Parte I - Gina

― Gina! - disse Hermione alarmada. - Você está louca?

Gina chamara Hermione para uma conversa séria há alguns minutos atrás, no Salão Comunal da Grifinória, onde a monitora estudava Aritmancia com afinco. Hermione ficou bravia por ser interrompida. Detestava isso, porém o rosto da amiga denunciava que algo muito grave, ou havia ocorrido ou estava ocorrendo. E unicamente por este motivo, Hermione largou sua planilha de dados e subiu com a amiga até o dormitório.

― Responda, Gina! – Hermione perguntou novamente, num tom de voz mais baixo. - Você está louca?

― Hermione... eu me apaixonei por ele – a ruiva estava de cabeça baixa, sentada na cama, enquanto Hermione vociferava baixinho caminhando pelo quarto.

― Gina, isso é delírio da sua cabeça- a outra afirmou peremptoriamente, num tom de voz que não admitia nenhuma duvida.

― Não é, Mione... – a ruiva ergueu a cabeça e os olhos estavam rasos d'água. – Não é. Tive a ilusão que fosse, mas hoje na aula comprovei que gosto dele, que estou apaixonada pelo professor Snape.

― Gina, ainda acho que você deve estar confundindo os sentimentos – Hermione tentava ser racional num momento em que a racionalidade se fazia extremamente necessária. – É provável que você o admire, que até tenha um sentimento de adulação pelo professor Snape, mas paixão?- Hermione estava incrédula. - Duvido muito!

Hermione achara melhor tentar desmentir a amiga em todas as oportunidades possíveis. Era interessante que Gina tinha idéias próprias para cada ocasião, embora não as divulgasse. Gina Weasley sabia ser discreta quando convinha a seus próprios interesses.

― Não faz muito tempo que você falou que gostava do Harry, Gina - a ruiva foi interromper a amiga que afastou sua frase com a mão. - Você não pode ter esquecido dele tão depressa.

― Mione... – Gina não conseguiu mais se conter. - Você tem razão quando fala do Harry. Eu gostei muito dele sim, mas cansei de ficar esperando, cansei de ficar almejando alguém que só me vê como "irmã mais nova"...

― Não esta tentando esquecer o Harry fingindo que se apaixonou pelo professor Snape? - Hermione perguntou com curiosidade, e afinal vira uma luz no horizonte.

― Não! – Gina afirmou e o som da voz dela teve o efeito de uma bofetada em Hermione.

Alguns minutos se passaram. Gina meditava a respeito de sua paixão. Hermione tentava conceber um plano de como afastar a amiga de Snape. Sabia, obviamente, que ela iria se machucar muito se continuasse com essas idéias, e um dos motivos principais era que, diferentemente de outras ocasiões, Hermione não iria abrir mão de seus interesses em prol dos outros.

― E o que você quer de mim exatamente, Gina? - Hermione perguntou com frieza.

― Bem, Mione... - a ruiva ainda refletia se iria falar, a reação da amiga fora ainda pior do que imaginara. Não que Gina tivesse alguma ilusão de que alguém em sã consciência fosse receber bem essa noticia. – Você deve saber que existem várias alunas interessadas nele.

― Várias alunas? – Hermione perguntou com genuíno interesse, pois este tópico muito lhe interessara.

― Sim, do terceiro ano em diante existe uma legião de apaixonadas. – Gina explicou sem dar detalhes, pois realmente falava de ouvir dizer, não sabia de nenhum nome específico.

― Pudera! – Hermione exclamou. - É o único homem desse lugar se excluindo os alunos. Hagrid é meio gigante e Flitwick, duende e o resto são professoras. Para quem tem interesse em homens é o mais requisitado... Além, claro – acrescentou Hermione como mero adendo -, de ser o único. Natural que se torne o cobiçado – por um instante Hermione calou-se e Gina olhou para a amiga que tinha em seu rosto um olhar indecifrável. - E exatamente onde entro nisso tudo?

― Quero que você me ajude a elaborar um plano para que eu consiga me destacar dentre as outras alunas.

― Gina, não vai adiantar - Hermione calou-se pensando em como diria o restante da frase. - Acha sinceramente que Snape vai enxergar você como mais do que uma aluna? No máximo como a caçula dos Weasley, mas nem isso é provável.

― Quero arriscar - Gina falou com determinação enquanto se levantou da cama. – Você me ajuda?

― Claro, Gina. – Hermione sorriu para amiga, com fingida solidariedade.

Desde o quinto ano Hermione tinha interesses no professor Snape. Obvio que tais interesses não eram nem de longe correspondidos, e sempre houve alunas interessadas nele. A moça sabia disso muito bem. Fora exatamente o que seu lado racional, aquele que tem tara em dissuadir Gina, que falava mais alto neste momento. Hermione tinha, a seu ver, a vantagem de ser inteligente, espetacularmente inteligente, embora tivesse plena consciência de que só isso não chamaria a atenção de Snape para si mesma. Mas Gina, apaixonada por ele? Duvidava muito! Gina trocava de paixão como no calendário trocam os dias. Seus relacionamentos duravam pouco e suas paixões ocasionais menos ainda. Snape deveria ser um desses caprichos da ruiva. Daqui a pouco ela esquecia o mestre de Poções e passava a achar que "A", ou "B" ou "C", era sua nova paixão, que via de regra iria durar mais uns 45 dias.

Hermione achava que essa poderia ser a oportunidade ideal para unir sua amiga Gina a Harry e de quebra tirá-la do longo caminho até o mestre de Poções.

Sim, o ideal era convencer Harry a finalmente iniciar seu relacionamento com Gina. Dificilmente, depois de anos de interesse, a ruiva iria esquecê-lo com tanta rapidez. Tinha que convencer Harry! Era o meio mais rápido de eliminar Gina do caminho. E de mais a mais, Harry e Gina formavam um lindo par.