Guerreiros dos Elementos 7: Os Desafios Finais

Bem-vindos a mais uma história da saga dos guerreiros. Com esta história, já lá vão sete e esta será a última das histórias dos guerreiros. Esta história tem três grandes partes, que levarão então à conclusão da saga.

A história começa três anos depois da derrota do Mestre Omega e a vida dos guerreiros mudou. Para melhor ou pior? Bem, logo irão ver ou melhor, ler. Para já, fiquem com os perfis das personagens principais:

Guerreiros dos Elementos:

1. Nome: Anne Mary Slate
Elemento que controla:
Vento
Idade:
20 anos
Personalidade:
Ela é uma pessoa alegre, bem-disposta, um pouco desastrada e muito bondosa
Aparência:
Cabelos castanhos, longos, olhos verdes
Poderes:
Remoinho Ventoso, Folhas Cortantes, Remoinho Cortante, Vento Bloqueador, Ciclone Destruidor

2. Nome: Sara Ruth Laker
Elemento que controla:
Água
Idade:
20 anos
Personalidade:
Ela é uma pessoa calma, consciente, sonhadora e indecisa
Aparência:
Cabelos castanhos-escuros, apanhados num rabo-de-cavalo, olhos azuis-escuros
Poderes:
Onda Azul, Água Congelante, Onda Congelante, Nuvem de Vapor, Pontapé da Água, Tsunami Gigante

3. Nome: Laura Dina Terence
Elemento que controla:
Fogo
Idade:
20 anos
Personalidade:
Calma, tímida e muito inteligente
Aparência:
Cabelo preto, longo, olhos castanhos
Poderes:
Chama Escaldante, Explosão de Fogo, Explosão Escaldante, Onda de Calor, Lava Vulcânica

4. Nome: Marina Teresa McSouth
Elemento que controla:
Terra
Idade:
20 anos
Personalidade:
Temperamental, metediça, engraçada e corajosa
Aparência:
Cabelos castanhos-claros, pelos ombros, olhos castanhos
Poderes:
Chuva de Pedras, Energia da Terra, Energia de Pedras, Movimento Terrestre, Terramoto Fatal

5. Nome: Richard (Rick) Peter Shields
Elemento que controla:
Os quatro elementos básicos
Idade:
21 anos
Personalidade:
Amigo, bom conselheiro, calmo
Aparência:
Cabelo loiro, olhos azuis
Poderes:
Bola de Fogo, Pedra de Ferro, Raio da Água, Pequeno Ciclone, Barreira Mística, Energia dos Elementos, Explosão do Caos, Destruição Elementar

6. Nome: Karen Drake Salomond
Elemento que controla:
Gelo
Idade:
20 anos
Personalidade:
Vaidosa, fútil, dedicada
Aparência:
Cabelo ruivo, pelos ombros, olhos cinzentos
Poderes:
Raio de Gelo, Frio Glacial, Raio Glacial, Ilusão de Gelo, Iceberg Congelante

7. Nome: Joshua (Josh) Edmund Rolland
Elemento que controla:
Trovão
Idade:
21 anos
Personalidade:
Calmo, reservado, corajoso
Aparência:
Cabelo castanho, olhos verdes
Poderes:
Raio Eléctrico, Relâmpago Rápido, Relâmpago Eléctrico, Choque Electrizante, Tempestade Explosiva

8. Nome: Helena Vanessa Rosevelt
Elemento que controla:
Luz
Idade:
21 anos
Personalidade:
Convencida, frontal, directa
Aparência:
Cabelo loiro, comprido, abaixo dos ombros
Poderes:
Raio de Luz, Espiral Luminosa, Esfera de Luz, Corrente de Luz, Luz Divina

9. Nome: Leonard (Leon) Michael Ashford
Elemento que controla:
Escuridão
Idade:
21 anos
Personalidade:
Corajoso, discreto, inteligente
Aparência:
Cabelo preto, apanhado num rabo-de-cavalo, olhos castanhos
Poderes:
Raio Sombra, Explosão Sombria, Choque da Escuridão, Eclipse Nocturno, Escuridão do Inferno

10. Nome: Pitágoras (Pit) Sócrates Ptolomeu
Elemento que controla:
Sol
Idade:
Desconhecida
Personalidade:
Engraçado, trapalhão, valente
Aparência:
Cabelos cinzentos, longos, olhos azuis
Poderes:
Escudo Protector, Modificação da Memória, Esfera do Sol, Calor Chamejante, Chama Solar

11. Nome: Serenity Meledine Parker
Elemento que controla:
Natureza
Idade:
Desconhecida
Personalidade:
Calma, Sensível, Alegre
Aparência:
Cabelos loiros, longos, olhos azuis
Poderes:
Ataque de Plantas, Raio do Ambiente, Raízes Destrutivas

Amigos:

12. Nome: Peter Eduard Beresford
Idade:
20 anos
Personalidade:
Calmo, fiel, alegre
Aparência:
Cabelo castanho, olhos verdes

13. Nome: Sabrina Melody Laker
Idade:
18 anos
Personalidade:
Decidida, activa, curiosa, temperamental
Aparência:
Cabelos castanhos, pelos ombros, olhos azuis-escuros

14. Nome: Dean Frederic Simon
Idade:
21 anos
Personalidade:
Esperto, fiel, sonhador
Aparência:
Cabelo ruivo, olhos castanhos

E agora sim, vamos à história!

Capítulo 1: Anos Depois

Tinham-se passado três longos anos desde que o mestre malvado Omega tinha sido destruído. A partir daí, as manifestações do mal tinham sido bastante menores e cada um dos guerreiros podia agora levar uma vida normal. Mas nestes três anos, muitas coisas tinham acontecido com cada um dos guerreiros.

Anne Slate estava a preparar-se para ir para mais umas aulas na universidade. Depois de ter terminado o décimo segundo ano, a Anne tinha decidido seguir para a universidade para o curso de Comunicação e Sociologia. Por esta altura, faltava apenas uma semana para as aulas daquele ano lectivo terminarem para a Anne.

O telemóvel da Anne tocou e ela foi atender.

Anne: Estou? Olá Peter. Sim, estou de saída para as aulas.

Peter: Pensei que logo à noite podíamos ir sair, se não estiveres muito cansada.

Anne: Ora, eu nunca estou muito cansada para estar contigo, amor. Vemo-nos logo então. Que tal vires buscar-me às nove?

Peter: Fica combinado.

Anne: Óptimo. Até logo amor. Passa um bom dia.

A Anne desligou o telemóvel e sorriu. Apesar de na universidade a maioria das raparigas achar que os rapazes eram todos uns estúpidos e infiéis, Anne sabia bem que o seu namorado não era assim. O Peter sempre fora uma excelente pessoa e um namorado maravilhoso.

O Peter também tinha ido para a universidade. Agora estava a estudar jornalismo e estava adorar.

Bateram à porta do quarto da Anne nesse momento.

Anne: Entre.

A mãe da Anne entrou no quarto.

Mãe da Anne: Filha, já estás de saída?

Anne: Sim. Tenho de ir para as aulas.

Mãe da Anne: Não te importas de deixares a tua irmã na escola primeiro?

Anne: Claro que não me importo. Mas ela que se despache.

A mãe da Anne sorriu à filha e saiu do quarto. Depois do Omega ser destruído, a Anne tinha continuado a fazer voluntariado na instituição, coisa que faz até hoje. Nessa altura, a pequena Mindy continuava à espera que algum casal simpático a quisesse adoptar.

Num dia em que a mãe da Anne a tinha acompanhado à instituição, a mãe da Anne conheceu a Mindy e gostou logo muito dela. Nessa mesma noite, a mãe da Anne falou com o pai da Anne e convenceu-o a ir conhecer a Mindy. O casal ficou a gostar muito da Mindy e pouco tempo depois começaram a tratar dos papéis para a adoptar. Agora já fazia quase dois anos que a Mindy estava a viver com eles e a Anne tinha ganho uma irmã.

A Mindy entrou no quarto da Anne.

Mindy: Estou pronta.

Anne: Ainda bem.

Mindy: Mana, tenho de te dizer uma coisa.

Anne: O que foi?

Mindy: É que lá na escola, um rapaz anda atrás de mim e diz que quer que eu seja namorada dele. - explicou ela.

A Anne arregalou os olhos e olhou para a Mindy.

Anne: O quê? Francamente, que ideia! Tu só tens oito anos, não é altura para estares a pensar em namoricos.

Mindy: Eu sei. Não quero nada com ele, mas ele anda sempre atrás de mim. O que é que eu faço?

A Anne ficou pensativa.

Anne: Olha, perguntas depois à Karen, está bem?

Mindy: À tua amiga Karen? Mas eu não a vejo muitas vezes. E porque é que tenho de lhe perguntar a ela?

Anne: Se te queres livrar de um rapaz, a Karen é a pessoa certa para te aconselhar. Afinal, nos últimos dois anos, já teve uns oito namorados e livrou-se de todos.

A Mindy coçou a cabeça, sem perceber bem o que a Anne queria dizer.

Mindy: Andavam rapazes da escola atrás dela?

Anne: Não exactamente... enfim, afinal não deve ser muito boa ideia perguntares à Karen. Sabe-se lá o que ela te vai dizer. Bom, vamos mas é embora, senão chegamos atrasadas.

Elas saíram de casa e começaram a caminhar.

Mindy: Quando é que tiras a carta? Alguns dos meus amigos vêm de carro para a escola.

Anne: Só tiro a carta quando realmente precisar. Andar na estrada é uma coisa séria.

Mindy: Ah... está bem. Mas a Marina tem a carta.

Anne: Tem a carta e já bateu duas vezes num poste e uma vez num carro que estava estacionado. Ela não é o melhor exemplo de boa condução.

Mindy: Mana, hoje estás a falar mal de toda a gente.

A Anne olhou para a Mindy.

Anne: Olha, tens razão. Ando a passar demasiado tempo com a Britney. Ela insiste em sentar-se ao meu lado em todas as aulas. Lá porque a Courtney foi para outro curso, agora ela pensa que eu tenho de ser amiga dela. Ela só fala de roupas, rapazes e mexericos.

Mindy: Mana?

Anne: O que foi?

Mindy: Quando é que deste o teu primeiro beijo?

A Anne ficou alarmada.

Anne: Mindy, tu nem tenhas ideias! Estás proibida de beijar o rapaz lá da escola, ouviste?

Mindy: Está bem. Mas eu também não o queria beijar a ele. Mas há lá um que é do sexto ano e é muito giro. A Amy disse que beijar é bom.

Anne: Primeiro, o rapaz é demasiado velho para ti. Ainda estás na idade de brincar Mindy, não de pensar em beijos. E segundo, vou ter uma conversa com a Amy. Ela desde que se tornou modelo, anda a falar demais.

Guerreiros dos Elementos

Sara Laker tinha visto a sua vida mudar muito nestes três anos. Tinha começado a namorar com o Leon e ficara logo convicta de que tinha feito a escolha certa. Ela e o Leon davam-se muito bem e tinham sido feitos um para o outro.

O Dean tinha-se afastado um pouco do grupo e a Sara não o podia culpar por isso. Dean já não se sentia à vontade ao ver o Leon e a Sara juntos. Claro que a situação tinha mudado um ano e meio depois.

A Sabrina bateu à porta da casa e a Sara veio abrir.

Sara: Sabrina, que surpresa. Entra.

A Sabrina entrou na casa da irmã.

Sabrina: Vim ver como estavas.

Sara: Está tudo bem.

Sabrina: Ainda bem. Sabes, ontem o Dean deu-me um anel super caro. Olha.

A Sabrina mostrou à Sara o anel que tinha no dedo.

Sara: Uau, é muito bonito.

Sabrina: Pois é. O Dean tem muito bom gosto. Claro que isso não se pode discutir, já que primeiro se apaixonou por ti e depois por mim. Tem bom gosto, claro.

As duas riram-se.

Sara: Ainda bem que vocês estão felizes. É o que importa.

No último ano e meio, o Dean tinha-se aproximado mais da Sabrina e os dois tinham-se apaixonado. Agora estavam a namorar e parecia que era para durar. A Sabrina tinha terminado o décimo segundo ano no mês passado e já estava inscrita na universidade, para seguir o curso de Teatro. A Sabrina continuava com o seu sonho de ser actriz e entrar em muitos filmes.

O Dean, por seu lado, tinha tido a ideia de abrir um negócio. A princípio não sabia que negócio deveria abrir. Porém, o Leon deu-lhe a ideia de abrir uma pizzaria. Contudo, o Dean não tinha dinheiro suficiente para comprar um bom espaço para abrir a pizzaria. E assim, o Leon e o Dean tornaram-se sócios e compraram a pizzaria em conjunto.

Sabrina: Bem, onde é que está o meu sobrinho?

Sara: Está na caminha dele a dormir. - respondeu ela. - Foi um castigo para o adormecer.

Sabrina: Pois, já se sabe que os bebés não são nada fáceis de adormecer. Mas posso ir vê-lo mesmo que ele esteja a dormir?

Sara: Claro. Anda.

A Sara levou a Sabrina até ao quarto do pequeno Andrew. Ele estava deitado na sua caminha, a dormir calmamente.

Sabrina: Oh, que lindo que ele é. Também quero um para mim. - disse ela, sorrindo.

Sara: Bem, a seu tempo Sabrina. Não te apresses que não vale a pena.

A Sabrina olhou para a irmã.

Sabrina: O nascimento dele mudou completamente a tua vida.

Sara: Pois foi. Na altura, foi um choque, mas agora o meu bebé é a coisa mais importante da minha vida. Estou muito feliz de o ter.

Tinha sido uma surpresa para a Sara e o Leon quando, cerca de dois anos antes, a Sara se tinha começado a sentir enjoada, tinha feito um teste de gravidez e tinha dado positivo.

Eles sempre tinham usado precauções, mas como se sabe, nada é cem porcento eficaz. Mal souberam que iam ser pais, os dois deram-se conta de que teriam de mudar completamente as suas vidas. A Karen tinha sugerido que, talvez fosse melhor a Sara fazer um aborto, mas nem a Sara nem o Leon concordaram e decidiram ter o filho.

Agora, Andrew já tinha um ano e meio, o Leon tinha o seu emprego na pizzaria, a Sara tinha um part-time e estavam a viver numa casa alugada. Realmente, as vidas dos dois tinha mudado completamente, mas apesar de tudo eles eram felizes.

Sara: Então, como está a Dalila?

Sabrina: Está bem. Decidiu ir tirar História na universidade. Vai mudar-se outra vez para cá. Como o teu quarto lá em casa está vago, pensei em perguntar aos pais se não se importavam se ela ficasse lá. O que achas?

Sara: Acho boa ideia. Assim não precisa de alugar um quarto nem nada.

Nesse momento, o telemóvel da Sara tocou e ela atendeu.

Leon: Olá amor, sou eu.

Sara: Olá querido. Então, tudo bem?

Leon: Tudo óptimo. Recebemos uma encomenda de cinquenta pizzas para um casamento.

Sara: Para um casamento? Enfim, eu não iria querer pizzas no meu casamento, mas cada um sabe de si.

Leon: Quem fica a ganhar somos nós. Olha, como está o Andrew?

Sara: Está sossegado, a dormir pacificamente.

Leon: Óptimo. Se calhar é melhor ires dormir também. Esta noite tiveste de te levantar imensas vezes para ir acalmar o Andrew.

Sara: Eu estou bem. A Sabrina veio visitar-me.

Leon: Então estás bem acompanhada. Agora tenho de desligar. Vemo-nos logo à noite. Adeus.

Sara: Adeus querido.

A Sara desligou.

Sara: Era o Leon.

Sabrina: Deu para perceber. - disse ela. - Então, pizzas para um casamento. Falando em casamento, quando é que vocês se casam?

Sara: Não é para já. Não temos dinheiro para isso e de qualquer maneira, casados ou não, já vivemos juntos e temos um filho. Podemos esperar e casar-nos noutra altura.

Sabrina: Por este andar, quando vocês se casarem, o Andrew é que vos vai levar as alianças.

Guerreiros dos Elementos

Laura Terence tinha continuado com o seu sonho de se tornar médica. Depois de ter terminado o décimo segundo ano, a Laura tinha tido várias propostas de universidades, já que ela tinha notas bastante altas.

No meio das propostas, havia uma proposta de uma universidade na Alemanha. A Laura sabia que seria uma oportunidade magnifica ir estudar para aquela universidade, mas por outro lado, teria de deixar para trás a família, a sua cidade, os amigos e mais importante que tudo, o seu namorado Rick.

Eles tinham conversado. O Rick não queria que a Laura perdesse aquela oportunidade. Afinal, era o sonho dela. Custava muito ao Rick ter de se separar da Laura, mas era o melhor para ela. Assim, a Laura tinha partido para a Alemanha, mas antes tinha terminado tudo com o Rick.

A Laura não achava justo ainda continuarem com o namoro com ela tão longe. Não era justo para o Rick. Ela é que tinha de ir embora e não podia esperar que ele ficasse à espera dela todo aquele tempo. Assim, eles tinham terminado o namorado e cada um tinha continuado com a sua vida.

Por esta altura, a Laura estava no aeroporto à espera que a sua mala aparecesse do meio das muitas outras malas que por ali haviam. A Laura olhou à sua volta e sorriu.

Era bom estar na cidade Starfield outra vez. Por causa dos estudos, a Laura só vinha à cidade de dois em dois meses e sentia muita falta de tudo o que deixara para trás. Faltava apenas um ano de estudos e o curso estaria terminado. Depois poderia estagiar na cidade Starfield.

O telemóvel da Laura tocou e ela atendeu. Era o seu irmão Gabriel.

Laura: Olá Gabriel.

Gabriel: Maninha, então já chegaste?

Laura: Sim. Estou à espera da minha mala. O voo fez-se rapidamente.

Gabriel: Ainda bem. Qualquer dia tiro um tempo para te ir visitar.

Laura: Fico à espera disso. Aproveita que eu agora tenho dois meses de férias e depois tenho de voltar às aulas. - disse ela. - Quero passar algum tempo contigo.

Gabriel: E eu contigo. Bom, tenho de desligar. Só telefonei para saber se estava tudo bem. Amanhã ligo-te.

Laura: Ok. Beijinhos para ti e para o Zane.

A Laura desligou o telefone e sorriu. O Gabriel costumava ligar-lhe várias vezes, para saber se estava tudo bem com ela. Há dois anos, o Gabriel tinha arranjado um namorado, Zane, e tinha-o apresentado à família. O pai da Laura e do Gabriel não estivera muito à vontade com aquilo, mas agora já aceitara que o Gabriel era diferente e já conseguia falar com o Zane sem se sentir constrangido.

Depois de alguns minutos, a mala da Laura apareceu finalmente e ela saiu para o exterior do aeroporto. Ao vê-la sair para o exterior, um rapaz loiro, que estava à espera num carro, saiu de lá e aproximou-se dela.

Laura: Olá amor. - disse ela, beijando o rapaz.

Rick: Ainda bem que chegaste.

Os dois sorriram e beijaram-se novamente.

Realmente, a Laura e o Rick tinham terminado o namoro, mas quando, dois meses depois, a Laura voltou por uns dias à cidade Starfield, reencontrou-se com o Rick. Ele disse-lhe que esperava por ela o tempo que fosse preciso e acabaram por reatar o namoro.

O Rick pegou na mala da Laura e levou-a para o carro.

Rick: Pronto, podemos ir.

Laura: Vamos lá então. - disse ela, entrando no carro.

Enquanto a Laura tinha ido estudar para a Alemanha, o Rick tinha permanecido na cidade Starfield, continuando os seus estudos para se tornar num professor de educação física e pertencendo à equipa de basquetebol da universidade.

O Rick e a Laura foram conversando enquanto o Rick conduzia o carro.

Laura: E pronto, temos estes dois meses para aproveitar. Eu estou de férias e tu também vais estar daqui a uns dias.

Rick: Ainda bem. Custa-me muito estar longe de ti tanto tempo, Laura.

Laura: Eu sei. Também me custa a mim. Mas pronto, é só mais um ano e depois volto para a cidade.

Rick: Um ano ainda é muito tempo. - disse ele. - Mas eu espero.

A Laura sorriu-lhe.

Rick: Estou desejoso de termos um bocadinho para namorar. E enfim, expressarmos o nosso amor.

Laura: Também eu.

Rick: Vai ser um bocado complicado, já que na tua casa está lá a tua mãe e na minha está lá a minha mãe e a minha irmã.

A irmãzinha do Rick, Rachel, tinha agora dois anos e meio e era uma criança muito irrequieta e que nunca estava parada.

Laura: Bem, parece que vamos ter de nos contentar com um motel ou algo assim.

Rick: Pois, o problema é que não tenho dinheiro.

A Laura pareceu pensativa.

Laura: Nesse caso, vira já à direita. Vamos por este caminho pela floresta.

Rick: Para quê? - perguntou ele e depois percebeu. - Na floresta?

Laura: Não vamos lá para fora. No carro, tonto.

Rick: Achas boa ideia? No carro?

Laura: Ou é isso, ou então só podemos fazer alguma coisa sobre este assunto amanhã.

O Rick abanou a cabeça.

Rick: Ok. Então, é mesmo no carro.

E virou à direita, entrando por um caminho na floresta.

Guerreiros dos Elementos

Marina McSouth estava a terminar de atender uma cliente. Ao ver a cliente sair da loja com dois sacos na mão, suspirou. Que cliente mais chata, a querer ver as roupas todas! Pelo menos a Marina tinha conseguido que ela comprasse duas peças de roupa. Já não era mau.

Depois de ter terminado o décimo segundo ano, a Marina tinha decidido deixar de estudar e começar a trabalhar. Apesar disso, ela não sabia exactamente o que gostaria de fazer. Começou por trabalhar num restaurante de fast food, depois passou a trabalhar numa florista, de seguida passou uns meses a exercer as funções de secretária e agora estava a trabalhar como gerente numa loja de roupa.

A Marina olhou para o relógio e ficou impaciente. A empregada que devia estar a atender os clientes, Rute Oliveira, ex-colega da equipa de natação a que a Sara tinha pertencido, estava a demorar imenso tempo. Era suposto ir só tomar um café e voltar logo.

O que valia à Rute era que a Marina até simpatizava com ela. A loja onde a Marina trabalhava era uma das muitas lojas da Dress Pretty, a marca de roupas produzidas pela empresa montada pela Karen, desde há dois anos atrás.

Nesse momento, o telemóvel da Marina tocou e ela atendeu.

Marina: Estou?

Josh: Amor, sou eu.

A Marina sorriu.

Marina: Josh. Então, está tudo bem?

Josh: Sim. Terminei agora o treino. Volto amanhã para ao pé de ti. Estou cheio de saudades.

Marina: Também eu.

O Josh também tinha deixado de estudar depois de décimo segundo ano. Durante o décimo segundo ano, dedicou-se completamente ao atletismo e obteve marcas bastante boas. Acabou por continuar a praticar e agora já é um atleta bastante conhecido e que participa em muitas competições. Infelizmente, as competições fazem com que por vezes tenha de estar longe da cidade por alguns dias, deixando a Marina para trás.

Josh: A competição é hoje à tarde.

Marina: Eu sei. Boa sorte. Tu vais vencer. És o mais rápido.

Josh: Espero que consiga. Vou ganhar um bom dinheiro se vencer a competição. E precisamos mesmo dele, para termos uma reserva para depois de casarmos.

Marina: Nem me fales nisso! Quer dizer, eu adoro falar no casamento. Ai Josh, só faltam duas semanas!

Depois de terem a vida estabilizada, de terem alugado uma casa e estarem a viver juntos, o Josh tinha decidido que era altura de pedir a Marina em casamento. Claro que ela aceitou logo e agora a data do casamento estava bastante perto.

Josh: Vai ser o dia mais feliz das nossas vidas.

Marina: Para já, sim. Depois quando tivermos filhos, se calhar os dias mais felizes da nossa vida serão quando eles nascerem.

Josh: Ena, uma coisa de cada vez, Marina. Primeiro o casamento e depois logo pensamos nos filhos. - disse ele, rindo-se.

Marina: Sim, eu sei. Agora não é a altura certa, claro. Talvez para o ano.

O Josh riu-se.

Josh: Depois falamos. Tenho de desligar. Estão a chamar-me. Eu ligo-te depois da competição.

Marina: Ok. Boa sorte, querido.

A Marina desligou o telemóvel e sorriu. Depois olhou para o relógio. Onde afinal andava a Rute? Se a Karen se lembrasse de aparecer por ali e ela não estivesse lá, a Karen era bem capaz de despedir a Rute na hora.

Com o tempo, a Karen e a Marina tinham-se tornado bastante amigas, apesar de serem bastante diferentes. Depois de muitas tentativas da Karen para que a Marina viesse trabalhar numa das lojas delas, a Marina tinha aceitado.

Nesse momento, a Rute apareceu.

Rute: Desculpa Marina. Demorei-me.

Marina: Deu para perceber. - disse ela, impaciente. - O que se passou?

Rute: Encontrei a presidente da câmara pelo caminho e ficámos a conversar. Mais precisamente, sobre ti e o casamento.

Marina: Ok. Então estás desculpada. Eu sei como é a minha mãe e a conversa sobre o casamento.

Depois do presidente da câmara ter terminado o mandato, foi basicamente proibido de se recandidatar à presidência da câmara, porque ele tinha sido um presidente que não prestava para nada. Várias pessoas fizeram pressão para que a mãe da Marina se candidatasse à presidência, ela fez isso e acabou por ser eleita, sendo agora a presidente da câmara.

Rute: A tua mãe estava super entusiasmada com o casamento. Afinal, é o casamento da sua única filha.

Marina: Eu sei. E mais entusiasmada estou eu, que me vou casar. Espero que corra tudo bem.

Rute: Claro que vai correr. Tu e o Josh amam-se e isso é o que importa.

Marina: Sim, tens razão. E com a Karen a tratar do casamento, acho que vai ficar tudo perfeito. Espero eu...

E assim termina o primeiro capítulo. A Anne ganhou uma irmãzinha nova, a Laura foi estudar para o estrangeiro, a Sara teve um filho e a Marina vai casar. Mas há ainda mais coisas para descobrir no próximo capítulo. Não percam!