Capitulo 1:

Predador Mutante

Jason Statham é um policial de 35 anos que trabalha em Nova York, ele tem pele branca, um físico bem trabalhado, olhos e cabelos castanhos bem ralos. Jason esta em uma nova cena do crime, o que já é rotina em seu trabalho, em um beco imundo que fica na periferia da cidade. Nesse local dois repórteres tiveram mortes brutais, marcas de dentada e cortes profundos estavam espalhadas em seus corpos, teria sido isso a obra de algum animal? Pouco provável, um animal capaz de fazer uma coisa dessas chamaria muita atenção.

-Jason, vem ver isso aqui.

Quem falou com ele foi um dos policias do local, um sujeito magro e moreno, ele esta dentro de um carro de reportagem, uma van com várias telas e aparelhos de filmagem. Quando Statham chegou perto dele ele começou a falar.

-O assassino fez uma gravação, deixou uma ameaça para trás.

-Rode a fita.

A fita não tinha visual, só áudio, uma voz grossa se fez presente.

-O governo financia experiências brutais com mutantes, se não pararem com isso vou matar todos os responsáveis. A começar pelo senador Jonas Claridge, vocês têm até a meia noite de hoje.

Os policiais ficaram sem entender o que o assassino queria dizer.

-O que é um mutante? – Perguntou o amigo de Jason.

-Tem uma lenda urbana sobre isso. Pessoas que nascem com poderes especiais, capazes de ler pensamentos, voar e fazer o diabo. Esse homem deve estar completamente fora de si.

-Talvez nem tanto, senhor Statham.

Os dois policiais se viraram para ver quem falava com eles, eram duas figuras estranhas vestidas de terno e gravata, um homem careca e outro de cabelos brancos, aparentando terem por volta de 50 anos. O careca continuou a falar.

-Meu nome é Charles Xavier e esse homem ao meu lado é Eric Lensheer, trabalhamos para o FBI ajudando eles a solucionar os casos mais estranhos.

-Ótimo, agora tenho que aturar esses caras! – Resmungava Statham.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------

10 de Abril de 1975, em uma pequena vila na Polônia, Eric Lensheer era bem mais jovem nessa época, foi nesse período que horrível toque do preconceito alcança sua família. Ele esta olhando para a sua casa que esta fervendo em chamas, para o seu desespero, sua esposa e filha estavam lá dentro quando tudo começou.

-Aliya! Natasha!

Ele começa a berrar insanamente e lagrimas começam a brotar de seus olhos que agora estavam avermelhados. Várias pessoas (camponeses em sua maioria) olhavam aterrorizadas, mas sem poder fazer nada para conter as chamas.

-Eles sempre vão nos odiar, nunca teremos paz.

Disse uma velha senhora que assistia a tudo aquilo.

-Quem fez isso? Quem fez isso com a minha família?- Perguntou Eric.

-Foram os nazistas.

-ELES VÃO PAGAR CARO! Só vou parar quando matar todos eles!

-Você é só um jovem camponês judeu, o que pode fazer?

A pergunta da velha senhora entrou nos ouvidos de Eric como um desafio e isso teve conseqüência. Os olhos de Eric ficaram azuis e tudo o que era de metal que estava ao redor começou a se torcer: foices, cercados, baldes... Eric estava começando a libertar sua fúria.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------

Tempo atual, em um dos hotéis mais luxuosos de Nova York, na suíte presidencial, o senador Claridge (um político gordo, baixinho e careca) esta dentro do seu quarto e a sua volta vários policiais fortemente armados faziam sua guarda, inclusive Jason Statham e os agentes do FBI, Xavier e Eric.

-O senhor realmente não sabe o que o assassino quis dizer ao se referir a mutantes? – Perguntou Statham a Claridge.

-Claro que não, só pode ser um louco que acredita em lendas urbanas.

Faltavam poucos segundos para meia noite e os policiais já começavam a ficar tensos. 5...4...3...2...1 Quando o ponteiro marcou meia noite em ponto as luzes se apagaram, todos ficaram aflitos.

-Quero que pelo menos dois homens vasculhem o andar, o assassino esta aqui!

Jason é o homem que comanda essa operação e ele não quer saber de falhas. Três homens saíram para obedecer às ordens de Jason, o resto ficou em volta de Claridge com armas em punho.

-Charles, essa é uma boa hora para você usar seus talentos não acha?

Eric estava ao lado de seu amigo e tentava pressiona-lo a agir, Xavier começou a usar os seus poderes.

-Estou sentindo uma fúria muito grande, ele esta nesse andar. Sinto informar, mas os guardas não serão problema para ele, estamos lidando com um mutante nível alfa.

-O que diabos estão falando?

Jason ouviu parte da conversa dos dois e achou ela, no mínimo, curiosa.

-Nada, concentre-se na missão. – Disse Charles.

Do lado de fora da suíte presidencial três policiais estão mortos no chão. Um deles, inclusive esta sem o seu fardamento, foi despido logo depois de sua morte. Charles continuava a usar seus dons mentais para localizar o inimigo e ficou bastante assustado quando pode identificar sua posição exata.

-O ASSASSINO ESTA AQUI, DENTRO DO QUARTO!

Um som de vidro quebrando se fez ouvir, alguma coisa havia fugido pela janela.

-Oh, meu Deus!

Quando os policiais perceberam o que tinha acontecido já era tarde demais. O corpo de Claridge estava no chão com a garganta cortada. Devido à falta de luz ninguém percebeu que o assassino havia entrado no quarto trajado de policial, usando desse disfarce ele conseguiu eliminar o seu alvo e fugir dali sem ser detido.

-É, Charles. Esse mutante vai dar trabalho. – Desabafa Eric.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------

23 de agosto de 1977 em uma faculdade da Inglaterra, um jovem geneticista alemão, Zigfrid Wagner, dava uma palestra sobre o que ele acreditava ser o verdadeiro potencial humano. Ele falava sobre a evolução e suas conseqüências, "será que o homem se tornaria capaz de fazer coisas fabulosas como regenerar órgãos e voar algum dia?" era uma das suas perguntas. Entre as várias pessoas que assistiam à palestra estava o jovem Eric Lensheer, sua mente estava bem distante, ele não prestava muito atenção no que o professor dizia.

-Sei o que você tem em mente, desista!

Eric ficou espantado, uma voz estranha falava com ele dentro da sua mente.

-Saia da minha cabeça. – Falou baixinho Eric.

A sala começou a tremer, as vigas de aço que sustentavam o lugar estavam sendo controladas.

-Não sabia que tinha terremoto aqui, bem...

O professor não deu muita importância para o ocorrido e deu procedimento a sua aula. No lado de fora da faculdade, algum tempo depois, Eric caminhava sem rumo pelo gramado até sua mente ser novamente invadida.

-Nem pense em fazer o que esta pensando, assassino!

-Quem é você?

-Olhe para traz.

Um jovem careca com roupas bem simples encarava Eric, era Xavier. Depois que se olharam, Charles passou a falar com Eric usando a boca, deixando sua telepatia de lado por um momento.

-Cheguei a pensar que eu era o único a ter poderes especiais nesse mundo. - Falava Eric.

-Li sua mente, você pretende assassinar Zigfrid Wagner só porque não concorda com a sua "filosofia".

-Ele é um maldito nazista, só estou limpando o mundo dessa escória!

-Você não é Deus para julgar os outros, não deixarei que mate ninguém.

Os dois jovens mutantes ficaram se encarando por alguns segundos, o simples confrontar de olhares dos dois provocou tremores que atingiram todo o campus da faculdade fazendo com que as pessoas ficassem assustadas sem saber direito o que estava acontecendo.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------

Tempo atual, as luzes já haviam voltado e os policiais aproveitavam a claridade para analisar a nova cena de crime. No meio de tudo isso, Jason vai atender ao pedido de um amigo seu (o mesmo policial moreno e magro de antes) para falar com ele.

-Jason, os forenses já analisaram a saliva encontrada no corpo dos dois repórteres mortos hoje mais cedo. Aquelas mordidas foram provocadas por um humano, da pra acreditar?

-Que seria...?

-Por sorte ele esta no nosso banco de dados, é um sujeito chamado Victor Creed. O pessoal mandou um fax com o endereço atual dele.

-Vamos pegar esse puto.

A casa de Victor Creed fica ao lado de uma auto-estrada que liga Nova York a outras cidades, a casa é bem simples (caindo aos pedaços quase), tem apenas uma sala, um quarto, uma cozinha bem pequena e um banheiro imundo, do lado de fora pode se ver um quintal muito mal cuidado. Às seis da manhã, Victor assiste à televisão enquanto bebe sua cerveja, ele é um sujeito alto, forte com cabelos louros não muito compridos e ele também possui duas costeletas. Enquanto Victor assistia a TV sem desconfiar de nada, a polícia já estava preparando uma investida para pega-lo de surpresa e prende-lo, Jason estava novamente no comando da operação e foi o homem que chutou a porta da casa para abri-la.

Xavier e Eric estavam no quintal esperando uma resposta positiva de Jason para a captura do suspeito, ela não veio.

-Então, senhor Statham, cadê ele? – Perguntou Eric gritando.

-Não esta aqui, o puto saiu depressa, deixou a TV ligada e tudo.

Os policiais já estavam se preparando para rondar a área quando um grito foi ouvido.

-O grito veio daqui! – Disse um dos policiais.

Todos foram em direção a fonte do grito, foi então que perto da auto-estrada encontrou-se um corpo de um dos policiais, estava completamente desfigurado devido aos vários cortes que sofrera no rosto e no abdômen.

-Mas que tipo de pessoa seria capaz de fazer uma coisa dessas?- Perguntou Statham.

Charles fez um gesto para Jason com a intenção de conversar a sós com ele.

-Temo que esse não seja um criminoso que você e seus homens sejam capazes de deter.

-O que você esta escondendo de mim, Xavier?

-Quando era adolescente percebi ser capaz de fazer feitos estranhos, pensei ser o único capaz disso até encontrar o meu melhor amigo, Eric. Isso foi na década de 1970, nós dois resolvemos juntar forças para achar mais pessoas com habilidades especiais. Tenho certeza que esse assassino é uma delas.

-O que diz não faz o menor sentido.

-Sinto informar, mas eu e o meu amigo não somos do FBI.

Jason ficou impressionado com o cinismo de Charles e apontou sua pistola para ele.

-Mãos para cima e deita no chão!

A arma de Jason saiu voando de sua mão, era Eric usando o seu poder de controlar o metal.

-Sei que não gosta disso, Charles, mas será o melhor para eles.

Todos os policiais (inclusive Jason) ficaram com olhos vidrados, estavam sendo hipnotizados por Xavier.

-Vocês vão até as suas casas e darão mais atenção a suas famílias.

Os policiais ouviram as palavras de Xavier e a obedecerão sem questionar, estavam sob controle mental dele. Em poucos minutos o lugar estava vazio, os únicos ali presentes eram Eric, Charles e Victor Creed (que estava em algum lugar da região, escondido).

-Muito bem, Charles, agora use seu dom para localizar o maníaco.

Xavier fechou os olhos para que pudesse se concentrar melhor, em poucos segundos sua mente circulou toda a área, Victor estava ali, muito mais perto do que imaginavam.

-Eric, cuidado!

Victor saiu de dentro do mato e se jogou em direção de Eric em uma fúria enorme, ele rosnava e babava enquanto atacava o homem. Creed pegou Lensheer pelo pescoço e ficou apertando com força, iria matá-lo em pouco tempo se Eric não tivesse controlado uma enxada que estava por ali perto. Victor rosnou alto quando a enxada ficou cravada em suas costas, isso fez com que ele largasse Eric para retirá-la do corpo, o mais impressionante aconteceu depois, o lugar que havia se ferido com o golpe da enxada se curou em poucos segundos logo depois que ela foi retirada.

-Mas que bosta, ele se regenera rápido. – Constatou Eric. – Bote ele pra dormir, Charles!

Antes que Xavier pudesse fazer alguma coisa, Victor pega uma pedra do tamanho de sua mão e arremessa bem na direção da testa dele, Charles desmaia na hora.

-Muito bem, coroa, agora é entre você e eu. – Victor falando com Eric.

-Quando for me desafiar me chame pelo meu nome mutante, Magneto!

Todo o metal que estava na propriedade de Creed estava sendo manipulado (televisão, estante, enxada, balde, torneira...) e sendo transformado em armas pontiagudas.

-FILHO DA...

Victor nem teve tempo de terminar a frase, todas aquelas armas improvisadas voaram em direção a ele com uma velocidade impressionante, Victor foi empalado e preso em uma árvore que estava por ali perto aparentemente morto.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------

Dia seguinte Jason Statham acordou com uma dor de cabeça muito grande mesmo assim foi para o departamento trabalhar, pois tinha que ganhar o pão de cada dia. Chegando lá ele ficou sem entender os comentários dos seus colegas.

-Bom trabalho, Jason. Você pegou aquele assassino filho da puta!

-Que assassino?

-O que você empalou na árvore é claro, mas vou logo adiantando, os superiores vão querer saber o motivo de você empregar uma morte tão brutal. Você colocou seu emprego em risco.

-O que esta dizendo? Eu nunca matei ninguém.

-Vá para o necrotério ver o resultado do que fez ao homem, vá.

Jason ignorou o aviso do amigo e fez sinal de não com a cabeça, em seguida foi checar o seu e-mail, tinha mensagem nova na caixa de entrada.

-O que é isso?

A mensagem nova tinha como assunto uma coisa que ele nunca tinha ouvido falar antes. O que seria Arma X?

Necrotério, dois legistas estavam se preparando para examinar o novo cadáver que chegou, era Victor Creed. Um deles estava começando a remover os estilhaços de metal do corpo do defunto quando Creed se mexeu, espantando muito os dois.

-Que diabos é isso?

Creed foi rápido, usou suas unhas pontiagudas (garras) para estraçalhar os dois homens, depois disso ele se dirigiu até a saída da sala quando foi surpreendido pelo homem que quase havia matado ele, Eric estava ali.

-Nunca alguém me feriu tanto assim e isso não vai acontecer uma segunda vez. Veio ver se eu estava mesmo morto? – Disse Victor.

-Tive fé que seus poderes iriam recuperar o seu corpo. Vim aqui lhe fazer uma proposta.

-Proposta?

-Meu amigo Charles Xavier é um sonhador, ele acha que os humanos irão aceitar nossa presença entre eles numa boa. Nós, que somos realistas, sabemos que não será assim, teremos que nos impor aos homo sapiens e mostrar a eles que somos superiores.

-Corta o papo e diga logo pra que veio.

-Estou formando um grupo de mutantes sem o consentimento do meu amigo, pois sei que ele desaprovaria. Quero que você se una ao meu bando para lutar pela supremacia mutante. Gostaria de entrar para a Irmandade?

-Já vi humanos fazerem experiências terríveis com mutantes, se esta me dando uma chance para dar o troco eu topo.

-Muito bem, mas antes de aceita-lo no grupo gostaria de saber qual é o seu nome mutante?

-Nome mutante?

-Um nome que represente seu dom e não um parentesco com os humanos opressores. O meu, por exemplo, é Magneto.

-Pode me chamar de Dentes de Sabre.

-Bem vindo a Irmandade, Dentes de Sabre.