Anything But Ordinary

.

.

.

Eu nunca fui prudente, eu nunca fui responsável, eu nunca fui, na verdade, uma boa pessoa... Eu era em momentos muito estranha, em outros eu era muito verdadeira e transparente. Ria de mim mesma pelas burradas que um dia cometi.

Houve até uma vez em que eu quase morri, não apenas por dirigir em alta velocidade provocando um enorme acidente, mas também por dirigir completamente alcoolizada e drogada. Por ter a mente tão tacanha que não conseguia enxergar a verdade mesmo que ela fosse colocada em baixo de meu nariz.

Eu apenas ria, eu apenas gritava de felicidade, eu apenas queria sentir-me viva com tudo aquilo...

Eu me perguntava se um dia eu poderia ter de volta aquele quer provocou tudo aquilo em mim. Se tudo que eu fazia poderia ser o suficiente para trazê-lo de volta. Para ter minha vida de volta... Eu queria não ter meu coração... Ele apenas me fez sentir dor por toda a vida... Perdi as pessoas que mais me amavam e me tornei uma adolescente inconseqüente... Eu queria que ele voltasse e salvasse minha vida... Eu sempre fui muito centrada antes de meu mundo desabar, mas existia uma única coisa que eu nunca queria ser e acabei por ser... Comum.

Eu nunca quis realmente andar dentro das regras, eu apenas queria viver minha vida adoidada, sem me preocupar com as outras pessoas, se me preocupar comigo mesma. Eu vivi por três anos no extremo do extremo. Vivi por três anos, bêbada, drogada, jogada e quase morrendo.. Até que um dia ele apareceu novamente para mim... Aquele me deixou, aquele que um dia me amou... Ele meio que me sacudiu... Fez-me sentir-me viva... Pelo menos mais uma vez, enquanto poderia...

Isso é suficiente para amar? Isso é suficiente para respirar? Alguém arranque meu coração e me deixe aqui para sangrar... Isso é suficiente para morrer? Alguém salve minha vida... Que um dia eu pude ter... Que um dia eu tentei sobreviver... Eu preferia ser qualquer coisa... Tudo e qualquer... Menos ser comum...

Eu sempre fui assim... Não me importava comigo mesma se ele estivesse longe, porque eu sabia... Daquele jeito que eu vivia, pelo menos ele voltaria quando pudesse. Mesmo depois de meses sem aparecer... Mesmo depois de ter me deixado... E depois de alguma maneira sempre estar perto de mim... Porque ele sabia... Eu não poderia ser comum...

Afinal... Eu era apaixonada... E muito... Fazia apenas as coisas inconseqüentes para que pudesse chamar a atenção dele já que ele era o único que me restara... Com certeza fora... Depois que nossos pais morreram... Eu bebia, eu me drogava... Na expectativa de que um dia eu pudesse enfim esquecer como é ser apaixonada pelo irmão... De como é ser extremamente pecadora... Pecando um pouco mais...

"Sesshomaru" foi a única coisa que pude dizer pela ultima vez.

Ele me repreendia e me deixava de castigo... Mas nós sabíamos muito bem onde tudo acabava... No mesmo lugar onde eu engravidei... No mesmo lugar que hoje eu me matei... Em nosso quarto...

Esta Rin podia ser tudo...

Tudo... Menos comum...

.

.

.

Fim

Essa fic tem um significado pra miim! E espero que entendam o que ela quer dizer... Enfiim... Reviews please ;D