Capítulo 10 - Um dia a casa cai


- Raffles devia estar preso á casa por causa do baú... A única maneira de ele se libertar era alguém encontrando o baú. Por isso ele parecia tão ansioso em sempre falar sobre sua vida passada... - Lílian refletiu, enquanto observava o baú aberto.

Estavam todos no jardim, tinham acabado de almoçar. Arabella tinha se despedido a pouco e ganho um abraço de cachorro de Sirius, o que deixou a pobre velha muito vermelha (e rendeu ao maroto uma bronca de Lílian: "Você está tentando matar a pobre velhinha?!"). Tiago olhou pensativamente para ela.

- Eu me lembrei agora do dia em que chegamos. Ele disse que tinha rolado a escada... Inclusive se ofereceu para fazer o mesmo com você. Será que alguém empurrou ele?

- Bem, se foi, nós nunca vamos saber. - Remo abaixou-se, pegando alguns dos papéis que estavam na caixa - Talvez, se tivéssemos prestado mais atenção nele quando ele procurava conversar conosco, teríamos essas respostas.

Sirius, que também estava remexendo nos guardados do velho fantasma, puxou Lílian, quase fazendo a ruiva sentar em seu colo.

- Olha essa foto!

- Sirius, será que dá para você tirar as patas da minha namorada? - Tiago perguntou, vermelho, aproximando-se enquanto Lílian sentava-se no chão ao lado do amigo.

Sirius não ouviu o amigo e inclinou-se para a ruiva, mostrando a ela uma foto em preto e branco.

- Caramba, Lily! Ela é muito parecida com você.

Lílian tirou a fotografia das mãos do maroto e virou-a. Havia uma dedicatória atrás. "Com amor, Irene Thórenc."

- Acho que agora entendemos a ligeira queda que os homens da família de Raffles demonstraram pela nossa querida Lily, não? - Pedro perguntou com um sorriso, lembrando-se do que Tiago contara sobre o cara que vendera a casa.

Tiago fechou a cara.

- "Nossa querida Lily"?

- Pontas, você não devia ser tão possessivo, sabia? - Sirius observou, enquanto a ruiva mordia os lábios para não começar a rir. Sirius dando lições de moral em Tiago? Essa era realmente nova.

- Vamos guardar isso. Depois vamos ver o que fazer com o baú. A propósito, a senhora Figg me avisou que vai viajar, e pediu para que cuidássemos do jardim dela.

- A velha vai viajar? - Sirius sorriu - Aleluia, Senhor! Eu não agüentava mais ficar sendo vigiado por uam velha que tinha idade para ser minha avó!

Os outros riram, balançando as cabeças. Sirius nunca tomaria jeito mesmo. Enquanto entravam na casa, levando junto o baú, o moreno planejava aproximar-se afinal das outras vizinhas, que pareciam ter medo de Arabella Figg e, apesar de sempre estarem nas janelas, nunca iam conversar com ele.

- Acho que vou começar com a vizinha da frente. Como é mesmo o nome dela? Dynha, não é? E a do lado do parque é a Helena. Tem ainda a Drika, a Ameria, a Je, a Lisa, a Ana, a Babi, a...

- Sirius, como você conhece todas essas vizinhas se, de acordo com suas próprias palavras, a senhora Figg sempre está tentando afastá-las? - Remo perguntou curioso.

- Ei, você acha que eu vou para o parque só para caminhar e observar a natureza?

Lílian riu, embora internamente não estivesse tão feliz. Já fazia um mês que não vinha se sentindo muito bem, e seu constante mau-humor naqueles últimos dias era decorrente disso. O dia se passou sem mais surpresas e, na manhã seguinte, ela e Pedro aparataram para o Ministério, afinal, trabalhavam na mesma seção.

Era quase meio dia quando Pedro apareceu no escritório da ruiva para chamá-la para o almoço. Entretanto, quando ela se levantou, seu mundo ficou escuro de repente e, sem ouvir as palavras de Rabicho, Lílian desmaiou.

-------------------------------------------------------------------------------------------------

- Como assim, "foi simplesmente um desmaio"? - Tiago retrucou irritado.

O rosto pálido de Lílian que flutuava no fogo da lareira sorriu cansado.

- Tiago...

- Rabicho e Aluado, tratem de segurar essa louca aí enquanto eu não chego. Fui claro?

- Claríssimo, Pontas! - Remo sorriu, deixando a lareira. Rabicho logo o seguiu e apenas Lílian continuou, tentando argumentar com o namorado.

- Tiago, eu não vou ficar trancada aqui por causa de uma tontura.

- Você não está comendo direito. Ou pensa que eu não percebi, dona Lílian? Trate de ficar aí, quietinha. Eu vou conseguir uma licença para você e...

- Quantas vezes eu tenho que dizer que não vou ficar de licença por causa de uma fraqueza boba? Eu não preciso de férias e não há ninguém nesse ministério que possa me substituir, além disso... Porque você está rindo que nem idiota? - ela perguntou, começando a se revoltar.

- Depois sou eu que sou convencido, né? "Não há ninguém nesse ministério que possa me substituir", hã?

Lílian ficou vermelha e suspirou.

- Muito bem, eu fico em casa por hoje. mas amanhã, ninguém vai me impedir de ir trabalhar!

Tiago respirou fundo.

- Certo, mas existe uma condição. Você vai dar uma passada no St. Mungus hoje à tarde. Talvez você só tenha ficado nervosa por causa da ida do Raffles, e...

- Tiago, por favor, não venha repetir que eu estou sofrendo de colapso nervoso ou eu vou acertar sua cabeça com alguma coisa bem dura e pesada. E ainda vou argumentar que fiz isso porque estou numa crise de nervos. É por isso que eu preferia ter ido para meu apartamento...

- Você não vai ficar sozinha naquele apartamento. Chame o Remo para ir com você no hospital. Conversamos quando eu chegar de noite.

Ele deu um beijo rápido nela de despedida e Lílian sumiu nas chamas. Aquele ia ser mais um longo dia...

-------------------------------------------------------------------------------------------------

Quando Tiago chegou em casa naquela noite, juntamente com Sirius (que pouco depois saiu para acompanhar uma de suas muitas vizinhas que ia levar o cachorro para passear), encontrou Remo e Pedro muito calados, embora tivessem estranhos sorrisos nos rostos marotos.

Lílian estava trancada no quarto, de acordo com eles, dormindo. Tiago não entendeu porque ela trancara a porta; provavelmente estava com raiva dele. Seja como for, eles jantaram em silêncio naquela noite. E o pobre Tiago continuou sem entender nada quando bateu à porta da namorada no meio da noite e teve como resposta apenas um resmungo dado durante o sono da ruiva.

Ele só foi reencontrar a namorada no café-da-manhã, no dia seguinte. Ele foi o último a se levantar (ficara até tarde pensando se devia ou não arrombar a porta do quarto da namorada...) e, quando chegou na cozinha, ela estava sentada na mesa com os outros três marotos.

Sirius deu um sorriso muito suspeito para o melhor amigo e, junto com Remo, praticamente carregou um relutante Rabicho que ainda não acabara seu desjejum para fora da cozinha. O casal ficou sozinho e Lílian sorriu para o namorado, convidando-o a se sentar do seu lado.

- Lily, porque você...

Ela balançou a cabeça, pedindo que ele se calasse e se levantou.

- Bem, Tiago, eu tenho uma notícia para você... Eu sei que não estamos exatamente numa época em que isso seja bom de acontecer, afinal, querendo ou não, estamos em guerra. Além disso, nós ainda somos muito jovens, e...

- Lily, o que você está tentando me dizer? - ele perguntou, levantando-se, entendendo afinal o que estava acontecendo.

- Eu, bem, é...

Tiago sorriu, pegando a mão da namorada e beijando-a com carinho.

- Você está grávida?

Ela apenas assentiu sorrindo e, pouco depois, sentiu o chão faltar sob suas pernas. Tiago a abraçara forte, tirando-a do chão com facilidade. Geralmente ela não teria problemas com isso, só que, em suas atuais condições, isso resultou em algo nada agradável para a ruiva.

- Tiago, me põe no chão, eu vou vomitar! - ela quase gritou, debatendo-se nos braços do namorado.

O moreno imediatamente a depositou no chão e ela correu para a pia. Tiago observou a face lívida dela e tirou uma mecha do cabelo ruivo do rosto levemente suado.

- Lily, você quer casar comigo?

Agora a ruiva começara a tossir loucamente, engasgada. Tiago correu para procurar um copo de água para ela e, enquanto ela bebia, o observava assustada. Quando finalmente esvaziou o copo ela se virou para ele.

- Casar com você?

- Poxa, Lily, você fala isso num tom que parece que um trasgo foi quem acabaou de fazer o pedido. - Tiago resmungou, tentando parecer chateado e falhando terrivelmente.

- Sim.

- Como?

- Sim, eu aceito me casar com você, seu grandíssimo maluco. - ela deu um passo para trás quando ele fez menção de abraçá-la de novo - Mas vá com calma, certo. Eu estou na fase dos enjôos...

Na sala, escutando atrás da porta, os outros três marotos se entreolharam.

- Vocês sabem o que isso significa? - Sirius perguntou.

- Eles vão se casar e ser felizes para sempre? - Pedro perguntou, acabamdo de colocar um sanduíche na boca.

- Não. O Pontas vai se casar com a Lily... E essa casa... Bem, eu acho que vamos ter que nos mudar. De novo. - Remo foi quem respondeu.

Sirus sorriu em resposta.

- Pois é, pessoal... Um dia a casa cai...


ACABOU!!!! Ê!!!!

Bem, agradecimentos a Nina, Deby, Flávia, B.P., Isabelle Potter, Babbi, Sandrinha, Paulinha Granger, Lele Potter, Dynha Black, Xianya, Morguene Evans, Helena Black, Lily Dragon, Anita McGonagall, Adriana Black, Cherryx, Rose Mia, Ameria A. Black, Marmaduke Scarlet, Juliana, Ysa, Aya Nefertari, ei!, Marcellinha Madden, Jéssy, Keshi Toshimasa, Jéssika Black, Je Black, Tainah, Ana Luthor, Naiara, Lisa Black, Luiza, Ellen Potter, Tathi, BabI BlacK, MaRiA, Thaisinha, Crystin-Malfoy, the black angel 357, Sarita, ang, Nick Malfoy, Lily Dany Potter e a todos que leram e que fazem o dia dessa escritora mais feliz.

A propósito, temos uma enquete nova lá no hades club e também um concurso. Passem por lá, especialmente o pessoal que é fã da Susan, ok? O endereço está lá no profile, cliquem no meu nick lá em cima.

Beijos e até a próxima!

Silverghost.