N/T: Eu realmente amei essa Fic...espero que vcs tbm gostem!!

Ah, é uma Lemmon, kids!! Na minha opinião, uma Hot Lemmon...so be carefull!!

Vcs sabem o que eu axo sobre problemas cardio-respiratórios.... SO, PEGUEM AS BOMBINHAS DE AR ANTES DE COMEÇAR A LER!!!

ENJOY IT!!


Uma Última Noite

"Esta será a última noite que você passará sozinha

Olhe nos meus olhos, e eu saberei que você sabe

Eu estarei em todos os lugares que você quiser.

A última noite que você passará sozinha,

Eu irei envolvê-la em meus braços e não a deixarei partir,

Eu sou tudo que você precisar."

- Skillet ( The Last Night)

Uma Última Noite

Eu sorri, corando, com o rosto enterrado no peito de Edward. Ele riu comigo, esfregando minhas costas. "Você tem certeza?" eu sussurrei, erguendo o rosto para olhar dentro dos seus olhos cor de topázio. Ele deu um sorriso ainda maior, e afirmou com a cabeça. "Eu posso ouvi-los perfeitamente".

Eu corei novamente e enterrei minha cabeça mais fundo no peito dele. "Você acha isso ruim? Você devia ouvi-los quando você não está por perto". Ele balançou a cabeça, em sinal de zombaria e vergonha. Eu corei mais ainda e tentei enfiar minha cabeça mais fundo no peito de Edward, com medo de olhá-lo nos olhos. "Eles tem que... você sabe...fazer isso agora?"Eu tropecei nas palavras assim que olhei para cima.

Edward encolheu os ombros. "Eu posso pedir a eles para parar, se você quiser". Eu arregalei os olhos e balancei a cabeça violentamente, sentindo minhas bochechas esquentarem. Eu não precisava dizer mais nada depois daquilo. Edward riu de novo e beijou o topo da minha cabeça, segurando meu rosto contra seu peito de mármore.

"Eu senti sua falta, você sabe disso, não sabe?"

"Eu sei". Eu sorri e respirei fundo, sentindo seu cheiro. Passei meus braços ao redor dele. "Eu também senti sua falta".

Edward encostou sua cabeça na minha. Eu deixei que um bocejo involuntário escapasse dos meus lábios, e ele tentou não rir, mas eu podia sentir seu peito subindo e descendo com o riso. "Eu acho que está na hora de você dormir" ele sussurrou no meu ouvido.

Eu balancei minha cabeça negativamente. "Não, eu ainda não estou tão cansada". E apertei meus braços em torno dele.

"Bella", ele suspirou "Você mal pode manter os olhos abertos. Não se preocupe, eu estarei exatamente aqui quando você acordar". Ele beijou minha bochecha.

"Tá bom", eu me queixei enquanto me arrastava, de má vontade, para longe dele. Eu rastejei para fora da cama, arrastando meus pés pelo carpete.

Eu podia sentir o olhar dele em mim enquanto eu agarrava meu pijama. Eu o olhei nos olhos e corei. "Onde é o banheiro mesmo?"

Ele sorriu. "Ao lado do quarto de Emmett e Rosalie". Eu arregalei os olhos e derrubei minhas roupas no chão, o rubor rastejando para minhas bochechas novamente. Edward gargalhou.

Eu estava deslumbrada quando agarrei meu pijama do chão. Eu abri a porta e desci as escadas nas pontas dos pés, as vozes de Emmett e Rosalie altas e claras. Eu acendi a luz assim que cheguei perto do banheiro, fechando e trancando a porta, mas sem conseguir bloquear os altos suspiros e gemidos. Arregalei os olhos novamente e minhas bochechas pinicaram, e eu enfiei meu rosto entre as mãos, para abafar uma risada.

Eu desabotoei minha calça e arranquei minha blusa e o sutiã pela cabeça. Fechei os olhos com medo de encarar meu reflexo no espelho. Meu corpo estava coberto com cicatrizes que eu havia feito em mim mesma, algumas já desbotadas, outras ainda cicatrizando. Eu as havia feito quando Edward me deixou, e a dor ainda persistia. Eu amava Edward, mas isso não fazia com que a dor de quando ele partiu parasse de me assombrar em pesadelos. As memórias passaram a me inundar e eu senti meu peito apertado.

Eu terminei de me vestir apressadamente, com medo de ficar muito mais tempo sozinha. Eu havia vestido uma blusa azul bebê de mangas compridas, que cobria minhas bizarras cicatrizes. Abri hesitante a porta do banheiro, com medo de fazer muito barulho e atrapalhar alguma coisa. Eu saí ainda corada, e vi Jasper descendo as escadas e caminhando em minha direção. Eu senti minhas bochechas formigarem ainda mais e ouvi Jasper segurar o riso antes de bater na porta do quarto de Emmett. Meus olhos se arregalaram e sussurrei a ele para parar, mas fui solenemente ignorada.

"Hey, crianças! Vocês estão assustando a Bella" ele gritou. Eu pude ouvir um rugido vindo de dentro do quarto, que reconheci como sendo a risada de Emmett. Eu corei ainda mais (se é que isso ainda fosse possível) e comecei a caminhar apressadamente de volta ao quarto de Edward, a risada de Emmett ainda ecoando pela casa.

Eu abri e fechei a porta rapidamente, minha face brilhante de tão vermelha, enquanto Edward gargalhava, obviamente ouvindo a conversa. Eu respirei pesadamente antes de sibilar um "Eu te odeio" para ele, e indo me sentar do outro lado da cama. Ele gargalhou ainda mais, abrindo espaço em sua enorme cama para mim. Eu me deitei, ainda ouvindo ele rir por baixo de sua respiração. Eu fiz uma careta.

"Desculpa" ele me disse, ainda sorrindo. Eu gemi e virei para o lado contrário, evitando olhá-lo os olhos. Senti seus braços envolvendo minha cintura, seus lábios sobre minha orelha direita. "Eu serei bonzinho, eu prometo". Suas palavras mandaram correntes elétricas pela minha espinha, e eu imediatamente senti vontade de me virar e beijar aqueles lábios perfeitos.

Eu me virei e encarei-o fixamente, seus olhos de topázio se destacando contra sua pele pálida. "Você não precisa ser bonzinho". Eu corei, me inclinando em sua direção, meus lábios enrubescendo os dele. Ele enrijeceu instantaneamente, mas assim que eu comecei a beijá-lo, seus lábios se separaram um pouco mais.

Eu me derreti em seus braços, os meus envolvendo seu pescoço. Eu tentei puxá-lo para mais perto, mas ele se afastou me encarando. Eu fiz uma cara emburrada.

"Bella" ele sussurrou "Não pense que pode me distrair, você continua tendo que dormir".

Eu rolei os olhos e pus meus braços no meu peito, me aconchegando perto dele, e eu podia sentir seus longos dedos acarinhando meus cabelos. Eu sorri quando ele começou a cantar minha canção de ninar, e eu queria dizer que ele estava trapaceando daquele jeito, mas eu estava com tanto sono que mexer meus lábios era impossível naquele momento. Eu ainda sentia suas mãos no meu cabelo quando eu comecei a me entregar ao sono. Eu não queria adormecer totalmente, eu queria ficar na superfície, com medo de perder um segundo sequer com ele.

Eu ainda lutava contra o sono quando eu senti sua mão passando na parte interna do meu braço. Ele imediatamente parou de cantar minha canção de ninar e eu podia sentir seu corpo tenso próximo ao meu, enquanto ele puxava a manga da minha blusa para baixo. A realização bateu em mim como uma rocha, e eu abri os olhos, desperta. Eu puxei meu braço pra longe dele e rolei para o outro lado da cama, pronta para sair correndo se isso fosse necessário. Quando eu já estava fora da cama, Edward me prensou contra seu peito gélido. Eu comecei a chorar, segurando as mangas da blusa.

"Me deixe ver seus braços, Bella". Sua voz era superficial, mas eu podia ouvir a dor que ele tentava esconder.

Eu balancei a cabeça violentamente. "Eu tenho que ir Edward". Eu estava chorando desesperadamente. "Me deixe ir, eu tenho que ir agora".

Edward me segurou ainda mais próximo dele, eu não queria que ele me visse assim. "Me deixe ver seu braço" ele sussurrou. As palavras me perfuraram. Eu parei de lutar contra ele e chorei silenciosamente enquanto sua mão fria arregaçava minhas mangas, revelando uma série de cortes em linhas perfeitas. Eu senti meu corpo titubear enquanto sua mão corria pelo meu braço, seus dedos traçando as linhas em silêncio. Eu chorei ainda mais, meu corpo tremendo com os soluços. "Quanto tempo?" a voz dele estava estrangulada.

Eu escorreguei pela parede até o chão, soluçando, com medo de contá-lo. Sua mão livre tirou os fios de cabelo do meu rosto. Eu não tinha coragem para olhar para cima e continuava no chão. Seus lábios estavam na minha orelha: "Quanto tempo, Bella?" Sua voz ficou mais exigente e meus ombros balançaram com um soluço particularmente alto. "Eu as fiz depois que você me deixou". Eu o olhei nos olhos, mas ele baixou a cabeça como se eu o tivesse estapeado. Eu pude ouvir o crack do meu coração se partindo.

"É minha culpa, não é?" ele perguntou a si mesmo, traçando outra cicatriz no meu braço. Eu balancei negativamente a cabeça.

"Não, não é! É minha culpa, só minha!" eu gritei, rastejando para ficar sobre meus joelhos. Ele não me olhava, apenas encarava o tecido da minha blusa. Eu segurei seu rosto entre minhas mãos, obrigando-o a me olhar nos olhos. "Não, Edward! É minha culpa, não sua!" Eu estava ficando histérica, lágrimas escorriam por minhas bochechas. Minha voz sumiu, dando lugar a mais soluços. Eu continuei murmurando "não é sua culpa, não é sua culpa" enquanto o olhava nos olhos. Ele tinha que acreditar em mim.

"Bella, eu..." eu não permiti que ele continuasse: eu me atirei contra ele, beijando-o com voracidade. Eu queria que ele soubesse o quanto eu o amava, e este era o único jeito que eu conhecia. Eu fechei os olhos e deixei que mais lágrimas escorressem, sem deixar de beijá-lo nem por um instante. Edward enrijeceu com meu beijo, mas eu não permiti que isso me incomodasse. Eu me afastei um pouco para poder respirar, sem olhá-lo. Ele ia falar algo, mas eu o beijei novamente desejando, mais do que tudo, que ele me beijasse de volta.

-

Levou pouco mais de um segundo para que ele se entregasse ao beijo. Eu pude sentir meu coração acelerar enquanto eu ria internamente, beijando-o com mais força. Ele não me empurrou, mas ao contrário do que eu esperava, pressionou seus lábios com mais força nos meus. Eu separei um pouco os lábios, lambendo seu lábio inferior. Eu fechei os olhos, ainda esperando que ele me afastasse, mas ele não o fez, ele abriu ainda mais a boca, me deixando entrar. Eu arregalei os olhos quando senti o gosto dele. Ninguém nunca havia provado algo tão bom, e ninguém nunca iria provar.

Ele rolou ficando por cima de mim, se afastando. Eu abri os olhos para vê-lo, ele estava sobre mim com um braço de cada lado, tentando não soltar seu peso sobre mim. Minha respiração acelerou e ficou mais pesada; Edward sorriu meu sorriso torto favorito antes de começar a beijar meu pescoço. Eu mordi meu lábio, lutando contra o desejo de gemer. Eu amava quando Edward fazia isso, mas minhas reações sempre me deixavam envergonhada.

Eu suspirei quando ele mordeu minha orelha, minhas mãos começaram a passear por seu cabelo, e ele passou suas mãos do lado do meu corpo. Eu engoli com dificuldade, tentando encontrar coragem para deixá-lo me tocar em algum lugar mais íntimo. Minha mão tremeu quando eu agarrei seu punho, conduzindo-o até meu seio ainda coberto. Edward começou a lamber a base do meu pescoço, e eu deixei sua mão cair na parte interna da minha coxa esquerda. Ele se afastou um pouco, me encarando. Eu corei violentamente.

"Bella..." ele sussurrou. Eu balancei a cabeça, pondo um dedo sobre seus lábios.

"Apenas me toque" eu sussurrei. Ele pareceu ansioso, mas eu me inclinei e o beijei novamente, sua outra mão ainda apertando meu seio. Eu deixei que um gemido baixo escapasse dentro da boca dele, corando. Ele entendeu o gesto como um encorajamento para me beijar ainda mais intensamente. Eu deixei que os meus dedos trilhassem a bainha da camiseta dele, erguendo-a com força, rezando silenciosamente pra que ele a tirasse. Ele se obrigou a deixar de me beijar por um segundo, enquanto a tirava.

Eu corri os dedos pela sua pele recém-exposta, e ele pressionou ainda mais seus lábios nos meus, sua mão ainda acariciando meu seio. Ele começou a beijar a linha da minha mandíbula, a mão que estava no meu seio deslizando pela minha barriga, puxando a bainha da minha camiseta. Eu corei e me sentei, seus lábios estavam na minha orelha.

"É justo". Sua respiração fria contra minha pele quente. Eu afirmei com a cabeça, com medo de falar, deixando que ele puxasse minha camiseta pela cabeça. Ele recomeçou a lamber minha orelha, me deitando de novo na cama. Sua mão repousava sobre meu seio agora descoberto, e eu estava agradecida por ter tirado o sutiã antes de voltar.

Eu gemi mais alto quando ele começou a roçar os dedos no bico do meu seio; ele sorriu quando eu sussurrei um pedido de desculpas, e continuou a brincar com o meu seio, me deixando em completo êxtase. Eu não sabia exatamente o que fazer, então eu só fiquei ali e deixei que ele fizesse o que lhe desse maior prazer. Eu não tinha absolutamente nada do que reclamar.

As mãos dele traçaram caminho pela minha cintura até o cós da minha calça. Ele me olhou nos olhos, pedindo permissão. Eu concedi, corando. Ele sorriu antes de beijar meu seio direito. Meus olhos se abriram imediatamente assim que um gemido alto escapou da minha boca. Edward era o único que podia me fazer sentir dessa forma, apesar de que ele seria o único o fazer aquilo comigo. Ele começou a puxar o elástico da minha calça de pijama, e antes que eu soubesse o que estava acontecendo, ele já a havia tirado.

Eu corei enquanto ele beijava o bico do meu seio esquerdo, e uma pequena lamúria escapou dos meus lábios. Ele sorriu contra minha pele, enquanto seus dedos corriam pelo tecido da minha calcinha. Eu corei mais fortemente, e tentei ao máximo não gritar. Agora eu entendia como a Rosalie se sentia. O dedo dele entrou em mim por cima do tecido, e eu arfei e dei um alto gemido. Eu corei e tapei a boca com as mãos, murmurando um pedido de desculpas.

Edward olhou para mim, seu peito de mármore pressionado contra o meu. "Não fique com vergonha" ele sussurrou. "Eu gosto quando você geme, significa que eu estou fazendo algo certo". Ele me beijou carinhosamente, seus dedos ainda brincando comigo. Em um momento eu rolei por cima dele, e me afastei, encarando-o. Edward parecia chocado.

Eu estava por cima, meus dedos procurando pelo botão da calça dele. Eu sorri. "É só o justo". Eu sussurrei em seu ouvido. Ele riu e eu desabotoei sua calça, hesitantemente, abrindo o zipper. Eu pude visualizar o volume nos seus boxers. Eu o olhei nos olhos e ele estava me encarando. Eu respirei fundo antes de começar a lamber e mordiscar seu peito. Um rosnado baixo saiu de sua garganta. Eu sorri comigo mesma e senti meu estomago se apertar quando percebi que as coisas estavam ficando realmente quentes.

Eu mantive minhas mãos no seu abdômen, com medo de tocar em algo mais. Eu não era tão boa, nem tinha tanta coragem como Edward. Eu mordisquei o bico do peito dele me sentindo um pouco idiota, mas ele pareceu gostar daquilo. Eu me senti um pouco mais corajosa depois disso, e segurei firmemente... bem, você sabe o que. Ele arqueou as costas, e eu o encarei, apreensiva. Ele me olhou e eu pensei em pedir desculpas, mas ele atirou seus lábios contra os meus primeiro. Ele havia me dado permissão.

-

Edward ficou por cima de mim novamente, seus lábios ainda conectados aos meus. Eu pude sentir o volume friccionando contra mim. Eu comecei a arfar, enquanto sentia a necessidade correr pelo meu corpo. Eu o queria mais do que eu já havia desejado qualquer outra coisa no mundo. Meu corpo começou a tremer enquanto Edward tirava minha calcinha lentamente, me expondo pra ele. Eu fitei o teto, minha respiração presa na garganta. Eu o senti na minha entrada; eu voltei à realidade e olhei para Edward logo acima de mim, os olhos dele cheios de preocupação. Eu o beijei violentamente, deixando-o saber que eu estava pronta.

"Eu te amo" ele sussurrou na minha orelha. Eu sequer notei a dor; tudo que eu podia sentir é que aquela era a melhor sensação do mundo. Eu gemi o nome dele e senti como se minha alma estivesse abandonando meu corpo; ninguém nunca poderia imaginar o quanto era bom. Ele entrava em mim delicadamente, mas ainda sim eu sentia uma corrente elétrica passando pelo meu corpo. Ele estava cauteloso no início, deixando que eu acostumasse com o ritmo e a sensação dele dentro de mim. Ele saiu por um segundo, e eu choraminguei antes dele voltar pra dentro de mim. Edward começou a rosnar na minha orelha. Eu ouvi o eco dos meus próprios gemidos.

Ele estava tomando tanto cuidado, que eu percebi que o auto-controle estava tomando muito dele. "Edward..." eu suspirei. "Eu não vou quebrar". Eu empurrei meus quadris mais para baixo, pra perto dele, fazendo com que nós dois gemêssemos juntos. Ele entendeu isso como uma insinuação e passou a fazer investidas mais exigentes e excitantes. Eu passei os braços ao redor do pescoço dele, aquilo era incrível.

Eu não estava longe quando senti meu estomago se apertar e eu sabia o que estava vindo. Minha respiração ficou ainda mais pesada e eu mordi meu lábio com força, evitando ao máximo gritar. "Diga meu nome" Edward sussurrou no meu ouvido. Se ele fosse humano, eu sabia que ele também estaria arfando. Eu disse o nome dele suavemente, depois mais alto conforme meu estomago continuava se apertando.

"Edward" eu finalmente gritei enquanto meu corpo tremia e eu o apertava contra mim. Edward suspirou quando meu corpo se fechou ao redor dele, e eu pude sentir o orgasmo dele, como uma intensificação do meu. Eu mordi o pescoço dele, não com raiva, mas pela sensação que se espalhava pelo meu corpo, minhas unhas arranhando suas costas. Eu pude sentir Edward agarrado aos lençóis da cama, seus longos dedos rasgando o tecido.

Meu corpo finalmente caiu. Eu beijei Edward entusiasmadamente, agradecendo-o entre beijos. Ele sorriu para mim enquanto se deitava ao meu lado. Ele passou os braços ao meu redor e me puxou para mais perto; eu pus a cabeça sobre seu peito. Ele beijou o topo da minha cabeça e eu sorri comigo mesma, aproveitando o momento, sabendo que amanhã as coisas seriam embaraçosas.

Uma batida na porta me trouxe de volta à realidade. Eu agarrei o lençol e me cobri, me sentindo extremamente envergonhada. "Hey, crianças! Vocês estão assustando Emmett e Rosalie!" a voz de Jasper ecoou pelo quarto. Eu corei e cobri minha cabeça. Edward gargalhou.

FIM


N/A: Essa é minha segunda Lemmon, na verdade a terceira. As outras estavam na minha conta antiga. Elas eram de uma outra história que eu havia escrito, não necessariamente romântica, então eu fiz essa româ estou orgulhosa de mim mesma. Eu tentei me lembrar que eles eram virgens, então eu fiz as coisas ficarem estranhas e embaraçosas, sem tirar a mágica, no entanto. Eu acho que eu fiz um bom trabalho. :D Review, Eu preciso ter certeza. Eu realmente amei o fim!!! É provavelmente o fim mais engraçado. Eu chorei de rir quando eu pensei sobre isso. Me diga o que você acha! Tipo, agora! Review!

N/T: Eu achei as histórias da Stephanie por acaso, e amei!!! Ela é incrível!! Eu pedi pra ela, e ela me deu permissão pra traduzir as histórias dela, o que eu achei muito legal da parte dela. Ela já até tem algumas traduzidas por outras autoras pro português e pro espanhol, e todas são muito boas. Todas as reviews que eu receber desta história eu vou traduzir e enviar para ela, porque ela merece!! So....

Eu fiquei com vergonha de dizer que eu escrevia NC's depois que eu li as dela. Ela é uma espécie de lenda urbana das NC's e Lemmon's. E eu nunca vi histórias com tantas reviews como as dela. Então, deixem-na orgulhosa e deixem reviews!!

STEPHANIE, I'M REALLY HAPPY YOU LET ME TRANSLATE IT. I LOVED. THANKS!!

Kisses for all,

Sarah Melanye Mackenzie