'Eu sei disso.'

Sakura: 'E como você vai falar com ele?'

Syaoran: 'No seu dormitório.'

Sakura (vermelha): 'Ah não sei não, o Makoto pode não gostar. Aí ele vai brigar comigo, aí eu...'

Syaoran: 'Quando decidir me procure meu quarto é o 405. OK? Tenho que ir estou atrasado para a minha aula.'

            Sakura tentou argumentar, mas Li já tinha se afastado. " Ai, ai, ai...O que eu faço agora?"

Continua.