1) Atração Repentina

Naquele fim de tarde, Harry estava no salão comunal da Grinfinória, em frente a lareira. Poucos minutos atrás conversa com Rony, este dizia coisas sobre estar apaixonado. Há alguns meses Rony e Luna namoravam, e naquele dia ele aconselhava Harry a arranjar uma namorada. Harry que pensava nas palavras do amigo, não percebeu a chegada de Hermione no salão.

Harry! – ela chamou. Por mais que tivesse sido num tom normal, Harry assustou-se, pois estava concentrado em seus pensamentos.

Nossa Hermione, que susto! – ele exclamou endireitando-se na poltrona.

Posso saber em que estava pensando Harry James Potter? – ela perguntou sorrindo e Harry lhe retribuiu.

Nas coisas que Rony me dizia a pouco – ele respondeu.

Ah Harry, por favor! Não fique pensado nas coisas que Rony anda falando! Tudo que ele sabe dizer é: como é bom namorar! – ela falou em tom de reprovação.

E qual o mal em namorar, Mione? – ele perguntou olhando-a nos olhos.

Nenhum, mas há coisas mais importantes a si pensar – ela respondeu desviando o olhar.

Tudo bem que teremos uma batalha em breve, mas será que exatamente por isso nós não deveríamos aproveitar? – indagou Harry.

Você fala como se não fosse sobreviver a batalha – ela disse tristemente.

Eu não sei o que vai acontecer, Mione, mas há essa possibilidade.

Então talvez por isso seja melhor não namorar com ninguém, para que essa pessoa não sofra caso venhamos a morrer – Harry não gostou daquilo. Ele não se incomodava em falar que poderia não sobreviver, mas não admitia que ninguém além dele, especialmente Hermione, falasse em morrer.

Eu não vou permitir que nada te aconteça – falou puxando delicadamente o rosto da garota pelo queixo, fazendo-a encará-lo.

Ficaram algum tempo assim, sem nada falar, apenas se olhando. Harry não soube de onde surgiu, mas sentiu uma imensa vontade de beijá-la, os lábios de Hermione pareciam convidá-lo, então começou a se aproximar dela. Hermione sentia-se hipnotizada pelo olhar de Harry e pelo cheiro inebriante que emanava do corpo dele, percebia aquela aproximação, mas não desviou, não queria desviar.

Foi então que um barulho vindo do retrato da mulher gorda anunciou que alguém entrava e acabou interrompendo aquela atração repentina neles. Totalmente embaraçados com o que quase fariam, sorriram envergonhados. Um grupo de alunos que parecia ser do primeiro ano entrou, mas foram imediatamente para os dormitórios. Harry não sabia o que dizer, quase beijara Hermione, sua amiga, mas por quê? Nunca antes sentiu aquela sensação, aquela vontade louca de beijá-la, reprimiu-se mentalmente por pensar nisso.

Eu vou na biblioteca – disse Hermione, também confusa. Ela precisava sair dali, não sabia explicar o que havia acontecido.

Tudo bem – ele respondeu e sorriu sem graça.

Hermione andou até o retrato da mulher gorda e saiu. Harry a acompanhou com os olhos até que ela sumiu. Por pouco não trocara um beijo com Hermione, e ele não sabia o que era mais confuso, querer beijá-la ou sentir uma imensa raiva por terem interrompido aquele momento.

Andando rapidamente para a biblioteca, Hermione também pensava no que quase aconteceu. Ainda podia sentir seu coração acelerado devido aquele olhar de Harry. "Mas o que está acontecendo comigo? Harry é meu amigo", ela pensava. Tentou convencer-se de que fora apenas um momento, e a melhor opção para tentar esquecer aquilo seria estudar. Escolheu a mesa mais afastada, que ficava no fundo da biblioteca. Ficou ali por horas, perdera até o jantar, mas pelo menos não pensava mais em Harry. Acabou adormecendo em cima da pilha de livro que colocara sobre a mesa, sem perceber que era a única que restava no local.

No salão comunal Harry esperava preocupado por Hermione. A amiga não aparecera pra jantar e até aquele horário ninguém a tinha visto. Será que foi devido ao quase beijo deles? Decidiu não esperar mais, procuraria por Hermione. Foi até seu dormitório e pegou sua capa de invisibilidade, saindo do salão comunal da Grinfinória em seguida. Será que ainda estaria na biblioteca? Apesar de saber que provavelmente o local já estaria vazio e fechado, achou que deveria ser o primeiro local para procurá-la.

Harry entrou cuidadosamente na biblioteca, procurava por Hermione, mas todas as mesas estavam vazias. Será que ela já teria ido embora? Harry caminhou mais um pouco, faltava olhar na parte do fundo da biblioteca. Foi então que a encontrou. Hermione dormia sobre os livros e Harry ficou por alguns minutos a admirá-la, "Esta tão linda! Essa não, novamente pensamentos inadequados", pensou ele. Aproximou-se da amiga e carinhosamente a chamou, assustada Hermione acordou.

Harry? O que está fazendo aqui? – perguntou ainda sonolenta.

Acho que eu é quem deveria lhe fazer essa pergunta, não acha Srta. Granger? – Hermione sorriu, foi naquele momento que percebera que estava na biblioteca.

Fiquei estudando, acho que peguei no sono – respondeu ela – Mas o que veio fazer aqui?

Eu? – Harry não sabia o que responder, ficou preocupado com ela, mas por quê? Até pensou que ela pudesse estar chateada pelo que aconteceu horas antes.

Sim Harry.

Você não apareceu pro jantar, fiquei preocupado – ele respondeu apenas isso.

Ah. Bem, é melhor irmos agora não é?

Concordo, se nos pegarem receberemos detenção – Harry falou mostrando a capa.

Obrigada! – ela agradeceu ao amigo.

Saíram dali juntos debaixo da capa de invisibilidade. Hermione ia na frente, podia sentir a respiração de Harry em seu pescoço devido a proximidade dos corpos e isso não era nada bom, aumentava a confusão que havia na sua cabeça já que sentiu mais vontade de beijá-lo.

"Controle-se Hermione, é só o Harry! Só o Harry!", disse para si mesmo. Era só o Harry, talvez esse fosse o grande problema! Hermione, mesmo sendo amiga dele, não poderia deixar de notar as mudanças que Harry sofreu durante aqueles anos. Seu corpo era bem desenvolvido, seu sorriso perfeito e os olhos... ah aqueles olhos! Hermione adorava os olhos de Harry. Já estavam próximos da torre da Grinfinória quando ouviram um barulho. Agilmente, Harry puxou Hermione, colocando-a contra a parede, colando em seguida seu corpo no dela. Seus corações batiam acelerados, mais uma vez a proximidade entre eles era de centímetros.

Shh! – ele sussurrou no ouvido da garota provocando um arrepio em seu corpo. Viram Filtch, o zelador vasculhando o corredor, provavelmente a procura de alunos "desobedientes".

O que vamos fazer? – foi a vez de Hermione sussurrar no ouvido de Harry, fazendo o corpo dele estremecer.

Esperaremos ele sair – ele disse. Hermione apenas confirmou com a cabeça. Será que Filtch ia demorar muito? Eles não sabiam quanto tempo iam agüentar daquele jeito. Harry sentia o corpo de Hermione junto ao seu, e implorou para que seu corpo não reagisse àquela proximidade.

Harry então olhou para Hermione, que parecia tão apreensiva quanto ele e sorriu para ela. Retribuindo o sorriso do amigo, mais uma vez sentiram-se hipnotizados um pelo outro, que nem perceberam que o zelador já tinha ido embora.

Novamente Hermione sentiu seu coração acelerar, Harry a olhava de maneira diferente, como se pedisse permissão para beijá-la. "O que fazer? O que fazer? O que fazer? Me beija logo Harry", ela dizia em pensamento, mas naquele momento Harry parecia conseguir ler sua mente, pois foi isso que fez. Ele encostou os lábios nos dela, e segundos depois começaram um beijo intenso e apaixonado. Apaixonados? Desde quando eles estavam apaixonados?

N/A: Primeiro capitulo, espero que tenham gostado! Eu decidi deixar que os próprios personagens contassem a historia do outro casal, assim não ficaria repetitivo: ) O capitulo ficou pequenininho, mas como eu disse essa fic não será muito grande, já que era pra ser um short: ) Obrigada por lerem e comentarem! Beijoss! PinkPotter : )