Anime: Inu-Yasha

Autor: Prímulla

Título: O Fulgor dos Deuses

Gênero: Romance/Aventura

Esses personagens não me pertecem, são exclusivsos do talento primoroso de Rumiko Takahashi, tomei empresatado apenas pra escrever essa fic, que não tem nenhum fim lucrativo, apenas a finalidade de diversão.

O Fulgor dos Deuses

(por Prímulla)

Capítulo II - A Mulher do Lago

Inu-Yasha, sentado em estilo oriental, com as mãos escondidas dentro das mangas de seu casaco, ainda estava com a cara amarrada, os olhos presos no nada da noite. Kagome já tinha perdido a conta das vezes que ela tinha tentado uma conversa com ele, sem qualquer sucesso. Sango também estava aborrecida, pois Miroku havia sumido na noite após nem tocar na comida. A exterminadora não estava pra conversa e deitada junto com Kirara parecia estar cochilando, mas Kagome sabia que ela estava era preocupada com Miroku, ou se mordendo de ciúmes da mente suja dele. Shippou já dormia indiferente ao clima tenso entre os companheiros. Naquelas horas ser criança era muito bom!

-- Inu-Yasha - chamou Kagome num sussurro, o meio youkai a fitou com seriedade. - O Miroku ta demorando, acha que está tudo bem?

-- Nada pode estar bem enquanto estivermos nessa montanha - ele respondeu com ar contrariado. - Também não acho prudente ir atrás dele e deixar vocês desprotegidos...

-- Você está sentindo alguma coisa?

-- Nada maligno, só que de repente surgiu esse cheiro cítrico... E isto está me incomodando.

-- Sango está uma fera com o Miroku...

-- E quando ela não está? - bufou Inu-Yasha com impaciência. - Ela deveria aceitar que ele é safado ou esquece-lo de vez!

-- Por que vocês homens acham que nós precisamos aceitar tudo de vocês? Ele poderia mudar um pouquinho, né? - indagou kagome levemente irritada. Inu-Yasha olhou-a confuso, poderia passar mil anos e ele sempre se assustaria com as mudanças de humor da Kagome!

-- Não brigue comigo! Por mim ele pode mudar, ficar do jeito que está, tanto faz! - ele deu de ombros. - Só queria que a Sango não sofresse tanto por algo que talvez não tenha mais jeito...

-- Inu-Yasha... Você está preocupado com a Sango? - indagou kagome num tom mais brando, os olhos castanhos tomados por um brilho de afeto e orgulho, mais uma mudança repentina. Como as mulheres eram estranhas!

-- Pare com isso Kagome! - ele disse desconsertado. Ela agora o abraçava com força, ele tentava se libertar, enquanto uma doce sensação foi tomando conta do corpo dele! Como poderia ficar pensando nessas coisas quando algo sinistro parecia rondar tudo ao redor dele! Mas era tão bom!

-- Estou orgulhosa de você! - ela disse roçando o rosto no dele.

-- Kagome! Isso não é hora! Não estava preocupada com o Miroku? - ele perguntou numa tola tentativa dela largar do pescoço dele.

-- E estou! Mas você me disse que está tudo bem... - ela comentou como se aquilo fosse a solução para tudo.

-- Eu não disse que estava tudo bem! Só posso espero que aquele monge idiota não nos traga mais problemas!

Como se as palavras de Inu-Yasha fosse uma sentença, Miroku surgiu. Ele estava com um olhar de bobo, assim como um sorriso ainda mais bobo. A roupa dele estava amassada e a faixa roxa que se prendia na roupa dele tinha sumido. Kagome saltou de imediato o pescoço de Inu-Yasha. Sango também pareceu notar a presença dele.

-- Miroku, o que foi? - perguntou Sango colocando-se de pé de pronto, pois algo na imagem do monge a tinha perturbado e muito. Ela sentia que havia algo incomodo em tudo aquilo, mas antes que ele respondesse qualquer coisa ela viu surgir de trás dele a figura de uma mulher envolta no pano roxo da roupa de Miroku, as curvas perfeitas mal se ocultavam no tecido reduzido. Sango ficou de queixo caído, pois ela era linda! Jamais havia visto olhos tão azuis como aquele, lembravam a tonalidade do lago durante o dia, refletiam a mesma quietude e escuridão apesar do tom azul do céu. Kagome abriu e fechou a boca também tomada pela surpresa e até Inu-Yasha pareceu encantado com a tal mulher.

-- Quem é essa mulher, Miroku?! - indagou Sango num tom agudo, evidentemente irado.

-- Ela, bem...

-- São seus amigos, Miroku? - ela perguntou encostando-se nas costas dele, envolvendo-o num abraço intimo, ai Sango ficou ainda mais vermelha de raiva.

-- São - ele respondeu entregue aos afagos dela.

-- Miroku, de onde veio essa moça? - perguntou Inu-Yasha como se tivesse despertado do transe, o tom dele era desconfiado, colocando-se protetoramente à frente de Kagome.

-- E quem é você? - ela perguntou afastando-se de Miroku ao ver Inu-Yasha.

-- Meu nome é Inu-Yasha e sinceramente não gosto do seu jeito moça!

- Inu-Yasha - ela repetiu num sussurro. - Seus cabelos... Pensei que jamais veria cabelos que lembrassem a lua. Prateados. Será?... - ela o fitava com um olhar estranho. - Você é um meio youkai - ela disse após um silêncio curto. - Não, não seria possível tal coisa...

-- E que diacho é você? Você não é humana, tão pouco sinto poder maligno em você, mas boa coisa você não é, disso eu tenho certeza! - disse Inu-Yasha num tom ameaçador.

-- Isso foi bastante indelicado, cachorrinho - ela disse num tom levemente entediado.

-- Cachorrinho?!! Mulher ou não vou te arrebentar! - gritou Inu-Yasha pronto pra atacar. Então Miroku se pôs entre ele e a mulher.

-- Pare Inu-Yasha! Ela é uma moça, como pode pensar em agredi-la!

-- Moça?! Seu idiota, ela não cheira a nada que eu conheça e sinto todos os pêlos do meu corpo ouriçados só em vê-la! De onde diacho ela veio?

-- Do lago. Tal como meu sonho, ela saiu do lago.

-- Andou sonhando com essa mulher?!! - exclamou Sango. - Então, hoje cedo você estava sonhando com ela... - a voz dela foi sumindo, assim como a cor de seu rosto. Kagome correu pra junto da amiga, segurando-lhe as mãos num gesto de solidariedade.

-- E você se perguntou o que em nome dos céus essa mulher estava fazendo lá? Será que passou pela sua cabeça que não é normal uma moça sair de dentro de um lago? E que se alguém a prendeu lá boa coisa ela não deve ser? - indagou Inu-Yasha quase aos gritos.

-- Se quer saber quem eu sou, basta me perguntar cachorrinho - disse a mulher. Inu-Yasha estava aponto de pular no pescoço dela, mas Shippou pulou no ombro do hanyou impedindo seu avanço.

-- Inu-Yasha... Há algo nessa mulher... Muito perigoso! - alertou o filhote de raposa, como se ele pudesse sentir que aquela mulher não era alguém em que se pudesse confiar...

-- Eu me chamo Tousei, nascida do fulgor dos deuses.

-- Nascida do fulgor dos deuses?! - indagou Inu-Yasha espantado.

-- Sim... Há muito tempo atrás alguns dos deuses almejaram os desejos que corria no sangue dos humanos, consumindo-se e corrompendo-se por vis anseios. Isso causou grande ira nos céus e os deuses se enfrentaram, uma guerra os assolou e os que um dia estiveram tomados pelos desejos humanos foram destruídos, porém, dos desejos impuros deles eu vim a nascer e me tornar Tousei, alimentando-me dos desejos dos homens, tornando-os escravos de suas veleidades. Eu vivi na floresta por muitos anos, mas então, os desejos dos homens se tornaram fortes e eles fracos diante de mim, e eu decidi me divertir com as emoções que fluíam tão intensa entre os humanos.

-- Feh! Mas algo saiu errado nessa sua linda historinha, não é? - indagou Inu-Yasha num tom nada amistoso. Os olhos de Tousei se estreitaram.

-- Eu estava me divertindo, mas então veio um grande youkai, que me venceu e me lacrou no lago. E lá eu fiquei até que Miroku pisou na Montanha e eu senti o desejo dele, um homem de poderes espirituais preso aos desejos humanos, e, então, eu o atraí até o lago pra que ele me libertasse e eu pudesse ser Tousei novamente.

-- Se você foi presa uma vez, então pode apostar que eu vou manda-la de volta pro lugar de onde veio! - ameaçou Inu-Yasha.

-- Você cachorrinho? - ela riu com desdém. - Você é apenas um meio youkai que precisa controlar a si mesmo pra que sua alma não seja quebrantada.

-- Já disse pra parar de me chamar de cachorrinho! - rosnou Inu-Yasha. - Não sei do que você está falando sobre minha alma, tão pouco gosto de bater em mulher, mas vou abrir uma exceção pra você! - ele gritou partindo pra cima dela, com a Tetsusaiga em punho, mas então, a mulher foi envolvida por uma luz prateada forte e ela se ergueu do chão. Tousei soltou raios de luzes que circularam Inu-Yasha, pretendo-o e deixando-o imóvel numa facilidade assustadora, enquanto a Tetsusaiga escapava das mãos dele e caía no chão. Ela fez um movimento com a mão e ele foi arrastado até ela, então, eles ficaram frente a frente.

-- Inu-Yasha! - gritou Kagome, puxando seu arco e atirando nela uma de suas flechas, mas a fecha de Kagome foi absolvida pela luz que envolvia Tousei, que fez um movimento com a outra mão e Kagome foi lançada pra longe por uma rajada de vento vindo dos céus tão escuros quando o olhar daquela mulher.

-- Kagome!!! - gritou Inu-Yasha tomado por uma fúria latente.

-- Tola, sua fecha não pode me purificar, pois não sou um ser maligno. Sua tolice apenas vai fazer com que o cachorrinho fique um pouco sem controle e ai... Um youkai poderoso poderá surgir e uma alma poderá se quebrar para todo sempre.

-- Como você sabe?... - indagou Sango já em posse de seu osso voado. Kirara também estava em sua verdadeira forma de youkai pronta pro ataque.

-- Posso ver os corações que possuem emoções, os desejos que guiam os passos dos seres vivos, e dessas emoções eu me alimento, e delas vocês não podem se desprender. Inu-Yasha deseja ser um youkai poderoso e ele possui poder para isso, mas a um preço alto demais. Ele seria a mais doce das refeições para quem ficou tanto tempo sem provar nada além do silêncio.

-- Não!! - gritou Kagome. - Não vou deixar... Eu... Preciso ajudar o Inu-Yasha... - ela tentava ficar de pé e de alguma forma vencer Tousei. Ela apanhou novamente seu arco e mirou em Tousei.

-- Não abuse da sorte, garota - ela disse num tom frio, porém, algo havia mudado. Tousei sentia o poder de Kagome aumentar, não era o suficiente pra vence-la, mas certamente daria confiança aos demais, e isso não parecia bom a Tousei. - Apesar de minha vontade de ver no que ele poderá se tornar, eu não o farei, pois agora que eu senti o coração dele eu vejo que há muitas outras emoções que podem me dar muito mais prazer... - então os feixes de luz que prendiam Inu-Yasha o saltaram e ele caiu pesado no chão. Kagome correu pra junto dele e o abraçou, protegendo-o com seu próprio corpo. - Sim, vocês possuem muitas e deliciosas emoções...

-- Tousei você é um monstro! - disse Miroku, desenrolando o manta que prendi seu buraco do vento. - E eu vou detê-la! - ele então abriu a palma da mão e buraco do vento começou a tragar tudo a sua volta. Tousei começou a ser arrastada pelas forças do buraco do vento. Então, ela moveu os braços e luzes e ventos surgiram de todas os lados e ela criou diante dela uma parede de luz, inibindo a força do buraco do vento.

-- Você é um bom homem buscando ajudar seus amigos, mas seus esforços não são nada diante de meus poderes. Aceitem isso e se curvem diante de TOUSEI!!

-- Nunca!! - gritou Inu-Yasha já de pé e com a Tetsusaiga em suas mãos. - Terá que nos matar, pois jamais nos curvaremos pra uma mulher desprezível como você! - Sango, Kagome, Kirara e até Shippou, parcialmente escondido atrás de Kirara e tremendo de medo, bem é verdade, estavam lado a lado de Inu-Yasha. Miroku lacrou seu buraco do vento e se juntou aos seus amigos. Eles estavam prontos pra enfrenta-la. A espada estava transformada e Tousei pressentiu o poder daquela arma. Prudência, Tousei recomendou a si mesma, afinal no passado sua afobação havia lhe custado sua liberdade.

-- Ai, ai... Estou cansada de vocês - ela disse com evidente desprezo. - Mas acho que não quero mata-los ainda. Aceitem isso como um pequeno prêmio pela diversão que me proporcionaram. Miroku, meu querido, não fique bravo comigo, quem sabe podemos repetir nossos beijos ao luar um dia desses... Você beija, muito, muito bem pra um monge... - ela disse enquanto a luz se intensificava e de repente ela sumiu na escuridão e eles estavam sozinhos na clareira, sem o odor cítrico, misturado com o de fogo, água, terra e flores.

-- Miroku, você beijou aquela... Aquela... - Sango apertou a mão com força, tentando se controlar, mas... POWFT!!!! Ela aplicou um soco potente em Miroku, derrubando-o no chão. E então, ela lhe deu as costas e se afastou. Shippou correu pra ajudar o amigo que via estrelas diante dele.

-- Maldita hora que viemos pra essa montanha! - gritou Inu-Yasha ainda furioso. - Aquela bruxa vai nos trazer mais problemas!

-- Ai, Inu-Yasha. Acha que conseguiremos prendê-la novamente? - perguntou Kagome num fio de voz, enquanto segurava na mão dele. O meio youkai se manteve quieto, ele estava perdido em seus próprios pensamentos, pois enquanto esteve preso nos feixes de luzes de Tousei ele sentiu um total descontrole dentro dele, algo muito profundo e atemorizante, pois pela primeira vez, ele deslumbrou a força maligna que adormecia dentro dele, e se assustou com força com que ele desejava libertá-la..

Continua...

N/A: Mais um capítulo! Espero que esteja ficando bom e que vcs estejam gostando!

Agradeço de coração a todos que me mandaram reviews, Leticia Himura, Sweet Ruby, Lily, Lp Vany-chan, Calerom, Kasumi, Kiki, Rin-chan, Yumi, Miguel, Bianca Himura, Marcella e especial agradecimento pro amigo Rudy!, todos os reviews foram muito importantes pra mim! Muito Obrigada!

Bjus a todos!