Capítulo 03: Porre astronômico


E cá estamos nós... O que vai fazer agora?

Arrumar a sala, oras! Eu prometi a ele.

E Charles?

Eu me esqueci completamente dele enquanto estava falando com James na cozinha. mas caredito que, se Madeline aceitou vir a um encontro aqui, ela já deve ter se acertado com Charles.

Tem certeza? Talvez Madeline não seja a pessoa que você imagina que seja. Afinal, ela conseguiu até mesmo fazer Potter e Black brigarem. Ou se esqueceu da cena do almoço?

Lily suspirou enquanto observava a sala de astronomia. Apontou a varinha para o aposento e, após um sussurro, os pequenos tapetes em que ficavam sentados para as aulas deram espaço para uma mesa redonda das que se vê em portas de cafés europeus. A ruiva tirou da mochila uma delicada toalha, assim como pratos, talheres, taças e um belo castiçal. Por fim conjurou flores e velas.

Quando finalmente terminou de organizar a mesa, já passava das oito da noite. O céu lá fora estava escuro e uma brisa quente soprava. James pedira para que tudo estivesse pronto até às dez.

Você sabia que está organizando o altar de sacrifício onde sua amiga será imolada?

Eu não estou fazendo isso pelo Potter, mas por ela. Acredito que ele possa fazê-la feliz.

E você? Quem vai fazer você feliz?

Ela revirou os olhos, sentando no chão junto a uma das janelas e puxando para si uma das garrafas dos engradados que James deixara ali mais cedo. A face dela se curvou em surpresa. Aquilo era vinho! Como ele conseguira vinho?

Ele vai embebedar Madeline para conseguir o que quer.

Você não gosta muito dele, não?

Na verdade, eu só estou usando da minha sinceridade. Acho que você devia ficar e vigiar tudo por aqui. Podia se esconder no armário. Se ele tentar se aproveitar da sua inocente amiga - e eu duvido muito que ela seja inocente - você poderá...

Que história é essa de "eu duvido muito que ela seja inocente"? Ela não tem culpa de gostar do Potter e dele gostar dela.

Lily virou toda a garrafinha de uma vez, sentindo o líquido arranhar sua garganta. Um torpor suave tomou conta de sua cabeça e sorrindo bobamente, ela pegou outra garrafa.

Está planejando ficar bêbada?

E se eu estiver, isso é da sua conta?

Lógico que é da minha conta! Eu sou sua consciência! Isso é simplesmente ultrajante! Uma verdadeira inomínia!

Não.

Não o quê?

Você não é minha consciência.

Perdão?

Consciências adolescentes não costumam falar em ignomínias e ultrajes. Elas praguejam e observam "você está pagando um mico". Não "isso é simplesmente ultrajante".

Está se chamando de ignorante.

Não. Estou apenas constatando os fatos.

Silêncio. Lily suspirou novamente, jogando sua segunda garrafinha no chão. Tirou mais uma do engradado, observando o vaso de flores sobre a mesa.

Muito bem... Você é mais esperta do que aparenta.

Eu sei. E então, vai me dizer quem você é?

Não.

Tudo bem. Mais cedo ou mais tarde, eu vou acabar descobrindo.

Esperemos então que seja mais tarde.

Silêncio novamente. Lily fechou os olhos, jogando a cabeça para trás. Porque tinha a impressão de que estava esquecendo alguma coisa? Alguma coisa muito importante, algo que ela definitivamente devia notar?

Forçou a memória tentando pensar. Enquanto isso, no dormitório masculino, James e Sirius observavam o velho relógio.

Acho bom os senhores fazerem alguma coisa porque ela está quase quebrando nossa ligação. E como ela não é cega como a grande maioria dos alunos dessa escola, vai perceber que a briga de vocês foi uma encenação, assim como toda a história com Madeline.

'- Acho então que é hora de o grande Sirius Black fazer sua entrada triunfal.

Sirius se levantou, mas antes que pudesse deixar o dormitório, James se interpôs no caminho.

'- Olha lá o que vai fazer, Almofadinhas. Certifique-se de guardar suas mãos em lugares apropriados.

'- Não se preocupe, Pontas, você vai aparecer antes que eu possa fazer quanquer coisa. Portanto, trate de não perder a hora.

James assentiu e Sirius sumiu pela porta. Agora só restava ao maroto de óculos esperar. Não devia ser muito difícil, afinal já esperara por três anos, porque não mais uma hora?

Ao mesmo tempo em que James se perdia nesses pensamentos, Sirius chegava à torre de astronomia. Só que o que ele encontrou não era exatamente o que ele esperava.

'- Lily? - ele perguntou, ligeiramente desconcertado.

A ruiva voltou-se para ele, sorrindo. Os dois engradados dse vinho que ele e Remus tinham trazido de Hogsmeade para James estavam rasgados e do garrafinhas vazias se enfileiravam no chão.

'- Olá, Black. - ele respondeu com a voz rouca.

O olhar do maroto desceu pelo busto dela, percebendo que ela abrira os primeiros botões da blusa branca, revelando um top cinza, da mesma cor da saia. Bem, olhando daquele ângulo, ele podia perfeitamente entender porque a despeito de todos os conselhos que ele dera, james continuava louco pela ruivinha.

'- Hum... - ele tentou desviar o olhar dela - Você fez um belo trabalho aqui.

Ela deu de ombros enquanto ele se aproximava lentamente.

'- Uma pena que tudo isso seja para outras pessoas...

Lily o olhou divertida, cruzando os braços.

'- Não sei se é impressão minha, mas acho que você está tentado a dar alguma sugestão sobre isso.

Ele sorriu e, no instante seguinte, Lily se viu encostada na parede com os braços de Sirius apoiados à mesma na altura do pescoço dela, fato que a impedia de fugir. Entretanto, ele não chou a tocá-la. Ainda.

'- Se eu tiver uma sugestão... Você aceitaria?

Ela semicerrou os olhos, um meio sorriso no rosto. Daquela distância, Sirius podia sentir a respiração compassada dela. Lily não parecia nervosa com a proximidade deles, ao contrário de tantas outras garotas.

'- O que está fazendo aqui, Sirius? - ela perguntou após alguns instantes de silêncio, reabrindo os olhos e mantendo o sorriso - O que você quer? Afrontar o Potter no encontro dele com Madeline?

'- Talvez... - ele respondeu em um sussurro, aproximando o rosto - A vingança é um prato muito, muito doce...

Nesse momento, a porta se abriu com estrépito. Sirius endireitou-se, mas não se afastou da ruiva. Lily abriu ainda mais o sorriso ao enxergar a face zangada de James Potter. O show ia começar...

'- Sirius?

'- Olá, Pontas. - Sirius respondeu com um sorriso cínico.

Lily aproveitou o espaço que o maroto lhe deixara para abaixar-se e escapar dos braços dele.

'- Madeline já está aí? - ela perguntou com a voz alegre - Pelo ritmo que as coiss estão indo, daqui a pouco vamos estar dando uma festa!

Por trás de Lily, Sirius apontou para James as garrafas vazias. James apenas assentiu. Talvez aquilo facilitasse seu trabalho. Com a melhor cara de sofrimento que conseguiu fazer, ele suspirou.

'- Madeline não vai vir. Sirius, você pode...

'- Dar licença ao grande rei dos marotos? Sinto muito, Potter, eu não recebo ordens suas.

Lily parecia estar se divertindo imensamente com a discussão, já que seu sorriso se alargava cada vez mais.

'- Será então que vou ter que tirar você à força daqui?

'- Eu só saio se a Lily pedir.

A ruiva virou-se para Sirius, enquanto observava com o canto do olho James lhe lançar um olhar miserável.

'- Tudo bem. - ela respondeu com um gracejo - Cachorrinho, você pode nos dar licença? Quando eu sair daqui, prometo que te levo para passear.

Sirius sorriu de maneira maliciosa, assentindo e deixou a torre. James e Lily estavam agora sozinhos. Ela se sentou no parapeito da janela, ainda sorrindo, sob o olhar observador de James.

'- E então, o que aconteceu? - ela perguntou em uma voz infantil.

O moreno passou a mão pelos cabelos, puxando uma das cadeiras da mesa e abaixando a cabeça em um movimento calculadamente melancólico.

'- Ela me deu um fora.

'- Que pena... - Lily respondeu, sua voz demonstrando claramente que não sentia pena nenhuma.

James mordeu os lábios. Ela não devia ser mais doce? Ainda mais porque estava sob efeito da bebida! O que estava acontecendo com ela?

Como resposta, ele ouviu um suave deslizar e ergueu a cabeça no exato instante em que ela parava diante dele. Não havia mais nem sombra de sorriso nos lábios dela.

'- Você não está brigado com Sirius. - ela afirmou, observando-o com cuidado.

Ele levou novamente a mão aos cabelos, sentindo-se nervoso. Não adiantava mentir, podia ler isso nos olhos dela.

'- Acho que não.

'- E também não está apaixonado por Madeline.

Mesmo sem querer, ele sorriu.

'- Definitivamente não.

A ruiva puxou sua mochila que estava sobre a outra cadeira. James observou ela tirar um espelho redondo de lá.

'- E imagino que isso seja seu.

'- Na verdade, é do Relógio.

Ela estendeu o espelho para ele, que se levantou, tirando o relógio do bolso e colocando-o sobre a mesa.

'- Você está brava?

Lily riu.

'- Eu estou bêbada. Além disso, hoje é primeiro de abril. - os olhos dela faiscaram.

Ele se aproximou dela.

'- Você está consciente demais para quem bebeu doze garrafas de vinho.

'- Como eu disse, é primeiro de abril. - ela respondeu, dando de ombros - Só bebi duas garrafinhas, que, imagino, seja o equivalente a dois copos. Além disso, não sou fraca para bebidas. Já as flores...

James estreitou os olhos para a mesa, notando finalmente as flores murchas sobre ela.

'- Estava tentando estragar meu encontro. Lily?

'- Não ia haver um encontro aqui, James. - ela respondeu, arqueando a sobrancelha.

Ele sorriu.

'- Na verdade, já está havendo.

Ele a puxou pelo braço, fazendo-a se sentar. Lily observou-o com curiosidade.

'- Não teria sido muito mais simples me convidar?

'- E você teria aceitado... - ele respondeu com um olhar descrente - Além disso, lembre-se que fizemos um trato no começo do ano.

'- E você o está quebrando.

'- Será que você não queria que eu quebrasse?

Lily sorriu.

'- Sabe que qualquer coisa que se diga aqui pode depois ter a contra-argumentação de que foi dita no dia da mentira?

E se eu disse que acaba de dar meia noite? - o Relógio observou, abrindo sua tampa.

Foi a vez de James sorrir.

'- E então?

Ela se levantou calmamente, parando bem diante dele, a cabeça levemente erguida para que pudesse encará-lo nos olhos.

'- Eu devia matar você por toda essa confusão. O que acha que estava fazendo quando colocou esse relógio para invadir meus pensamentos?

'- Tentando entender você?

Ela meneou a cabeça.

'- Você nunca será capaz de entender. Mas não se entristeça... - ela sorriu, levando uma das maõs à nuca dele - Eu também não entendo.

James não conseguiu responder a essa última informação. Sua mente estava ocupada demais observando a íris dela. Tão verdes... Tão brilhantes... Ele fechou os olhos, abraçando-a pela cintura.

'- Não se pode negar que foi um inesquecível primeiro de abril. O que as pessoas vão dizer amanhã? - ele perguntou rouco.

'- Quem se importa? - foi a resposta dela antes de beijá-lo.

Fim


Acabou mais uma... Acabou mais uma... Como sou feliz... Como sou feliz...

Ok, pessoal, eu reconheço minha insanidade. Beijos a Belle e Babbi Potter, Babi Evans, Juliana Montez, Gween Black, Vá, Dany Malfoy, Mimi Granger, Nick Malfoy, Juliana, Mah Clarinha, Dre, t0n, Paty Felton, Mari-Buffy, Lily Dragon, Jé Black, Adriana Black, Cherryx, Sarah-Lupin-Black e todos que leram a fic.

Agora só tenho que me preocupar com atualizações de DA. Que maravilha, vou poder tirar umas férias!

Até a próxima, pessoal!

Silverghost.