Uma garota de cabelos longos e verdes, de olhos cor de esmeralda, andava apressada pelos corredores do colégio para ricos. Ela parou diante da sala do segundo ano, turma A. Não bateu na porta, apenas a escancarou. O professor a olhou incrédulo. Não era aluna nova, ninguém fora avisado de uma e ela não usava o uniforme.

- Desculpe, senhorita – começou o professor.

A jovem o ignorou. Seus olhos passeavam pela sala. Pousaram um momento em uma garota de cabelos castanhos rosados, mas o olhar logo tornou a passear. Pararam em dois ruivos idênticos, fazendo-a sorrir. Ver a jovem olhando pela janela tinha feito um arrepio de reprovação descer sua espinha, mas o ruivo fez com que uma satisfação enorme brotasse.

Ela apontou para ele e sua voz saía alta o suficiente para que alunos de umas três salas diferentes escutassem.

- Hitachiin Kaoru! Venha comigo agora!

O professor pigarreou, tentando falar com ela novamente.

- Desculpe, senhorita. Quem…

Ela apenas o olhou. Seu o olhar frio o fez ficar quieto de imediato.

- Mas quem…? – Kaoru desviou o olhar para a jovem que apontava para ele, tremendo. "Não de novo, por favor."

- Venha logo! – ela parecia impaciente – Depois você explica para seus amigos babões o que se passa. – ela lançou um rápido olhar pela sala.

Vários pares de olhos masculinos estavam voltados para ela em sua saia de prega preta que ia até o joelho e sua blusa justa e branca que deixava pouco mais de três dedos de sua barriga aparecendo.

- Tudo bem, tudo bem. Já estou indo… – Kaoru suspirou e foi até a jovem – Volto logo, professor. – e saiu com ela, sem ligar para os protestos alheios.

Ela andava apressada, andando despreocupada pelo corredor cheio de janelas. Conforme ela se aproximava das janelas, as cortinas se fechavam sozinhas. E quando ela já estava a alguns metros, elas tornavam a abrir. Kaoru apenas olhava as cortinas, seguindo a jovem.

- Você quem está fazendo isso, não é?

- Isso o que? – ela pareceu indiferente à pergunta.

- As cortinas. Mas como se não pode controlá-las exatamente?

- Não estou controlando-as. Estou usando algo ao redor. Ar.

Ele ficou olhando. Se observasse com atenção, poderia ver algo parecido com uma mão quase transparente puxar a cortina quando a garota se aproximava. Isso o fez soltar uma risadinha. E então de repente a jovem parou, fazendo-o trombar com ela.

- Acho que aqui está bom. Ninguém poderá nos ouvir. – ela olhava para a placa que indicava a sala.

Kaoru logo notou onde estavam, ficando surpreso e mal conseguindo respirar.

- Aí n…

Ele não conseguiu impedi-la a tempo. Quanto ele começou a falar, ela já tinha aberto a porta e agora olhava incrédula um loiro elétrico, um moreno de altura inacreditável, um baixinho comedor de doces e um quatro-olhos nerd.

Então o primeiro jovem, o loiro elétrico, se voltou para a porta.

- Kaoru! O que…? – ele parecia surpreso e ficou mais ainda quando viu a jovem diante do ruivo.

- Vamos embora daqui. Agora! – a garota pegou Kaoru pela mão e saiu andando, apressada. Nem se deu ao trabalho de fechar a porta, o que talvez tenha sido seu pior erro.

Quando parou, estava do lado de fora do colégio, em um jardim, sentada em um banco que estava coberto pela sombra de uma árvore.

- O que foi aquilo? Você conhece aquelas pessoas estranhas?

- Bom… É. – Kaoru parecia sem graça.

Ela começou a rir. Era a risada de sempre, o que o acalmou.

- E o que quer comigo…? – ele finalmente tocou no assunto.

- Hm? – ela parou de rir e se virou para ele – Ah, sim. Foi seu pai quem pediu, Kaoru.

- O que ele quer agora?

- Você sabe. O mesmo assunto de todas as outras vezes. – ela notou o desconforto do jovem – Ah! Dessa vez tem algo mais! Vamos fazer uma viagem! Eu e uns colegas. Para seu azar, arrastarei você. – ela sorriu como se aquilo fosse normal.

- Viagem? Para onde?

- Eu não sei. O pessoal queria ver um dos pólos. – ela deu os ombros – Estamos no meio do ano… Onde tem menos sol…? – ela parecia falar sozinha nesse último pedaço.

- Viajar para o pólo? No meio de todo aquele gelo? O que vocês têm na cabeça? – ele não conseguia acreditar.

- Seguinte. – ela tornou a olhar para ele, agora séria – Seu pai está realmente enchendo com essa história. Então vamos fazer isso logo. – ela se aproximou dele, pondo uma mão em seu pescoço e aproximando a boca do mesmo.

- M-mas… Minha opinião… – ele não conseguiu terminar.

- Não conta. – ela foi direta e logo as pontas de seus caninos estavam tocando a pele macia do pescoço dele.

- Não! – o gritou de Kaoru saiu agoniado e ele a afastou rapidamente. Suava frio e estava vermelho.

- Ainda deixo você tão nervoso desse jeito? – ela riu.

Ele concordou com a cabeça, voltando ao normal aos poucos. E então a jovem pareceu alerta.

- Droga… Tem gente vindo… Falo com você mais tarde. Não suma! – terminando de falar, ela praticamente desapareceu.

Alguns minutos depois Kaoru conseguiu avistar o irmão se aproximando. "Ela andou treinando…"

- Kaoru! Kaoru! – Hikaru mal respirava. Tinha saído correndo da aula atrás do irmão.

E enquanto o mais novo tentava acalmar o recém aparecido, coisas passavam em sua mente. "Realmente… Não me importo se ele acabar fugindo para Haruhi… Não fiquei sozinho do outro lado da porta… Agora nós dois passamos."

Mas não foi isso que ele encontrou nos olhos iguais aos seus. Toda aquela preocupação, como ele logo viu, vinha de um amor que passava do fraternal. Não entendeu. A encenação que faziam no clube deveria ser só aquilo. Encenação. E seu irmão o fez acreditar naquilo com muito vigor. Seria tarde voltar agora… Depois das férias do meio do ano, até mesmo antes. Todo aquele período até o reencontro com a jovem de cabelos verdes foi algo diferente. Não se sentia mais tão preso ao irmão como no ano anterior.