Besteiras e Macacos

-VOLTE AQUI, SEU MALDITO PRIMATA!

A voz enérgica de Mitsurugi Ryoko ecoou pelos corredores da escola Daimon, enquanto ela corria atrás do garoto de sombrancelha estranha, conhecido por todo o colégio.

Os dois corriam numa velocidade impressionante, sem se dar conta de que eram os alvos de todos os olhares.Os alunos sempre se surpreendiam ao notar o tamanho efeito que Shizuma provocava na incrível samurai.Parecia que, com um pequeno comentário apenas, Kusanagi podia destruir a imagem admirável e inatingível que ela se esforçava para passar.

"O que foi dessa vez?", perguntaram-se todos.

Teria sido outra insinuação a respeito do 'amor' da ruiva por ele?Talvez outra especulação sobre sua sexualidade?Ou mesmo mais um comentário sobre sua altura?

Ryoko certamente sabia.Mas ninguém se arriscaria a perguntar.

Havia Shizuma.Mas, enquanto fugia dela, já havia até esquecido o que dissera.

Kusanagi nunca entendera o medo e a reverência extrema que Ryoko inspirava nos colegas de classe.Muitas vezes havia sido interrogado sobre os pontos fracos da samurai e como ele conseguia atingi-los, mas nunca conseguira explicar.

O que havia para dizer, afinal?

Para Shizuma, irritá-la era algo tão normal.Era tão fácil.

Desde aquele dia em que praticamente implorara por uma refeição sabia perfeitamente como afetar a garota.

Se bem que ela também sabia como irritá-lo.

Todas aquelas frases feitas, toda aquela pose, todo aquele jeito de superioridade, tudo isso o fazia ter vontade de socá-la na cara para ver se conseguia quebrar aquela maldita máscara.

E ver os pedaços caírem, deixando-o ver apenas Ryoko.

Aquela menina mais alta que normal, estourada, orgulhosa, enérgica, direta, forte, corajosa, que adorava brigar.

Ryoko.

-Me pegue se puder, sua giganta!-gritou, com um sorriso no rosto.

-ESPERA PRA VER, MACACO!-berrou ela, visivelmente furiosa.

Nem mesmo Daisaku entendia sua insistência em perturbá-la.Afinal, Ryoko podia ser muitíssimo perigosa quando irritada.Quando o amigo lhe disse isso, Shizuma apenas sorriu como sempre e concordou.

Ela era assim mesmo.

Aumentou a velocidade.Naquele ritmo, Ryoko poderia alcançá-lo.

Ela gritava descontrolada, fazia ameaças e dizia suas opiniões a respeito dele, como sempre.

Uma delas é que ele era um idiota.

Outra é que vivia fazendo besteiras.

Sabia perfeitamente que ela pensava isso.Não tinha muita certeza quanto a primeira, mas concordava plenamente quanto a segunda.

Todos lhe diziam isso.Tanto que acabou virando até um motivo de orgulho para Kusanagi.

Ele vivia fazendo besteiras.Sua vida era uma sucessão delas.Até mesmo Daisaku concordava com isso.E, com Ryoko, aquilo chegava a superar e muito o limite do aceitável.

Qual fora mesmo a daquela vez?

Algo sobre como ela corara ao ser elogiada por Shishikura, se bem lembrava.

Mas ele não dava muita atenção a isso.

Uma característica de Shizuma era nunca dar a mínima para as besteiras que fazia, de tão naturais que elas pareciam ser.Tanto que, se alguém perguntasse, não podia nem mesmo contá-las.

-VOCÊ SÓ FAZ MERDA, MACACO IDIOTA!-ela berrou, talvez pela vigésima vez naquele dia.

Era verdade.

Ele realmente só fazia merda.

Talvez a maior delas fosse amá-la.Amá-la tanto que chegava a superar os limites do aceitável.


N/A: Ficlet Shizuma/Ryoko.Porque eles são o meu xodó, a minha paixão, o meu sonho dourado, o meu pudim de maracujá, o meu oásis no Saara, a minha vida, o meu diamante bruto nesse lixão de casais chatos e sem graça.

E maluca é a mãe, eu só sou um pouco viciada.