Bem, este é o último capítulo da primeira fase de Caminhos Cruzados. Gostaria de agradecer a todos os que acompanharem a fic e em especial aqueles que após leitura de capítulos ou de toda a fic, me enviaram e-mails contendo incentivos e críticas. Muito obrigado a todos e espero que acompanhem a segunda fase de Caminhos Cruzados, que se iniciará no dia 30/10/2002.

Reitero os agradecimentos,

Beijos a todos.

Sarah

Capítulo XXXX- Finalmente, o fim???

Severo Snape saiu da Ala Hospitalar, pensando em como a sua vida mudara depois que conseguira, finalmente ter Hermione ao seu lado. Ela era tão maravilhosa.. Não se importava com seu passado e quase fora morta por causa disso. Obviamente a decisão de ir falsamente se aliar a Voldemort fora movida por causa dele.. E isso, Mione nunca havia escondido de ninguém. Lúcio lhe fará novamente sobre a marca Negra que não sumia de maneira nenhuma... O que era estranho, uma vez que Voldemort estava morto...

Hermione estava tão feliz que ele não conseguira lhe falar sobre suas desconfianças, mesmo porque não conseguia conceber como ele teria feito para se salvar.. Mas Voldemort era muito ardiloso...

Ele continuou caminhando e encontrou Richard e Lúcio (que carregava uma caixa) vindo em direção a Ala Hospitalar...

- Olá, Severo. Como vai a  Srta. Hermione? – perguntou Richard, sorridente, pois conseguira despistar Frank Longbotton que insistia para que ele trocasse duas palavras com Sybila..) .

- Bem, Richard. E vocês aonde vão com essa caixa?

- Nós vamos entregar um presente para ela, claro se você não se importar.E depois preciso falar com você. – disse Lúcio.

- Tudo bem, Lúcio. Você sabe onde me encontrar.

Os dois continuaram em direção a Ala Hospitalar, e quando estava na porta Snape chamou Richard, dizendo:

- E aí, Richard. Como vai a  Sybila?

Richard apenas rosnou em  resposta. Aquilo dele e a Sybila estava dando nos nervos.

Lúcio e Severo apenas riram.

Lúcio Malfoy entrou na Ala Hospitalar acompanhando por Richard Brown ainda rindo... Hermione que estava sentada na cama, relendo os cartões que havia recebido e acabou por reconhecer a risada e dentro em pouco viu os se aproximando...

Ela ficou surpresa, mesmo sabendo que Richard Brown realmente estava vivo... Este correu em direção a  cama e abraçou-se na moça dizendo:
- Srta. Granger, muito obrigado! Nos livrou daquele algoz. Muito obrigado mesmo!

- Que bom ver o senhor vivo, Sr. Brown... O senhor não sabe o que senti quando o Sr. Malfoy disse que havias morrido!  - comentou ela.

- Desculpe-me, Srta. Não poderia lhe contar. Estragaria o plano.- explicou Lúcio Malfoy.

- Eu sei, Sr. Malfoy, eu sei.

- A srta. sabe que o Richard está namorando a profª Sybila? – questionou Lúcio.

- Mesmo, sr. Brown?- perguntou Mione incrédula.

- Boatos deles, srta. Granger! – afirmou Richard bravio...

- Bem, viemos lhe entregar esse presente, afinal hoje a noite é o baile de formatura. Aqui está – disse Lúcio- alcançando a caixa para ela - aquele vestido, os sapatos, as jóias. Eu peguei antes de virmos para cá. Não pensamos que a srta. fosse ficar doente e talvez quisesse outras roupas. Mas, de qualquer modo, suas vestes estão aqui.

- Oh! Muito obrigado Sr. Malfoy e Sr. Brown...

- Agora vamos deixar a srta. descansar mais um pouco. Eu preciso falar com Severo e Richard vai procurar alguém por aí, heheheheheheheh. – completou Lúcio rindo, acompanhando por Hermione que pensava em como eles eram diferentes livres de seu algoz.

Os três se despediram e depois que eles foram embora, Hermione ficou se perguntando o que havia movido eles a trocarem de lado. Seria a certeza da derrota de Voldemort? Mas Voldemort estivera tão perto da morte tantas vezes que parecia incrível que algum dia fosse eliminado. Até Severo parecia mais tranqüilo, mas Hermione não se deixaria enganar tão facilmente. Ele estava preocupado, mas não lhe contara o porquê. Apenas questionara se Voldemort estaria mesmo morto. Tudo levava a crer que sim, mas então se assim fosse, porque ele estaria assim preocupado? Porque Lucio Malfoy ainda estava no castelo? Era verdade que a formatura seria naquela noite e Draco também se formaria, mas por algum motivo, ele temia voltar para casa.   Ela pensou nos Comensais que estavam em Askaban... Como era triste isso... Alvo estivera ali mais cedo, e lhe avisara que ela teria que depor nos julgamentos -Em todos-  Existiam alguns que com certeza pegariam prisão perpétua, mas outros teriam grandes chances de pegarem penas menores de acordo com o depoimento dela.

Lúcio Malfoy estava cada vez mais preocupado. Saiu em direção a masmorra de Snape. Na realidade, Snape era seu melhor amigo, sempre fora e sempre haveria de ser. Sempre souberam disso, mesmo quando um estava de um lado e outro permanecera nas Trevas.

Snape tinha uma expressão séria no rosto e segurava uma carta.

- O que aconteceu Severo? – perguntou Malfoy sentando-se.

- Olhe isso, depois de tantos anos. Estou chamando os outros. – disse ele, despachando a coruja pela última vez e alcançando a carta para Lúcio.

- Isso é sério? Não acredito. Onde eles estão com a cabeça?

- Boa pergunta, mas o pior é que teremos que recusar.

- De forma alguma, Severo...

- Lúcio, olhe o ridículo da situação.. Fazem quase 20 anos!!!!! E o que você quer me dizer antes que cheguem os outros??- continuou ele, mudando o tom de voz.

- Draco não olha mais na minha cara. Considera-me um traidor e falou em recomeçar as trevas! – disse Lúcio. – Quero que você me ajude, Severo, você é o padrinho dele..

- Acho que o melhor é dar tempo ao tempo... – disse Snape. – se você quiser eu falo com ele...

- Eu tenho medo, Severo. Se o Lord não tiver morrido.. Draco vai procura-lo e.....

A porta da Masmorra de Snape se abriu e entraram Richard e Frank Longbotton.

- Ora, Severo Snape! A que se deve esse chamado especial?

- Sentem e aguardem os outros... – disse Snape friamente.

- Imagina se o oxigenado já não estava aqui fofocando. Decerto falando sobre Richard.  – disse Frank. – E continuando o tema sabiam que ele convidou a Sybilinha – fez voz de falcete-  para o Baile hoje a noite????

- Mesmo, Richard??? – quis saber Snape rindo.

- È verdade sim, senhor Ditador. A escola toda está fofocando.. – disse Sirius Black que vinha chegando com Remo Lupin...

- È mas o Remo anda se engraçando para a Madame Hoock que eu sei.. – disse Lúcio

- Hehehe, que engraçadinho, seu falso! – retrucou Remo, vermelho.

- Pois é, Lúcio, mas cadê a Narcisa? – perguntou Frank.

- E Lúcio,  responda com detalhes para o Frank noticiar no informativo das casas! – falou Sirius, arrancando gargalhadas dos outros quatro. Frank limitou-se a ficar sério.

- Eu só era repórter do jornalzinho. Isso não quer dizer que eu ficasse espalhando coisas sobre os outros. – disse ele sério.

- Santo Frank! Você e o outro ali - disse Remo, apontando para Richard-  ficavam se esgueirando pelos baixios da escola atrás de casais inusitado e de fofocas..

- Ah! Isso é inveja sua. Só porque a minha coluna era a mais lida e comentada. – disse Frank...

- Sobre a Narcisa... – disse Lúcio, tentando se sobre por a discussão. – Ela saiu de casa quando o Lord se mudou para lá, mas enviou uma coruja hoje, pedindo se eu continuava rico e se ela poderia voltar para casa... – ele parou e os outros olharam para ele. Sabiam que faltava o clímax - Afinal, não se pode ter tudo.. Livrar-me do Lord e da Narcisa de uma vez só era mais do que eu poderia querer. Ele e os outros começaram a rir, até que foram silenciados por Snape, com a carta na mão.

- Bom, chamei você aqui porque recebi essa carta..

- Ditador! Ditador! Ditador!! - o coro puxado por Sirius, ecoou pela masmorra, arrancando risadas de Snape..

- Obrigado! –  retrucou com um sorriso.

- O que tem nesta carta, Severo? – perguntou Remo.

- Vou ler.

"Prezado Snape, capitão do time de Quadribol Intercasas".

Segundo as últimas informações que obtive, seu time está quase completo. Por motivos de força maior, ressalto que aceitaremos que tenham UM  jogador não pertencente ao time original.

O time da casa Lufa-Lufa os duela para uma partida de quadribol, a se realizar em data a ser convencionada em concordância por ambas as equipes a título de revanche do jogo realizado na primavera de 1980.

Amos Dyggory

Capitão do time de Quadribol da casa Lufa-Lufa."

- Qual o problema, Severo? Vamos jogar. – disse Richard.

- Gênio, gênio.. Não entendo como pode ser um Corvinal, burro desse jeito. – disse Frank. – estamos só em seis.

- È isso Frank. Temos os dois batedores, você da Grifinória e o Richard da Corvinal. – disse Snape, enquanto Richard e Frank erguiam as mãos, em triunfo..

- Temos os três atacantes: Lúcio da Sonserina, Remo e o traste da Grifinória.

- E o ditador da Sonserina como goleiro, não é Severo?? – perguntou Sirius Black.

- O que nos falta é um apanhador! – continuou Snape, não aceitando a provocação.

- Acho que tenho a solução para isso, Severo. – disse Sirius Black..

- Lá vem bobagem.. você não quer que a sua moto jogue de apanhador, espero! -  disse Frank...

- Frank, me faz um favor.. CALA A BOCA! – disse Sirius.. – estava pensando no Harry...

- No Harry Potter?

- Claro, Severo.. Ele é o filho de Tiago e ótimo apanhador. Se eu falar com ele, acho que ele quebra esse galho para nós...- continuou Sirius.

- Por mim, perfeito.. Se ele aceitar ótimo! Senão acharemos outra pessoa... Vou escrever aceitando.. – continuou Snape.. – Só um detalhe... Remo venha cá escolher o dia, você tem que estar aqui...

Depois ficaram mais alguns instantes relembrando velhas histórias e rindo uns dos outros... Eram e sempre seriam amigos, mesmo que as vidas deles tivessem tomado rumos tão diferentes.

Severo Snape, Lúcio Malfoy e Richard Brown tinham sido Comensais da Morte; Frank Longbotton ficara no  Hospital Mágico por mais de 15 anos semi-morto; Sirius Black ficara preso treze anos em Askaban e mais três se escondendo;  Remo Lupin tentava conviver com seu eterno problema de ser Lobisomem e Tiago Potter, bem esse jamais estaria com eles novamente..

A data escolhida tinha sido dali a uma semana e Sirius se comprometera a falar com Harry durante o baile.

Hermione estava saindo da Ala Hospitalar pronta para o Baile, trajando o vestido cor vinho que Lúcio Malfoy e Richard Brown haviam lhe dado, bem como os sapatos e as jóias correspondentes.. Havia arrumado seus cabelos perfeitamente bem e estava radiante. Mesmo contra todas as suas expectativas estava ali na escola, indo para o Baile formatura... As coisas haviam terminado da melhor forma possível...

Na porta lhe esperando estava Severo Snape, trajando uma veste azul- escura.que ressaltava mais o negro dos olhos. 

Ela sorriu e o abraçou, e em seguida beijaram-se...

Ele disse,  bem baixinho no ouvido dela, enquanto lhe oferecia uma rosa vermelha...

- Eu te amo, Hermione!

- Eu também te amo, Severo... Muito!

Eles se deram as mãos e saíram caminhando em direção ao Salão Principal. Hermione ia sorridente. Estava radiante, pois depois de tantos atropelos esta ali, de volta... Os alunos que passavam pela dupla, praticamente não comentavam sobre o namoro dos dois.. A fofoca do momento era Richard Brown, que estava namorando a Professora Sybila.

O Salão estava repleto, mesmo que os pais dos alunos trouxas não pudessem estar presentes. As luzes iluminavam a entrada dos presentes... Cada formando tinha uma mesa para si, seu acompanhante e seus pais (quando estavam presentes). Severo Snape beijou a mão de Hermione e se dirigiu até a mesa principal, onde estava sendo aguardado...

Após a entrega dos diplomas, começou-se o banquete e depois o Baile iniciando com a Valsa de Formatura.

Hermione, conforme o combinado, dançava a valsa de formatura com Snape. Cada um dos seus amigos  também esta lá... Enquanto isso, Snape explicava para Mione a respeito do Time Intercasas de Quadribol. Segundo ele, o problema estava que nenhum aluno da Lufa-Lufa da época deles havia sido convidado. E eles sempre queriam revanches e mais revanche e perdiam sempre... Sirius havia falado com Harry Potter que havia aceitado ser o apanhador do time.

Todos os alunos estavam dançando com seus pares, menos Draco Malfoy.

Logo depois da formatura Draco desaparatou na Mansão Malfoy, a procura de alguma coisa que lhe sinalizasse que o Lord das trevas não estava morto. Draco considerara a troca de lado de seu pai uma covardia, pois uma vez que jurara honrar seu mestre teria que o fazer... Ele entrou Mansão adentro, que não tinha nenhuma voz, nenhum ruído..

Subiu até o escritório de Voldemort.. Procurou em cada canto, em cada poeira do chão... Até viu o Anel de Diamantes em cima da mesa.. e ficou segurando.. Finalmente tinha encontrado algo fora do lugar... e o que mais lhe chamar a atenção e que  a pedra ficara preta quando ele pegara a jóia.

Fim da 1ª fase.