Capítulo 15: A Verdade sobre o Futuro

Os seis saltaram para o portal e apareceram na sala do trono do mestre Omega. Ele olhou para eles, furioso.

Omega: O quê? Conseguiram voltar! Argh, os Dark Guerreiros são uns incompetentes!

Marina: Quatro deles, sim. Mas temos uma connosco.

O Omega fechou os punhos.

Omega: Traidora! Dark Anne, viraste-te contra mim?

Dark Anne: Agora eu vou fazer o meu próprio caminho na vida.

O Omega riu-se.

Omega: Tu és apenas uma marioneta criada por mim. Não tens vida nenhuma à tua frente. Nem tu, nem os guerreiros. Vou matá-los a todos.

O Omega levantou-se do seu trono.

Omega: Vão morrer todos.

Laura: Pessoal, atacar! Explosão Escaldante!

Sara: Onda Congelante!

Marina: Energia de Pedras!

Anne: Remoinho Cortante!

Rick: Energia dos Elementos!

Dark Anne: Remoinho Cortante!

Os seis ataques foram contra o Omega, mas não lhe fizeram nada.

Omega: Patetas. Não me podem vencer. Bom, vou começar a matar-vos, começando pela minha própria criação. - ele virou-se para a Dark Anne. - Eu criei-te e agora, está na hora de morreres.

O Omega levantou as mãos. Nesse momento, o corpo da Dark Anne começou a brilhar e ela caiu no chão.

Omega: Eu posso fazer e desfazer os meus monstros como quiser.

A Dark Anne começou a desaparecer. A Anne baixou-se sobre ela.

Anne: Oh não...

Dark Anne: Parece que afinal não vou ter um futuro. - disse ela, com lágrimas nos olhos.

Anne: Desculpa, eu queria ter-te dado a liberdade que merecias.

Dark Anne: Não faz mal. Tenham cuidado... boa sorte.

No momento seguinte, a Dark Anne desapareceu por completo, deixando apenas um cristal para trás. O Omega riu-se.

Omega: Pronto, uma já foi.

A Anne levantou-se e olhou para o Omega. A sua expressão era de imensa raiva.

Anne: Mataste-a! Seu ser asqueroso! Agora vais pagar por isso!

Os outros puseram-se ao lado da Anne.

Omega: Ah, que medo que eu tenho. Venham então!

Uma energia começou a rodear o corpo da Anne.

Anne: Vais pagá-las! Vais pagar por tudo!

A energia tornou-se negra.

Laura: Anne, pára!

Os olhos da Anne tornaram-se vermelhos.

Anne: Ele matou-a. Ele criou os monstros que atormentaram tanta gente. Ele vai pagar por tudo.

Marina: Anne, pára com isso! Estás a ser consumida pela energia negra!

Sara: A raiva está a cegar-te.

Anne: Eu vou matá-lo!

Nesse momento, o Rick ergueu a mão e deu uma bofetada na Anne. A energia negra dissipou-se.

Rick: Desculpa Anne, mas nós somos a energia do bem. Eu sei que estás magoada, mas se a energia do mal te possuir, todos sofreremos com isso.

A Anne olhou para os outros.

Anne: Desculpem...

O Omega riu-se.

Omega: Oh, que pena que não a deixaram ser consumida pela raiva. Neste espaço, os sentimentos são ampliados, dando força. Como vocês estão receosos, zangados e com medo, eu fico ainda mais forte. Mas, seria engraçado ver a Guerreiro do Vento tornar-se má.

A Anne olhou para o Omega.

Anne: Os meus amigos e eu vamos acabar contigo. Com a força da nossa esperança.

Omega: A esperança não ajuda ninguém!

Sara: Claro que ajuda. A esperança num futuro melhor para todas as pessoas.

Laura: A esperança de que a paz vai reinar.

Rick: De que vamos poder ser felizes.

Marina: De que não vamos ter de enfrentar mais monstros.

Anne: Nós temos objectivos. Queremos o bem de todos. É essa a força que nos move.

Nesse momento, uma nova força brilhante emanou dos corpos dos guerreiros.

Omega: Argh, vocês não podem vencer! - gritou ele. - Raio Mortal!

O ataque foi na direcção dos guerreiros, mas dissipou-se a meio do caminho.

Omega: Huh? Como pode ser?

Anne: Ora, o bem vence sempre o mal!

Marina: Tu não vês séries, filmes e telenovelas? Acaba sempre tudo bem.

Rick: Aqui não é excepção. Não vamos deixar que nos mates.

Laura: A Diana veio do futuro para impedir que as coisas se tornassem más. Não a podemos desapontar.

Sara: Sim. Por ela, por todos nós. Vamos vencê-lo!

Os cinco guerreiros deram as mãos.

Guerreiros: Raio dos Elementos!

O ataque foi contra o Omega mas ele afastou-o com as mãos. O ataque espalhou-se pela sala do trono e começou tudo a brilhar. De seguida, abriram-se vários portais. A sala encheu-se de luz.

Omega: Mas o que é isto?

Dos portais começaram a surgir algumas pessoas. A Karen, a Helena, o Leon, a Diana e o Josh saltaram de um deles.

Helena: Onde viemos parar?

Karen: Olhem, estão ali os outros!

O Pit, a Marie, o Lance e a Serenity saltaram de outro portal.

Pit: Olhem, estão ali os outros guerreiros!

Lance: E quem é aquele monstro enorme?

A Sabrina, a Amy, o Dean, o Gabriel, a Pandora e o Peter saltaram de um terceiro portal.

Sabrina: Fixe, saltámos para dentro de um portal.

Dean: Olhem à vossa volta!

O rei Zednar apareceu de um dos portais. De outro portal surgiram a Felícia e o Nelson. Por outros portais surgiram a Carine e o Darius, o Alir, o Dr. X e a sua filha Clara.

Dr. X: Formidável! Este espaço é brilhante!

Clara: Pai, está ali um monstro enorme...

Omega: Argh, não posso acreditar que apareceram estas pessoas todas aqui! - gritou ele. - Vou matá-los a todos! Raio Mortal!

Mas os seus poderes não resultavam.

Anne: Há demasiada bondade neste espaço para usares os teus poderes. Pessoal, este é o Omega, que criou os monstros todos que tivemos de combater. Não acham que ele merece morrer para nunca mais fazer nenhum monstro?

Os outros começaram a falar e a gritar em concordância.

Pandora: Acabem com ele! Monstro malvado!

Zednar: Ele é então, o criador do mal. Já devia ter sido destruído há muito tempo.

Felícia: Nelson, põe a câmara a gravar. Isto vai ser um mega exclusivo!

Nelson: É para já amor. - disse ele, pegando na sua câmara e começando a gravar a cena.

Sabrina: Acabem com o Omega!

Karen: Vamos fazê-lo em picadinho.

Peter: Ele não pode fazer mais monstros. Não podemos deixar que isso aconteça.

A Anne sorriu ao Omega.

Anne: Parece que a opinião é unânime. Tu, vais desta para melhor!

O Omega tentou abrir um portal para fugir dali, mas não conseguiu. Os guerreiros juntaram-se todos e deram as mãos.

Sara: Pessoal, vamos concentrar-nos. Vocês, concentrem-se também!

As pessoas sem poderes acenaram afirmativamente. Os guerreiros começaram a gritar pelos seus poderes. O Omega tentou fugir dali.

Dr. X: Ei! Não fuja! - gritou ele, pegando numa enorme arma e acertando no Omega, que caiu no chão.

Clara: O que é isso, papá?

Dr. X: É o meu novo invento, o mega tranquilizante. Com um só disparo, dispara um tranquilizante capaz de deitar abaixo 500 elefantes!

Os corpos dos guerreiros começaram a brilhar.

Sara: Vamos acabar com isto.

Laura: Por um futuro melhor.

Marina: Sem monstros!

Rick: Vamos lá.

Anne: Preparados?

Todos acenaram afirmativamente.

Guerreiros: Raio Eterno dos Elementos!

A sala do trono encheu completamente de luz. O raio acertou com toda a força no Omega, que foi instantaneamente destruído. A luz ofuscou todos e quando eles abriram os olhos, estavam todos na cidade Starfield, em frente à câmara. Todos os portais e buracos negros tinham desaparecido.

Sara: Conseguimos!

Anne: Vencemos o Omega! Hurra! - disse ela, contente.

Todos começaram a festejar.

Felícia: Nelson, gravaste tudo?

Nelson: Gravei!

Felícia: Maravilha! Com isto vou... bem, eu já sou directora, mas até posso passar a ser dona do canal de televisão!

O rei Zednar parecia um pouco aborrecido.

Zednar: Vocês venceram, mas eu não devia sair da Atlântida e agora estou aqui nesta cidade...

Pandora: Papá, não sejas chato. Não estragues o momento.

Alir: Desta vez é que o mal foi desta para melhor.

Pit: Enfim, não exactamente. O mal existirá sempre. É a outra face do bem.

Serenity: No coração das pessoas haverá sempre mal e bem. E há muitos monstros criados pelo Omega que talvez ainda estejam vivos. Pelo menos, podemos ter certeza de que não serão criados mais. Eventualmente, irão extinguir-se.

Marie: Ainda bem!

Zednar: Bem, guerreiros, apesar de tudo, vocês venceram um ser imensamente poderoso. O criador do mal. Quem diria? Vocês são realmente especiais. Graças a vocês, todos os universos podem agora começar a viver em paz.

No dia seguinte, a Diana acordou cedo. Tinha decidido adiar a sua partida e só iria embora nessa tarde. Nesse dia, o Rick ficou a saber que iria ter uma irmã.

E a Sabrina decidiu que era altura de ter uma conversa séria com a sua irmã.

Sabrina: Sara, o tempo para indecisões terminou. Gostas do Dean? Gostas do Leon? Dos dois? De nenhum? Como é?

Sara: Eu estou confusa...

Sabrina: Sara, tens de escolher! Tens de tomar uma decisão. Ou escolhes ficar com o Dean, ou com o Leon ou com nenhum. Não podes ter os dois. Estás a magoá-los assim!

Sara: Eu sei...

Sabrina: Então, tens de tomar uma decisão. Não há nenhum deles que te faça bater o coração mais depressa? Em que estejas a pensar muitas vezes, quase sem te dares conta? Não sentes que gostavas de estar com um deles todo o tempo?

Sara: Eu... sinto. Mas eu vou magoar o outro...

Sabrina: A vida é assim. Magoas um, deixas o outro feliz.

A Sara levantou-se.

Sara: Já tomei a minha decisão. Vou ter de dar a notícia. Já venho.

A Sara saiu de casa.

Sabrina: Espera! Então mas com qual vais ficar? Sara!

Mas a Sara já ia longe.

Sabrina: Bolas. Agora fiquei curiosa... qual dos dois vai ela escolher? O Dean ou o Leon?

Algum tempo depois, a Sara bateu à porta de uma casa. Pouco depois abriram a porta.

Sara: Olá. - disse ela, sorrindo. - Precisava de falar contigo, Dean.

Dean: Claro. Entra, Sara.

A Sara e o Dean sentaram-se na sala.

Dean: Então, de que queres falar?

Sara: Quero falar sobre nós.

O Dean abanou a cabeça.

Dean: Já tomaste uma decisão?

Sara: Já. Dean, desde que te conheci, que te achei simpático. És uma boa pessoa, és engraçado e quando me disseste que gostavas de mim, fui apanhada de surpresa. Mas apesar de gostar de ti, não estou apaixonada. Lamento, Dean. Eu gosto do Leon.

O Dean suspirou.

Dean: Eu compreendo. Ninguém manda nos seus sentimentos. Já namoram, tu e o Leon?

Sara: Oh, não. Ainda nem falei com ele. Quis falar contigo primeiro.

Dean: Obrigado por teres vindo primeiro aqui. Mais vai depressa ter com ele. Afinal, se é ele que amas, ele precisa de saber.

Sara: E tu?

Dean: Eu fico bem. Vai.

A Sara abraçou o Dean.

Sara: És uma boa pessoa. Hás-de encontrar alguém que goste realmente de ti.

A Sara dirigiu-se à mansão da Karen.

Karen: Sara, o que fazes aqui?

Sara: Vim falar com o Leon.

Karen: Ah, ele está no quarto. Eu levo-te lá.

Elas subiram até ao quarto e a Sara entrou, fechando a porta atrás de si. A Helena apareceu pouco depois. A Karen estava com o ouvido encostado à porta do quarto do Leon.

Helena: O que está a fazer?

A Karen assustou-se e quase deu uma cabeça na porta.

Karen: Credo, não apareças assim! A Sara veio visitar o Leon. Quero saber se ela já se decidiu.

Helena: Escutar às portas é má educação.

Karen: E eu ralada. A mansão é minha. E tu, não me digas que não estás curiosa por saber se a Sara decidiu ficar com o Leon?

A Helena abanou a cabeça.

Helena: Ok, que se lixe as regras de etiqueta! Encosta-te para lá que eu também quero ouvir!

Elas ficaram a tentar escutar alguma coisa, mas não ouviam nada.

Helena: Será que eles morreram?

Karen: Que parva, Helena! Claro que eles não morreram. Vamos ver o que está a acontecer.

A Karen abriu a porta devagar e espreitou para dentro do quarto. A Sara e o Leon estavam a beijar-se.

Helena: O que é que vês?

Karen: Vejo a resposta à minha pergunta de há pouco.

Nessa tarde, a Diana e o grupinho reuniram-se num barracão abandonado, onda estava a máquina do tempo da Diana.

Diana: Pronto, está na hora de eu ir embora. Gostei de os rever, a alguns de vocês, apesar de estarem diferentes. E de conhecer outros, que já não estavam vivos no meu futuro.

Karen: Ei! Espera lá! - disse ela. - Olha, se o futuro foi mudado, ao menos podias contar-nos qual é que era o nosso destino no teu futuro. Vá lá, eu quero saber.

Os outros também concordaram.

Diana: Enfim, está bem. Ora bem, a Marina e o Josh tinham sido mortos por dois dos seres malignos.

Marina: Pois, tu disso avisaste-nos. E nós escapámos e estamos vivos.

Diana: A Sabrina é a minha madrinha no futuro, como eu já disse. Ela é uma das rebeldes, que tentam insurgir-se contra os vampiros e monstros.

Karen: E eu no futuro? Como sou?

Diana: Bem, tu também és uma das rebeldes. Muito temperamental, mas ao menos estás viva.

Karen: Ah, menos mal.

Diana: O Rick morreu no futuro. Atacado por monstros. O mesmo aconteceu com o Dean.

Dean: Oh, triste fim.

Rick: Realmente...

Diana: A Laura faz parte dos rebeldes e a Anne também. Estão ambas vivas no meu futuro. No meu futuro, eu nunca conheci a Amy, por isso não sei o que se passou com ela. O Gabriel também está vivo no futuro e é um dos rebeldes. - disse ela. - Aliás, eu tive de esperar antes de actuar, porque queria que o Gabriel fizesse as pazes com a família, pois se eu tivesse curado a mãe da Laura logo, o Gabriel nunca teria feito as pazes com o pai, pois não teria vindo ver a mãe.

Gabriel: Compreendo. Mas agora está tudo bem.

Diana: Ora bem, no futuro, o Peter está desaparecido. Não se sabe o que lhe aconteceu. Mas a Anne tem andado a procurá-lo, há bastante tempo. A Helena transformou-se numa vampira, no futuro.

Helena: Uh, fiquei mazinha, foi?

Diana: Foi. E és uma vampira poderosa que só causa problemas. Bom, o Pit, a Serenity, o Lance e a Marie não estão no meu futuro, mas ouvi falar deles. O que acontece é que no meu futuro, eles tinham ido explorar outro universo. Os vilões fecharam as passagens para esse tal universo e os quatro não conseguiram regressar.

Sara: E eu, Diana? O que me aconteceu no teu futuro?

Diana: Tu, morreste, Sara. E o Leon também. Sabem, os tempos eram difíceis, mas no futuro a Sara e o Leon amavam-se e casaram. Nesse mesmo dia, os monstros atacaram e encurralaram muitas pessoas. Mataram a Sara. O Leon ficou inconsolável e suicidou-se. Mas isto foi o que me contou a minha mãe. Nessa altura, ainda eu não era nascida.

Karen: Ou seja, no futuro a Sara também se apaixonou pelo Leon. Interessante.

A Sara ficou um bocado embaraçada.

Karen: E olha lá, Diana, quem é a tua mãe?

Diana: Ah, vocês não a conhecem. - disse ela. - Bom, tenho de ir.

A Laura aproximou-se e a abraçou a Diana.

Laura: Tem cuidado. E esperamos que o teu futuro tenha mudado para melhor.

Nesse momento a Karen abriu a boca de espanto!

Karen: Ei! Esperam lá!

Todos se viraram para ela.

Peter: O que foi?

Karen: Eu tinha a sensação de que já tinha visto a Diana em algum lado quando a vi pela primeira vez.

Rick: Por acaso, eu também tive essa sensação.

Gabriel: Eu também.

Karen: Agora percebi porquê. A Laura e a Diana são muito parecidas. Nas feições, no cabelo. E agora que estou a pôr os meus neurónios a funcionar, sim porque eu sou bonita, mas também sou inteligente. Hum, ia eu a dizer, agora que ponho os meus neurónios a funcionar, além das parecenças, temos a Diana a ser uma guerreira e ainda por cima, a usar poderes de fogo, juntamente com poderes dos quatro elementos. - explicou ela. - E então chego eu a uma conclusão brilhante. Posso estar enganada, mas aposto que a Diana é filha da Laura e do Rick, no futuro. É ou não é?

Todos se viraram para a Diana. Ela encolheu os ombros.

Diana: Karen, tu... és esperta. É verdade. Admito. O meu pai chamava-se Rick Shields e a minha mãe é Laura Terence. O meu nome completo é Diana Sofia Terence Shields. Laura, Rick, eu sou vossa filha.

Os outros ficaram surpreendidos, principalmente a Laura e o Rick.

Karen: Vêem, eu tinha razão. Afinal a Laura é que é inteligente, mas eu é que descobri quem afinal era a Diana!

A Laura e o Rick aproximaram-se da Diana.

Laura: Porque não nos disseste?

Diana: Porque não vos queria pressionar com esta ideia. Podem, num futuro vosso, nem ficarem juntos e nem me terem como filha.

Rick: Se ainda estás aqui, sem desaparecer, parece que vais nascer no futuro, não é?

A Diana sorriu.

Diana: Parece que sim. Eu contei tudo à minha avó, isto é, à mãe da Laura, quando lhe dei o remédio para ela se curar. Ela compreendeu e prometeu guardar segredo.

Laura: E guardou. Não me disse nada.

Diana: No futuro, o meu pai morreu pouco depois de a minha mãe engravidar e ela criou-me com dificuldade, mas criou. E eu obtive os meus poderes de guerreira. Enfim, é isto.

Josh: Fascinante. Quem diria, heim?

Sara: Filha do Rick e da Laura.

Marina: Parece que vocês já têm uma coisa em comum no vosso futuro. - disse ela, rindo.

Diana: Bom, tenho de ir. Estou desejosa de saber o que se passou com o meu futuro.

Laura: Boa sorte, Diana. Hum... filha.

A Diana riu-se.

Diana: Adeus a todos.

Todos se despediram dela. A Diana entrou na máquina do tempo e desapareceram as duas pouco depois.

Helena: Lá vai ela.

Leon: Será que o futuro dela mudou para melhor?

Sara: Esperemos que sim.

Marina: Bem, nós temos agora de nos preocupar com o presente, pessoal. Estamos vivos, a crise passou, não há mais monstros a multiplicarem-se por aí.

Karen: O que fazemos agora?

Sabrina: Ora, vamos à praia! Não chegámos a ir por causa dos vossos inimigos.

Peter: Então vamos lá.

O grupo saiu do barracão, indo aproveitar o resto das suas férias escolares.

A Diana reapareceu no futuro e saltou da sua máquina do tempo. Olhou à sua volta. Tudo parecia calmo. O céu estava azul, não havia vento.

Diana (pensando): Espero que esteja tudo bem neste futuro.

Subitamente, a Diana sentiu uma dor de cabeça forte. De seguida, muitas memórias passaram pela sua mente. Memórias de uma infância feliz ao lado dos pais.

Diana: Memórias... minhas? Já percebi... o futuro mudou para melhor. Aqui, vivo feliz com os meus pais. E por isso, agora que regressei, obtive as memórias que devia ter tido, mas perdi por ter tido um futuro diferente. Agora, o mundo está em paz.

A Diana correu até à sua casa. Nas suas novas memórias tinha visto uma bonita casa pintada de branco. Chegou à porta e bateu. Pouco depois, a Laura, mais velha, abriu a porta.

Laura: Filha, já chegaste. Onde estiveste?

Diana: Eu... bem, é uma longa história.

Laura: Entra querida. Estive a preparar o teu prato preferido.

A Diana sorriu e entrou na sua casa. Com o passar do tempo, as memórias do futuro que a Diana tinha tido, foram-se desvanecendo e a Diana criou novas memórias, neste mundo onde os seus pais estão bem, felizes, vivos e os amigos deles também.

Laura: Diana, vou sair para me encontrar com a Sara. - disse ela, da cozinha.

Diana: Está bem, mãe. - disse a Diana, do quarto.

O telefone tocou e ela foi atender.

Diana: Estou? Olá madrinha. Está tudo bem. Sim, a minha mãe foi encontrar-se com a Sara agora. A sério? Posso ir ter contigo ao estúdio de televisão? Obrigada.

A Diana desligou o telefone. Parecia feliz.

Diana: Uau, vou ao estúdio de televisão. - disse ela, saltitante. - Ver a minha madrinha, a grande actriz Sabrina Laker. Vai ser tão giro... hum, se calhar vou ligar aos outros para virem comigo.

A Diana pegou no telefone e ligou para os seus amigos. Sim, a Diana tinha-se adaptado completamente a este futuro. Tudo estava bem, como devia ser.

Fim… por agora…

E assim termina esta história. Falta apenas uma única história para completar a saga. A sétima história irá passar-se três anos depois do final desta história e muita coisa mudou na vida dos guerreiros. Até à próxima história!