Disclaimer: Inu Yasha não me pertence.

Retrospectiva

-

Preocupação

-

Andavam calmamente, sem pressa de chegar a lugar nenhum. A jornada para derrotar Naraku, já fora completa, ele e o irmão mais novo já tinham tido a sua vingança, junto com todos os outros que tinham contas a acertar com o traiçoeiro. Depois, o grupo feliz e companheiro de Inu Yasha se mudou para um vilarejo, e Inu Yasha escolheu ser humano. Para ficar com a menina. Por amor.. coisa mais patética.

E ele, como não tinha ninguém, nem parentes, nem esposa, ficou por vagar sem rumo pela Sengoku Jidai. Rin e Jaken já estavam acostumados a isso mesmo, apesar de Rin parecer muito indisposta neste dia normal de longas caminhadas..

-"Ai.. dói tanto. Nunca senti essa dor antes. O que pode ser Jaken-sama?" Rin perguntava apertando forte sua barriga, como se isso amenizasse sua dor. Sesshoumaru só ouvia.

-"Ora, como vou saber Rin? Não sou humano e nunca convivi com mulheresss humanass para saber o que é isso! Vocês são muito fracos!" Jaken respondia do jeito mau-humorado de sempre.

-"Vamos dormir por aqui hoje." Sesshoumaru disse, pensando no bem estar de Rin. Não tinha necessidade de tratá-la ou algo do tipo, poderia ser uma simples indigestão ou rejeição de seu organismo com alguma coisa que ela comeu.

-"Arigatou Sesshoumaru-sama." Rin agradeceu, sorrindo mesmo com dor, e sem vê-lo. Ele nunca olhava para trás..

-"Ai.. vou tomar um banho. Deve ajudar né?" perguntou para Jaken, sabendo que talvez não viria resposta, enquanto apertava sua barriga com força.

-"Você é quem sabe moleca.. aproveite que o Sesshoumaru-sama parou cedo hoje. Ainda são 19:00 h.. aproveite o seu banho. Vou pegar alguma coisa para comermos." Ele respondeu até que calmo, talvez estivesse com sono.

-"Hai." Ela respondeu de volta, entrando na mata ao redor, procurando um rio, um laguinho ou coisa do tipo. Estava doendo muito.

Sesshoumaru sentou no chão, encostado numa árvore, e fechou os olhos, nunca dormia. Mas agora que não tinha mais que se preocupar com armadilhas de Naraku, tentativas de seqüestros a Rin, e youkais idiotas procurando fragmentos das jóias, talvez dormisse um pouco. Demoraria até se acostumar com isso, mas seria bom.. descansar o que não descansou durante 5 anos.

Rin encontrou o que tanto queria. E era perfeito! Uma pequena fonte, com águas termais. Morninhas. Perfeitas!

Despiu-se com pressa, reclamando daquela dor, e entrando logo na água. Sentiu o corpo relaxar.. mas a dor não passou. Decidiu tentar esquecer, logo passaria.

Olhou sem querer para baixo. Viu seus.. seios.

Já tinha dois anos que eles cresciam e tomavam forma, sempre lentamente. Sentia que o kimono ia ficando apertado no peito e folgado na cintura.

-"Estou ficando parecida com a minha mãe.." disse sorrindo levemente. Nem fazia idéia do que eram aquelas mudanças.. nunca tivera ninguém que a explicasse o que ocorre com o corpo da mulher, na sua fase da infância, adolescência, e adulta. Nunca tivera um exemplo, um guia. Suas únicas companhias na sua segunda vida, eram Sesshoumaru, Jaken e Ahn-Uhn. Não ligou muito, e parou de se mexer para a água ficar menos agitada, e olhou seu rosto. Estava mais fino, com os cílios mais compridos e lábios mais cheios. O cabelo, comprido, contornava seu rosto. Estava mudando mesmo.. olhou para o kimono à margem da fonte, e suspirou. Seu kimono laranja e amarelo, que já estava apertando-a e deixando as pernas mais à mostra. Não era correto, mas se Sesshoumaru não reclamava, então não tinha por que ter medo.

Olhou para suas mãos. Os dedos estavam mais longos, mas ainda eram mãos joviais. Ela inteira estava mais bonita, mais atraente. Mas ainda tinha 12 anos, e não tinha o corpo completamente desenvolvido. Estava começando a mudar, e gostava dessas mudanças. Não sabia de nada, mas gostava. Só não gostava daquela dor insuportável e constante dentro de seu corpo. Aquilo irritava, dava vontade de deitar e ficar deitada até passar. É o que faria depois que jantasse.

Vestiu seu kimono, e foi andando de volta para o acampamento. Estava com fome, com dor, e queria dormir logo.

Sesshoumaru estancou ao sentir aquele cheiro. Era cheiro de sangue, e tinha o cheiro de Rin misturado à ele. Abriu os olhos e no mesmo instante, correu à procura dela. Encontrou-a voltando para o acampamento, sã e salva, xingando aquela dor no abdome.

-"Ah.. oi Sesshoumaru-sama. Demorei muito?" Ela perguntou quando viu que ele chegou com uma expressão preocupada, mas depois que a viu segura, mudou para a habitual indiferença.

-"Você está bem Rin? Por que tanto aperta seu abdome?" ele perguntou, o dia inteiro ela já estava assim. Queria saber o que diabos era aquilo afinal. Sentiu de novo o cheiro de sangue. Antes que ela respondesse, ele perguntou de novo.

-"Rin, o que é isso?" ele perguntou preocupado ao ver que escorria sangue das pernas dela. Pensou imediatamente que alguém poderia tê-la violentado, seus olhos quase tingiram-se de vermelho tamanha raiva só de pensar nisso. Mas era uma possibilidade, ela não sabia de nada, deveria ter gritado, como não sentiu o cheiro do desgraçado?

-"Hã?" ela perguntou de volta, olhando para baixo e assustando-se ao ver que escorria sangue pelas pernas dela. Não muito, e era um sangue mais denso. Assustou-se ao ver aquilo, não tinha sentido nada! Só aquela dor infernal o dia todo.

Sesshoumaru logo se acalmou de novo, preocupando-se novamente em seguida. Lembrou-se de que meninas humanas da idade dela, menstruavam. Ligou as dores dela durante o dia, à esse sangue.. que situação delicada ele se encontrava. Como explicaria a ela? Mal falava com ela, aliás, não falava com ninguém. Como não pensou em pedir que alguém a ensinasse essas coisas? Teria esquecido?

-"Não é nada.. é normal." Ele disse tentando tranqüilizá-la, sendo forçado a falar. Era calado e silencioso, mas dessa vez precisava fazer alguma coisa.

Involuntariamente, passou a mão pelo cabelo, num gesto de 'o que eu faço agora?'.

-"Rin. Venha comigo." Ele disse, seguindo para onde ela havia tomado seu banho. Era o que podia fazer agora..

Rin nada disse, apenas o seguiu, como sempre fazia.

Chegando à beira da fonte, ele rasgou um pedaço de seu kimono, molhou na água morna, torceu para tirar o excesso, e entregou para ela.

-"Durma com isso em cima de seu abdome. Ajuda a aliviar a cólica. Quanto ao sangue, não se preocupe, não é nada. Amanhã iremos até algum vilarejo e resolvemos isso." Ele disse dando uma rápida e discreta olhada para ela inteira, e voltou para o acampamento, acompanhado dela.

-"Arigatou Sesshoumaru-sama." Ela respondeu sorrindo, como sempre.

Era a primeira vez na vida, em uma vida muito longa, em que ele não sabia o que fazer. Que sentia que precisaria de alguém para ajudá-lo, a primeira vez que ele sentiu-se envergonhado. Era uma situação muito delicada, até entre pai e filha é complicado, quanto mais entre eles que mal trocavam palavras. Quer dizer, ele não falava com ninguém. Mas cuidava dela, e ela era grata por isso, retribuindo até demais.

Não tinha percebido, pois quase nunca olhava para ela também. Mas Rin estava crescendo.. e precisaria de um kimono novo também. Aquele já estava ficando vulgar de tão justo nos quase seios, e no quase quadril. E as pernas também estavam ficando de fora. Rin não tinha maldade, malícia. Foi criada no silêncio dele, e nas reclamações de Jaken. Dois seres masculinos, que nunca deram a entender que havia malícia, maldade e pecado no mundo.

Rin obedeceu as ordens de Sesshoumaru, e dormiu com o pano morno e úmido sobre a barriga. Tentou relaxar, e aquilo ajudava mesmo.

-"Cólica.. hmm.. não deve ser grave. Mas esse sangue.. sempre que tem sangue, é perigoso. Por que dessa vez não é? Ah, Sesshoumaru disse que não é nada.. então posso dormir tranqüila.." ela pensava enquando ainda não dormia.

-"Agora começa o trabalho.. a preocupação.. eu mato quem tentar se aproximar dela." Sesshoumaru pensava, encostado em sua árvore, em como essa passagem de Rin iria ter causar grandes mudanças. Teria que tomar mais cuidado com ela agora.. e o faria com gosto. Ninguém iria se aproveitar dela. Não queria que ela sofresse, e não sabia o por quê disso. Sua dívida com ela já fora paga, mas Rin era única, e era dele. Cuidou dela até agora, e agora cuidaria mais ainda. Mesmo que isso custasse mais noites mal dormidas, cuidado dobrado, preocupação maior. Só não gostava das situações embaraçosas como a que passou a pouco tempo.. embaraçoso para ele né, já que ele sabia de tudo, e ela não sabia de nada. Melhor assim, pelo menos por hoje.

Deu uma última olhada para ela, com a expressão indiferente, mas por dentro estava preocupado e não percebia isso. Rin está crescendo.. e ele não poderia ignorar isso.

Oi minna-san! Td bem xD?

Resolve começar outra fic o.o

Dessa vez na era feudal msm xD

Soh esse cap vai ser curto assim. Eh ki deu a loca de escrever hj msm, 20/03/06, as 22 i jah são 23:09

E amanha eu tenho aula

T.T

Espero ki vcs gostem..

Muitas emoções ainda na adolescência da Rin

Vai ser bem kawaii.. um romance tbm

Adoro romances x)

Com drama e td..

Mas vai demorar

Pq ela tem q ser bem mulher ainda!

I ateh lah.. mts coisas vão acontecer!

Bom

Mandem reviews tah? Por favor i.i

Espero q cs gostem x)

Bejos!

By le :D