Capítulo 7 - All things come to an end

Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade. (...)
E de te amar assim, muito e amiúde
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.

Vinícius de Moraes - Soneto do Amor Total

Dezoito anos depois...

- Moony eu quero te apresentar a uma pessoa - Sirius arrastou o amigo até o andar de cima da antiga Mansão Black, agora conhecida como "Sede da Ordem da Fênix".

- Olha, Padfoot, eu chego a ter medo dessa frase - Remus resmungou, revirando os olhos. - Não tive experiências muito boas com as suas amigas.

- Eu não tenho mais amigas - a voz do Black perdeu um pouco do ânimo. Azkaban havia destruído a sua vida. - E não tem nada a ver com isso. É uma pessoa que eu aposto que vai te fazer voltar a sorrir, Sr. Rabugento.

Remus arqueou uma sobrancelha, em dúvida. Sirius abriu a porta de um dos quartos e o Lupin pôde sentir o perfume de Andromeda. Era ali que ela havia morado: naquela casa, naquele andar, naquele quarto.

O Black empurrou o amigo para dentro, e Remus conseguiu ver a pessoa que Sirius queria lhe apresentar: uma garota de longos cabelos rosa-chiclete que estava parada na janela, contemplando a rua. Mas Remus não conseguia notar os cabelos, por mais gritante que a cor deles fosse. E isso foi porque o corpo dela chamou a sua atenção, por causa da imensa semelhança com o de Andromeda.

- Moony, essa é a Tonks, minha prima.

- Filha da Andy? - a garota se virou e assentiu.

- Nymphadora Tonks - ela se apresentou, sorrindo. Sua voz era incrivelmente parecida com a da mãe. Ou pelo menos parecia para ele. - Mas ninguém me chama pelo nome. Nem a minha mãe - ela fez uma pausa, durante a qual analisou a aparência cansada de Remus. - E aí, beleza, Remie? Eu posso te chamar de Remie, né?

- Pode me chamar como quiser - ele respondeu, meio débil, se sentindo como se tivesse meros dezoito anos. Tonks se olhou no espelho empoeirado da penteadeira e, com uma careta de dor, tornou seus cabelos castanhos e curtos. - Eu conheci a sua mãe - o Lupin comentou, na falta do que dizer. Se sentia na obrigação de não deixar o assunto morrer. Até porque queria muito perguntar certas coisas a filha de sua musa.

- Ela falou de você pra mim - a garota sentou no banquinho da penteadeira. Remus sentou na cama, observando-a. - Disse que você cuidou de nós duas quando ela saiu de casa - ela o analisou novamente. - E que você era um cara bem bonito...

Remus se olhou no espelho. Seus cabelos estavam sem corte, a barba precisava ser feita, seu rosto aparentava a exaustão típica do pós-mutação, suas roupas eram velhas e surradas... Tudo nele contrastava com a aparência da Tonks, que estava impecável como sua mãe costumava ser.

- Como está a sua mãe? - ele perguntou, depois de um silêncio constrangedor.

- O que você quer saber? Eu poderia te dizer que ela está meio doente agora, ou poderia dizer que ela e meu pai estão casados e felizes... E acho que você vai gostar de saber que ela me pediu pra te dizer que ela lhe é eternamente grata por tudo o que você fez por nós duas.

Sirius pigarreou.

- Moony, eu estou lá embaixo. Depois você me conta o que aconteceu aqui. - e saiu do quarto, tomando o cuidado de fechar a porta atrás de si.

- Vocês continuam morando naquela casona aqui em Londres?

Ela fez que não.

- Você não soube da história? Meus avós eram contra o casamento dos meus pais, porque eles achavam que a minha mãe estava dando um golpe. Logo depois do casamento, eles deserdaram ele também.

- E onde vocês moram?

- Woodstock - ela respondeu, sem hesitar. - Não me pergunte o que estamos fazendo lá.

Remus sorriu. Ele sabia por que Woodstock.

- E ela está feliz? A Andy?

- Ninguém chama ela assim - Nymphadora riu. - Ela odeia. Prefere que chamem de Dro. Mas, sim, ela está feliz. Fora uma briga ou outra com o meu pai por causa de um ex-namorado que ela teve depois de sair da escola, eles estão muito bem.

- Ex-namorado? Quem?

- Não sei. Realmente não sei.

Remus sorriu novamente. Depois que ela saiu da escola, o único relacionamento razoavelmente longo de Andromeda tinha sido com ele. E nem tinha sido um namoro, porque ela estava noiva de Ted e tudo mais...

- Eu aposto que ela vai adorar te ver - Tonks comentou, animadamente.

- Um dia - ele respondeu, vago. Agora queria mesmo mudar de assunto. - Eu vou precisar ver na minha agenda.

- Desculpa perguntar, mas... Que agenda?

O Lupin e a Tonks se voltaram para a porta, na qual Andromeda estava encostada, olhando-os.

- Mamãe, olha quem eu conheci!

- Eu vi, filha - Andromeda fitou a outra, um sorriso maternal nos lábios. - Pode deixar nós dois conversarmos a sós?

Nymphadora levantou do banquinho e se dirigiu à porta.

- Ele é lindo, não é? - perguntou, num sussurro, à mãe, que assentiu sorrindo.

- Você não conheceu ele mais novo.

A filha saiu do quarto. Andromeda andou até ele e sentou-se a seu lado na cama.

- Dro? - ele franziu o cenho. Ela sorriu. - Woodstock? Ex-namorado?

- E babá do próprio marido - ela completou, com certo ar de pesar. O tom de superioridade desaparecera da sua voz, Remus pôde notar. - Pobre e babá do meu marido inútil que não sabe trabalhar.

- Você continua dando aula, então?

Ela assentiu, lentamente, sem tirar os olhos dos dele. Abraçou o Lupin, descansando a cabeça na curva de seu pescoço. Remus afagou seus cabelos, feliz por saber que nada havia mudado.

- Quase todos os dias antes de dormir, eu penso em como seria a minha vida se eu tivesse aceitado o seu pedido - ela sussurrou. - E eu concluí que eu deveria ter casado com você.

- Andy... Não me faz me arrepender por não ter feito nada...

Ela riu e roçou os lábios nos dele.

- Faz tanto tempo, Remie... E você não conseguiu me esquecer, não é mesmo? - ela zombou, acariciando as feições dele. Remus virou o rosto, tentando evitar o toque dela. - Tudo bem... Se você quer mesmo saber, ninguém faz melhor que você.

Ela tirou a aliança e a jogou no chão. Em seguida, beijou-o, da mesma forma que fazia dezoito longos anos antes. E Remus entendeu que ele não tinha sido o único a não esquecer.