Disclaimer: é, a dona de tudo é a JK mesmo.

A.n.: Eu já havia postado essa fic em inglês, sob o título de 'Our Day Will Come', e havia dito que postaria em Português também. A Uhura cobrou a versão em port., e aqui está ;D

Nosso Dia Irá Chegar.

Era tarde da noite na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts. Os corredores estavam silenciosos e vazios, exceto por um professor que corria furiosamente em direção aos aposentos de Minerva McGonagall. Uma batida na porta, e a professora já estava de pé, com uma não muito agradável recepção ao visitante.

"Pelo amor de Merlin, Snape. Nem a essa hora da noite você consegue me esquecer? O que é tão importante que você tem que vir me acordar de madrugada, exceto, é claro, saudades minhas?"

"Tendo bons sonhos, Minerva?" Snape não perdia uma chance de ser provocá-la.

"Ah, desde que não sejam com você, são sempre ótimos sonhos." Mas ele não esperava que ela lhe devolvesse a provocação tão rapidamente.

"Dumbledore sumiu" ele foi direto ao ponto, um tanto desapontado.

"O que?"

"Dumbledore sumiu" Snape repetiu com toda a paciência que ele não tinha.

"Do que você está falando?" Uma confusa Minerva perguntou.

"Sumiu, evaporou, se escondeu, tomou chá de sumiço, o que você preferir."

"Você procurou por ele?"

A esse ponto, Snape precisou ser muito forte para não responder grosseiramente.

"Já. Ele não está no escritório, ou em seus aposentos, nem na cozinha, e pelo que parece em parte alguma do castelo."

"E porque você vem me dizer isso? Ele não está no meu bolso" replicou Minerva, visivelmente querendo acabar a conversa.

"Tem certeza? Provavelmente não no seu bolso, mas..." provocou Snape, com um sorrisinho se formando em seus lábios.

"Ah, não! Você também não, Severo! Já não basta Pomfrey e todos os quadros do escritório de Dumbledore fazerem insinuações a cada minuto!"

"De qualquer modo, quando você encontrá-lo, diga que preciso lhe falar"

"E o que faz você pensar que eu deixarei o conforto do meu quarto para ir procurar por ele?"

"Ah, você sabe que vai, Minerva. Você sabe que vai" Snape sorriu um sorriso maroto e foi embora.

Minerva suspirou e deixou seu quarto, fechando a porta atrás de si. Snape estava certo, ela ia procurar por Albus. Na verdade, ela já tinha uma boa idéia de onde ele poderia estar.

Passando pelas portas duplas na entrada do castelo, Minerva se dirigiu à Floresta Proibida. Quando estava perto de adentrá-la, ela viu uma coruja branca voando acima das arvores exatamente no centro da Floresta. Com um sorriso se formando em seus lábios, ela seguiu a coruja e acabou chegando onde ela sabia que chegaria: em um lindo jardim, com flores coloridas e exóticas por toda a parte, e com um pequeno lago no centro. O jardim ficava apenas visível para quem tivesse um objetivo em estar lá; Minerva tinha, e Albus, que estava de pé no centro do jardim, contemplando as estrelas, também. Enquanto ela se aproximava dele, Albus, sem nem ao menos se virar, sentiu a presença dela e disse:

"Como soube que eu estaria aqui?"

"Eu sempre sei", veio a resposta, "Não acha que está um pouco velho demais para brincar de esconde-esconde, Albus?"

"Obviamente, você não acha, já que veio até aqui me procurar.", sorriu Albus.

"O que aconteceu?"

Albus pensou por um tempo antes de respondê-la:

"Você já se sentiu como se tudo o que você anda fazendo na sua vida está errado? Como se você tivesse perdido algo importante no meio do caminho, algo que você não deveria ter perdido"

"Crise de meia-idade?"

"Ah, obrigado, isso foi bastante útil"

"Desculpe. Mas, respondendo à sua pergunta, não, acho que nunca senti nada parecido"

"Sorte a sua" Albus disse em um tom melancólico. Ele se sentou em um banco perto do lago "Como você soube que eu não estava em meu escritório?"

"Severus foi tão gentil a ponto de vir me acordar às duas da manhã pra me dizer que você tinha sumido." Minerva aproveitou a oportunidade para falar mal de seu colega, "E ele nem se importa se você está vivo ou não..."

"Porque você veio me procurar?"

"É o que eu sempre faço quando percebo que você tem algum problema"

"Porque você se importa?"

Minerva ficou surpresa que ele tenha perguntado algo assim, mas ela respondeu sem emoção:

"Você é meu melhor amigo, Albus"

"Ah, Minerva, você me conhece bem demais. Algumas vezes eu me pergunto por que você continua ao meu lado"

"Albus! Como ousa dizer isto! Porque eu deixaria você?"

"Você conhece todas as minhas fraquezas, viu todas as minhas falhas e escutou todos os meus problemas"

"Mas eu também conheço toda a sua sabedoria, eu estava presente nos seus momentos de glória, e eu lhe contei todos os meus problemas, também"

"Já faz tanto tempo... Você não está cansada de ser amiga de um velhote como eu?"

Minerva sorriu.

"Cem anos podem se passar, mas eu serei sempre feliz em saber que sou aquela em quem você confia"

Ela olhou nos olhos dele, tentando lê-los. Estranhamente, dessa vez ela não conseguiu. Havia algo a mais no olhar dele, algo que ela não conseguiria descrever se fosse necessário, e por causa disso ela se assustou.

"Albus, você está bem?"

"Você sabe para quê eu venho aqui"

"Ora, por favor, eu imagino que depois de todos esses anos escutando a mesma coisa, eu mereça algo mais do que apenas "estou reorganizando meus pensamentos"."

"Desculpe-me, minha cara, mas esta é a única desculpa que tenho no momento"

"O que foi? Não confia mais em mim?" era o que ela queria dizer para ele, mas, decidindo que soaria muito infantil, ela permaneceu calada. Ela conversaria com ele quando estivesse pronto.

Minerva se sentou ao lado dele, e dirigiu seu olhar para as estrelas, exatamente como ele estava fazendo. Após uma longa pausa, a voz de Albus quebrou o silêncio:

"O que Severus estava fazendo no meu escritório nas primeiras horas da manhã?"

"É o tipo de coisa que eu prefiro não imaginar"

Seus olhares se encontraram, e eles começaram a rir. Ele era a única pessoa no mundo que podia fazer Minerva McGonagall rir, e ela logo sentiu os efeitos que isso tinha nela: ela não se lembrava da última vez que tinha rido. Como se lesse seus pensamentos, Albus perguntou:

"O que aconteceu conosco?"

Apesar de ela saber exatamente a que ele estava se referindo, ela fingiu:

"Do que você está falando?"

"Nós costumávamos ser tão próximos... Professor e aluna, colegas de trabalho, o Diretor e sua substituta, amigos. E agora..."

Ele não se atreveu a continuar. A tristeza estava evidente em seus olhos.

"Está ficando cada vez mais difícil lidar com a escola..."

"Besteira, Minerva" Dumbledore disse calmamente, mas a firmeza em sua voz disse a ela que ele estava com raiva "Nós passamos por tempos mais difíceis e você sempre achou tempo para gastar comigo. Os jogos de xadrez, as caminhadas, as conversas, você estava sempre por perto. Mas não mais.

Minerva suspirou pesadamente. Ela sabia que ele estava certo, mas ela não queria ter essa conversa agora; ela não estava pronta para isso.

"Desculpe-me, Albus. Desculpe-me por evitar sua companhia, mas, por favor, tente entender, é preciso que nos afastemos, pelo menos por algum tempo"

"Porque diz isso, Minerva?"

"Rumores correm pela escola, Albus, não me diga que nunca os escutou! Rumores de que eu e você..."

Ele não a deixou continuar.

"Pelo amor de Merlin, Minerva! Rumores estão lhe incomodando? Você, a severa Professora McGonagall, que nunca se importou com a opinião dos outros?"

"Não me incomodaria se fossem apenas os estudantes falando, mas até os professores acham que estamos juntos! Por que você acha que Severus veio me dizer que você tinha sumido? Ele pensou que você estava comigo!"

"Ele pensou que eu e você...Ha!" sem saber o porque, Albus começou a rir.

"É, eu sei!", levou um momento ou dois para ela perceber que ele estava rindo, "Se importa de me dizer o que você acha tão engraçado, Dumbledore?"

Ele continuou rindo por mais alguns minutos antes de respondê-la.

"Desculpe-me, minha cara. Eu não sei o que aconteceu"

"Não precisa se desculpar. A idéia de nós dois como um casal é um pouco engraçada, afinal"

Ele estava bem sério agora:

"Você sabe que não é" ele olhou bem fundo nos lindos olhos verde-esmeralda dela.

"Não esta conversa de novo, Albus, por favor,"

"Está bem, está bem. Apenas me ocorreu que nós poderíamos tentar de novo."

"Você sabe que não podemos. Colocaríamos muita coisa em risco"

Albus fechou os olhos e permaneceu em silêncio por um momento. Ela estava certa. De novo. Ela estava certa agora, e há muitos anos atrás, quando eles tiveram essa mesma conversa pela primeira vez.

"Talvez nós fiquemos juntos um dia?", ele perguntou esperançoso.

Minerva sorriu e o abraçou.

"Nosso dia irá chegar, Albus, tenho plena certeza disto. E, confie em mim, nós dois saberemos quando isso acontecer. Boa noite, Albus." Ela se levantou e caminhou de volta para o castelo.

"Boa noite, minha querida"

Talvez ela estivesse certa, e o dia deles chegaria. Ou talvez, já havia chegado e ido embora, e eles não haviam percebido. Mas Albus, sempre paciente, esperaria. Ele esperaria por ela até o fim de sua vida, ele já havia esperado por mais de 30 anos, e ele não ia desistir agora. Para Albus, vê-la todo dia, conversar com ela, fazê-la rir, isso era suficiente. Tê-la ao seu lado o tempo todo, e ter a certeza de que ela não iria embora, era o que ele precisava para mantê-lo seguindo em frente. Sim, ele a amava, e sabia que ela sentia o mesmo por ele, mas se eles não podiam ficar juntos, ele se contentaria com o que eles tinham.

"Nosso dia irá chegar", Albus repetiu para a escuridão.

Nosso dia irá chegar

E nós teremos tudo

Iremos dividir a alegria

Que estar apaixonado pode trazer

Ninguém pode me dizer

Que eu sou muito velho para saber

Porque eu te amo tanto

E você me ama, me ama.

Nosso dia irá chegar

Se a gente apenas esperar um instante

Nenhuma lágrima para nós

Pense em amor e use um sorriso

E nossos sonhos estão destinados a acontecer

Porque nós sempre ficaremos

Apaixonados assim

Nosso dia irá chegar

Nosso dia irá chegar

Se a gente apenas esperar um instante

Nenhuma lágrima para nós

Pense em amor e use um sorriso

E nossos sonhos estão destinados a acontecer

Porque nós sempre ficaremos

Apaixonados assim

Nosso dia, nosso dia irá chegar.

(Our Day Will Come – Jamie Cullum)

Fim