Grandes Planos – de LariLee, traduzido por Regine Manzato.

N.T: Oi pessoal! Tudo bem? Faz tempo que eu não mando nada né? É, é.. eu sei.. mas agora estou me dedicando arduamente à betagem e traduções! Então, quem precisar de uma beta é só falar comigo...

Falando um pouco da fic, eu simplesmente me apaixonei por ela quando a li, um ano atrás! É sério... eu li essa fic há um ano e pedi pra autora deixar eu traduzir, só que o tempo passou e a preguiça falou mais alto... aí esse ano eu resolvi traduzir.. gente... essa fic é uma das mais lindas que eu já li.

Como a autora não me respondeu se tem ou não uma conta aqui, eu estou postando na minha própria. Se você quiser mandar um e-mail pra ela, Packsim() aol . com junta tudo, tira os parênteses e manda a coruja! ;D

Então, vamos deixar de papo e ir pros finalmente! Hehehehe...

Disclaimer: Nenhum desses personagens é meu, eu só peguei emprestado pra me divertir, não me processe, sou pobre.

Resumo: No sétimo ano de uma certa grifinória sabe-tudo, o professor Snape começa a fazer planos para o seu futuro. O seu e o dela e se possível, juntos, é claro.


Grandes Planos.

Ele bateu a porta da sala propositalmente, como sempre fazia em todas as aulas que ministrara desde que chegara a Hogwarts. Assim que passou pelo corredor e subiu os degraus que levavam à sua mesa, ele soube que representava uma figura odiosa para todos aqueles alunos que haviam passado sete anos sob sua tutela. Hoje, era apenas mais um dia, apesar de tudo.

Começando sua explicação, ele deslizou o olhar pela sala. À sua direita, estavam seus três estudantes sonserinos: Draco Malfoy, Pansy Parkinson e Blaise Zabini. Snape permitiu-se um mínimo sorriso nos lábios.

Ele olhou para as carteiras à sua esquerda. Darius Rooks e Eugenia Kettle, os dois Corvinais sentados, esperando. Olhou-os inexpressivamente. Então, permitindo um sorriso lânguido passar por seus lábios, ele olhou para os outros dois que estavam sentados à frente de sua mesa. Harry Potter, o Garoto-Que-Sobreviveu-E-Sobreviveu-E-Sobreviveu. Olhou-o, seus olhos verdes aumentados pelas lentes dos óculos. Próximo dele, Hermione Granger, o cérebro do Trio de Ouro simplesmente o olhou em expectativa, ansiosa para começar, feliz por aprender.

– Abram seus livros na página 493 – ele entoou, olhando longe. – Tenho certeza que ninguém, além da nossa sabe-tudo, já leu o capítulo assinalado. Vocês verão que hoje, nós começaremos a preparar a Poção Restaurativa. Esta poção é única porque pode ser dada àqueles que foram feridos gravemente. Alguém sabe por que isto acontece?

Claro que a mão da Srta. Granger estava no ar antes mesmo que ele pudesse terminar de formular a pergunta. Ele decidiu ignorá-la e felizmente, uma vez, Draco levantou a mão.

– Sr. Malfoy – ele indicou com a cabeça.

– Porque ela não interage com nenhuma outra poção? – Draco respondeu arrogante e presunçosamente.

Snape esperou por um momento, as sobrancelhas levantadas, para ver se Malfoy poderia realmente dar uma resposta completa, que claro, ele não poderia. – Muito bem, Sr. Malfoy. Cinco pontos para Sonserina. E porque ela não reage com outras poções? – Ele continuou lentamente.

Desta vez, nenhuma mão levantou e a cabeça da Srta. Granger estava dentro do livro, como se estivesse tentando achar a resposta. Silenciosamente, ele se moveu para ficar na frente da mesa dela e colocou as mãos nos dois lados do livro texto. Encarando-a do seu jeito mais intimidante, ele a observou enquanto ela levantava a cabeça lentamente para olhá-lo.

– Srta. Granger– ele disse em voz baixa. – Há, realmente alguma pergunta que você não possa responder? Por que esta poção não reage desfavoravelmente com outras poções?

– Porque ela perde algumas propriedades da papoula, professor – ela respondeu timidamente, mas ele pegou um olhar de triunfo nos olhos dela. Havia lhe custado quase sete anos para forçá-lo a permitir-lhe responder uma pergunta, mas finalmente ela havia conseguido.

Ele se permitiu um pequeno sorriso nos lábios. – Cinco pontos, Srta. Granger– ele disse suavemente e a viu sorrir-lhe de volta –, A menos para a Grifinória. – O sorriso dela murchou, mas ele quase pôde ver sua chateação interna. – Você deveria ter levantado a mão se sabia a resposta

Virando-se para voltar à sua mesa, ele quase não percebeu a mão dela no braço do Potter quando o garoto abriu a boca para protestar. Ela balançou a cabeça para o amigo e Snape viu a palavra "Não" formar-se nos lábios dela.

– Mais cinco pontos a menos para a Grifinória por conversas na aula – ele murmurou, ignorando as risadinhas de seus sonserinos. Sentando, ele disse: – As instruções estão na lousa. Vocês trabalharão em grupos hoje."

Assim que os estudantes começaram a pegar os ingredientes necessários, ele falou: – Potter, você vai trabalhar com o Sr. Zabini nesta poção. – Com seu tom mais transigente, continuou: – tenho certeza que a Srta. Granger é capaz de preparar a poção sozinha.

Hermione deu de ombros, dirigindo a Harry um olhar de desculpas. Snape colocou as redações que tinha para corrigir na sua frente e abriu a tinta vermelha. Por trás dos pergaminhos, ele observou-a discretamente.

Os dois anos com seus alunos de NIEM´s em poções foram inesperadamente bons. Longbottom, Crabbe, Goyle e Weasley estavam fora. Ele fora a forçado a manter Potter, mas o jovem estava se mostrando adequado. Snape achava que era por causa das habilidades de uma certa Srta. sabe-tudo que melhoraram o desempenho dele.

Srta. Hermione Granger. Inconscientemente, ele suspirou e coçou a base do nariz. Ela era uma aluna extremamente inteligente. Uma daquelas jóias raras que um professor deseja ter ao longo da carreira. Alguém que gostava de aprender. Ela estava também crescendo para se tornar uma linda mulher.

Seu cabelo estava menos armado que antes, o peso provavelmente fazia com que ele ficasse mais caído. Estava um pouco mais alta e muito mais magra que antes. Ninguém podia dizer que era maravilhosa, mas lhe parecia muito satisfatória. Especialmente quando seus grandes olhos castanhos brilhavam de excitação... ou triunfo, como estavam um pouco antes. Ela tinha um rosto muito expressivo.

Snape olhou o restante da classe. Malfoy estava mais uma vez deixando todo o trabalho para a namorada fazer. Se ao menos ele tivesse conseguido se livrar daquele bastardo presunçoso e bajulador quando o resto da turma desistiu de Poções – Severo pensou, e percebeu que estava rangendo os dentes novamente.

Potter e Zabini estavam trabalhando juntos o melhor que podiam sem precisarem estar muito próximos ou mesmo conversando. Aquilo poderia ser um grande espetáculo. Os dois corvinais trabalhavam harmoniosamente como uma dupla eficiente. E, sozinha, a Srta. Granger sorria levemente enquanto adicionava o primeiro ingrediente no seu caldeirão.

Ele inclinou a cabeça de volta para os pergaminhos e olhou-a. Era brilhante. Era linda. E ele suspeitava que era mais a bruxa mais poderosa que qualquer um imaginava naquele ponto.

Havia outros pontos que ele podia considerar. Hermione Granger era totalmente fiel a seus amigos. Ela entendia a lógica e os benefícios de um trabalho árduo. Ela também era a única do Trio de Ouro que entendia o jogo de ilusões que ele jogava dia sim dia não. Oh, com certeza ela sofria sob seus comentários injustos e seu sistema de aulas, mas ela entendia que ele tinha que fazê-lo sobre os olhares dos filhos de Comensais.

Dê-lhe alguns anos e ela será um excelente partido para qualquer bruxo inteligente. Alguns anos para amadurecer e desabrochar. Alguns anos para acabar com o estigma de estudante sobre ela. Até agora, nenhum aluno a vira além de uma tutora. Se Snape conseguisse manter aquilo como uma prática constante com relação a ela, ele o faria. Só não sabia se a companhia dela valia a pena. Bom, aprendendo, obviamente. E surgiu-lhe uma idéia para mantê-la segura do Lorde das Trevas e sob sua custódia protetora.

O resto do período correu com os alunos trabalhando silenciosamente. Finalmente, ele os mirou.

– Vocês devem estar terminando a quarta etapa agora – ele disse, deixando claro a qualquer um que não tivesse terminado, que as conseqüências seriam severas. – Lancem um feitiço protetor nos seus caldeirões e os coloquem na bancada. Vamos terminar esta poção na próxima aula. E limpem seu local de trabalho.

Poções curativas, poções revigorantes, poções poderosas… será que ninguém realmente percebera que eles estavam sendo preparados para uma guerra que era inevitável? Quase inconscientemente, ele cobriu o antebraço esquerdo.

Se ela sobrevivesse, se ele sobrevivesse, então ele daria tempo para ela terminar de crescer. Snape estava confiante em seus poderes de manipulação, e que poderia fazer com que qualquer sentimento positivo que ela tivesse por ele se tornasse em algo maior. Ele não se importava que ela fosse uma nascida trouxa, ele havia se livrado desse preconceito anos atrás. Ela era inteligente, poderosa e uma linda bruxa. Assim que estivesse madura, ela daria uma esposa excelente. Tudo o que ele tinha que fazer era esperar e ter certeza que ambos sobreviveriam.

Os alunos estavam limpando suas coisas. Potter voltou para seu lugar usual, ao lado da Srta. Granger. Snape olhou a classe mais uma vez, procurando por qualquer infração. Malfoy espreguiçava-se em sua cadeira, com uma expressão enfadonha, porém presunçosa. Todos os outros o olhavam com expectativa.

– Dois rolos de pergaminho sobre as diferenças entre esta poção e aquelas que não utilizam papoulas – ele disse. – Para a próxima aula. – Ninguém reclamou. – Dispensados.

Assim que os alunos começaram a sair, Snape chamou: – Srta. Granger, se puder esperar.

Ele observou o olhar que ela e Potter trocaram antes dela indicar para que ele saísse. Carregando aquela ridícula mochila abarrotada de livros, ela se virou e parou em frente à mesa dele.

Snape esperou até a porta bater, fechando-se. – Srta. Granger, quais são os seus planos para depois que os NIEM´s acabarem? – Ele perguntou lentamente.

– Eu ainda não tenho certeza, professor – ela disse com uma inesperada e tímida sinceridade. – Eu esperava ser chamada para ser uma aprendiz, mas…

Ele levantou uma sobrancelha numa pergunta silenciosa, enquanto colocava os cotovelos na mesa, apoiando as mãos no queixo.

– O senhor não tem aprendizes – ela terminou, encabulada.

– Srta. Granger, você consegue enxergar o quão importantes são estas poções que vocês estão aprendendo?

Hermione mordeu o lábio por um momento, um hábito que ele esperava que a idade curasse. – Sim professor, nós... nós estamos nos preparando, professor. Preparando... – o tom de voz diminuindo – ...para a Guerra.

– Muito bem Srta. Granger – ele respondeu calmamente. – Se o Diretor lhe recomendasse para ser minha aprendiz, eu dificilmente negaria a sugestão.

Seus olhos brilharam e ela prendeu a respiração por um momento. – O senhor acha realmente que eu poderia... que eu poderia me tornar uma Mestre em Poções, professor? – Ela perguntou esperançosamente.

E muito mais – ele pensou antes de responder. – Sim, Srta. Granger, eu acredito. Mas acho que se repetir isto, eu serei forçado a negar.

– Sim, professor. Eu entendo – ela disse, com os olhos brilhando com exuberância. – Eu deveria falar com o Prof. Dumbledore, professor?

– Eu já conversei com o Diretor, Srta.Granger – ele respondeu. – Você deveria saber também que eu tenho planos para você.

– Obrigada, Prof. Snape! – Ela disse alegremente. – Eu prometo que não vou decepcioná-lo.

– Muito bem, Srta. Granger. Não vou mais prendê-la. Você deve ir. – Ele a observou saindo, enquanto rodava a pena numa das mãos.

Sim, planos – ele pensou. Sua mente imaginando imagens deles, juntos, trabalhando num caldeirão. Então mais tarde, voltando para o quarto, lendo textos sobre Poções e Artigos Químicos, antes de se retirarem para a cama do casal. E se ela não fosse uma fêmea luxuriosa, bem, havia poções para isso.

Hermione Granger era facilmente manipulável com o seu amor pelo aprendizado. E tudo isso poderia acontecer apenas se ele a protegesse por mais alguns poucos anos.

Se ambos sobrevivessem, é claro.

– Sim, Srta. Granger – ele sussurrou para a porta fechada. – Eu tenho grandes planos para você.


continua... tradução de Great Plans- LariLee- por Regine Manzato - 2006


Nota da tradutora: Bom..Finalmente está feito... Este capítulo levou um ano para ser traduzido! o.O é sério... mas agora essa fic desempaca! Minha musa tradutora resolveu trabalhar! São exatamente 02:16 da manhã! Rs ...Próximo capítulo...

Adoraria receber algum review! '