i IMPORTANTE: Por favor, gostaria da atenção de todos que estão prestes a ler esse capítulo... Não é nada de mais, só queria pedir para lerem a nota que eu sempre escrevo no final do capítulo, vem com os meus agradecimentos e algumas notícias que talvez seja do interesse de vocês. É isso. Obrigada e boa leitura :)


- Sentimentos são... como uma canção... para a Bela e a Fera.

Como eu gostava dessa música. E Neji me fazia gostar cada vez mais quando cantava pra mim.

Estávamos na minha casa, deitados juntos no meu sofá e vendo pela milésima vez, naquela semana, A Bela e a Fera. Era a história de contos de fadas que eu mais gostava, nunca entendi o por que. Talvez fosse porque a Bela era mais destemida, forte, corajosa... diferente daquelas menininhas fraquinhas que dormiam e esperavam o príncipe encantado aparecer e beijá-las. Sinceramente, eu nunca vi graça nisso. E fiz questão de explicar isso quando Neji fez aquela cara dele de quem não entendia minha fixação por aquela história.

Assim que voltei do hospital, tive uma conversa séria com os meus pais. Os dois - sim, os dois - insistiam para que eu voltasse para Tóquio ou que eu viajasse com a minha mãe e o Kakashi. Mas nada disso me deixaria feliz, e eu sei que as mentiras que eu inventei não foram nem um pouco convincentes, o que eu podia fazer se a única coisa boa que eu sabia fazer era cair no chão constantemente?

- Tenten, não vai ser bom para sua recuperação - minha mãe não cansava de me dizer aquilo.

- Mas que recuperação?! Eu estou ótima.

- Não é o que parece - ela apontou para o meu braço enfaixado.

- Isso não foi nada... eu só... escorreguei na escada. Um acidente - eu desviei o meu olhar do dela, nunca havia mentido tanto para a minha mãe (especialmente por causa de um garoto) e eu sabia que ela me conhecia melhor do que ninguém, se eu não tivesse o cuidado necessário, estaríamos todos em apuros.

- Não, isso não foi nem de perto um acidente! - meu pai rosnou - É tudo culpa daquele Hyuuga idiota!

- Não pai, ele não tem nada a ver com isso. O Neji estava em Konoha quando tudo isso aconteceu.

- Mas se ele não tivesse lhe deixado com raiva... - meu pai passou as mãos na cabeça em sinal de nervosismo, era a primeira vez que eu o via assim... tão sem controle.

- A culpa foi inteiramente minha, uma discussãozinha de namorados não era motivo para eu ter saído assim... do nada - eu me levantei de onde estava e o abracei bem forte, só com o meu braço bom já que o outro estava na tipoia.

Ouvi minha mãe suspirar pesadamente e depois se juntar a nós, se sentando bem ao meu lado no sofá. Ela me abraçou também e ficamos assim durante algum tempo. Tempo suficiente para que eu imaginasse como seria bom se tudo voltasse a ser como era antes. Não que eu tivesse algo contra o Kakashi, mas eu amava muito os meus pais para que não pensasse em algo assim, seria a melhor coisa do mundo pra mim, e eu sabia que eles dois pensavam da mesma forma. Se pudéssemos ter a oportunidade de formamos uma família outra vez...

Mas eu sabia que eles eram orgulhosos demais para que algo do tipo acontecesse, fora que a minha mãe estava completamente apaixonada pelo meu padrasto.

- Bem, - ela se levantou depois de poucos minutos - acho que nada no mundo fará você mudar de ideia, não é? - ela me perguntou (surpreendentemente) sorrindo.

Eu só fiz sorrir de volta. Já o meu pai...

- Eu não acredito... - a cada palavra que ele pronunciava seu tom de voz aumentava - Não acredito que vai aceitar as opiniões dela, assim! - droga! Lá vamos nós de novo. - A Tenten só tem 16 anos. Fora que acabou de sofrer um acidente, não deve estar se sentindo muito bem.

- Pai, eu... - tentei explicar que estava perfeitamente bem, mas ele não me ouvia.

- Esse foi um dos motivos por eu ter me separado de você. Toda vez que eu a dava liberdade para fazer algo, era considerado o irresponsável - e você mesma veio com dois quentes e um fervendo pra cima de mim quando soube do acidente dela - mas se a Tenten quisesse fazer alguma loucura realmente extravagante, você sempre permitia, e quando as consequências apareciam dizia sempre que era "coisa da idade". E é por isso que eu não vou deixá-la morar mais comigo. Konoha não está mais segura como antes. Está se tornando uma ameaça até para os mais fortes de lá. - minha mãe continuava inespressível, pensei até que ela fosse ter um ataque cardíaco. Eu mesma estava a ponto de chorar. Nunca tinha preciado uma briga dos meus pais desde que eles resolveram se separar - E o que me choca, é a naturalidade como está levando as coisas, o que deu em você?! Logo você. O que aconteceu para que permitisse deixar a Tenten tomar suas próprias decisões sem nem ao menos contestar?

Um silêncio se instalou na sala, meus pais mantendo contato visual, sem desviar o olhar. Aquilo me assustava e muito, mas preferi ficar quieta.

- Eu confio nela - foi o que minha mãe respondeu antes de se virar e sair pela porta da frente.

Desde aquele dia, meu pai pareceu entrar em uma pequena depressão. Nunca o tinha visto tão acabado em toda a vida, e sinceramente não entendia bem o motivo. Talvez fosse saudade da minha mãe ou ele só estivesse muito cansado por ter passado quase uma semana inteira me esperado receber alta do hospital.

Depois do terceiro dia que sucedeu a nossa discussão sobre a minha possível volta à Tóquio, meu pai já estava se recuperando e eu também. Meu braço havia parado de doer e eu me sentia como nova. Neji decidiu me visitar só alguns dias depois, ele estava arrasado com a discussão que a nossa família foi a obrigada a ter, mesmo eu repetindo várias vezes que ele não tinha nem um pingo de culpa na história.

- É claro que tenho - ele falou quando tocamos no assunto -, se eu não existe e você não tivesse se apaixonado por mim, não precisaríamos ter fugido de dois loucos assassinos - ele riu.

Mas eu não vi graça.

Me mexi um pouco mais pra longe dele - mesmo sendo quase impossível, levando em consideração o fato de que estávamos os dois deitados no sofá depois de termos visto o filme da Bela e a Fera - e ele notou que eu não estava nem um pouco confortável com aquilo. Quero dizer, me irritava ouvir ele falar o tempo inteiro que a culpa era totalmente dele, mesmo que estivesse brincando, tinha um fundo de verdade.

- Vamos esquecer isso, ta certo? - ele se aproximou de mim e me deu um beijo na bochecha, me deixando toda arrepiada.

- Uhum - murmurei ainda com medo do que ele pudesse fazer em relação a isso.

Neji me disse que pensava em se mudar, com a família toda, pra bem longe de mim. Quase tive um ataque quando ele mencionou aquilo, eu não conseguia me imaginar vivendo sem ele. Passamos horas e horas discutindo o que era melhor pra nós dois, e ele acabou cedendo. Pra sorte dele, lógico. Porque eu não o deixaria ir, sem mais nem menos.

- Tenho que ir - ele falou depois de dar uma rápida olhada no relógio que estava na parede na nossa frente.

- Aonde você vai? - eu perguntei me sentando e acompanhando seus movimentos enquanto ele se dirigia até a porta.

- Pra casa. Hinata me disse que a partir das três eu já devia estar em casa - ele sorriu torto - E você sabe pra que...

- Não! - gritei me levantando e indo até ele - Não! Eu não vou!

- Ah, Tenten. Nós já conversamos sobre isso... E você vai - ele bateu o dedo indicador no meu nariz de leve, me deixando ainda mais nervosa. Ele havia dito que não iríamos!

- Não vou, não. - fiz um biquinho (involuntariamente).

- Você vai, sim.

- Mas, Neji, eu não sei... - ele saiu correndo feito uma bala até o carro antes mesmo que eu pudesse ter terminado de dizer - dançar.

Arg, eu odeio ele.

-

Uma meia hora depois de Neji ter saído, eu resolvi que era hora de eu tomar um banho. Ultimamente aquilo tinah ficado muito complicado por causa do meu braço machucado. Não estava de gesso - ainda bem -, mas mesmo assim eu não estava tendo muita facilidade na hora de passar o xampu, por exemplo.

O jeito era fazer tudo com o outro braço. Quando eu era pequena e eu estava impossibilitada de usar um dos braços por algum motivo, minha mãe me ajudava nessas horas preciosas. Infelizmente ela já havia voltado para Tóquio e eu sabia que devia começar a me virar, mesmo em momentos feito aquele.

Peguei os objetos necessários e entrei no banheiro, estava começando a tentar me despir quando ouvi uma batida forte vinda do meu quarto. Pensei que pudesse ser Neji então corri até lá, talvez ele realmente houvesse me escutado e desistido de vez da ideia de me levar pro maldito baile.

Assim que abri a porta levei um susto muito grande. Não era Neji que estava ali, mas sim a Kin. Aquilo me assustou de verdade, quero dizer, o que ela estava fazendo ali? Colocando algum tipo de veneno? Ou quem sabe enchendo meu guarda-roupa de vermes nojentos? Afinal, o que ela estava fazendo mexendo no meu guarda-roupa?

- Kin? - disse, mesmo sabendo que ela já notara minha presença.

- Você não tem nada melhor, não? - ela olhava para minhas roupas fazendo uma expressão que lembrava nojo - Olha só pra isso! - ela se virou pra mim segurando a minha calça preferida, que também era a mais velha e tinha um rasgo no meio do joelho.

Kin jogou minha calça na cama e voltou a examinar o resto das minhas roupas. Eu olhava aquilo abismada, quem estava dando a ela a permissão de mexer em minhas coisas?

Pensei em afrontá-la, mas sabia que minha relação com ela já não ia muito bem, reiniciar uma briga não iria ajudar, também.

- Kin... - comecei, temendo uma explosão vinda dela - O que você está fazendo? - arqueei uma das sombrancelhas.

- Procurando algo bom para você vestir - ela continuou jogando grande parte das minhas roupas e parou quando achou uma saia minha - O que é isso? - ela se virou para mim de novo.

- Hã... uma saia?

- Não! Não é isso que estou perguntando - ela falou revirando os olhos, como se o que ela estava tentando dizer era o óbvio - Eu quero saber o que isso faz aqui?

- Ah, bem. Eu comprei essa saia - apontei para a peça de roupa que ela segurava e me aproximei um pouco, ainda com um pouco de medo - quando fiz quinze anos. Na verdade, minha mãe me obrigou a comprá-la. Nunca fui muito fã de coisas muito curtas - falei me sentindo começar a ficar vermelha, eu nunca imaginei que iria confessar isso logo pra ela -, mas essa aí meio que me... conquistou - dei um sorrisinho sem graça, só que Kin não sorriu de volta. Em vez disso ela olhou mais uma vez e colocou a saia de lado, dessa vez de forma mais delicada.

- Que seja... - foi só o que ela resondeu - Vamos ver os seus sapatos, hm - ela se abaixou e começou a procurar entre todos os meus All-star's algum que servisse para o que quer que ela quisesse.

- Kin? - voltei a repetir seu nome, e percebi que isso a deixava muito irritada.

- O quê? - ela se levantou e me encarou, com os olhos cerrados.

- Você poderia me explicar o que, exatamente, você está fazendo aqui... mexendo nas minhas coisas?

Kin continou parada ali durante uns segundos, se eu não soubesse do seu segredo, provavelmente eu pensaria que ela era uma boneca de porcelana muito bem feita. A pele mais branca do que neve e os cabelos perfeitamente ondulados lembravam uma barbie.

- É o seguinte - sua voz estava mais ameaçadora do que de costume - Eu não estava nem um pouco a fim de vim até aqui - ela apontou o indicador para o chão e começou a andar até mim - e perder meu tempo procurando alguma porcaria que você - seu indicador agora estava na minha cara - pudesse usar hoje. Eu sei que sou a melhor pessoa para arranjar roupas lindas que sirvam perfeitamente, até mesmo pra você, - ela suspirou pesadamente - porém eu não posso desapontar o Neji. Ele está todo alegrinho com a festa e coisa e tal.

- Olha, - eu ia colocar minha mão no ombro dela, mas antes que eu o fizesse, ela se afastou bruscamente - eu juro que nada disso foi ideia minha. Na verdade, acho que você devia voltar para casa agora mesmo e se arrumar para de noite. - ela fez cara de quem não acreditava em nada - É sério, eu não queria ir para o baile.

E algo inacreditável aconteceu... a Kin começou a gargalhar! Eu até pensei ter visto coisas, mas ela realmente estava gargalhando.

- Baile? - ela disse depois de algum tempo rindo sem parar - Baile?! Ha. Você vai ter uma surpresa e tanto.

- O que quer dizer com...

- Nada de mais - ela se abaixou outra vez e continuou a olhar meus sapatos, acabou desistindo assim como fez com as roupas.

- Eu acho melhor você voltar pra casa - disse depois de ver a cara de decepção dela.

- E eu vou. Porém terei que voltar aqui.

- Mas eu...

- Até mais! - e em um piscar de olhos, Kin desapareceu em uma nuvem de fumaça me deixando ainda mais assustada.

Desde quando eles podem desaparecer desse jeito? Nossa, eu ainda fico louca com os Hyuuga.

Acabei me dando por vencida, aquela tarde estava mais esquisita do que nunca. Fiquei confusa com Kin. Passei um bom tempo achando que iria ao baile com Neji, mas depois daquela risadinha esquisita dela, eu estava em dúvida.

O problema era descobrir o que estava realmente acontecendo. Iríamos ou não para o bendito baile?

Balancei a cabeça - que já estava mais do que confusa naquele momento - e me dirigi ao banheiro outra vez. Aproveitei e peguei logo uma toalha, com todo o medo de acabar dançando em algumas horas na frente de todos, havia esquecido de pegar uma pra mim quando ia tomar banho. Assim que eu estava voltando ao banheiro um vulto apareceu na porta de repente e eu gritei.

- Ei, sou eu! - Hinata falou como se aparecer assim do nada fosse a coisa mais natural do mundo.

Olhei de forma acusadora em sua direção enquanto segurava a mão boa no peito, tentando me acalmar aos poucos.

- Não... faça mais isso - falei com o meu indicador apontando para ela, exatamente como Kin fizera poucos minutos antes comigo, mas de forma menos assustadora, claro. Especialmente porque Hinata começou a rir depois que eu disse aquilo.

- Desculpe-me, Tenten. Não foi minha intenção - ela sorriu de forma tranquila e eu a desculpei, mentalmente - Vim o mais rápido que pude. O trânsito estava insuportável hoje.

- Aonde você estava? - perguntei.

- Em casa, oras.

- Não deveria estar se arrumando para o baile do colégio?

- Hã... acho que sim - Hinata foi até meu quarto e olhou a bagunça em que ele se encontrava, depois se virou para mim com os olhos um pouco arregalados - Não me diga que a Kin apareceu aqui.

- É, - respondi confusa - ela veio do nada, exatamente como você, e começou a mexer nas minhas roupas. Não entendi direito o que ela quis dizer fazendo isso.

- Ela falou para onde foi? - Hinata arrastou algumas blusas de cima da cama para sentar.

- Para casa, acho. Disse que iria voltar - olhei diretamente para Hinata que agora limpava alguma sujeiro que encontrou em uma das unhas - Você sabe de alguma coisa que eu não sei? - perguntei desconfiada.

- Talvez, não. - ela me olhou sorrindo maliciosa - Talvez, sim.

- Hinata... - a repreendi.

Ela suspirou e parou de mexer na unhar, se levantando da cama.

- Ai, Tenten. Eu sei que você odeia esses suspenses, mas confie em mim. Vai ser maravilhoso! - ela segurou as duas mãos juntas e as levou até a face, os olhos estavam virados para cima e ela fazia cara de quem estava apaixonada, piscando os olhos bem rápido. Não me levem a mal, mas aquilo foi muito esquisito - Enfim... - ela parecia ter voltado ao normal - Vá logo tomar o seu banho, que eu tenho umas coisinhas pra fazer aqui.

- Tudo bem - eu falei me sentindo, a cada segundo que passava, mais e mais assustada e nervosa.

- Ah, é mesmo. Você está com o braço machucado - Hinata mordeu o lábio inferior - Desculpe, esqueci deste pequeno detalhe.

- Não tem problema, eu consigo...

- Não, que é isso! Eu te ajudo.

Do nada, me senti como se uma rajada de vento me levasse em uma velocidade estúpida até o banheiro. Olhei para trás e vi Hinata organizando todas as minhas coisas de forma bem organizada. Depois, ela ligou a água da minha banheira e esperou que enchesse quase até o topo. Em seguida usou um dos meus frascos com química específica para a formação da espuma. Aquilo estava estranho, nem mesmo a minha mãe tinha tantos cuidados comigo, especialmente se tratando do banho. Sempre fui uma menina que se preocupou com o meio ambiente, e não queria ser uma das causadoras do aquecimento global.

- Pra que esse trabalho todo, Hinata? É só um banho.

- Digamos que - ela riu um pouco -, você precisa estar bem relaxada para hoje a noite! - Hinata piscou um dos olhos e eu a olhei desconfiada.

- Eu não acho que...

- Levante os braços.

- O quê?

- Levante os braços! - ela repetiu parecendo estar um pouco impaciente.

- Mas eu não posso levantar os dois.

- Espera... - ela tirou a minha tipoia e a jogou em cima da pia - Agora, vamos devagar - ela me ajudou a levantar a blusa devagar, tomando cuidado pra não magoar o braço machucado. Depois de alguns minutos eu já estava dentro da água... que por sinal estava simplesmente M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-A.

- Já volto - Hinata avisou - Se precisar de qualquer coisa, é só chamar.

- A única coisa que fiz depois de me lavar devidamente foi colocar a cabeça para trás e relaxar. Eu precisava muito daquilo! As últimas semanas haviam sido tensas demais, especialmente para mim.

Devo ter caído no sono, pois em alguns momentos aquelas imagens assustadoras invandiram a minha mente. Tudo começou de novo. Desde o momento em que entrei no salão de dança até a hora em que eu desmaiei devido às dores e ao sangue que, a medida que saía, deixava aquele cheiro de metal forte que sempre me deixou tão enjoada. As mesmas imagens se repetiam várias e várias vezes, até que eu levei um susto e senti água entrando em meus pulmões.

Eu havia escorregado na banheira e quando finalmente entrei com todo o rosto, meu nariz inspirou a água junto com a espuma.

O susto fora tão grande que eu comecei a chorar. Não pensem que sou uma criancinha que chora por qualquer coisa, o susto junto com a retrospectiva do meu pesadelo me deixaram extremamente nervosa.

Olhei ao meu redor depois de ouvir um barulho forte e - mesmo com a visão embaçada pela quantidade de água que deixava meus olhos junto com os soluços - notei que Hinata estava ao meu lado, me abraçando forte.

- Calma, calma, vai ficar tudo bem.

- N-não, não v-vai. Eles vão, vão v-voltar - gaguejei.

- Não vão.

Depois, outro barulho nos interrompeu.

- Deve ser a Kin - Hinata disse - Venha, eu vou te ajudar a se enxugar, precisamos nos apressar agora.

- Para quê? - perguntei me sentindo mais calma.

Hinata sorriu de forma suave, aquele segredo que ela e Kin guardavam estava me deixando maluca.

- Você verá!

Assim, ela pegou a minha toalha na pia e me ajudou a sair da banheira. Eu me enrolei na toalha depois de secar os cabelos. Hinata ainda achou melhor que eu colocasse a tipoia, para que não magoasse meu braço quando "eu provasse as roupas". Já falei que nunca gostei de surpresas?

Mesmo fazendo de tudo, Hinata não cedeu aos meus pedidos e não falou mais nada. Quando chegamos no meu quarto, levei mais um susto! (o que parecia ser o milésimo naquele dia, e o pior: eu sentia que estava longe de ser o último) Toda a bangunça que Kin fizera anteriormente no meu quarto havia sumido, dando lugar a algo pior: montanhas e mais montanhas de vestidos. Todos de cores, formas e tamanhos diferentes. Eu me senti um pouco zonza só de olhar para aquilo.

- O que vocês estão fazendo? - eu olhei para Hinata superdesconfiada.

- Ah, Tenten. Relaxa, acredite, estamos fazendo isso para um bem maior.

Ouvi Kin resmungar como se contestasse aquilo que a irmã havia dito. Eu sabia que estava tomando o tempo que ela usaria para se preparar para o baile, mas eu não havia pedido a ajuda de nenhuma das duas!

- Escutem... eu não vou ao baile! Já disse que não sei dançar, e eu repeti isso um milhão de vezes ao Neji, ele não falou à vocês?

- É claro que sim - Kin disse me olhando um pouco furiosa - E é exatamente por culpa dele que estamos aqui...

- Por livre e espontânea vontade, não é, Kin? - Hinata a interrompeu de forma ríspida.

- Tanto faz.

As duas estavam separando os diversos vestidos, formando o que me parecia um lindo arco-íris de tecidos.

- Vamos começar - Hinata falou.

- Começar? - perguntei insegura.

- Sim! - ela se aproximou de mim e perguntou - Qual deles você mais gosta?

- Hm, eu realmente preciso escolher?

- Ai, caramba, escolhe logo! - Kin gritou me fuzilando com os olhos.

- Não seja grossa - Hinata interveio.

- Bem, - eu falei tentando não fazê-las brigarem - eu acho que o verde.

Kin se dirigiu ao vestido que eu apontei, e fez uma careta.

- Boa escolha, Tenten! - Hinata exclamou indo até a outra e examinando o vestido - O que acha? - Perguntou ela à Kin.

- É, pode servir - ela se virou para me olhar - Mas esse vestido foi feito de forma muito especial. Precisamos fazer com que ela se torne especial o suficiente para vestí-lo corretamente.

Ela se aproximou de mim e arrancou a minha toalha.

- Temos muito o que fazer - suspirou.

O resto do tempo foi dedicado à cuidar de mim. Elas secaram o meu cabelo e prenderam duas mexas da frente à trás com uma linda presilha verde em forma de borboleta. Em seguida, Kin começou a cuidar da minha pele usando diversos produtos que guardava em um estojinho. Ela usou tanto pó que eu pensei que fosse morrer asfixiada. Logo depois Hinata veio me ajudar a colocar o vestido, como ele era tomara-que-caia (arg, odeio esse nome) pude passar os braços facilmente, sem precisar tirar a tipoia. Kin ainda tirou de uma bolsa dois sapatos pratas de salto alto. Eu me recusei a usá-lo na mesmo hora. Quer dizer, eu já consigo ser desastrada andando de tênis, imagina se eu andasse em cima de dois pausinhos? No final, as convenci de me deixar usar um dos meus All-Star's, mesmo tendo deixado Hinata um pouco magoada. Eu estava pronta, mas não bem. Eu não queria ir a porcaria de baile nenhum!

- E não vai - Hinata falou depois que contei o que eu estava sentindo no momento.

- Como assim?

- Nossa! Kin, precisamos ir - ela falou olhando o relógio - Tenten, nós voltamos pra te pegar em menos de meia hora, já voltamos.

E assim as duas sumiram pela janela do meu quarto.

-

Estávamos no Porsche amarelo de Hinata. Mas diferente da nossa tarde, Sai e Naruto também se faziam presentes. Os dois, assim como as meninas, estavam simplesmente maravilhosos em seus ternos, com certeza não passariam dispercebido por nenhuma garota, muito menos Kin e Hinata que estavam estonteantes em seus vestidos super-colados. Acabei optando por usar um casaco branco de lã, que era o que eu mais gostava, em cima dos meus ombros. Não me sentia à vontade mostrando tanto assim, mesmo não sendo realmente muito. Eles conversavam animadamente uns com os outros, Kin sorriu, inclusive. Porém não da forma malvada que ela costumava fazer, e sim de um jeito mais doce. Ela ficava muito mais bonita assim! Olhei para a janela e comecei a observar as árvores que... espera! Árvores?

- Hinata? - perguntei.

- Sim?

- Aonde estamos indo, exatamente?

- Ao baile, oras.

- Mas esse não é o caminho para o colégio.

- Eu sei - ela disse enquanto acelerava cada vez mais.

- Olha, eu não aguento mais esse suspense! - exclamei mais alto do que gostaria - Caramba, será que dá pra vocês me falarem logo aonde estão indo?

- Tenten, se acalme - Naruto me pediu e eu realmente me senti mais tranquila, me senti melhor.

- Obrigada - sussurrei, relaxada.

Deitei a cabeça no vidro do carro e fechei os olhos, tentando descansar. Eu estava nervosa, aquela história ficava mais estranha a cada segundo. Pouco tempo depois notei que estávamos parando, abri os olhos e vi Hinata me encarando.

- Chegamos?

- Uhum - ela sorriu - Já pode descer.

Eu comecei a tirar o cinto de segurança e sair do carro como ela havia dito, mas parei quando percebi que só eu estava me mexendo.

- Vocês... não vão?

- Tenten? - Hinata me chamou e eu a encarei.

- Hum?

- Não estamos no colégio - ela mordeu o lábio inferior e sua expressão mudou de calma para culpada - Estamos em casa.

- Em casa? - a olhei espantada.

Saí do carro e foi aí que eu pude ver que estávamos mesmo em frente à mansão Hyuuga. Aquilo estava saindo do normal. A casa estava toda apagada a não ser pelo andar de baixo que mantinha um luz meio alaranjada. Eu não escutava o som de nada, além de alguns animais que deviam estar passando pela floresta ao nosso lado. Quando me virei novamente para questionar Hinata mais uma vez, me deparei com o Porsche indo embora enquanto Naruto gritava:

- Entre! Tem uma surpresa esperando por você! - e o carro largou com tudo, me deixando sozinha na frente da casa.

Sem os farois do carro perto de mim, a escuridão aumentou. Me senti muito desprotegida e com medo. Nada fazia sentido! Onde estava Neji afinal? Não o via desde o começo da tarde. Será que ele foi para o baile sem mim? E dentro da casa um dos monstros, que existiam por aí a fora, estivesse lá dentro me esperando?

Apaguei aquele pensamento da cabeça, aquilo era ridículo. Neji não deixaria que nada me acontecesse. Eu estava completamente paranoica!

Comecei a andar até os primeiros degraus da casa dos Hyuuga quando uma rajada de vento passou por trás de mim e no mesmo instante algo cobriu a minha boca, me permitindo soltar somente alguns ruídos fracos. Tentei me debater, mas aquela coisa era muito mais forte e... quente. Olhei para cima e percebi que a coisa era na verdade...

- Sou eu - Gaara sussurrou.

- Você quase me mata de susto! - dei um tapa de leve no ombro dele com a minha mão boa.

Ele riu, mas parou assim que viu a tipoia.

- O que aconteceu? - perguntou apontando para meu braço.

- Um acidente besta!

- Foi ele, não foi? - seus olhos se estreitaram. Eu não suportava aquela guerra infantil entre ele e Neji.

- Não, Gaara, não foi ele. Eu caí da escada, só isso.

- Vou fingir que acredito - ele andou para o lado e para o outro e eu percebi que ele estava usando roupas formais.

- Aonde vai assim? - sorri.

- Ao seu baile de formatura.

- Como é que é? - perguntei confusa.

- Me encontrei com aquela sua amiga loirinha so supermercado. A gente conversou e ela acabou me convidando.

- Nossa, que bom! Espero que se divirta.

- Não acredito tanto nisso, mas é melhor do que ficar em casa assistindo TV com o meu pai! - ele revirou os olhos.

- Com certeza - eu ri.

- Bom, aproveite sua noite com o maravilhoso Hyuuga - ele ironizou as palavras e apontou com o polegar para a casa.

Então, o Neji estava lá?

- Ahn, claro! E você também.

Ele me abraçou bem forte e depois foi embora, subindo em sua moto que estava escondida atrás de uma das árvores. Gaara deu partida e eu acenei uma última vez, antes de me apressar a entrar, agora já sabendo que Neji estava ali.

Toquei a campainha e esperei até ouvir o barulho da maçaneta girar. Como Gaara disse, Neji estava ali. Ele estava mais lindo do que nunca. Vestia as mesmas roupas que Naruto e Sai estavam vestindo. Será que ele queria que fôssemos ao baile à sós?

- Você está maravilhosamente bela esta noite - ele sorriu torto e me deu um beijo de leve nos lábios.

- Você também não está nada mal - sussurrei com dificuldade.

Nós sorrimos e ele me convidou para entrar. Fiquei totalmente encantando com o que vi: como pude perceber do lado de fora, todos os quartos dos andares de cima estavam com as luzes apagadas, no andar onde nos encontrávamos a luz alaranjada eram na verdade velas, uma enorme quantidade delas espalhadas pela sala. Pétalas de rosas estavam jogadas em vários cantos da casa também. Estava tudo perfeito. Romântico.

- Uau - exclamei - que lindo. Era por isso que a Hinata e a Kin...?

- Sim. Tudo culpa minha - ele me abraçou por trás e beijou o meu pescoço - Eu sabia que você faria um escândalo só de pensar em aparecer no baile. Por isso, resolvi fazer um lugar onde somente nós dois pudéssemos estar.

Sorri de canto a canto. Neji nunca me decepcionava.

- Então... - ele disse ficando na minha frente e estendendo a mão - Me concede essa dança?

Eu me senti ficar vermelha cada vez mais.

- Claro que sim - estendi minha mão boa e ele me conduziu até o meio da sala.

Me preocupei em como iria dançar com ele se um dos meus braços precisava ficar deitado na tipoia. E como se conseguisse, pela primeira vez, ler meus pensamentos, Neji segurou minha mão - que não estava machucada - e a colocou envolta do seu pescoço. Depois me segurou na cintura com as duas mãos. No mesmo instante uma música começou a sair do som que estava encostado na parede, reconheci a música na hora.

- A Bela e a Fera? - perguntei.

- É - ele falou - Achei que era a nossa música.

- E por que acha isso?

- Bem, é praticamente a nossa história. A bela Tenten que se apaixona pela fera Neji.

- Você não é um monstro! Já disse que é a coisa mais linda que já vi...

- Não vamos discutir isso de novo, está bem?

Concordei e olhei para baixo, comecei a seguir os movimentos de Neji, ouvi Sakura dizer uma vez que quando não se sabe dançar algum ritmo ou algum tipo de música, o melhor que se tem a fazer é acompanhar seu parceiro. E foi o que eu fiz... No final das contas não achei tão difícil. A música não era muito rápida. Era tranquilizadora, como uma anestesia. E eu senti tudo desaparecer quando subi meu olhar e encarei os orbes pérolas dele. Estavam diferentes do normal. Estavam... apaixonados, sensíveis, românticos. Eu nunca o tinha visto assim.

- Viu que não é tão difícil, senhorita desastre? - ele falou rindo.

- Senhorita desastre? - fingi estar com raiva.

- Não me provoque - Neji sussurrou me beijando outra vez.

Nunca havíamos passado de um selinho demorado. Estávamos indo com calma, sem pressa. Mas naquele momento nós fomos um pouco mais além aprofundando o beijo, que só deve ter durado três segundos ou menos. Neji me afastou bruscamente, mas sem nos separar muito.

- Precisamos ser cuidadosos. Você sabe disso, não é?

- Uhum.

O abracei bem forte. Como era bom estar com ele. Como ele me deixava mais feliz! Comecei a imaginar como seria o nosso futuro juntos. Eu envelhecendo cada vez mais e Neji com a mesma aparência bela de sempre. Me senti mal, eu não queria morrer. Não queria envelhecer, virar uma quarentona namorando um garoto de dezessete, por mais que ele tivesse mais de cem anos. Foi quando uma ideia surgiu em minha cabeça.

- E se...

- E se o que? - ele perguntou me encarando.

- E se... você me transformasse agora? - sussurrei - Poderíamos passar o resto da eternidade...

- Nunca! - ele havia parado de dançar - Nem pense nisso, Tenten.

- Por que não Neji? - tirei meu braço de seu pescoço e ele as mãos da minha cintura.

- Porque é algo extremamente doloroso... não... não posso. Eu não conseguiria.

- É claro que sim, meu bem. É algo que eu quero.

- É perigoso.

- E por quê?

- Porque eu preciso encontrar sua fonte central de chakra que está exatamente no seu coração. Eu poderia me descontrolar e te matar em vez disso!

- Eu corro o risco! - segurei seu rosto em minhas mãos, prendendo os nossos olhares.

- Eu te amo demais para fazer isso.

- E eu te amo demais para pedir!

- Não!

- Neji, por favor.

- Eu não vou conseguir, Tenten. Já disse. Não iria conseguir viver se acabasse mantando-a por pura imprudência nossa. Seria pior do que covardia!

- Não, não. Eu sei que não faria isso, confio em você.

- Não sabe o que estar dizendo - ele tirou minhas mãos de seu rosto - Nunca me viu descontrolado, sedento por energia na vida. E acrdite, não é algo agradável.

- Eu não me importo. Só quero ficar com você, pra sempre.

- E nós vamos. Vou encontrar um forma de fazer isso...

- Promete?

- Prometo - ele me beijou de novo, selando o nosso acordo.

- Vou ser sua, não importa o que aconteça.

- Eu sei, do mesmo jeito que eu sempre, sempre serei seu.

A música da Bela e a Fera ia diminuindo aos poucos, chegando em suas notas finais, assim como a nossa pequena discussão.

Neji suspirou fundo. Olhou nos meus olhos uma última vez e os fechou, senti um formigamento começando nos meus braços e passando por todo o meu corpo. Olhei para meus pés e vi que meus sapatos pareciam estar mais leves. Eu não sentia mais o chão e descobri que o motivo era porque estávamos voando. E subíamos cada vez mais. Neji havia atendido ao meu pedido. Senti meus pêlos eriçarem e algo luminoso os cobrir.

Em questão de alguns segundos eu e ele estávamos brilhando juntos acima do chão, como estrelas.


Como diria a Warner depois do episódio do Pernalonga: Isso é só, Pessoal :)

Vou ficar com tanta saudade de escrever essa fic. Foi graças a ela que eu comecei a evoluir, tanto no tamanho de cada capítulo quanto no próprio conteúdo mesmo. Espero que tenho gostado do final. Ficou bem diferente de Crepúsculo, mas mesmo assim eu gostei. Fiquei satisfeita com o resultado pelo menos.

Bom, o motivo do meu aviso ali em cima é porque eu quero saber de vocês uma coisa que me perguntaram um milhão de vezes durante essa fic:

Vocês querem que eu continue a história com Lua Nova ou acham que eu já dei o que tinha que dar aqui?

Dependendo da quantidade de pessoas que mandarem reviews pedindo que eu continue, eu vou continuar postando. Caso isso não aconteça, foi bom escrever mesmo assim.

Queria fazer meus agradecimentos especiais a todo mundo que comentou no último capítulo, mas principalmente à Hamii que me deu total apoio desde a minha chegada no FF e que também é minha melhor amiga aqui! Te amo muito, gatona. E também à todas as pessoas que não deixaram de ler nenhum capítulo desde que comentaram pela primeira vez: Babu-chan, Lust Lotu's, Priih . ncesa (que deve ter 'faltado' em alguns caps. mas sempre voltava com reviews enormes que compensavam a falta), Alice Carolina Cullen e a mycah-chan.

Me desculpem se esqueci alguém, mas estou fazendo os agrdecimentos às pressas. Tenho pouco tempo aqui.

É isso, obrigada por tudo. Logo, logo um novo projeto meu NejixTen estará por aí, me adicionem no Author Alert ou fiquem de olho no meu perfil, ok?

Beijos e mais beijos.

Obrigada, Bia :D