A Academia tem um dos mais impressionantes acervos histórico e cultural do país


Órion observou com assombro a bela facahada em estilo neoclássico do prédio. Alguns estudantes subiam as escadarias de mármore, conversando alegremente. Outros estavam sentados preguiçosamente sob as sombras das frondosas árvores que se erguiam no jardim.

- Seja bem-vindo à Real Academia Inglesa, caçador. - Lyn parou ao lado do irmão, segurando as malas dele.

- É enorme... - ele murmurou, sem tirar os olhos da construção.

- Você vai ficar no prédio principal. O colegial e o preparatório dividem essa parte da Academia.

- E você? - ele perguntou, finalmente voltando-se para a irmã.

- O prédio da Universidade fica atrás do teatro. Você não pode entrar lá, mas eu tenho permissão para te visitar.

Órion assentiu.

- E onde ficam os laboratórios?

- Sinto muito, Órion, você não terá acesso a eles até chegar ao preparatório. - a voz de Harry soou atrás deles.

- Isso não é justo... - o rapazinho resmungou, cruzando os braços.


São milhares de livros escritos em todas as línguas, vindos de todas as partes do mundo, sobre todos os assuntos conhecidos pela mente humana.


Ron sentou-se ao lado dela, espalhando os livros sobre a mesa. Hermione lançou-lhe um olhar enviesado, mas logo voltou às suas anotações.

Harry sorriu, meneando a cabeça, enquanto seus olhos percorriam o ambiente silencioso da biblioteca. A maior parte de seus colegas estavam lá, estudando para os testes. Entretanto, nem Ginny nem Lyncis estavam à vista. O que as duas estariam aprontando?


Além da biblioteca e dos complexos educacionais e tecnológicos, A RAI conta ainda com o Teatro John Milton, com capacidade para duas mil pessoas, cujo responsável, o professor Nicolai, é também maestro da Sinfônica.


- Não sabia que você sabia tocar, Arch. - Lyn sorriu, sentando-se ao lado dele, junto ao piano.

- Todos nós temos os nossos segredos. - o rapaz sorriu de volta, observando a prima - Por sinal... O que foi aquela cena hoje no almoço?

A morena corou de leve.

- Sinceramente? Eu também não entendi muito bem. Harry nunca gostou do Malfoy, mas daí para atacá-lo gartuitamente...

Arch meneou a cabeça.

- Você tem certeza que não compreende o que aconteceu?


A jóia da Academia, no entanto, é o Museu de Arqueologia, inaugurado na gestão do direito Albus Dumbledore por seu genro, o arqueólogo Arthur John Evans.


- E é aqui que você entra, Harry. - Hermione concluiu, abrindo uma porta quase escondida entre os imponentes sarcófagos egípcios - O objeto que foi roubado do museu foi um presente do seu avô à Academia.

- Alguma jóia cretense ou coisa do tipo? - ele perguntou, observando a sala em que tinham entrado.

Hermione meneou a cabeça.

- A peça estava nessa sala. Como podem ver, um simples depósito de caixas e expositores quebrados.

- Porque uma coisa tão valiosa estaria em um depósito? - Ron perguntou, estreitando os olhos.

- Isso é, precisamente, o que precisamos descobrir.


Um relógio e uma sinfonia

Antigas tradições de família

Novos e velhos amores

O Sétimo Selo

em breve