Me lembre de não esquecer que te amo

Por Thais Potter Malfoy

Shippers: Harry/Hermione, Draco/Hermione, Draco/Gina, Ron/Hermione e Harry/Gina.

Resumo: Hermione sofre um ataque e acorda na enfermaria da escola, sem memória. Agora ela está totalmente perdida. Não sabe se deve acreditar em seus sentimentos ou no que as pessoas lhe dizem.

PARTE I

Capitulo Três – Descobrindo Sentimentos

N/A: Não, eu não plagiei o nome da fic da minha mãe (LilaGraNgeR)! Ela quem roubou de mim! P Curtam o cap.!

- Você não achou a Mione estranha? – perguntou Gina, sentando-se ao lado do namorado assim que Hermione e Rony saíram.

- Um pouco... – Harry admitiu. – Mas ainda é a Mione... – ele sorriu. Gina segurou sua mão e se aproximou até eles se beijarem. Era isso que Harry gostava na sua ruiva: Quando ele não tinha que se preocupar com nada, pois os dois estavam juntos e podiam se 'agarrar' sem nenhuma palavra.

- Eu não gostei de você não ter me esperado pra vir encontrar a Mione... – ela ralhou, entre beijos doces que eles trocavam.

- Ah, Gina... Você sabe o quanto estive preocupado com ela. Assim me Madame Pomfrey me disse que ela teve alta, corri pra cá. – ele se explicou, beijando-a novamente.

- Tudo bem, eu não vou brigar com você por isso... – disse Gina. – Sobre o que vocês falaram? Contou a ela sobre Voldemort?

- Não. – disse Harry, firme. Seu olhar escureceu. – Talvez seja melhor que ela não saiba. Na verdade, acho bom ela ter perdido a memória, assim ela não vai precisar ficar carregando os meus problemas.

- Mas, Harry, ela é muito inteligente, vai descobrir. Ainda mais com o Profeta falando tanto sobre o ultimo ataque... – disse Gina, preocupada.

Na ultima semana, o Ministério da Magia teve que correr pra evitar desastre total em uma cidadezinha trouxa no interior da Inglaterra. O lugar foi invadido por Comensais da Morte e a cidade foi queimada. Por sorte, os aurores conseguiram salvar várias pessoas e prender um Comensal: Dolohov. E Harry estava cada vez mais preocupado, pois isso significava que a hora em que ele e Lord Voldemort se enfrentariam estava cada vez mais perto.

- Eu vou dizer a ela o que todos sabem. Que o Lord das Trevas está de volta e que já está agindo.

- Mas e a profecia? E as Horcruxes? – perguntou Gina.

- Como você sabe sobre as Horcruxes? – perguntou ele, desconfiado. Gina sorriu amarelo.

- Rony me disse. Achou que não tinha problema, afinal, sou sua namorada. – ela disse. – Não vai mesmo contar a ela?

O silêncio de Harry foi o suficiente para responder.

----------------------------------------------------------------------------------------------------

Meu Deus... Estou boba até agora. Quando eu vi aquele "gato" vir correndo na minha direção, eu confesso que me assustei. Mas depois, ao ver que ele estava tão feliz em me ver, e era mais lindo do que de longe, eu me acostumei. Isso pra não falar nos olhos verdes mais lindos que eu já vi...

Deduzi que ele era o Harry Potter porque Rony me disse que ele gostava muito de mim. E pelo jeito que aquele garoto me abraçou, ele com certeza gosta de mim. Mas também senti algo, uma pontada no meu peito, uma ligeira falta de ar tomou conta de mim e eu soube que era ele.

Os poucos minutos que passamos juntos na Sala Comunal, me fizeram muito bem. Harry sabe como me deixar pra cima... Realmente é meu melhor amigo. Ou talvez seja mais do que isso.

Como se explica o fato de que eu o conheci à pouco tempo e já sinto que posso confiar nele plenamente? Pra mim, estou muito apaixonada por ele. Só não sei porque namoro com o Rony, já que eu devia sentir mais do que amizade pelo Harry desde o dia em que nos conhecemos. Afinal, é impossível não se apaixonar a primeira vista por ele.

Acho que foi toda essa mistura de confiança, amizade e carinho que me fez tentar beijá-lo. E, não sei porque, mas não me senti envergonhada por isso. Mesmo nós dois estando comprometidos, tenho certeza de que ele me beijaria se aquela garota irritante não aparecesse trazendo o Rony...

Não gostei dela e ponto. Aquele jeito mandão e ciumento não me fez acreditar que ela é minha melhor amiga. Aliás, outro fato que me ajudou a não gostar dela foi quando ela disse "Gina Weasley, namorada do Harry e sua melhor amiga, cunhadinha." Como "minha melhor amiga" e namorada do Harry" se encaixam na mesma frase?

É melhor que eu pare de pensar nisso e me concentre nos livros... Daqui a pouco o Rony volta pra me pegar e eu ainda não escolhi todos os livros que preciso...

Rony havia deixado a garota na biblioteca para que ela pudesse pegar alguns livros explicativos. Ele dissera que voltaria dali meia-hora, pra que não houvesse risco dela se perder se tentasse voltar sozinha. No caminho até a biblioteca, Rony tentou beijá-la e, estranhamente, Hermione não permitiu, dizendo que ainda não se sentia a vontade. Ele respondeu simplesmente "Tudo bem" e foram em silêncio até a biblioteca.

O que mais incomodava Hermione naquele momento é que ela sentia que estava sendo observada. Não sabia por quem, já tinha revirado toda a biblioteca com os olhos e não achou ninguém que pudesse estar fazendo isso. Só havia quatro pessoas na biblioteca aquela hora. Um garotinho baixo, que devia ser do primeiro ano, uma menina loira que tentava distraí-lo e um rapaz loiro oxigenado do qual Hermione não gostou muito. Mas ele parecia tão entretido em sua leitura que não podia estar observando-a. Ela então voltou sua atenção para Madame Pince, que estava tagarelando sem parar.

- Você gostava deste, Hermione. Já o alugou umas quinze vezes. – dizia a bibliotecária, tirando um livro grosso da estante, que se intitulava "Hogwarts, Uma História".

- Tudo bem, vou levá-lo... – disse Hermione, vagamente, ainda de olho no rapaz loiro. Pensando melhor, ele era muito bonito. Em que ano ele devia estar? Será que tinha namorada?

Ela tratou de afastar os pensamentos e terminou de escolher os livros. Momentos depois, Rony apareceu usando vestes rubro-douradas e carregando uma vassoura na mão direita. Com o espanto de Hermione ao vê-lo, Rony explicou:

- Vou treinar Quadribol, um jogo bruxo em que se joga montado em uma vassoura.

- Você vai voar nisso? – perguntou Hermione, apontando para a vassoura velha que ele trazia.

- Bom, vou. A minha Cleanweep está com defeito. Já mandei ao Beco Diagonal pra concertar. – ele disse.

- Beco...? – ela exclamou, sem entender.

- É uma rua onde só se vendem coisas mágicas. – Rony explicou. Ele se virou para a mesa em que ela estava e viu a enorme pilha de livros. – Você não é capaz de ler tudo isso!

- Ah, claro que sou. Nem é tanto assim... – disse ela. Hermione, que estava espiando o garoto loiro pelo canto do olho, viu que ele deu uma risadinha. – Quem é ele? – perguntou a Rony, indicando o canto mais afastado da biblioteca com um aceno de cabeça.

- Ah, é o Malfoy. – disse Rony. Ele revirou os olhos. – É um babaca da Sonserina. Nós o odiamos.

- "Nós" quem?

- Eu, Harry, você... Ah, todos nós. – resmungou Rony. – Vamos embora daqui de uma vez antes que eu quebre a cara desse merda.

Rony pegou metade da pilha de livros e as colocou em baixo do braço. Não era muito difícil pra ele, já que Rony tinha músculos e era bem alto. Hermione carregou a outra metade da pilha com dificuldade até a Sala Comunal.

Lá, Rony se despediu dela e rumou para o campo de Quadribol. Hermione recolheu todos os livros e os baldeou até seu quarto. Ao entrar no quarto em que tinha uma placa pequena e dourada, onde estava escrito "Sétimo ano", Hermione se deparou com uma grande dúvida. Ela não sabia qual era sua cama.

Ela foi até a escrivaninha da primeira cama à sua direita e abriu uma gaveta. Hermione encontrou algumas penas, pergaminhos e cartas de um tal de Pedro endereçadas à Lilá Brown. Chegou à conclusão de que a cama não era sua.

Passou então para a próxima cama e fez o mesmo. Desta vez, só achou um livro de capa dura e o abriu. Era um diário. Se não fosse dela, depois pediria desculpas à dona. Hermione folheou páginas que não eram esclarecedoras, mas chegou até uma página, no centro do diário, que lhe interessou e muito.

Nesta página, estava colada uma foto colorida em que os personagens se mexiam. E então, ela reconheceu Harry dançando desajeitadamente com uma garota morena, da altura dele, cabelos lisos e pretos¹. Hermione ficou boquiaberta. Será que eles já tinham namorado ou alguma coisa assim? Ela correu a procura da "legenda" da foto e encontrou um texto escrito na página seguinte.

"Querido Diário,

Esse foi um dos melhores dias da história de toda Hogwarts! Eu, Parvati Patil, simplesmente fui ao Baile de Inverno com Harry Potter, um dos campeões do Torneio Tribruxo! Eu sinceramente esperava que ele fosse mais gentil, mas ele nem ao menos me chamou pra dançar. A única hora em que pude sentir os braços fortes dele foi durante a abertura do Baile, pois os campões foram obrigados a dançar. O Harry não é um mestre na arte da dança, mas deu pro gasto. Afinal, só de estar na companhia do segundo garoto mais lindo desse lugar já valeu a pena! Nunca vou me esquecer da cara que a Lilá fez quando ele me convidou! Ela estava simplesmente morrendo de inveja! Infelizmente, o Harry nem me beijou, mas eu conheci o Thomas, um aluno da Durmstrang...".

Ela achou desnecessário continuar a leitura. Foi como se um peso fosse tirado das costas de Hermione. Pelo menos eles não haviam se beijado... Mas porque ela se importava?

"Hermione, lembre-se que você ainda não é a namorada dele..." uma voz em sua cabeça aconselhou.

Hermione tentou parar de pensar em Harry e passou para a próxima cama. Havia um livro na gaveta, e o nome do dono estava escrito à mão na contracapa. Pertencia à uma tal Emelina Vance. Só estava sobrando duas camas no quarto. Uma delas estava toda bagunçada e a outra estava aparentando ter sido abandonada. Ela deduziu que a ultima era a sua. Colocou os livros sobre a escrivaninha e se jogou na cama, permitindo-se pensar em Harry novamente.

Ela estava muito apaixonada por ele. Ou pelo menos encantada com o jeito amigo, compreensivo e descontraído dele. Mas, o que será que a autora do diário quis dizer com Torneio Tribruxo?

Hermione, sem pensar duas vezes, voltou para a biblioteca.

¹ - Eu não sei se a Parvati é assim, mas nessa fic ela vai ser. Não que ela tenha um significado tão importante, mas...

---------------------------------------------------------------------------------------------------

Harry estava exausto quando chegou à Sala Comunal, acompanhado por Gina e Rony. O treino fora muito cansativo porque Gina não estava tendo um bom entrosamento com a nova artilheira, já que Kátia Bell havia terminado Hogwarts.

O moreno de olhos verdes nem se deu ao trabalho de olhar ao seu redor, apenas se jogou no sofá em frente à lareira crepitante e ficou observando as chamas. Ele se desligou do mundo por alguns instantes e quando voltou ouvia Rony e Gina brigando.

- Rony, deixe ela em paz. Eles já namoraram, é natural que ele queira dar as boas vindas... – dizia Gina.

- Mas... – teimava Rony, furioso. Seu rosto estava tão vermelho quanto seus cabelos. Ele olhava com ódio para um canto da Sala Comunal. Harry acompanhou o olhar dele e viu Hermione conversando com Comárcio McLaggen. Ela parecia bem descontraída. Harry entendeu o que Rony estava sentindo e se levantou. Gina e Rony apenas o deixaram ir para perto dos dois, prestando atenção no que ele faria.

- Eu já tentei entrar pra equipe de Quadribol várias vezes, sabe, mas o capitão nunca me deixa entrar. – dizia Comárcio – Eu joguei uma vez o ano passado, mas houve um pequeno acidente e eu não voltei à equipe.

- Oh, entendo... – disse Hermione, provavelmente sem perceber que Harry se aproximava. – E quem é o capitão? Você parece ser tão bom, deve ter uma explicação pra ele não ter te aceito na equipe.

- Eu sou o capitão. – disse Harry, entrando na conversa.

- Harry! Nem vi que estava aqui! – disse Hermione, puxando-o pelo braço para mais perto de si. Harry ficou um pouco surpreso pelo contato físico entre eles, mas tentou não expressar.

- Na verdade, acabei de chegar. – ele explicou. – O treino não foi muito bom...

- Ahn... O Comárcio estava me contando que você não o aceitou para a equipe. Por quê? Ele não joga tão bem quanto diz? – perguntou Hermione.

- Nós fizemos um teste e o Rony ganhou. – disse Harry. "Com uma ajudinha sua, Mione..." ele pensou e reprimiu o riso. – E, o acidente ao qual o Comárcio se referia, foi um balaço na minha cabeça, que me deixou na enfermaria vários dias.

- Oh, meu Deus. – disse Hermione. – Mas... O que é um balaço?

- Se quiser eu posso te explicar, Hermione. – disse McLaggen, se sentindo mal por ter sido tirado da conversa. – Não quer vir comigo ao próximo passeio para Hogsmade?

- Eu...

- Ela vai comigo. – disse Harry, num impulso, interrompendo-a.

- Vai? – perguntou McLaggen, ao mesmo tempo em que Hermione perguntou:

- Vou?

- Sim, combinamos isso há décadas. Quero te mostrar uma coisa nova Dedosdemel. – Harry mentiu. Ele não sabia bem o porquê, mas não achava seguro Hermione sair com McLaggen, e lembrava-se bem da ultima vez em que eles saíram juntos... Decidiu que era melhor inventar aquela desculpa.

- Bom, sinto muito, querido, mas você ouviu o Harry... – Hermione sorriu. Querido? Desde quando Hermione tratava Comárcio McLaggen de querido? O ódio de Harry aumentou, então ele puxou Hermione para onde Gina e Rony estavam.

N/A: Helloo! Espero que tenham gostado do cap... Num teve nada demais nesse, mas o próx. tá muitooooo melhor, eu garanto! Lá vai um trechinho pra vocês..:

- Eu realmente queria ir com ele! Não entendi porque "inventou" que eu tinha marcado com você... – brigou Hermione.

- Porque ele é um idiota e você não ia querer sir com ele... Além disso, você namora o Rony e porque... – Harry não completou a frase.

- Por quê? – perguntou Hermione, erguendo as sombracelhas. Ela e Harry se encaravam fixamente. Vários segundos passaram e eles não desviaram o olhar.

- Porque eu... Deixa pra lá. – disse ele, saindo irritado da Sala Comunal e subindo para o dormitório masculino.

Bom, gente... deixem reviews e comentem! Qnt mais vcs deixarem, mas rápido eu vou tentar postar o próx. cap.! Bjinhuxx

Thaís Potter Malfoy