Capítulo 15 – Somente Eu e Você

Notas da Autora: Em primeiro lugar... nada de amassos em auditório neste capítulo ahuahaua. Simplesmente não encaixava eles se atracarem do nada no meio de uma multidão... huhuh Não ainda, claro, mas aguardem capítulos futuros.

Quanto ao resto, bem...

Eu não tinha inspiração para continuar essa história (assim como as outras) há muito tempo, achava que era preguiça, mas depois de quase ficar surda de tanto escutar Lifehouse, resolvi seguir um impulso e tentar escrever mais um capítulo de Appassionata.

Vocês verão que optei por um tema clichê, mas a intenção foi essa mesma, tudo para criar aquele clima pesado de romance típico filmes açucarados que criticamos tanto mas adoramos ver.

E como essa fic se trata também de música, recomendo que leiam este capítulo escutando You and Me, Lifehouse.

Não vou colocar a letra para separar trechos da história porque não ficaria legal (Fora que escutei muitas outras músicas para escrever isso aqui!), sem mencionar que na letra da música o carinha usa um 'she'... e ficaria meio bizarro ler isso numa fic yaoi, né?

Mas aproveitem a continuação da história ouvindo esta música, ela é muito boa de todas as formas. xD!


… toc

A sensação de conforto e felicidade eram tão grandes que Remus apenas se remexeu um pouco na cama. Estava esgotado fisicamente e realizado emocionalmente. Aquela fora uma das melhores noites de sua vida. Ainda conseguia sentir o cheiro de Sirius, o sabor de seus lábios e todos os mínimos detalhes que conseguira guardar daqueles minutos que passaram se beijando na entrada da escola.

toc

Meio zonzo Lupin apoiou-se nos cotovelos e piscou os olhos meio perdido. O quarto se encontrava completamente escuro e nada parecia perturbar sua paz.

Mas então da onde viera aquele barulhinho irritante?

...toc

O mesmo estranho ruído de novo. O que poderia ser a essa hora? Um gato vadio? Malucos na rua? Sua própria imaginação? Se fosse em outro dia poderia até ficar extremamente preocupado, mas hoje estava tão nas nuvens que se encontrava mais do que disposto a ignorar tudo e voltar a dormir.

Remexendo-se um pouco no calor dos cobertores voltou a descansar a cabeça no travesseiro. Queria estar descansado o máximo possível para aproveitar o final de semana, dois dias os quais planejava passar ao lado de Sirius.

Ah, Sirius... Dormir também significava sonhar com ele, e isso era tentador, ele nem sequer tentava resistir.

Os fios negros... O sorriso... Os olhos…

…toc

De um salto Remus sentou-se na cama ofegante. Dessa vez ele tinha certeza, não fora sonho nem sua imaginação. Havia um barulho estranho no quarto, mas precisamente ao pé de sua cama, próximo a janela.

Olhou para o relógio.

Uma da manhã! Será que devo chamar a policia?, pensou ainda com o coração descompassado.

...toc

O barulho se repetiu e ele aproveitou para localizar exatamente da onde vinha.

Com certeza vem da minha janela. Mas o que poderia ser? Algum galho? Mas da última vez que chequei a árvore aqui do lado não alcançava o segundo andar. Ainda pensava nas possibilidades quando o barulho se repetiu novamente.

Parece uma pedra... A idéia ecoou por sua cabeça antes que ele finalmente a interpretasse. Mas uma pedra... só se alguém estiver jogando pedras na minha janela. E enquanto pensava começou a se levantar, meio confuso entre olhar pelo vidro e espiar a noite lá fora, ou ligar para a polícia.

Porque não as duas coisas, Remus? Falou consigo mesmo. E pegando o telefone sem fio ele aproximou-se cautelosamente da janela, afastando a cortina para o lado e espiando lá fora.

Por uns instantes não conseguiu enxergar nada na rua deserta. As luzes estavam fracas e um pouco distantes, obrigando-o a apertar os olhos para tentar decifrar aquele enigma.

Distraído e apertando o telefone na mão esquerda, ele aproximou-se ainda mais, quase encostando o nariz no vidro. No instante em que começava a imaginar se não estava maluco, um objeto pequeno, provavelmente uma outra pedra, bateu bem a onde era para estar sua testa, fazendo o dar um pulo para trás deixando o telefone escapulir rapidamente por entre seus dedos.

Mas o que diabos... Pensou e dessa vez perdera o medo passando a ficar irritado. Pensando melhor um ladrão seria mais esperto e não ficaria fazendo gracinhas como essa. O que quer que fosse era algum idiota zoando com a sua cara.

Erguendo-se e levando a mão ao trinco da janela, ele a puxou para cima, já avançando para frente com uma idéia fixa de apanhar o engraçadinho que estava fazendo aquela brincadeira.

A meio caminho de colocar o rosto para fora ouviu um novo zumbido e desviando instintivamente para o lado, sentiu algo passar raspando por sua orelha, indo parar dentro do quarto.

Bem, agora sim haviam conseguido, ele estava furioso.

Expondo a face para o frio do lado de fora do quarto, ele rapidamente olhou para baixo, tudo isso a tempo de ouvir um baixinho Ops!.

Levou alguns segundos para que seus olhos se adaptassem a nova falta de claridade, principalmente agora que a raiva o deixara meio elétrico. Assim que as imagens difusas do que via começaram a ganhar um certo sentido, ele passou lentamente a distinguir os traços da pessoa logo abaixo de sua janela.

Não demorou menos de um minuto para que notasse a altura, os cabelos e o porte já bastante conhecidos. E como que por mágica sua irritação desvaneceu dando espaço para a surpresa.

- Sirius?! – exclamou, conseguindo ainda manter a voz em um volume baixo para evitar acordar os vizinhos.

Sirius deu um sorriso meio sem graça coçando a parte de trás da cabeça.

- Desculpe, eu quase te acertei – respondeu o moreno um pouco tímido. – É que me pareceu uma boa idéia tacar pedrinhas na sua janela, já vi isso em um monte de livros e filmes. Achei que seria legal.

Remus ergueu uma das sobrancelhas, meio indeciso sobre achar graça da situação ou ficar irritado pela falta de bom senso do companheiro.

Sirius notou o silêncio de Lupin, começando a se sentir tolo pelo que havia feito. Neste instante se pudesse cavaria um buraco para enfiar sua cabeça dentro.

- Hum... – Remus murmurou, achando a situação muito estranha e não conseguindo encontrar o que dizer para o rapaz.

- Bem, é nessa hora que os caras costumam subir até a janela da amada por uma escadinha, ou trepadeira... – Sirius comentou meio desajeitado, tentando preencher o silêncio incomodo que se estabelecera. – Mas acho que aqui não vai dar muito certo, não tem nada que eu possa usar para escalar.

Depois deste comentário Remus não conseguiu segurar uma risada suave.

- Você sempre tem a alternativa de usar a porta da frente do prédio, Sirius. É só... Hum... Interfonar – Lupin completou pensando no quanto seria surreal se Sirius começasse a visitá-lo com tanto freqüência. Mas do que ele estava duvidando? Black acabara de acordá-lo tacando pedras em sua janela.

- É... – Sirius concordou sem jeito. – Eu pensei nessa possibilidade, mas sabe como é, não tem nada de romântico em interfonar para uma pessoa. – completou erguendo um pouco o rosto para Remus, sorrindo.

Lupin sentiu-se corar com o que acabara de ouvir. Se não estivesse sentindo o vento gelado da noite açoitando seus cabelos com certeza acharia que aquilo tudo era um sonho.

E foi pensando no quanto estava frio que ele finalmente se deu conta de que Sirius estava lá fora ainda.

- Ei – chamou tentando ser o mais silencioso possível. – Eu vou abrir a porta para você subir, ok?

Sirius fez uma careta meio descontente e Remus não entendeu o porquê do trejeito.

- Isso vai estragar a minha idéia de romantismo. – o moreno comentou – Será que não tem como você jogar uma corda ou quem sabe amarrar alguns lençóis para que eu continue minha encenação de cara loucamente apaixonado?

Remus teve que parar para pensar no que havia escutado para finalmente responder a pergunta. Sirius provavelmente havia enlouquecido, porque 'amarrar lençóis' e jogá-los pela janela era algo ridículo. Mas entrando na brincadeira ele resolveu responder a altura.

- Servem duas enormes tranças? Sabe como é, faz tempo que não corto meu cabelo. – questionou de forma casual.

Ao longe pode escutar Sirius rir e aquilo o fez se sentir quente por dentro.

- Sabe, não te imagino de cabelo grande. Você não tem nada de Rapunzel. Seria meio bizarro. – Black respondeu, colocando as mãos dentro do bolso enquanto olhava para Remus. – Ok, ok, aceito a oferta de entrar como uma pessoa normal. Não que faça meu estilo, preferia quebrar uma perna tentando alcançar sua janela, mas acho que posso abrir uma exceção hoje.

Remus apenas lhe mostrou a língua.

- Sempre soube que havia ganho esta batalha, cavaleiro. – Lupin provocou em um tom carinhoso. – Estou indo lá abrir a porta.

- Não pense que venceu só porque irei usar o elevador. – Sirius retrucou dando-lhe uma piscadela.


Remus sentiu o próprio nervosismo crescer a medida que aguardava Sirius recostado no batente da porta de entrada.

Seu coração dava saltos no peito e ele podia sentir claramente a própria respiração ficar a cada minuto mais pesada.

E foi nesse estado de semi-euforia que Sirius o encontrou, achando engraçado o leve salto que Remus deu ao ouvir o súbito ruído da porta do elevador se abrindo.

- Hum... – Lupin sorriu sem jeito ao vê-lo, não sabendo exatamente o que dizer. Mesmo sem olhar o próprio reflexo em um espelho sabia muito bem que suas bochechas deveriam estar mais vermelhas do que um morango maduro.

Sirius mordeu o lábio inferior ao vê-lo ali parado, sentindo que uma repentina vontade de beijá-lo invadia seu corpo e pensamentos.

Remus percebeu o estranho brilho nos olhos do moreno, mas não fez nenhum gesto que indicasse isso. Continuando a sorrir de leve e sem graça, abriu passagem para Sirius e adentrou no apartamento logo em seguida.

Lupin pensava furiosamente em algo não constrangedor para dizer e fechando cuidadosamente a porta atrás de si comentou:

- Pensei que você viria me visitar montado em um cavalo branco.

Sirius ergueu uma das sobrancelhas segurando-se para não rir.

- E eu pensei que você havia mencionado logo a pouco que tinha algumas tranças gigantescas escondidas por aí.

Remus soltou uma risada leve, sentindo o clima de tensão entre eles se desfazer como que por um passe de mágica.

- Senti sua falta, Rem. – Sirius finalmente sussurrou, aproximando-se lentamente e enlaçando-o pela cintura.

Ao mesmo tempo em que a vergonha atingia cada parte do corpo de Remus, ele sentiu também um estranho calor dominar seus músculos e foi com um sorriso satisfeito que retribuiu o abraço, beijando de leve a curva do pescoço de Sirius.

- Eu também senti sua falta, bobo – e Sirius fez um som estranho com a boca ao ser chamado de 'bobo'.

Afastando-se um pouco, mas ainda mantendo-o o jovem pianista preso em seus braços, Black roçou o próprio nariz no de Remus e resmungou fingindo estar bravo.

- Bobo? Só se for um bobo que irá te perseguir pela vida inteira.

Remus o encarou profundamente enquanto o ouvia replicar sua provocação.

Sim, Sirius adivinhara um dos seus desejos. Olhando-o agora tão de perto ele finalmente se dava conta da amplitude do próprio sentimento. Aquilo não podia ser amor, era algo grande demais, profundo demais.

Apenas estar ao lado de Sirius fazia com que ele se sentisse tão leve, era uma sensação que mesclava segurança, satisfação, felicidade... Era algo tão bom que chegava a doer.

- Que bom... – finalmente comentou sentindo novamente o nariz de Sirius roçar de leve no seu. – Porque já não consigo mais viver se você. – Declarou com uma expressão marota, vendo o brilho dos olhos de Sirius aumentar.

Nenhum dos dois soube quem realmente se inclinou para frente, mas um segundo depois estavam se beijando loucamente.

Remus sugou o lábio superior de Sirius com delicadeza, tomando o cuidado de rodear o pescoço do amado com ambos os braços, sentindo aquela quentura gostosa se espalhar por todo seu corpo.

Black também aproveitou o momento para mordiscar a boca de Remus, apertando-o ainda mais contra si antes de aprofundar o beijo.

Eles se beijaram com calma, como se quisessem guardar cada movimento, cada sensação.

As mãos de Sirius se moveram da cintura de Remus e caminharam para a base de sua nuca. O pianista sentiu todos os pêlos de seu corpo se arrepiarem diante do toque, e Sirius rapidamente percebeu o que acontecera.

- Você gostou disso, né? – Sirius perguntou meio sem ar, se afastando de leve para observar a expressão do amado.

Remus corou, mordendo o próprio lábio inferior.

Sirius soltou uma risadinha travessa e inclinou a cabeça para ter um melhor acesso ao pescoço de Remus.

Lupin sentiu um beijo suave ser depositado logo abaixo de seu queixo e estremeceu, tentando evitar que um gemido baixo escapasse de seus lábios. Sirius imediatamente sentiu que ele se continha e continuou a provocá-lo, demorando-se cada vez mais em cada carícia que fazia no pescoço pálido.

- Sirius – Remus chamou com a voz meio rouca. As administrações do moreno o estava deixando sem forças.

- Hum? – o outro rapaz respondeu, ainda concentrado em provocá-lo.

- Não é perigoso você ter vindo para cá há essa hora? – Rem questionou se sentindo um idiota por perguntar algo tão ridículo.

- Perigoso? – Sirius franziu o cenho, depositando agora um beijo na bochecha de Remus. – Eu queria te ver, não há nada de perigoso nisso.

- Mas seus pais... – Remus insitiu.

E Sirius ficou irritado, soltando um muxoxo enquanto mordiscava o queixo do pianista e o empurrava lentamente para trás.

- Rem... Isso não é hora para discutirmos isso. – reclamou no mesmo instante em que Remus soltava uma exclamação de surpresa, sentindo a parte de trás dos joelhos se chocarem contra a borda da própria cama.

- Só que Sirius... – tentou mais uma vez, mas em vão, porque Sirius impaciente simplesmente o interrompeu afundando a língua dentro de sua boca.

Remus rapidamente perdeu a noção de tempo e espaço, só conseguindo definir que estava sentado na ponta da própria cama com Sirius praticamente em cima de si, beijando-o e tocando-o em todos os lugares possíveis.

Sirius por outro lado sentia-se cada vez mais excitado a cada som diferente que arrancava de Remus. Era como se perder em um novo instrumento, a cada tecla distinta, a cada pedacinho de pele novo que descobria com os próprios dedos, uma nota diferente escapava da garganta de Remus.

Logo ambos se perderam nas próprias carícias e rapidamente Sirius deitou Remus sobre o colchão, enfiando as mãos por debaixo de sua camiseta e calando o gemido alto que se seguiu com um beijo.

Lupin sentia-se ofegante, sua mente estava envolta em um profundo estupor como se ele estivesse girando a 300km/h sem parar.

- Sirius – murmurou de novo, só que dessa vez em uma clara nota de 'Não pare'. E o moreno estava mais do que disposto a atender o pedido.

Rapidamente Remus se viu semi nu, com Sirius sobre si, beijando-o mordendo, enquanto ele mesmo tentava em vão acompanhar o ritmo do amado, passeando as mãos por suas costas recém desnudas.

Longos minutos se passaram pelos quais os dois se concentraram em simplesmente acariciar um ao outro e descobrir os pontos fracos presentes no corpo de cada um.

Remus nunca em toda sua vida imaginara que conseguiria arrancar vários gemidos de intensidade, tons e significados diferentes de uma só pessoa. Logo após perder parte da própria timidez ele descobrira que só expirar próximo o lóbulo da orelha de Sirius deixava o moreno mole.

Sirius por sua vez se perdia agora acariciando a parte externa das coxas de Remus por dentro da calça, observando cada resposta que conseguia diante dos movimentos que fazia, sentindo-se ficar cada vez mais quente ao notar os repentinos movimentos de quadris que Remus fazia quando tocava determinados pontos na pele cor de leite.

O ar parecia ficar a cada minuto mais rarefeito e logo Lupin soube que Sirius arrancara suas calças e que agora se dedicava a tentar tirar as últimas peças que restara entre ambos.

Rapidamente os dois voltaram a se beijar e Remus corou profundamente sentindo o sexo de Sirius roçar contra sua perna enquanto eles se enroscavam por cima de sua cama.

Ele tinha consciência do quanto ambos estavam excitados, mas isso não impedia de se sentir como uma noiva virgem no dia do casamento. Era ridículo, mas ele não podia evitar, e foi com extrema vergonha que ele quase soltou um grito quando sentiu as mãos de Sirius escorregarem na direção de sua ereção.

- Sir-r... – arfou, sentindo o rosto do moreno bem próximo ao seu. As próprias bochechas ardendo diante da atenção que recebia.

Sirius sorriu de lado, satisfeito com o que acabara de presenciar, e com um novo movimento, suave e ritmado começou a atiçar Remus, sentindo o rapaz praticamente se contorcer debaixo de seu corpo.

- Mais rápido? – perguntou em um tom brincalhão, apenas para provocar Lupin.

- A-ah... – Remus tentou pronunciar uma palavra, sendo rapidamente impedido por uma estocada rápida realizada pelas mãos de Sirius. – Isso... é... injusto... – comentou com dificuldade, tendo que respirar profundamente a cada palavra.

Sirius roçou os lábios nos do pianista ao ouvir isso e apenas sorriu. Estava mais do que satisfeito em presenciar o prazer da pessoa da qual gostava. E mesmo que sentisse estar quase ficando louco diante daquela situação, não havia nada melhor do que ver Remus se contocer de prazer daquela forma.

E ele estava convicto disso até sentir as pernas de Remus o enlaçarem e o sexo de ambos roçarem inadvertidamente. Aquilo quase o levou a loucura.

- Por deus, Remus! – exclamou completamente sem fôlego. Tentando recuperar a compostura enquanto apoiava a testa na do amado.

- Dois podem jogar o mesmo jogo. – Lupin comentou suavemente, mantendo-os muito próximos e movendo subitamente os quadris para cima.

Sirius soltou outro gemido e tentou acompanhar o movimento.

Rapidamente os dois se perderam no que faziam, aumentando a cada instante a freqüência e o ritmo das estocadas.

Logo a razão abandonou ambos e em busca do ápice eles continuaram se movendo um contra o outro enquanto se beijavam.

Quando finalmente atingiram o orgasmo, Remus simplesmente fechou os olhos com força sentindo que um monte de novas sensações dominavam seu corpo fazendo com que ele praticamente desfalecesse.

Sirius por sua vez lutava para capturar mais ar por entre os lábios, enquanto apoiava-se em Remus.

Passou-se alguns segundos até que se dessem conta do que acabara de acontecer e do quão cansados estavam.

Remus permitiu-se apenas ter consciência do quão satisfeito estava e Sirius rolou para o lado, passando a encarar o teto enquanto afastava alguns fios de cabelo da própria testa.

- Uou! – Black murmurou, a voz entrecortada, a respiração ainda acelerada.

Remus fungou, as pálpebras subitamente pesadas.

- Foi perfeito. – Sirius comentou numa voz amorosa, se virando para poder falar diretamente na base do ouvido do amado.

- Sim, foi – Remus replicou, a voz levemente dengosa, o que fez Sirius sorrir encantado.

- Mas já está cansado? – provocou, e Lupin soltou um muxoxo contrariado, virando-se para abraçar o amado e afundar o rosto na curva de seu pescoço. – Ok, ok. – Sirius replicou com o gesto, demonstrando que entendera o recado.

Remus em resposta apenas se acomodou melhor, abraçando-o mais apertado enquanto sentia que Sirius apalpava o colchão em busca de uma das pontas do lençol. Ele já começava a afundar em um sono reconfortante quando notou que era cuidadosamente coberto e abraçado de volta.

Sirius o observou por alguns minutos, amando cada instante de sua expressão adormecida.

E foi dessa forma que ambos se entregaram aos sonhos, sem nunca soltar um ao outro.


Agradecimentos: Hai hai, eu sei, eu seiiiiii! Muita maldade minha ter demorar tanto tempo, mas voltei e dessa vez com um "lemon suave" para acalmar o espírito de certas pessoas que andaram me ameaçando de morte... o que é muita maldade devo dizer. xS!

Hehe, de qualquer forma nem sei ao certo qual foi a qualidade deste capítulo. Estava tão desesperada em simplesmente postar alguma coisa para que vocês, para que não se sentissem abandonados, que escrevi essa continuação em um rompante e reli tudo num estado de profundo estupor... e deu no que vocês acabaram de ver. Portanto espero que a leitura de vocês não tenha sido tão ruim ou traumatizante, se sim me avisem, irei me afogar no restante de ovos de chocolates aqui de casa.

Quanto as reviews, bem me perdi nelas, gomen! Então vou agradecer ao pessoal mais atual, aqueles que não forem citados aqui, por favor berrem impropérios para que eu posso corrigir meu erro, ok?

- Leka Moreira: Ohhh! Mais beijo e uma indicação de música nesse capítulo. Espero que goste tanto quanto dos últimos. Obrigado pelos comentários e apoio. Bjim!

- faaakestar: Pare de mudar de nome safada ahuahuaa, essa história de estrela fake não da certo, você é uma estrela verdadeira, tanto quanto Sirius. xP Mas e ai o que que achou do capítulo? E nada de roubar um dos puppys! Feio feiooo! Bjo pra vccc!

- thalita: Eu amo homens de lápis nos olhos, arghh, que terrível né? Mas o cara tem que ser estiloso poxa. Já ouviu falar no Jared Leto do '30 Seconds for Mars'? Kkk, isso é que é homem lindo de lápis. Pqp! Mas, voltando ao assunto hehe, obrigada por gostar da fic, me deixa muito feliz. Vlws pelo apoio!

- watashinomori: Confessar... saudades das suas reviews, poxa vida, saudades de tudo nesse site principalmente dessas pessoas loucas que desenvolveram igual a mim uma fixação doentia pelo casal Remus e Sirius. Será que somos normais, me pergunto? Como você deve ter visto atualizei tb 'Somos Simplesmente...', espero que você se divirta. E não faça que nem eu, não suma. Só pessoas más fazem isso, hihihi! Bjooo, saudades!

- Drunkness': Meu deus ahauhaua fixação pelo loirão doidão. Calma, calma, ele tá no cantinho dele traçando uns carinhas na surdina hahahaha! Espero que este capítulo não tenha ficado estranho, devo estar com alguma crise de escritora, hummm. Espero melhorar nisso, por isso gomen! Bemm, leia ai e veja se ficou bom, ok? Obrigada pelas reviews e apoio! Bjins!

- Keiko Maxwell: Keiko-channnn! Como vai? Quanto tempo não? Que que anda fazendo da vida? Aprontando muito hum hum? Conta pra tia? (Sou inxerida ne? ahuahua!) Mas repara não você também tem uma fixação por Saint Seiya - Kamus/Milo, portanto é da família já ahuahuaa!

- Bianca Black: Oiee, tudo bom moça? Fico feliz por estar gostando, sério mesmo. Espero que esse capítulo também corresponda com as suas expectativas. Obrigada pelos elogios. Bjos.

- Towa Misaki: Desculpe Misaki-chan, demorei para postar a continuação. Espero que não arremesse coisas em mim, masss me esforçarei para ser mais rápida nos próximos capítulos, ok? Obrigada pelos elogios e continue acreditando em mim, que tardo mas não falho. Yoshii!

- Sophie Wolf: Aha! Vi uma pessoa convertida passando por aqui. Bem vinda ao mundo dos love puppy ahauha, espero que aproveite sua estadia. xD

- Milady Tomoyo: Primeira pergunta: Card Captors fã? hum hum? Que bom que gostou da fic e da música, fiquei num medo de acharem aquela música tosca... mas ufaa! Ainda bem que não atiraram pedras. Obrigada pelo incentivo, ok? Bjim!

- Stef's Lestrange: huahua maginaaa, Remus de metaleiro, kkk seria massa né? Mas diz aí, que instrumento você acha que combina melhor com ele? Hummmm?

- Kikis: Ah, os errinhos, me desculpe realmente, minha vida era um inferno na terra, agora tá um inferno NO inferno. E que bom que gostou. Ainda não pensei na pequena Tonks, nunca fui muito fã dela, culpa do último livro hehe... mas ainda tem muita água para rolar né? Obrigada pela review e mantenha contato. kisu!

- Danee Black: É, a tia tarada. Ri muito escrevendo este capítulo. E fico muito feliz que você esteja gostando, espero que minha escrita não tenha decaído, qualquer coisa puxe minha orelha. Obrigada pelo comentário e carinho. Kiss

- Camy: Camy- chan obrigada pelos elogios. E sim sim, Rem de lápis ahuahua. Espero que continue lendo, mesmo com toda essa demora, e que se divirta com a continuação. Obrigada pela review.

- Lisse: Não vou responder as perguntas sobre o tempo na fic porque tenho que pensar kkkk, faz tempo viu, esse capítulo já tava metade escrito, só tive que terminar, mas terei que reler a fic para poder falar direitinho e não me embananar. Feio isso né? Huahuaa! E simmm passei na Unicamp, estou fazendo Odonto, segundo ano agora, sofrendo mais que leitão sacrificado... mas sobrevivendo. Na realidade preciso ir estudar depois que postar isso aqui, arghhh! Mas para o que você prestou? Deu tudo certo? Está feliz com seu curso? Prometo responder as suas dúvidas da próxima vez, agora estou simplesmente perdida entre dentes e gengivas. Uahhhh! Obrigada pelo comentário mocinha, e espero que este capítulo tenha mantido o nível do outro, ou quem sabe não... er me deixe saber ok? Bjos!

- raiana sancho: História UP! Desculpa pela demora moça!! E obrigada pelo comentário! Beijo!

- Reh Brown: Explode não, quem vou pentelhar se você explodir? Hum hum? huahuaha Beijinhooo!

- DW03: Deepysa não tem sentido ahuahua, meu nick usual na realidade é Anne que é derivado do meu nome. Coloquei essa coisa tosca de nick porque queria meio que um anonimato, sei lá viu ahuahaua. Só confesso que eu era uma Hermione/Harry fanática no passado e que por ventura me apaixonei por Draco/Harry e agora sou uma fã incondicional de Yaoi. Ultimamente não tenho lido muitas fics, mas desenvolvi mês passado uma fixação pelo casal Near/Mello do Death Note. Já considerou? Eh, eh meio bizarro, mas eles combinam, simplesmente encaixam hauhaua.

E mais uma vez mil desculpas pela demora, sei que já ficou batido dizer isso, mas sabe como é, esse povo que se encrenca na facul é foda.

Quanto a Sci-fy, já viu The 4400? Achei uma série muito boa, estou tentando ver nas horas vagas que ando tendo.

E irei te indicar um filme de anime meio meloso mas pelo qual me apaixonei, só para te pentelhar mesmo. Se chama: Kitsune Toki Wo Kakeru Shoujo. Foi uma das melhores coisas que assisti nestes últimos anos, se puder confira, você pode encontrar na Pensão HinataSou. Hahauha parar de te enxer agora.

Obrigada pelo apoio, conselhos, bate papo e tudo mais. Beijo!

- Mo de Aries: Narcissa era uma verdadeira pata choca na apresentação de dança, tenha isso em mente e se divirta ahuaha. E então, aprovou o capítulo? Me dê os devidos puxões de orelha pelos erros que encontrar, sim? Bjim!

- Janh Candor: E então, me perdoa de novo? Huhauhaua!

- Sophie: PS, saudades de você como você tá, como falo com você? Não entrarei em detalhes aqui, quero entrar em contato contigo para te enxer a paciência, trate de arranjar um jeito da gente se falar! ahuahau Beijos menina!!

- Nanda Yukimura: Se não me engano tem um Yukimura em Samurai Deeper Kyou, é de lá o seu nick? Amo este anime, especialmente o Yukimura ahuaha. Obrigada pela review e espero que goste deste capítulo.

- Firewhisker7:Fico lisongeada que tenha gostado tanto do que escrevo e traduzo, fico feliz mesmo. Peço desculpas pela demora, e espero atualizar mais rápido apartir de agora... se a facul não me matar antes ahuahua. De todas as formas, obrigada pelo apoio, pelo comentário e por me acompanhar. Bjo!

- Gika Black: Remus de pianista é um sonho né? Obrigada pela review e apoio, espero que goste deste cap. Bjim!

- Gabri Chaplin: Nossa que bom que gostou! Muito obrigada pela review e pelo elogio!

- Analu-san: Nossa, Gravitation é show, e ainda bem que te trouxeram ainda mais pro lado negro da força. Fico feliz que para uma iniciante em Remus/Sirius você tenha lido minha fic e gostado, isso me deixa muito satisfeita. Espero que continue gostando do que lê e que não se arrependa por ter entrado neste novo mundo. De todas as formas seja bem vinda (axo que to atrasada pra dizer isso hehe) e muito obrigada pelo comentário e elogio. Se cuida!

Yata! Terminei! Espero ter respondido a todos.

Muito obrigada pelo apoio dos que deixam reviews e dos tímidos que preferem não falar nada hehe. Me desculpem pela demora, pelos errinhos de portuga e talz e talz.

Espero que tenham gostado desse lemon manco que escrevi.

Críticas já sabem de quem puxar a orelha!

Bjos!