Título: Presente de grego

Autora: Bélier

E-mail: belier.aries@bol.com.br

Categoria: Romance Yaoi

Retratação: Eu não possuo Saint Seiya/Cavaleiros do Zodíaco. Infelizmente (ou felizmente) eu não os possuo, pois do contrário eles teriam namorado mais do que lutado... De qualquer forma, eles são propriedade de Kurumada, Toei e Bandai.

Resumo: Máscara da Morte faz aniversário, e um presente de gosto duvidoso pode mudar sua vida...

Capítulo 1

Festas de aniversário eram eventos que não passavam em branco no Santuário. Afinal, o que os cavaleiros não perdiam era a chance de fazer um auê, bem debaixo do nariz de Atena. É claro que havia as exceções... Todo ano, em março, os outros cavaleiros de ouro discutiam durante dias se deveriam fazer ou não festa para o Mu...

Mas como o aniversariante em questão era o famigerado Máscara da Morte, a festa virava sinônimo de bagunça. Aioria ofereceu seu templo, uma vez que o de Câncer tinha aquele cheiro insuportável, e todos se empenharam para que a comemoração saísse... ou seja, comprar bebida e comida. Ninguém se importava muito com a decoração, só o pobre do Afrodite, que sozinho não conseguia levar seus planos estéticos adiante...

Às festas no Santuário eram para ter o caráter surpresa, o que era impossível, no meio de tanta gente fofoqueira. Mas mesmo assim, os cavaleiros tentavam... Na noite do seu aniversário, Máscara chegou à quinta casa, a convite de Aioria, e já foi logo chutando o balde.

- Não quero saber dessa frescura de "SURPRESA!!!", que isso é coisa de veado!!! - Gritou, dando risada.

E a festa começou, aos trancos e barrancos.

Aioria já estava levando o décimo fumo do dia de Marin, que não se conformava que ele tivesse emprestado o templo para virar aquela bagunça.

- Mas meu amor, ele é meu amigo... - Aioria parecia mais um gatinho, nessas horas.

- Tudo bem que ele é seu amigo, mas depois quem vai ter que limpar essa bagunça sou eu! - Sorte Aioria não poder ver o rosto da moça naquele momento, pois ela estava irada.

- Eu te ajudo, tudo bem? - "Miau"

- Você está muito manso hoje, deve estar aprontando mais alguma coisa! - Marin não era boba.

Num outro canto do salão, outra discussão acontecia.

- Eu não acredito que você ajudou o Aioria a fazer isso, eu não acredito!!! - Kamus estava com vontade de congelar Miro - lá - de tanta raiva que estava sentindo. - Você não tem vergonha na cara???

- Que mal há nisso, Kamus? O Aioria me chamou pra dividir o presente com ele, e eu aceitei! - Miro nunca via mal nenhum nas coisas.

- Mas vocês não podiam ter comprado um presente normal, como todo mundo?! - Kamus estava realmente irado. - Seu cabeça de vento, isso é um verdadeiro presente de grego!!!

Miro deu de ombros. - E eu e o Aioria somos o quê?

- Você me paga! Vai ficar na seca por uma semana!

- Não!!! Isso não!!!

Em outro cantinho afastado, rolava não uma briga, mas um apaziguamento.

- Zeus, como eu odeio isso! - A testa de Mu estava tão franzida que suas sobrancelhas em forma de pontos já estavam até esticadas...

- Calma... - Shaka segurou disfarçadamente a mão do amigo, esfregando a palma com seu polegar, em movimentos circulares. Mu pareceu se acalmar com a técnica de relaxamento do loiro - Já, já...

- Promete? - Mu olhou esperançosamente para Virgem, que balançou a cabeça, concordando.

Voltando ao aniversariante, que conversava animadamente com Shura.

- Tá é faltando mulher nessa festa! - Máscara reclamou. - Não tem mulher nesse Santuário, não? Atena não conta!

- Ter até tem... - Shura ficou meio sem graça. - Mas uma é do Aioria, a outra é minha e a terceira é do Ikki... Se você quiser enfrentar algum dos três...

- Ih, vocês podem ficar descansados, que mulher de amigo meu é homem... Além do mais, de amazona só tem a Marin, a Shina e a June, mesmo, mas o Santuário tá cheio de servas gostosas... Tem cada uma que passa rebolando, dando a maior moral...

Nesse momento, Afrodite chegou, pegando o final da conversa. "Hum. Sempre pensando em mulher..." - Oi, Máscara, está se divertindo?

- Oi, Afrodite! - Apesar da sua fama de machão, e do jeito afeminado de Afrodite, Máscara da Morte gostava do amigo. Ele achava que no Santuário, a única pessoa com a mente realmente maligna o suficiente para acompanhar a sua era Peixes. - Estou sim, a festa está ótima!

- Que bom... - Afrodite tirou uma pequena caixinha de dentro do bolso da calça, oferecendo-a ao aniversariante. - O meu presente...

Máscara pegou a caixinha, intrigado. - Não precisava se preocupar! - Abriu a caixa, temeroso do que estaria dentro. Acabou se surpreendendo. Afrodite havia lhe dado uma corrente grossa com uma cruz da vida eterna, ambos de prata.

- Esse é o símbolo dos que vivem pra sempre, meu amigo. - Afrodite comentou, com sua voz doce.

- Valeu a intenção, Afrodite. - Shura comentou, divertido. - Mas eu não sei não se o nosso amigo aqui vai longe, bebendo e fumando desse jeito!

- Toda ajuda é boa! - Afrodite sorriu.

Máscara ergueu o pingente, observando-o. Estava impressionado com o bom gosto do amigo. - É muito bonito...

- Deixe eu colocar em você...- Afrodite pegou a corrente, e prendeu-a no pescoço de Máscara da Morte, roçando delicadamente as unhas longas na nuca do amigo. A cruz se aninhou no peito do cavaleiro, ficando visível pela abertura da camisa que ele usava. - Ficou ótimo!

- Gostei muito, obrigado! - Máscara, mesmo não querendo, olhou com carinho para o amigo.

- Bom, eu já vou indo... - Afrodite virou-se para partir.

- Ei, ainda é cedo! - Máscara estranhou.

- È melhor eu ir antes que o presente de Aioria e Milo chegue! - Afrodite disse, meio aborrecido. - Até logo!

- Presente? - Máscara da Morte fez cara de quem não tinha entendido nada, mas Afrodite já tinha saído.

Depois de algum tempo, Mu também perdeu a paciência - como acontecia em todas as festas - e resolveu ir embora. Shaka já havia saído há alguns minutos atrás, com a desculpa de que estava com sono.

Depois de se despedir de todos, Mu foi saindo de fininho pelos fundos da casa de Leão, mas foi pego em flagrante pelo aniversariante, que tinha ido até o banheiro se aliviar...

- Ô, Mu, o seu templo não fica descendo, não?!

Mu ficou roxo, refletindo a cor de seu cabelo. - Bom, eu... é que eu... - Áries se embananou todo.

- Vai logo atrás do seu loiro, vai... Antes que ele durma na cama, te esperando! - Máscara riu da cara indignada de Mu. - Eu é que não entendo esse gosto de vocês! Com tantas mulheres dando sopa aqui no Santuário e no vilarejo, vocês ficam amarrando compromisso uns com os outros. A mesma coisa o Kamus e o namoradinho dele, o Miro!

Ao contrário do que Máscara da Morte esperava, Mu sorriu gentilmente. - Um dia, meu amigo, você vai entender que o que realmente conta é o sentimento que se tem pela pessoa, não o sexo dela... Se eu posso ter do meu lado uma pessoa que me entenda e que me faça feliz, não vou desperdiçar meu tempo correndo atrás de mulheres só pra fazer parte dos padrões normais da sociedade... - O sorriso de Mu alargou mais um pouco. - Além do mais, Shaka é ótimo na cama! Com licença!

Máscara da Morte ficou olhando Mu sair, com cara de nojo. - Eu, hein?

Dali à uma hora, a festa estava terminando. Aioria e Miro chegaram em Máscara, pra avisá-lo sobre o presente misterioso deles.

- Ô, Máscara, é o seguinte... - Miro olhou dos lados pra ver se Kamus não estava por perto, mas Aquário já tinha subido para seu templo, inconformado. - O nosso presente está lá no seu templo! É uma surpresinha!

- Eu, hein, vocês estão muito estranhos... - MdM estava desconfiado dos dois- - O que vocês estão aprontando?

- Não é nada, não, a gente só não quis entregar aqui, é só isso! - Foi a vez de Aioria procurar Marin com o canto dos olhos. - Só não demore muito pra abri-lo, tá?

- Falou... - Máscara deu mais umas mordidas no charuto, indeciso. - Então, tá, já vou indo! Valeu pela festa!

Chegando ao seu templo, intrigado, Máscara procurou alguma coisa diferente no saguão. Não viu nada. Resolveu então ir para o seu quarto. Ao entrar, tentou acender a luz, mas não conseguiu. Antes que pudesse fazer alguma coisa, seus olhos foram cobertos por uma venda de seda, que foi apertada firmemente contra seus olhos. Ia reagir com um golpe, mas sentiu mãos delicadas segurarem as suas, guiando-o para a cama.

"Aqueles dois safados! Não acredito que eles me pagaram uma garota de programa!" Máscara ficou animado. A garota tinha um cheiro ótimo, e suas mãos eram muito macias. Devia ser uma garota de "classe".

Resolveu entrar no jogo, e deitou-se no meio da cama. Ficou meio apreensivo quando a garota prendeu suas mãos sobre sua cabeça na cabeceira da cama, com algemas revestidas de veludo. "Hum, como ela tem bom gosto." Relaxou na cama, sorrindo maliciosamente, antecipando o prazer que ia sentir.

- E aí, docinho, foi o Aioria que te mandou, é?

"Preciso me lembrar de desamarrar aquela vadia, quando isso terminar!" - Foi, sim. - Disfarçando a voz, Afrodite observou o cavaleiro de Câncer esparramado na cama, sem saber o que o aguardava.

Continua