Pedras Gélidas

por Sarah Snape

Dominio de Imagens

Através da cortina cinza,

Cortina de ferro,

Cortina de fogo.

Que tudo destrói, que tudo esconde

Que nada vê.

Testemunhas ocultas

Das desgraças alheias

Das felicidades do meio dos rebentos desfilando seus ares

Em dia de festa

Ou em um fulgurante por-do-sol

Pedras gélidas

Sob as quais se escondem vidas,

Segredos, historias...

Desta, daquela e de outras gerações.

Segredos,segredados em noites de lua clara

Em noites de chuva

Em dias de sol

Sob nevoeiro ou neve

Mas jamais mencionados,

Jamais conhecidos na verdade...

Totalmente ocultados,

Nas pedras gélidas

Cortina cinza

Cortina de ferro dos sentimentos

E por assim não saber

Não lhes cabe opinar,

Não lhes cabe agravar...

Muitas vezes, nem o próprio saber

Somente fecha cada vez mais

A muralha cinza

Sob os segredos segredados...

Isso se eles ainda estiverem ali.

Pedras Gélidas,

Muralhas cinzentas,

Conseguem esconder o que penso,

O que sou...

Mas não ocultam

E nunca ocultaram, de maneira completa

O que sinto.

Severo Snape suspirou ao pousar a pena. Havia terminado. Não era nem um pouco comovente, nem sequer bem escrito. Mas esta ali, o prefacio de seu novo livro. Quem sabe Hermione lesse e entendesse o que ele queria dizer...

FIM