A pior "madrinha" do século

Capítulo 1 – Primeira vez

Baile anual de fantasia da academia militar – 1904

Um moreno, particularmente popular entre as garotas, vestido de super homem, fazia sua ronda em busca de alguém para passar a noite. Até que viu uma garota bem atraente.

- Ei Fallman, quem é aquela?

- Se chama Alexa Gurgarova, é caloura e tem sotaque russo.

- Namorado?

- E desde quando isso te impediu Mustang?

Ambos sorriram e o moreno foi até a garota, era hora de apostar.

- E aí Alexa? Uau, adorei sua fantasia! – Era de coelhinha.

- Ah Roy, nem preciso falar da sua...

- Eu sei que você prefere sem...

- Vai na frente, a chave ta em cima da porta. Quarto 210. – Ela piscou e deu um tapa de leve no "popo" dele.

Antes que a garota dissesse ou fizesse mais alguma coisa, ele já tinha se espremido entre a multidão e caminhado até o prédio dos calouros, ultimamente ele sempre conseguia o que queria... No caminho ele trombou com Hughes, Havoc e Breda, colegas de classe.

- Já ta indo dormir garanhão? Cadê a sua garota?

- Hahá, hoje ele ta solteiro.

- Corrige, hoje eu estou solteiro, mas nunca desacompanhado.

- Cadê a garota então?

- Estou indo para o quarto dela nesse momento.

- Uiiiiiiiii, eu queria ser você! – Disse um Breda todo empolgado.

- Quem é a menina?

- Caloura, ruiva, acho que o nome era Alexa, qualquer coisa do tipo...

- Hum, já ouvi falar, vai fundo Mustang!

- Valeu Havoc... Mas agora, não vou ficar desperdiçando minha chance com um monte de marmanjos, tenho uma garota para visitar.

Os amigos começaram a rir e começaram a fazer frases um tanto obscenas enquanto Roy se afastava e ia para o alojamento, tinha perdido valiosos quinze minutos.

Já no corredor do primeiro andar ele encontrou um calouro estatelado no chão, estava dormindo, mais á frente haviam dois se agarrando na escada, a garota deu uma boa olhada nele.

"Hum, segundo andar".

O segundo andar estava vazio, mas havia cerveja esparramada no chão e um cheiro forte não-identificável vindo de um dos quartos.

"210! Em cima da porta..."

Roy se esticou e pegou a chave, o quarto tinha uma aparência saudável, pelo menos de um dos lados, o outro era realmente mal cuidado. Tinha alguém deitada e, Roy ficou grato por isso, a pessoa estava no lado limpo do quarto.

- Alexa... – "Meu deus, demorei demais e ela dormiu? Vou chegar junto."

- Alexa querida – Ele se inclinou e se deitou ao lado dela, começou a envolver com os braços, até que a pessoa deu uma virada brusca na direção dele e abriu os olhos, agora com o rosto na claridade, Roy descobriu uma coisa, não era Alexa.

- AAAAAAAAAAAAAHH! LONGEEEE DE MIIM! SAAAI!

- Calma!

- AAAAAAAHHH! – A loira pegou um vidro de perfume e espirrou nos olhos dele, agora Roy também gritava.

- AAAAH, MEUS OLHOOOS! VOCÊE ME CEEGOU! AAAAAH!

- Bem feito!!! Seu descarado tarado imbecil! Se não consegue pegar ninguém não venha pra cima de pessoas inocentes!

- AAAH, MEEEUS OLHOS. SUUA...

- SUA O QUE?

- Ai meus olhos... Desculpe, foi um mal entendido!
- Ah claro, 80% desse tipo de caso são mal entendidos!

- Não, eu estou atrás da Alexa!

- E como você sabia entrar?

- Ela me disse onde tava a chave, agora pouco, na festa!

- Espera, eu reconheço você, Roy Mustang.

- Não posso dizer o mesmo de você, não to enxergando! O que você espirrou em mim?!?!

- Er... Eternity da Calvin Klein. Espera, eu vou trazer um pano molhado.

Depois de lavar o rosto Roy já conseguia enxergar...

- Uau, você tem uma boa mira... Qual é o seu nome?

- Riza Hawkeye, pelo amor de Deus, você deve lembrar de mim.

- Ta brincando comigo né? Você é a pequena Hawkeye? A filha do...

- É. Como não se lembrou antes?

- Acho que ultrapassei um pouco da conta hoje. Ou foi você que ficou muito mais bonita. Na verdade, acho que foram as duas coisas.

- Não vem pra cima de mim não! Já chega hoje mais cedo.

- Ah, vai dizer que você não quer? Você até sabia meu nome...

- Não, não quero. E eu sabia seu nome simplesmente porque você morou na minha casa por um bom tempo, não venha pra cima de mim.

- Hunf, você não deixa brechas não?

- Não.

- Hunf, desculpe. Eu achei que fosse a Alexa.

- Ah claro... Certeza que Alexa vem pra cama antes das três da madrugada em dia de festa.

- São três agora.

- Hum, logo ela chega.

- E seu pai? Como ele está?

- Você não soube?

- Hum, não. Perdi contato depois que entrei aqui, são quatro anos já.

- Ele morreu. Faz dois anos.

- Oh, desculpe. Eu não sabia, não tinha a mínima idéia e...

- Esqueça.

Houve alguns minutos de silêncio, até que Roy recomeçou:

- Hum... Você é caloura?

- Sim.

- Elas falam muito de mim?

- Um pouco.

- O que elas falam?

- Nada demais, falam que você é um gato e é ótimo á noite, mas... Porque eu to te falando isso?

- Ah, não se faça de durona, você também me acha um gato.

- Ah, claro, você também é humilde. Mal posso esperar pra contar pra elas!

- Você está sendo sarcástica?

- O que você acha? – Ela se levantou da cama. (ambos estavam sentados em cima dela), mas Roy a segurou pelo braço.

- Então você não me acha bonito?

- Não, eu fiz curso avançado de geometria humana no colegial e tenho que te dizer, seu nariz é torto e tem uma ponta revirada e o seu olho tem as pontas caídas. Isso sem falar no cabelo que parece um esfregão sujo.

- Uau, eu adoro sinceridade. – Ele a puxou, na tentativa de fazê-la cair sobre ele, Riza se soltou bruscamente e foi saindo do quarto.

- Eu não sou a Alexa! Fica longe de mim! – Ela abriu a porta bruscamente e quase trombou com uma Alexa bêbada.

- Oi Roy... – A voz dela estava grogue, ela cambaleou até a parte mal cuidada do quarto e se deixou cair na cama, mas rapidamente se levantou e soltou uma boa parte de vômito.

- Ui, aproveite com a Alexa. – Riza sorriu e já foi saindo, até que Roy a puxou e disse:

- Eu vou com você.

- Não. A Alexa está aí.

- É Roy, eu to aqui! Meus amigos elefantes também!

- Durma Alexa.

Ele saiu rapidamente do quarto e puxou Riza com ele.

- Me solta!

- Desculpe se você me entendeu mal, mas eu realmente adorei o que você me disse!
- O que?

Riza foi caminhando para o terceiro andar, ele a seguiu.

- Sinceridade, é tão bom quanto sexo.

- Pára de ser idiota, eu só quero que você fica longe de mim! E não, eu não quero mesmo dormir com você.

- Desculpe! Por favor! Eu to sendo sincero! Eu fui idiota mesmo, você não é igual ás outras! E eu não estou mais atrás de alguém pra dormir.

Riza parou e se virou na direção dele, olhos nos olhos.

- E a propósito, essa camisola é transparente. – Ele apontou para ela.

Ele começou a rir e ela tentou ficar zangada, mas acabou rindo também.

- Tudo bem, bandeira branca. Amigos? SOMENTE isso.

- Ok, amigos. SOMENTE isso.

- No quarto andar tem uma cozinha, quer tomar chá?

- Adoraria. E... A propósito, como eu nunca te vi por aqui?

- Fui transferida do Leste semana passada.

- Ah, o Leste, me conta como ficaram as coisas por lá.

- Claro, só espero ter chá o suficiente.

N/A: Bom, espero que tenham gostado! Esse foi bem curto, e já asseguro que essa história já está escrita até o final, ela era o meu projeto, mas enfim, agora é só ir postando! Deixem reviews! See ya! ;D