Wish you the Worst

N/A: Eu nunca pensei que começaria escrevendo uma fic desse tipo, mas sabe, ela ia ser uma short fic, mas percebi que tem muito pano pra manga nesse assunto, portanto, apresento pra vocês minha mais nova fic... Baseada na música de mesmo nome: Wish you the Worst. Esse é o primeiro capítulo. (Sério?) Espero que gostem.

You both looked happy

Era começo de semana e a rotina já começava a retornar à cabeça de todos os subordinados do Coronel Mustang, inclusive á ele próprio.

Roy caminhava com os papéis, não agüentava mais ter que trabalhar, precisava de uma distração. E ele sabia muito bem qual.

Correu até a sua mesa e procurou algum "contato" na sua agenda, então viu um nome que lhe parecia bem agradável.

Kathleen Cartney era uma das mais novas atiradoras da Central, não chegava a ser tão boa quanto Riza, mas ultimamente estava atraindo muita atenção no quartel, não só por ter conseguido se classificar para os snipers tão cedo (Ela tinha 23), mas por ser extremamente bonita.

Roy não podia deixar de mostrar sua sorte, tinha que contar aquilo imediatamente para os outros, não com a intenção de compartilhar o telefone, mas sim de criar aquela inveja que constantemente alimentava o seu ego.

Então na hora do almoço:

- Como assim?

- Isso mesmo, o telefone da Katy Cartney.

- Uau cara! Como você conseguiu?

- Ah Havoc... Eu só... Consegui.

Na verdade Roy não sabia direito como tinha conseguido o telefone dela, mas devia ter sido em alguma "troca de informações" com alguma secretária.

"Tracey? Marrie? Joane? Ah, dane-se! Eu tenho o telefone e é isso que importa não é?"

Quando Roy chegou á sala a notícia já estava espalhada, todos o olhavam daquele jeito "Como você consegue ser tão legaaal?", todos menos aquela mulher loira e que, apesar de tudo, atraía Roy de uma maneira que ele não se sentia atraído por qualquer outra mulher.

Riza não o olhou quando ele chegou, nem quando ele sentou, nem quando uma rodinha formada por quatro subordinados altamente desesperados formou-se em volta dele, (Havoc chegou até a oferecer dinheiro apenas para "olhar" a agenda de Roy), ela só olhou quando ele disse:

- Primeira Tenente, os relatórios estão com você?

- Sim.

Dizendo isso ela vasculhou uma das pilhas de papéis, selecionou alguns, os pegou e os entregou para Roy, todos já devidamente preenchidos, esperando pela leitura, compreensão e talvez, pela assinatura dele.

Ele nunca tinha comentado isso com ninguém, mas o perfume de Riza geralmente ficava nos relatórios, e sempre que podia, Roy pegava um deles e ficava contemplando aquele aroma até que... Bom, até quando ele achasse seguro.

Riza nunca falava muito com Roy no trabalho, geralmente era algo mais do tipo, "Cadê o relatório?" "Volte a trabalhar!" "Sua luva está na última gaveta" "Os verdes são relatórios" "Acorde Coronel" entre outras coisas do tipo...

Ela realmente gostaria de conversar mais com ele, mas só conversavam raramente, quando saíam com os outros subordinados em algum pub perto do quartel, e na maioria das vezes, não tinham um assunto realmente concreto, embora tivessem um passado muito concreto.

Naquele dia ela não ia ficar muito na sala, tinha demonstrações de tiro para fazer aos snipers calouros, ela não gostava muito desse tipo de coisa, mas eram ordens diretas do Fuhrer, uma vez que o lema dele era "União resulta em Força, e Força resulta em Vitória", o que significa que os mais experientes tinham que se unir aos novatos e assim por diante.

Roy sabia dessa demonstração, o que o deixava se sentindo ainda mais sortudo. Ele era o superior de Riza, podia exigir acompanha-la e bem, entre os calouros se encontrava uma garota chamada Kathleen Cartney, além disso, a idéia de andar com Riza era tentadora.

Quando chegou a hora Riza se levantou e foi pedir a permissão de Roy para se retirar, ele a olhou e disse:

- Você vai pra demonstração de tiro?

- Ãnh? Sim, Senhor. – Ele nunca tinha se interessado em saber onde ela ia ou não ia.

- Bom, eu vou com você, rapazes, cuidem de tudo pra mim.

Todos pareciam surpresos, como assim ele ia acompanhar Riza? Desde quando ele se interessava por demonstrações de tiro? Mas obviamente ninguém disse nada.

Riza e Roy saíram da sala, deixando Havoc, Breda, Fuery e Fallman no comando.

- Porque vocês acham que ele vai junto dessa vez?

- Ah Fallman, talvez ele esteja interessado na Primeira Tenente.

- Acho bem improvável Fuery, se ele tivesse interessado nela já tinha dado uns cata nela, afinal, ele é o cara não é?

- Ah, mas a Tenente não é qualquer uma. O Havoc também sempre foi afim dela e nunca conseguiu nada.

- EI! É que eu nunca tentei de verdade, meu caro Fuery.

- Aham.

- É sério.

De repente Breda se pronunciou lá do fundo da sala:

- Bom, ele tava falando daquela sniper caloura até agora, e a Primeira Tenente está indo dar uma demonstração para os calouros snipers... Sacaram?

Silêncio mortal.

- Aff, ele vai lá porque a tal da Cartney ta lá, ai ele vai poder ver se vale mesmo a pena ir atrás dela!

- Puts, verdade Breda... Quando o Coronel quer ser esperto ele consegue.

- Havoc, o mais correto é, quando ele quer ser safado, ele consegue.

Roy e Riza andavam apressadamente pelo quartel, ela não tinha falado nada, estava surpresa demais para se dirigir á ele. Roy nunca tinha a acompanhado para as demonstrações e por sua vez não tinha a mínima idéia onde elas eram feitas.

- Ei Tenente.

- Sim?

- Estamos chegando?

- Eu achei que o senhor sabia pra onde estávamos indo.

- Pra falar a verdade não.

- Hum, estamos indo para a segunda parte do quartel, lá não tem escritórios, a maioria do prédio é ocupado por centros de treinamento, principalmente com armas de fogo.

- Ah sim...

Eles caminharam calados o resto do trajeto. Quando chegaram Roy percebeu havia umas trinta cadeiras ao redor de um campo aberto cheio de alvos e coisas do tipo.

- Nos separamos aqui Coronel.

- Ah sim... Pra onde eu vou?

- Bom, você é o Coronel, você que decide.

Ele sorriu. Ela deixou escapar um sorrisinho.

- Ah, Riza!

Ela demorou uns segundos pra compreender.

- Boa sorte! – Ele sorriu.

- Sorte? Ela não precisa de sorte, já é a melhor sniper de todos os tempos! – O treinador de Riza apareceu ao lado de Roy, ele tentou olhar para Riza á procura de algum olhar de compreensão, mas ela já tinha sumido.

- Veio finalmente ver uma dessas demonstrações espetaculares?

- Ãnh, sim.

- Ótimo, você tem sorte que eu sempre deixo uma cadeira sobrando Mustang. Sente-se.

Roy se sentou. Então aos poucos as cadeiras foram sendo preenchidas, os novatos vinham chegando rapidamente, então Roy perguntou ao treinador.

- Qual delas é a Kathleen?

- Kathleen Cartney? Ah, É a morena de olhos azuis ali. Ela é bem nova, tem uns 23, não tem o mesmo talento da Riza mas mesmo assim é uma sniper muito boa!

- Ah Claro, ela mora no alojamento?

- Sim, porque está tão interessado Coronel Mustang?

- Nada, é que andam falando muito dela ultimamente, seria bom ter mais uma pessoa talentosa trabalhando comigo.

- Ah, isso sim... Mas receio te desapontar, ela já é subordinada do Armstrong.

- Hum.

- Com licença Mustang, tenho que falar com o pessoal.

- Sim, vai lá.

O treinador se levantou e fez um sinal para Riza aparecer, ela estava com um colete por cima da habitual farda e segurando um rifle.

- Bom, acho que todos vocês sabem por que estão aqui, esta é Riza Hawkeye, a melhor sniper do exército amestriano, espero que vocês absorvam muito bem o que vão ver hoje aqui, e sintam-se sortudos, não são todos os calouros que tem essa chance. Ah sim! Além disso, hoje temos a presença do superior de Riza, Coronel Roy Mustang.

Muitas garotas olharam imediatamente para Roy, trocaram comentários e abafaram risinhos, isso pareceu causar um certo desconforto nos garotos, que por sua vez não estavam interessados na "presença" de Roy.

Durante a demonstração (Que por acaso era mesmo fantástica), alguns olhares não desviaram de Riza, mas em compensação muitos olhares femininos não desgrudavam de Roy.

Ao final da demonstração Roy estava de queixo caído, não que nunca tivesse visto Riza atirar, tinha visto muito disso em Ishbal, mas ele sempre se surpreendia com Riza em ação, ele estava tão acostumado com a Primeira Tenente que o auxiliava no escritório.

Riza estava cansada, essas demonstrações sempre exigiam muito dela, sempre tinha muita ação, e mesmo treinando regularmente ela estava acostumada com o escritório.

Mas naquela demonstração tinha algo especial, Roy estava ali, será que estava ali para vê-la?

"Pára de alimentar esperança sua besta, ele nunca demonstrou nada por você e vai continuar assim!"

"Mas talvez ele esteja interessado"

"Claro que não!"

"Você sabe se não?"

Riza deu um tapa na própria cabeça, aquela vozinha insistia em aparecer nesse tipo de ocasião, algo incomum para alguém tão controlado como ela, mas ela já tinha se acostumado, constantemente se pegava discutindo com si mesma.

Alguns calouros ficavam na porta do vestiário esperando Riza, muitos eram garotos, simplesmente abobados com o poder e a beleza dela, mas ás vezes também ficavam algumas garotas, esperando algum tipo de conselho.

Kathleen Cartney era uma dessas garotas, sua maior "ídola" desde os tempos de academia era Riza, ela esperava por esse momento á tempos, sempre se imaginou conversando com Riza, de repente ela sentiu alguém tocando seu ombro, se virou e topou com ninguém menos que Roy Mustang.

- Ah, Oi, desculpe mas... Já nos conhecemos?

- Hum, acho que não, sou Kathleen.

- Ah, claro. Sou Roy Mustang, mas me chame só de Roy, por favor.

Ele deu o seu típico sorriso derrete-tudo, Katy não era exceção da regra tudo, e em alguns minutos já estava totalmente entretida no papo de Roy, nem percebera que Riza já tinha saído do vestiário, tido seus cinco minutos popstar e voltado ao quartel.

Riza estava arrasada, tinha saído do vestiário imaginando ver Roy ali, esperando pelo menos por um parabéns dele, mas a única coisa que viu foi um bando de calouros lhe pedindo autógrafos e ali no fundo, Roy, conversando com uma caloura, aquela que diziam ter talento, a filha do general Cartney do Norte. Kathleen Cartney.

Então tudo fez sentido, ele jamais foi á demonstração de Riza por se importar com ela, mas sim porque queria se aproveitar da ocasião para dar em cima da nova queridinha do pedaço. Mas o que ela podia fazer? Roy era um homem livre, ela era uma moça livre, bonita, influente, etc.

"Mas o que ela tem que você não tem?"

" Deixa eu ver, beleza, influência, dinheiro, é cobiçada por cinco entre dez caras do quartel... Quer que eu continue?"

"Não, na verdade eu já sabia disso, afinal eu sou você, mas... Você também é bonita, muitos caras tão afim de você, você tem uma certa herança do seu pai além de ter as recompensas da guerra, tem influência por ser a melhor atiradora de Amestris..."

"Mas e daí? Ele não me quer, e isso é o que tá contando."

"Ah, não é assim, você não sabe."

- CLARO QUE EU SEI!

Riza olhou para os lados, os outros subordinados olhavam pra ela confusos.

- Desculpem. Com licença.

Ela levantou e foi até o banheiro, lá ela se trancou no boxe como de costume e chorou por um tempo indeterminado, quando voltou á sala percebeu que os outros estavam muito perturbados.

- O que foi?

- Nada.

- Não parece.

- Bom, é que... O Coronel nos avisou que não vai voltar hoje.

- Ah, sim. Imagino o porquê.

Os outros forçaram um sorriso, Riza também. Eles fingiam estar normais porque na verdade estava se corroendo de inveja de Roy, já Riza estava simplesmente magoada.

Enquanto isso Roy levava Kathleen Cartney para o restaurante que ela havia sugerido.

"Você conseguiu novamente, Roy Mustang"

N/A: Bom, espero que tenham gostado, são três horas da manhã e eu realmente acho que consegui escrever algo fazível pra ser lido. Embora o capítulo esteja ridiculamente curto, espero que tenham gostado, deixem reviews! Ah, Riza parece estar meio caída nesse episódio, mas logo logo vocês verão THE RIZA POWER! Muahuahuahuahua (considerem uma risada maligna). Ta Ta, parei. Já vi que não consigo escrever mais nada que presta por agora. Kissus! (E não esqueçam das reviews!!)