N/T: Como eu acho que já disse, nada aqui me pertence. Os personagens são do tio Pullman e a história é da Emmelz, apenas uma tradução de Mid Summers Day.

Capítulo 2

Lyra sentou-se no Jardim Botânico em sua Oxford com seu daemon Pantalaimon correndo ao redor de seus pés. Ela tinha aceitado a oferta de Dama Hannah para ir à escola. Havia conhecido muitas crianças legais lá, mas era aquilo que elas eram: crianças. Depois de tudo que ela tinha passado e tudo que ela tinha visto, ela se sentia muito mais velha que todos eles. Ela tinha mudado muito durante suas experiências com Will, então ela tinha decidido não falar sobre suas viagens. Para seu azar, Cleo Layne, uma das garotas que tinham escapado de Bolvangar, disse à todos o que tinha acontecido antes dela chegar. Mesmo sem que ela quisesse, acabou por contar para todos suas histórias, sempre a verdade. Ela estava pensando em Will quando o sentiu ao seu lado. Tanto quanto ela pensara nele, ele estava lá. Pantalaimon olhou para ela,

"Lembra do que a anjo Xaphania disse? Sobre o modo como os xamãs podem atravessar os mundos? Como eles fazem isso? Talvez nós possamos aprender!", disse ele. Lyra estava aprendendo como ler o aletômetro com os livros, tentando memorizar o significado dos símbolos. Ela tinha tentado perguntar como fazê-lo, mas a resposta tinha sido muito complicada para se decifrar. Ela continuou a pensar em Will e entrou no estado de transe do Aletômetro. Ela podia vê-lo sentado alí afagando Kirjava olhar pra ela, bem, olhando para a parede atrás dela. Ela estava tão animada que saiu rapidamente do estado de transe. Pan estava olhando para ela com seus grandes olhos. Ela tentou entrar no transe mas nada aconteceu.

"O que está acontecendo?", ela perguntou a Pan, "Não está funcionando!"

"Você tem que se concentrar no Will!". Ela tentou novamente e achou aquilo mais fácil. Dessa vez Pantalaimon foi com ela. Ele foi até Kirjava e começou a falar com ela, ao mesmo tempo em que Lyra exclamou "Will!". Isso foi quando Will tinha sentido a fisgada, e os corações dele e de Kirjava tinham disparado.

"Isso não é justo!", disse ela batendo o pé. De um lado podia-se ver 'num flash' Lyra sentada alí com seus olhos vidrados e Pan ao seu lado com a mesma espressão vaga, e daquele lado podia ver Will, seu amado, seu verdadeiro amor, não estando livre para vê-la. Ela andou um pouco e tocous sua face. Ele se arrepiou e Kirjava e ele apenas disseram "Lyra."

"Oh, Will, isso não está certo, não completamente. Nós devíamos estar juntos, e não assim, vendo você aqui, aí, sem mim, sem me ver... erg!", uma lágrima caiu de seu rosto e foi parar na mão de Will. Ele olhou para aqui, ele não se moveu. De alguma maneira ele sabia que aquilo não era uma gota de chuva normal, aquilo parecia uma lágrima.