Olá pessoal, muito obrigado pelas revisões, espero que gostem desse capítulo.

Não esqueçam de curtir a página no Facebook da História, o link direto pode ser encontrado na página do meu perfil na Fanfiction, ou se você preferirem pesquise, " Calborghete" na sessão de página do Facebook e localizar "Erros and Successes"... Então agora sem mais enrolação, boa leitura.

OS. Pessoal, no meu perfil no Fanfiction eu fiz uma enquete sobre o enredo da minha próxima história, entrem lá e votem em qual vocês gostariam de ver quando Erros and Successes acabar.


"Diálogos"

- Pensamentos -

"Conversa via Rádio"

Nota de Responsabilidade:

Evangelion, seus personagens e cenário são propriedade de Hideaki Anno. Qualquer marca, filmes e séries mencionado nesta Fanfic é propriedade de seus criadores.


(*)


Capítulo 13

Asuka foi a primeira a acordar, ela olhou em volta por alguns segundos, ela sentiu o corpo de Shinji embaixo de sua cabeça, podia sentir o movimento de sua respiração, Asuka sentiu seu corpo dolorido pois percebeu que nenhum dos dois havia se mexido a noite.

Asuka percebeu que Shinji estava com um braço envolto em seu ombro, ela olhou cautelosamente para a parte visível da mão de Shinji, fechou os olhos novamente e soltou um pequeno sorriso.

Shinji acordou pouco tempo depois de Asuka, ele estava relaxado por ter tido uma noite sem pesadelos, ele olhou em volta de seu quarto e percebeu um peso em seu ombro, ao virar o rosto ele se deparou com um conjunto de cabelos ruivos, ele sentiu seus olhos se arregalarem, ele começou a lembrar da noite anterior, Shinji podia jurar que tinha sido um sonho.

Asuka percebendo a rigidez do corpo de Shinji, ela julgou que ele acordou, ela suspirou e falou calmamente.

"Baka? ... Você acordou?" Asuka pergunta calmamente, ela ainda mantinha os olhos fechados.

Shinji percebe que tinha que responder, ele engoliu a seco e respirou.

"Sim, desculpa se te acordei." Shinji responde olhando para o teto, ele pode sentir a ansiedade aumentando.

Asuka balança a cabeça levemente e responde. "Para de se desculpar à toa, eu já tinha acordado alguns minutos atrás."

Shinji relaxou um pouco, ele se lembrava de como Asuka ficava aborrecida por ser acordada, ela gostava de dormir o máximo que conseguia, sua reflexão interna foi cortada pela pergunta de Asuka.

"Que horas são?" Asuka pergunta ainda mantendo os olhos fechados, ela fala com uma voz sonolenta.

Shinji levanta a cabeça e olha para o pequeno relógio digital que está na parede há frente do espelho.

"Agora são 07h43 da manhã." Shinji fala ao olhar para o relógio e voltar a olhar para o nada no teto.

Asuka ao escutar as horas, sente seus olhos arregalando, mesmo ainda estando cedo, ela não estava acostumada acordar "Tarde", ela tinha perdido um teste de sincronização.

"Merda." Asuka falou em aborrecimento.

"O que foi?" Shinji perguntou curioso.

"Eu perdi um teste de sincronização." Asuka falou ao começar a se levantar, ela se sentou na cama e esticou os braços estalando suas juntas.

Shinji somente olhou para as costas de Asuka. "Sinto muito."

Asuka bufou e saiu da cama, ela se abaixou e começou a colocar o tênis. "Para de se desculpar por coisas que não são sua culpa."

Shinji sentiu um impulso de se desculpar novamente, mas mordeu a língua pois sabia que isso iria causar problemas para ele.

"Tenho que ir Baka, tenho que fazer esse teste idiota e escutar Maya tentando parecer imponente sobre eu ter me atrasado." Asuka falou ao terminar de colocar o tênis e se virar para olhar para o Shinji, ela ainda estava na cama, mas ele estava sentado.

Asuka não sabia o que fazer, ela se aproximou de Shinji e falou. "Obrigado."

Shinji a olhou confuso. "Pelo o que?"

Asuka revirou os olhos, e falou com falso aborrecimento. "Por ter me deixado ficar."

Shinji soltou uma pequena risada, ele olhou para baixo e respondeu. "Não tem problema."

Asuka acenou com a cabeça e foi até a porta, mas antes de sair ela falou ainda sem se virar. "E Shinji ... Obrigado ... Obrigado por estar vivo, mesmo sendo um pirralho." Asuka falou ao sair do quarto, ela não se virou para Shinji não ver o rubor no seu rosto.

Shinji sorriu para a porta onde Asuka saiu, ele sentiu uma sensação boa no peito ao escutar essa frase, ele podia sentir que deve ter sido difícil para ela falar essa simples frase.


Asuka estava caminhando com passos acelerados em direção ao local onde ficara os testes de sincronização, ela estava andando assim não por causa de estar atrasada, mas pelo momento embaraçoso em que passou com Shinji agora pouco.

Ao chegar no local, Maya estava de frente para seu console analisando as leituras de Mari que estava no plugue de entrada já fazendo o teste.

Maya percebeu Asuka se aproximando e se permitiu colocar um sorriso tímido no rosto, afinal ela tinha cruzado com a Coronel Katsuragi e ela havia contado sobre Asuka ter ido dormir com Shinji na noite passada.

"Onde você estava?" Maya falou enquanto digitava, ela estava preparando o plugue de entrada de Asuka.

"Não é da sua conta." Asuka falou secamente ao ir em direção ao plugue de entrada.

"A Princesa chegou?" A voz de Mari soou pelos autofalantes da sala.

"Sim, chegou agora." Maya respondeu para Mari.

Mari ao escutar a Maya, sorriu de orelha a orelha, ela sabia onde Asuka passou a noite e isso era um prato cheio para provocações.

Asuka se sentou em seu plugue e fez o procedimento de ativação, conforme o teste para ela começou, tentou se concentrar, mas somente ficou pensando na noite em que passou, essa foi a melhor noite em anos de Asuka, e não sabia dizer quando foi que ela se sentiu confortável.

"Então princesa, como foi sua 'Noite'?" Mari falou maliciosamente.

Asuka sentiu seu sangue gelar com a pergunta, ela não esperava que Mari já estivesse sabendo, ela estava pensando que iria gerar uma desculpa no caminho para despistar qualquer intruso, ela tinha que responder e rápido.

"Boa, eu sai antes de você acordar Quatro Olhos." Asuka mentiu, ela sabia que essa mentira não iria colocar com a Mari.

Mari somente balançou a cabeça e sorriu mais. "Ok princesa."

Asuka apertou o espaço entre os olhos e suspirou, ela sabia que iria ter muita dor de cabeça com Mari, ela resolveu tentar se concentrar na tarefa.


Quando o teste havia terminado, as meninas foram ir almoçar, passar por um teste de quatro horas não era uma tarefa fácil.

Asuka estava sentada em uma mesa na frente de Mari, ela estava concentrada em sua comida, quando escutou Mari começar a falar.

"Oi pessoal, senta com a gente aqui." Mari falou gesticulando para Rei e Sakura que estavam pegando sua comida, Asuka suspirou, não que ela não quisesse companhia, ela tinha muita coisa na cabeça para lidar.

Quando Sakura e Rei se sentaram, Mari se virou para Rei e falou. "Então Rei, como está sendo seu primeiro dia como assistente da Ritsuko?"

Rei olhou para Mari e respondeu. "Está sendo produtivo, estou ajudando a subcomandante o melhor que posso."

"Bom, e você está gostando?." Mari continuou enquanto levava comida a sua boca.

Rei pensou um pouco na resposta, ela estava gostando de ter um novo proposito, ela estava gostando da sensação de ser útil.

"Sim, é bom ter um proposito." Rei falou ao comer um pouco de sua comida.

Mari sorriu com a resposta, ela sorriu maliciosamente e se virou para Sakura. "Minha querida amiga Sakura."

Sakura congelou no lugar, ela sabia que Mari estava usando ela para provocar alguém.

"Você poderia me explicar o porquê de sexo com pacientes em recuperação pode ser prejudicial?." Mari conclui-o ao comer mais de sua pasta.

Sakura corou fortemente, ela começou a pensar em Shinji, ele era o único paciente em recuperação que elas tinham na Wunder, ela começou a juntar dois mais dois, Rei estava com a subcomandante Akagi e depois com ela, ela olhou para Asuka que estava sentada ao lado de Rei.

Asuka estava congelada no lugar, ela estava desesperadamente tentando controlar seu rubor no seu rosto.

Sakura soltou um grito abafado e colocou as mãos sobre a boca ao olhar para Asuka.

Asuka vendo isso levantou o olhar e falou o mais firme possível, ela sussurrou para que somente quem estava na mesa pudesse ouvir.

"Eu não transei com Shinji, eu só passei a noite com ele." Asuka falou, mas logo percebeu a besteira que tinha falado, pelo olhar de choque de Sakura, Rei mantinha sua forma tradicional, Mari estava sorrindo.

"Quer saber foda-se." Asuka falou ao se levantar, mas foi contida pelo braço de Mari, e se sentou novamente.

"Calma princesa, a gente só está enchendo seu saco." Mari falou rindo, Asuka se sentou e voltou a cutucar sua pasta de comida.

Quando todos estavam comendo e jogando conversa fora, o resto do almoço passou sem mais intercorrência.


Escritório do Comandante Sebastian

Sebastian estava olhando alguns documentos que estavam em sua mesa, ele rapidamente caiu no status de reparo da Wunder, ninguém ainda sabia o motivo do poderoso navio de guerra Wunder estar inativo, todos os cientistas não sabiam mais o que fazer.

Sebastian bufou em aborrecimento, ele não ligava para a pilha de papeis que estavam em sua mesa, ele ainda não conseguia tirar da cabeça quem foi que retirou Shinji de suas mãos, ele não podia acreditar que conseguiu perder um garoto quebrado, e ainda não tinha sinal de onde estava o paradeiro do Número Dois.

Sebastian estava pensando que sem a confirmação da morte do Número Dois, ele estava ferrado, pois se ele abrisse o bico para alguém, ele poderia ser preso por traição.

O soldado nomeado Número Um estava sentando lendo uma revista na cadeira perto da mesa de Sebastian.

Sebastian fez um sinal para ficar sozinho na sala, o soldado fez o que foi ordenado e se retirou, quando Sebastian estava sozinho, ele abriu sua gaveta e pegou um pequeno dispositivo e o ativou, a sala se escureceu e um monólito escrito "somente som" apareceu em sua frente.

Depois de alguns segundos de silencio, uma voz foi ouvida, essa voz era de Gendo Ikari.

"O que?" Foi a única coisa que Gendo falou friamente.

"Você tem algum sinal do garoto?" Sebastian respondeu copiando o mesmo tom frio de Gendo, ele não tinha medo dele.

"Você perdeu a oportunidade com sua incompetência, é problema seu descobrir o local atual de Shinji." Gendo rebateu ao desligar seu monólito.

Sebastian mordeu o lábio para não xingar, mas ele se conteve, alias era Gendo quem estava lhe ajudando em seu projeto de novos Evas, ele rapidamente começou a pensar em uma solução para poder reassumir o controle, ele tinha que encontrar Shinji.


NERV

"Você perdeu a oportunidade com sua incompetência, é problema seu descobrir o local atual de Shinji." Gendo rebateu ao desligar seu monólito e voltar a sua pose atual.

"Você sabe que é só uma questão de tempo até termos Shinji e a unidade um." Fuyutsuki falou sem levantar os olhos de seu livro.

"Eu sei, Sebastian acha que tem algum controle, vamos fazer com que ele ainda acredite nisso." Gendo falou ainda sem se mexer.

Fuyutsuki olhou de canto para Gendo. "Você acha que Shinji está com Katsuragi agora?"

Gendo somente soltou um som com sua boca. "É possível, se ele estiver com a coronel Katsuragi esse seria um caminho dentro das expectativas, isso confirmaria que o espião ainda está vivo e resgatou o terceiro de Sebastian."

"E com relação a Sebastian?" Kozo perguntou ao voltar a ler.

"Ele terá o que merece por sua incompetência, quando o que ele fez com Shinji vier a tona, ele acha que tem tudo sobre controle." Gendo falou ao esconder um pequeno sorriso nas mãos.

Kozo somente balançou a cabeça e soltou um suspiro. "Você nem se importa com o que ele fez com seu filho?"

Gendo ficou em silencio por alguns segundos. "Não, Shinji vai entender quando chegar a hora."

Kozo somente olhou para cima de seu livro, ele respirou, suspirou, voltou a ler e o silencio voltou a reinar na sala parcialmente destruída.


Quarto improvisado de Shinji

Depois de alguns dias, Shinji estava sentindo seu corpo melhorando, tudo era devido ao remédio e a sua alimentação, ele recebia visitas regulares de Misato, Asuka e Sakura. Ele podia entender que elas não poderiam ficar com ele por mais tempo, alias elas tinham seus afazeres, mas ele ficava feliz pelo curto tempo em que elas podiam passar com ele.

Shinji ainda não tinha tido aquela conversa com Misato, ele estava agradecido por ainda não ter tido.

Shinji foi tirado de seu transe pelo som da porta se abrindo e ver Ritsuko entrar acompanhado por Maya, ela mantinha o rosto neutro como sempre e Maya era Maya.

"Olá Shinji, como você está?" Ritsuko perguntou profissionalmente.

"Bem ... Eu acho." Shinji respondeu olhando para baixo. "Ainda dói meu peito."

"Isso é normal, costelas quebradas demoram para parar de doerem, mesmo tendo cicatrizado." Ritsuko falou ao anotar em uma prancheta. "Você poderia tirar a blusa?"

Shinji somente acenou, ele levantou os braços devagar, fazer alguns movimentos dolorosos, Maya vendo que Shinji estava com dificuldade para levantar os braços, caminhou até o seu lado.

"Deixa eu te ajudar." Maya falou ao começar devagar remover a camisa de Shinji.

"Obrigado." Shinji falou ao ter a camisa retirada, ela ainda estava olhando para baixo, mesmo todos sendo gentis com ele, Shinji ainda tinha vergonha de olhar as pessoas nos olhos.

Maya sorriu para Shinji e se afastou para Ritsuko puder examinar o peito de Shinji, ainda estava roxo, mas tinha uma aparência melhor, ela removeu algumas amostras de sangue.

"Ok, nos vemos mais tarde." Ritsuko falou ao se virar para poder sair, mas parou ao ouvir a pergunta de Shinji.

"Dr. Akagi ... Como ... Como está Rei?" Shinji perguntou sem levantar o olhar, ele ainda não tinha visto Rei deste a sua prisão, a última vez que ele tinha visto ela foi quando ele foi levado para a ONU, mas não foi por muito tempo.

Ritsuko levantou uma sobrancelha para Shinji, ela não esperava ele perguntar uma coisa assim. "Ela está bem Shinji, ela está aqui na Wunder, nomeei ela minha assistente pessoal."

Shinji se sentiu aliviado com a resposta, ele estava com medo dela ter sofrido o mesmo destino que ele, só de saber que ela estava a salvo foi uma boa notícia.

"Gostaria de vê-la?" Maya perguntou inocentemente, ela recebeu um olhar de dúvida de Ritsuko.

"Isso é possível?" Shinji perguntou confuso, ele estava começando a entender o motivo dele estar nesta sala e não poder sair, ele pensou muito a respeito do que Asuka tinha lhe falado.

"Sim." Foi a resposta fria de Ritsuko, ela recebeu um aceno de Shinji em confirmação.

"Vou falar para ela vir aqui a tarde." Ritsuko falou ao anotar mais algumas coisas em sua prancheta.

Shinji acenou com a cabeça, mas ele não pode deixar de se sentir confuso, ela ainda lembrava das palavras de Fuyutsuki sobre ela ser um clone de sua mãe, ele estava chegando a um acordo sobre isso, ele estava começando a se referir a Rei como sua irmã em sua cabeça, isso era estranho para Shinji, pois ele sempre foi filho único, e ter uma irmã tinha um sentido bom na cabeça de Shinji.

Ritsuko somente deu um pequeno aceno com a cabeça e saiu da sala, quando Shinji estava novamente sozinho ele voltou a pensar na noite em que passou com Asuka.


Escritório de Ritsuko

Rei estava organizando uma pilha de papeis que Ritsuko havia lhe pedido para buscar, ela estava gostando de sua tarefa, ela era simples, mas fazer outra coisa além de pilotar era diferente para Rei, as sensações que ela estava experimentando a deixavam feliz por dentro.

Ela estava quase acabando quando Ritsuko entrou na sala, ela continuou seu trabalho.

"Rei ... Tenho uma notícia para você." Ritsuko falou ao se sentar em sua cadeira.

Rei parou o que estava fazendo e deu total atenção para Ritsuko.

"Shinji quer te ver." Ritsuko falou sem rodeios.

Rei sentiu seu coração acelerar, ela não sabia o porquê, mas se sentiu bem em poder finalmente ver Shinji.

"Certo." Foi a resposta simples de Rei.

Ritsuko já sabendo do estilo de fala de Rei continuou.

"Vou pedir para a piloto Makinami ir com você, ela sabe o caminho." Ritsuko falou ao começar a olhar um dos papeis que estavam em sua mesa. "Você pode ir agora."

"Sim senhora." Rei falou profissionalmente ao se virar e sair da sala.

Rei estava caminhando para o quarto de Mari e Asuka, esse era o único local onde ela acreditava encontrar Mari, ela estava pensando no caminho sobre seu encontro com Shinji, ela estava pensando em como iria proceder, no que ela iria falar, essa dúvida estava deixando Rei louca.

Quando ela chegou no quarto, ela bateu na porta e esperou, depois de alguns segundos, ela levantou o braço e bateu novamente, ainda não tendo resposta, Rei começou a pensar em possíveis locais para encontrar Mari, mas isso não seria necessário, pois ela escutou a voz de Mari falando.

"Rei? ... O que deve a sua visita?" Mari alegremente falou ao ver Rei parada na frente da porta de seu quarto.

Rei se virou e olhou para Mari. "Eu vim te buscar para nós podermos ir visitar uma pessoa."

Mari percebendo o tom de Rei sorriu, pois ela finalmente iria falar com Shinji.

"OK então, vamos." Mari falou ao se juntar a Rei na caminhada em direção ao local onde Shinji estava.

O caminho até o local estava silencioso, Mari estava pensando em qual assunto iria usar para poder iniciar uma conversa com Rei.

"Então Rei ... Como está sendo seu dia?" Mari falou ao olhar para Rei.

"Bom, estou me adaptando bem as tarefas que a Subcomandante Akagi está me passando."

Mari acenou com a cabeça. "Sakura me falou que ela está desenvolvendo um remédio para você."

Rei acenou com a cabeça. "É verdade, espero que ela consiga." Rei percebendo que somente Mari fazia as perguntas resolveu perguntar. "E você? ... Como está seu dia?"

Mari ainda se surpreendia com Rei fazendo perguntas, ela acha fofo ela estar tentando iniciar conversas, ela ficou feliz por ela perguntar e se interessar pelo seu dia.

"Vai bem, tudo dentro do normal." Mari respondeu sorrindo.

A dupla caminhou por alguns minutos até chegarem na porta do quarto, ambas estavam ansiosas para entrar, Mari resolveu entrar na contra sala para poder ver o que Shinji estava fazendo, ao ver que ele estava lendo um livro, ela viu que era seguro entrar.

Mari saiu da sala e encontrou Rei esperando ela na frente da porta, ela suspirou e falou.

"É agora." Mari levantou o braço e bateu na porta para informar que alguém iria entrar depois de alguns segundos, Mari abriu a porta e entrou seguido por Rei.

"Oi Filhote." Mari falou alegremente ao gesticular com a mão.

"Olá Ikari." Rei falou em sua voz normal, ela não sabia como deveria proceder, Rei julgou melhor deixar as coisas acontecerem naturalmente.

Shinji olhou para Mari com um olhar confuso, ele estava tentando lembrar aonde tinha visto ela, ele mudou sua visão para Rei e permitiu dar um sorriso tímido, ele estava aliviado por ela estar bem.

Mari se aproximou da cama de Shinji, ela ainda mantinha o sorriso no rosto.

"Você não lembra de mim?" Mari falou fazendo beicinho.

Shinji estava fazendo todo o esforço mental para lembrar de Mari, ele abaixou o olhar para as pernas dele, depois e alguns segundos ele finalmente se lembrou de Mari, ele falou ainda sem levantar o olhar.

"Você ... Você é aquela garota que caiu em cima de mim no telhado?" Shinji falou ao levantar o olhar para Mari.

Mari neste momento voltou a sorrir e falou.

"Isso, sabia que você nunca mais iria me esquecer com a minha entrada triunfal." Mari falou ao se sentar em uma das cadeiras da sala e começar a olhar os livros que tinha em cima da mesa, ela sorriu diabolicamente.

"Aposto que são livros pornô." Mari falou ao analisar a capa de um livro que pegou aleatoriamente.

Shinji neste momento corou e gaguejou em resposta.

"Não! ... Não são, Sakura me trouxe para passar o tempo." Shinji falou com o rosto vermelho.

Mari começou a rir, ela estava pensando que Shinji era ainda mais fácil de provocar do que Asuka e Sakura juntas.

"Calma filhote, eu sei que você não vai deixar o pornô a vista de todos e se você não tiver, eu trago para você." Mari falou com um sorriso malicioso.

Shinji ficou olhando para Mari com um olhar de choque no rosto, todas na sala podiam ver que os sinais vitais de Shinji começaram a aumentar, Rei achou prudente intervir.

"Mari, acredito que você esteja deixando Ikari desconfortável." Rei falou ainda parada no local onde tinha ficado ao entrar, mas ela não pode deixar de achar divertido ver as reações de Shinji.

Mari olhou para Rei e fez beicinho novamente. "Rei, você não tem graça."

Rei queria perguntar o significado para Mari, mas achou melhor fazer outra hora, ela olhou para Shinji e os dois se encararam por um tempo até o Shinji perguntar timidamente.

"Como você está Rei?" Shinji perguntou timidamente.

Rei olhou para Shinji e começou a formular uma resposta.

"Eu estou bem." Rei respondeu em sua voz normal.

"Que bom." Shinji falou ao abaixar o olhar para a cama, sua mente se voltou para as palavras de Fuyutsuki, ele novamente olhou para Rei e começou a pensar.

- Isso é muito estranho. – Shinji pensou ao analisar o rosto de Rei.

Mari vendo a situação estranha em sua frente, lembrou que Rei estava sendo a assistente pessoal de Ritsuko e resolveu falar para aliviar a tensão na sala e puxar um assunto.

"Filhote, você sabia que Rei foi nomeada assistente pessoal de Ritsuko?" Mari falou ainda sem levantar o olhar do livro em suas mãos.

Shinji mudou o olhar para ver Mari, ele ficou feliz por Mari ter lembrado disso.

"Sim, Ritsuko me contou." Ele voltou a olhar para Rei. "E como está sendo Rei?"

Rei voltou tinha olhado rápido para Mari e voltou a olhar para Shinji, ela não sabia o porquê de não ter falado desse detalhe antes, Rei ainda estava tentando decifrar esse desconforto que estava sentindo ao estar visitando Shinji.

- Esse sentimento que estou sentindo seria o que os livros chamam de ansiedade? – Rei estava pensando ao analisar seus sentimentos, ela parou seu devaneio mental para responder Shinji.

"Sim, está sendo muito produtivo." Rei respondeu simplesmente, ela começou a pensar em como poderia melhor sua forma de conversar, ela resolveu perguntar para Shinji.

"E seus livros estão sendo produtivos?" Rei perguntou normalmente.

Shinji olhou para Rei um pouco transtornado com a pergunta, ele não se lembrava de Rei ser do tipo que fazia perguntas.

"Estão sendo sim, eles me ajudam a passar o tempo." Shinji respondeu com um pequeno sorriso no rosto.

Mari estava sorrindo ao escutar a pergunta de Rei, ela estava feliz por ela estar evoluindo em suas habilidades sociais.

A trio conversou por um tempo, Mari assumiu o comando da conversa para poderem aproveitar o máximo que conseguia, ela estava feliz por estar conversando finalmente com Shinji, alias Mari adorava conhecer outras pessoas. O mesmo estava acontecendo com Rei, ela estava feliz por finalmente estar falando com Shinji, ela sentiu um alívio no peito por estar vendo ele vivo.

Depois de alguns minutos de conversa, Mari se levantou e falou.

"Bem Filhote, vou deixar você descansar, gostei muito de falar com você." Mari falou ao se aproximar da porta.

"Foi bom falar com vocês também." Shinji falou observando as meninas indo em direção a porta, ele percebeu que ainda não sabia o nome da Mari.

"Espera!" Shinji falou ao ver as garotas abrindo a porta, elas pararam e se viraram para ele.

"Eu ainda não sei seu nome." Shinji falou sem jeito para Mari, ela sorriu para ele e se lembrou que não tinha se apresentado para Shinji ainda, Mari se aproximou novamente de Shinji e falou ao estender sua mão para ele.

"Verdade, meu nome é Mari ... Mari Makinami ... Prazer em te conhecer oficialmente Shinji." Mari falou alegremente.

Shinji levantou devagar seu braço e apertou suavemente a mão de Mari.

"Igualmente." Shinji falou ao soltar a mão de Mari.

Mari voltou a se virar e foi em direção da porta já aberta, ela parou antes de sair e acenou com a mão para Shinji, Rei parou antes de sair, se virou e olhou para Shinji.

"Fico feliz em ver que você está bem e se recuperando Ikari." Rei falou com um pequeno sorriso no rosto, ela voltou a se virar e saiu.

Shinji sorriu para a cena em sua frente, ele sorriu para a porta agora fechada e voltou a pegar seu livro para continuar lendo.

No corredor, Mari estava pensando no momento em que passou com Shinji, ela virou para Rei que estava com a sua expressão normal no rosto.

"Tudo correu bem, ainda tenho vontade de abraçar ele, mas seu corpo ainda não está preparado para um dos meus famosos abraços de urso." Mari falou mantendo seu estilo alegre.

Rei estava em seu próprio mundo, ela tinha escutado Mari, ela rapidamente formulou uma resposta.

"Fico feliz por Ikari estar se recuperando, acredito que essa visita foi muito produtiva." Rei falou alegre, mas poucos poderiam ver essa pequena mudança de tom de Rei, somente as pessoas mais intimas com Rei estavam conseguindo começar a ver suas emoções.

Mari ficou feliz por estar começando a entender as emoções da Rei, com isso as duas seguiram seus caminhos, Rei voltou para a sala de Ritsuko para continuar a exercer sua função, enquanto Mari estava indo em direção ao seu quarto.


Ponte da Wunder

Os turnos de trabalho eram menores, pois a Wunder não estava em operação no momento, Misato estava sentada em sua cadeira olhando para os tripulantes trabalharem em seus respectivos postos, ela estava se sentindo entediada com isso, Misato estava pensando em como ela queira uma cerveja no momento.

Misato começou a se controlar novamente, depois da volta de Shinji, ela se livrou das bebidas em seu quarto, ela estava diminuindo gradualmente o consumo de álcool, ela foi tirada de seus pensamentos quando um alerta soou, ela se dirigiu o olhar para ao local do aviso, vinha do painel de comunicação.

Hideki Tama apertou alguns botões em seu posto e se virou para Misato.

"Coronel, tenho uma mensagem do Comandante Sebastian para a senhora." Tama falou profissionalmente para Misato.

A expressão de Misato ficou sombria notoriamente, Tama não conseguiu esconder a expressão de medo ao ver o olhar de Misato, ela se levantou e foi até o painel ao seu lado, ela apertou alguns botões e leu a mensagem do Sebastian.

Misato bufou em frustração ao terminar de ler, Sebastian queria que ela fosse imediatamente ao seu escritório, Misato não queira ver Sebastian depois do que ele fez com Shinji, mas ela tinha que manter as aparências até Kaji poder agir.

Misato digitou novamente no painel e esperou a imagem de Ritsuko aparecer.

"Estou saindo, o Comandante Sebastian quer tratar um assunto comigo, mantenha a nave em ordem até a minha volta." Misato firmemente falou para Ritsuko que somente acenou com a cabeça, Misato desligou o Feed de vídeo e começou a se dirigir para fora da ponte.

O caminho para a o QG da Wille foi rápido, Misato estava na sala de espera do escritório, ela estava esperando para entrar, Misato estava fazendo todo seu esforço mental para se manter calma, ele não podia mostrar que sabia sobre Shinji.

"Você pode entrar." A secretária falou para Misato que se levantou e entrou na sala.

Misato parou na frente da mesa de Sebastian e o saudou, ela estava olhando para ele sentado em sua mesa, ela viu o como seria fácil matá-lo, mas ela rapidamente limpou a imagem de Sebastian morto e se recompôs.

"Coronel Katsuragi, porque a Wunder não está voando?" Sebastian falou ao levantar o olhar e encarar Misato, ele não pode deixar de notar o olhar mortal de Misato em cima dele, mas resolveu ignorar.

Misato respirou fundo e respondeu secamente. "Não sabemos ainda."

Sebastian estreitou os olhos e suspirou pesadamente.

"Quero uma resposta." Rosnou Sebastian.

"Não tem resposta, o núcleo que alimentava a Wunder parou, ainda não sabemos como reativá-lo." Rebateu Misato em aborrecimento.

Depois de alguns segundos, Sebastian apertou as mãos em aborrecimento.

"Não tem certeza se é sua equipe o problema?" Sebastian falou para irritar ainda mais Misato.

Misato sentiu seu temperamento aumentar. "Não, minha equipe é mais que qualificada do que qualquer um que você acha que pode ajudar, nós já trabalhávamos juntos desde os tempo de Nerv."

Sebastian suspirou em aborrecimento pelo tom que Misato havia usando e estava usando contra ele.

"Se este navio não estiver no ar nos próximos dois meses coronel, pode dizer adeus." Sebastian ameaçou Misato. "Isso ficou claro?"

Misato acenou com a cabeça e respondeu secamente. "Perfeitamente."

"Dispensada." Sebastian falou ao voltar a olhar para os papeis em sua mesa.

Misato o saudou novamente e se virou e saiu da sala, quando ela estava se afastando ela olhou para trás para ver se tinha a privacidade, ao ver que estava sozinha, ela rapidamente desferiu um chute na parede.

"Filho da puta." Misato falou ao chutar a parede a sua frente.

- Kaji, pelo amor de Deus, seja mais rápido. – Pensou Misato aborrecida ao voltar a sua caminhada.


Wunder – Algumas semanas depois.

Misato estava em seu escritório revirando alguns papeis. "Como uma nave que está parada pode fazer tanta papelada?"

Misato estava digitando um seu computador quando sentiu seu celular tocando, ela prontamente atendeu.

"Aló?" Misato falou profissionalmente.

"Olá Katsuragi, como você está?" A voz de Kaji surge, ele sempre tinha sua confiança de sempre.

Misato percebendo que era Kaji, ligou o dispositivo ante escuta, depois da sala estar segura ela falou.

"Kaji, me dê boas noticias." Misato falou cansada.

Kaji percebendo o tom de Misato, resolveu pular as provocações que tinha pensado.

"Sim eu tenho, acredito que tenho as informações necessárias." Kaji falou despreocupado.

Misato podia sentir a felicidade dentro dela aumentar, ela finalmente poderia colocar um fim em Sebastian, mas ela sentiu que Kaji ainda não tinha terminado de falar.

"Qual é o 'mas' da questão?" Misato falou antecipando Kaji.

"Vou precisar de Shinji, quero ele no escritório da Diretora Laura." Kaji falou com seriedade.

Misato levantou a sobrancelha para isso, ela se mexeu na cadeira. "E porque você precisa dele Kaji? ... As provas que você deve ter conseguido não são suficientes?"

"Sim, mas ter o depoimento da pessoa que Sebastian usou para isso deve ser um tiro certeiro." Kaji falou, ele ainda mantinha o tom sério. "Sebastian é um homem poderoso, vamos precisar de todas as armas que tivermos."

Misato não tinha argumentos para rebater, ela suspirou e falou novamente.

"Certo, eu falo com ele." Misato falou cansada, ela estava começando a pensar nas reações de Shinji ao se encontrar com Sebastian.

"Ok, vou desligar, quando tudo isso terminar vamos sair para jantar." Kaji falou confiante do outro lado da linha, ele não deu tempo para Misato responder pois já tinha desligado o celular.

Misato estava olhando com um olhar confuso no rosto enquanto encarava o celular, ela não podia negar que estava com saudades das investidas de Kaji, ela pensou no assunto e estava pensando se deveria aceitar o convite, aliás não seria ruim ter uma noite de folga, ela se levantou e começou a ir em direção ao quarto improvisado de Shinji.


Shinji estava de pé, ele estava se olhando no espelho, ele passou a mão sobre as cicatrizes em sua bochecha esquerda, elas já estavam curadas, mas haviam deixado marcas visíveis.

Shinji suspirou quando lembranças vieram em sua cabeça, ele começou a se lembrar de todas as vezes em que foi machucado pelo Sebastian, ele sentiu que queria chorar, mas ele começou a segurar a emoção a todo momento.

"Você não está mais lá." Shinji repetiu algumas vezes para acalmar seu coração e seu corpo.

Shinji foi retirado de seu duelo mental quando escutou a porta se abrir, ele rapidamente limpou a algumas lagrimas que escaparam e se virou para ver quem seria, ele ficou feliz por ver que era Misato.

Misato estava carregando duas bandejas de comida, ela achou que seria bom para eles poderem conversar enquanto almoçavam alguma coisa.

"Olá Shinji, como você está?" Misato falou ao se aproximar de Shinji. "Espero que você esteja com fome."

Shinji não estava com fome, mas ele realmente apreciou a tentativa de Misato, ele pegou o carrinho que tinha no canto para eles poderem apoiar as bandejas.

Depois que a dupla se acomodou, Misato deu uma mordida e fez uma careta para o sabor da pasta que havia escolhido para ela, Misato nunca gostou da comida da Wunder.

Shinji guardou os comentários para si mesmo, ele não queria estragar o momento.

"A comida está com um gosto de terra hoje." Misato falou ao limpar a boca.

Shinji não pode deixar de sorrir com o comentário, ele se lembrou da comida de Misato no apartamento, Asuka classificava como arma biológica.

"Quem sabe eu possa fazer alguma coisa para vocês ... Se for possível é claro." Shinji falou sem jeito ao levar sua comida a boca.

Misato não pode deixar de sorrir com a oferta de Shinji. "Quem sabe no futuro." Concluiu Misato.

Depois que a dupla terminou de comer, Misato se ajeitou na cadeira e olhou nos olhos de Shinji, ele ainda tinha o olhar sem vida e deprimido, mas estava voltando a ter um pouco de brilho e esperança em seus olhos.

"Shinji, eu tenho algo a conversar com você." Misato falou seriamente, mas estava tentando parecer calma.

Shinji somente acenou com a cabeça, ele estava começando a ficar preocupado com tudo, sua mente estava começando a falar para ele que esse era o momento que tudo se revelaria ser uma mentira.

Depois de alguns segundos Misato voltou a falar. "Kaji me falou que vai precisar de você." Misato fez uma pausa.

"Kaji ... Kaji está vivo?" Shinji falou com confusão.

Misato olhou novamente para Shinji e falou. "Sim, foi ele quem descobriu onde você estava e te resgatou."

Shinji começou a se lembrar do dia em questão, ele lembrava de alguém o segurando e depois de sentir uma dor aguda no braço, depois disso ele se lembra de olhar para Ritsuko, Shinji acenou com a cabeça e voltou a escutar Misato.

"Então, Kaji me ligou e falou que quer você no escritório da diretora da ONU, ele quer que você fale sobre tudo que Sebastian fez com você para ela ... Ele quer a sua ajuda para derrubar Sebastian e dar a ele o que merece." Misato falou calmamente.

Shinji estava pensando, ele não sabia se poderia olhar novamente para Sebastian, mas ele não poderia mais fugir, ele tinha que enfrentar seus demônios, ele acenou com a cabeça.

Esse ato surpreendeu Misato, ela esperava que ele iria negar, mas ele fez justamente o contrário, ela não pode deixar de sorrir.

"Bom, eu vou estar lá com você." Misato falou com um sorriso maternal no rosto.

Shinji não pode deixar de sorrir de volta para ela, depois que eles chegaram a um acordo sobre isso, Misato começou a perguntar para Shinji sobre a noite que passou com Asuka, sua insinuação fez com que Shinji corasse fortemente.

A conversa estava feliz e descontraída.


Esconderijo de Kaji – Algumas horas depois.

Kaji havia recebido a mensagem de Misato falando que ele iria ajudar, Kaji não pode deixar de sorrir por essa atitude corajosa de Shinji, Kaji se levantou e entrou no quarto onde tinha deixado o número dois.

"Olá 'número Dois', pronto para abrir o bico para a diretora da ONU?, se você me ajudar de novo eu posso conseguir um belo acordo para você." Kaji falou ao se apoiar na parede alguns metros afastados de Numero Dois.

Número Dois pensou por um tempo, ele sabia que estava condenado por Sebastian por ter ajudado Kaji, ele ponderou a ideia e acenou com a cabeça.

"Bom." Kaji falou ao se virar e sair do quarto.

Kaji saiu da pequena casa onde estava escondido e pegou seu celular para fazer uma ligação, depois de alguns segundos de toque, Laura atendeu a ligação em inglês.

"Olá Laura, lembra de mim?"


Notas do Autor: Olá pessoal, vejo que pelas reações do capítulo anterior que vocês estavam com saudades, eu fico feliz com isso, e lá se foi mais um capítulo, espero que vocês gostem, não esqueçam de revisar e seguir para não perder mais nenhum.

Não esqueçam de curtir a página no Facebook da História, o link direto pode ser encontrado na página do meu perfil na Fanfiction, ou se você preferirem pesquise, " Calborghete" na sessão de página do Facebook e localizar "Erros and Successes"... Então agora sem mais enrolação, boa leitura.

OS. Pessoal, no meu perfil no Fanfiction eu fiz uma enquete sobre o enredo da minha próxima história, entrem lá e votem em qual vocês gostariam de ver quando Erros and Successes acabar.

Até a próxima