Baby Looney Tunes: Nessie POV

N/A: Olá meus amados leitores. Preparados para criancices? xD Bem, estava eu ontem a jantar na cozinha, quando mudei para o canal 2 (aqui em Portugal) e estava a dar os Baby Looney Tunes, posso ser crescida mas a Looney Tunes faz parte da minha infância e eu simplesmente amo o programa. Estava a ver e de repente pensei na Reneesme e no seu espírito criança e pronto, daí resultou esta ideia.

P.S. Jacob aqui, meus amados leitores, não existe! Não gosto dele e acabou! Só os Cullen é que entram.

P.P.S Dieta da Nessie alterada, nada de sangue, fórmula! xD

Espero que gostem da leitura.

Catii 'aSofii 'a.

Tinha adormecido nas casas dos meus avós, e como esperava lá acordei, dentro da cama do quarto do meu Pai. Levantei-me e esfreguei os olhos bocejando e quando dei por isso, já tinha o meu Pai na porta a olhar para mim com um sorriso. Sorri-lhe de volta e estendi-lhe os braços para que ele me pegasse ao colo, e foi o que ele fez.

- Bom Dia Princesa, dormiste bem?

- Claro! – disse abraçando-me ao seu pescoço.

Toquei-lhe na bochecha com o meu dedo e mostrei-lhe a imagem da Mamã a deitar-me ontem e a contar-me uma história.

- A Mamã foi caçar com a tia Rosalie e a tia Alice, ela está cá daqui a duas horas! Tens fome?

Anuí com a cabeça e ele levou-me para a cozinha onde a minha avó já tinha o meu biberão de leite pronto. Peguei nele e comecei a beber enquanto a minha cabeça repousava no ombro do meu Pai. O meu tio Jasper entrou na cozinha e sorriu-me, eu rapidamente larguei o biberão vazio e balancei para o colo dele, e sendo uma criança meio-vampiro e meio-humana, tinha uma certa força. A suficiente para levar o meu Pai ao desequilíbrio. O meu tio Jasper riu-se e pegou em mim ao colo elevando-me no ar, enquanto eu pousei os meus joelhos no peito dele.

- Estás mais alta Nessie. Nem parece que tens dois anos. – disse Jasper sorrindo.

- Pois não, a Mamã disse que eu estava tão grande como uma menina de cinco anos! – disse-lhe mostrando cinco dedos para evidenciar a minha teoria.

- Tens de parar de crescer, ou então qualquer dia estás mais alta do que a tia Alice e depois é o fim do mundo! – riu-se Jasper mas de repente ficou sério, muito sério. – Eu nunca disse isto!

A casa rompeu em gargalhadas. Claro que o meu tio Emmett riu mais alto que todos nós, e estava na sala a ver televisão. Mas agora eu tinha acordado, e a televisão era minha. O meu Pai começou a rir-se baixinho enquanto olhava entre mim e o corredor que me levava á sala. Saltei do colo do meu tio Jasper e corri para a sala, saltando para cima do meu tio Emmett, que se encontrava deitado no sofá, encolheu-se mal eu pulei na barriga dele. Encolheu-se.

- Wow Nessie, tem mais cuidado. Não queremos o material do tio Emmett afectado!

Huh?!

- EMMETT! – gritaram da cozinha Esme e o meu Pai.

- Oh relaxem ela nem faz ideia do que é que eu falo! Sinceramente Edward devias começar a falar com ela sobre esses assuntos, afinal, ela é muito inteligente. Ainda acaba por te apanhar a ti e á Bella…

Não dei conta do que se passou a seguir, só apenas vi que a minha avó me segurava com um riso para mim, mas um olhar mortífero para o que estava atrás de mim. Senti uma grande confusão no jardim e torci-me para ver o que estava a acontecer, mas só vi o meu Pai senado no sofá com uma expressão má!

- Não te preocupes Princesa! – ele disse rapidamente ao meu lado pegando-me ao colo.

- O tio Emmett?

- Foi falar com os patos! – ele respondeu e eu comecei a rir-me com força. – Ele cá vem! Tens o plasma só para ti!

- BOA! – gritei.

Ele arreganhou os dentes e sentou-me em cima de uma manta no chão onde estavam os meus brinquedos, da noite anterior. Deitei-me de barriga para baixo enquanto no comando marquei o canal 41, para o BabyTv. Estava a dar os Baby Looney Tunes. Eu sou louca pelos Looney Tunes e era uma maratona que iria durar até ao meio dia. Ainda tinha duas horas pela frente.

Por fim a maratona acabou e encontrei-me bastante viciada nos Baby Tunes. Mas também me sentia muito observada! Olhei para trás e vi o meu Pai a olhar-me de sobrolho levantado, o meu tio Jasper sentado de pernas á chinesa no sofá olhando-me de olhos arregalados e a minha avó a arranjar umas flores mas a olhar para mim abismada.

- O que foi? – perguntei.

- Estás… - começou a minha avó.

-…á duas horas… - continuou o meu tio.

-…calada! – finalizou o meu Pai.

- Bom, era um programa muito interessante. – defendi-me cruzando os meus braços.

- Oh claro, nada como bebés de fraldas, com orelhas e asas! – gozou o meu tio Jasper e eu olhei para ele muito chateada, de testa franzida. – Pronto, pronto ferazinha já cá não está quem falou!

- Sabes tio, és tal e qual o Baby Sylvester! – disse e ele olhou para mim confuso.

- Perdi-me no teu raciocínio!

Ainda dizem todos que ele é o mais inteligente da casa!

O meu Pai perdeu-se a rir em cima do sofá. A porta da casa foi aberta e entrou a minha Mamã.

- MAMÃ!

Levantei-me a correr para ela e ela içou-me nos braços rindo e abraçando-me.

- Oh fofinha, que saudades!

- Exagero Bella. – disse o meu Pai ao pé de nós e parece que a minha Mãe se iluminou, o meu Pai olhou para mim e piscou o olho.

- Olha a minha sobrinha favorita! – disse a minha tia Alice retirando-me dos braços da minha Mãe começando a dançar comigo na sala.

- Sabes tia, és igual ao Baby Tweety!

Ela parou e olhou para mim, de cabeça de lado e de testa franzida.

- Quem?

- Olá bebé! – disse a minha tia Rosalie pegando em mim. – Sentiste saudades nossas?

- Muitas tia Rose. Sabes és mesmo parecida com a Baby Melissa.

- É gira? – ela inquiriu rindo.

- Muito. – respondi. – Mas mais gira é a Baby Lola.

- E quem é a Baby Lola? – ela perguntou.

- A Mamã! – disse apontando para a minha Mãe que me olhou confusa mas com um sorriso.

- Edward, do que é que ela está a falar? – perguntou a minha Mãe e o meu Pai encolheu os ombros. – Huh…certo! Aonde está o Emmett?

Naquele momento o tio Emmett abriu a porta. Estava todo molhado e coberto de algas, trazia uma expressão amuada.

- Emmett! – guinchou a minha tia passando-me para o meu Pai que calmamente me beijou a face e aconchegou no colo. – O que raio se passou?

- Bem o Edward atirou-me para o rio! – ele queixou-se.

- O que se passou? – perguntou a Mamã.

O meu Pai baixou-se para o ouvido dela e contou-lhe rapidamente o que se tinha passado. De repente vi a minha Mamã a ficar muito raivosa e os olhos dourados dela adquiriram um tom negro de raiva.

- EMMETT CULLEN!

Ela atirou-se para cima dele e ambos rolaram no chão. Fixe, o tio Emmett a ser derrotado pela Mamã, uma cena que não se vê muitas vezes e que sempre nos diverte.

- Podes crer. – o meu Pai murmurou rindo.

- Ouve lá, quantas vezes te avisei, cuidado com a linguagem na frente da Reneesme e tu não tens nada de falar da minha intimidade com o Edward. Posso muito bem arrancar os teus membros sem piedade meu grande pateta! E Rosalie nem te metas, o teu marido não sabe quando se calar em frente de uma criança.

- Oh Bella, se é por essas questões faz o que quiseres com ele! – disse Rosalie com um olhar maldoso nos olhos, bem aquele olhar era parte da personalidade dela, por aquilo que posso constatar ao longos dos meus curtos dois anos de vida.

- Vá, vocês os dois, Bella por muito que eu amasse ver-te a desfazeres o Emmett, digamos que não é ético fazê-lo em frente da nossa filha, cuja inocência ainda está intacta, mas com muito esforço. Por isso larga-o. Parece que teve um mês nas florestas pantanosas da Amazónia. – zombou o meu Pai.

- Bom, tu és mesmo o Baby Bugs. – afirmei eu ele olhou-me confuso e eu depois apontei para o tio Emmett que se levantava. – E o tio Emmett é mesmo o Baby Daffy.

- Obrigado. – disse o meu tio. – Oh espera, quem é esse?

- Afinal Reneesme… - começou o tio Jasper retirando-me do colo do meu Pai, que eu apreciava, para me pousar no chão, na manta onde anteriormente tinha estado, e o resto da familia se sentou nos sofás á minha volta, menos o avô que estava a trabalhar. - …quem são esses baby's que tanto falas?

- São os Baby Looney Tunes. – disse encolhendo os ombros.

- E porque é que são parecidos connosco querida? – perguntou a tia Alice.

- Achei giro comparar-vos a eles. Afinal, eles também vivem todos juntos!

- E eu sou o Baby Tweety porquê? – voltou a perguntar.

- Porque o Tweety também é extremamente doce e meigo, e parece ser muito inocente, quando na verdade consegue engendrar muitos planos complicados e maldosos. E comparei o tio Jasper ao Sylvester porque o Sylvester está sempre a ver quando consegue por as patas em cima do Tweety. – expliquei.

A tia Alice riu na primeira parte e ficou muito contente, mas na segunda, tanto ela como o tio Jasper, pareciam os dois procurar um buraco para se esconderem.

- A tia Rosalie é como a Baby Melissa, porque a Baby Melissa é loira e muito vaidosa, também é gentil mas ás vezes é mazinha para o Daffy Duck, o pato ao qual comparei o tio Emmett, que é muito ignorante e brincalhão! – voltei a explicar.

O tio Emmett ficou um nadinha apreensivo com o fato de ser comparado a um pato, mas hei, eu comparei a tia Alice a um pássaro amarelo e o tio Jasper a gato preto rafeiro. O meu Pai riu com mais força e todos olharam para ele estranhamente enquanto ele fez sinal com a cabeça para mim e eu fiz um ar angelical.

- Para o Papá é o Baby Bugs porque é um grande líder confiante que enfrenta os seus adversários e é muito esperto.

- Típica filha! – disse Esme carinhosamente.

- E a Mamã é a Baby Lola porque é inteligente e anda sempre com o Baby Bugs. O Baby Bugs é apaixonado por ela e a Baby Lola vice-versa. – disse finalizando a teoria.

- E tudo isto veio de um programa de televisão infantil. – disse a Mamã rindo para mim pegando-me ao colo. – Bom, e a avó?

- É a Lola Bunny crescida e o avô o Bugs Bunny crescido. – expliquei.

Comecei a ficar com fome.

- Okay Princesa, hora de almoço! – disse o meu Pai levantando-me do colo da minha Mamã.

-

Ao final do dia, depois de ter sido vestida pela tia Alice, e depois de todos termos assistido aos DVD's dos Baby Looney Tunes que a tia Rosalie foi comprar para mim e comprovar as minhas teorias, sentia-me verdadeiramente exausta e já dormitava no colo do Papá enquanto ele falava com a minha Mamã.

[N/A: Como a Nessie está exausta, só ouve vozes, não as distingue, por isso, vou por atrás quem é que diz o quê!]

(Edward) - Bella ela está exausta!

(Bella) - Então é melhor irmos andando para casa.

(Edward) - Sim, a Alice foi mesmo fazer aquilo lá em casa?

(Bella) - Sabes como ela é, quando tem um objectivo não o muda.

(Edward) - Mas assim só podemos ir quando ela acabar. Não queremos arruinar a surpresa.

(Alice) - Vocês podem ir, já acabamos a re-decoração.

(Bella) - A sério? Tão rápido?

(Carlisle) - Bom, afinal éramos seis a fazer aquilo. Ficou pronto num instante. Esperemos que ela goste.

(Edward) - Ela vai adorar, tenho a certeza!

(Esme) - Agora vão, ela está totalmente cansada.

(Emmett) - Bom sinal para vocês, podem divertir-se durante a noite!

(Todos) - Emmett!

(Emmett) - Credo, a miúda está a dormir, nem me ouve!

(Bella) - Bom, até amanhã.

(Alice) - Espera. Edward, pega, tira fotos da cara dela quando vir.

(Edward) - Mas ela está a dormir.

(Alice) - Acredita. Ela vai acordar mal vir o que a rodeia.

(Bella) - Alice, espero bem que ela durma durante a noite.

(Alice) - Sim, sim Bella. Claro que vai dormir. Não sei antes lhe colocares o filme no DVD que ela agora tem no quarto.

(Edward e Bella) - Oh sinceramente Alice.

(Alice) - Vão, vão!

-

A minha Mãe carregava-me no colo depois de termos abandonado o Volvo na entrada. Dirigíamo-nos para o meu quarto, enquanto eles continuavam a conversar.

(Bella) – Ela exagerou. Ela como sempre exagerou!

(Edward) – Calma Bella, ainda nem viste o quarto.

(Bella) – É a Alice, Edward.

(Edward) – Dá-lhe um desconto. É a única sobrinha quem têm e iram ter, não é?

(Bella) – Pronto, pronto.

Ouvi a porta do meu quarto a ranger ao ser aberta com cuidado e depois as luzes foram acesas, quase ofuscando-me, mas quando eu abri os olhos para pedir uma coisa que me esqueci quando poisei os olhos no meu quarto, antes decorado em tons de rosa. O quarto estava agora em tons de branco pérola. A minha cama era enorme, cabia lá quase a família inteira. Tinha uma armação de ferro preto [N/A: Não esquecer que a Nessie é muito, muito esperta, afinal não é uma criança comum.] uma colcha amarela clara, com imensos peluches pequenos e médios da Looney Tunes, de todas as personagens. Os tapetes em volta da cama eram peludos brancos. As paredes em amarelo claro, a parede da frente do meu quarto estava repleta de prateleiras com bonecas, peluches e livros que eu gostava que me lessem á noite, assim como estava uma televisão plasma com um DVD cinzento. Ao pé da minha janela tinha um enorme peluche, maior que a tia Alice, era o Bugs Bunny e no canto oposto do mesmo tamanho estava a Lola Bunny. Na beira da janela, estava peluches de tamanho médio, mas ainda mais altos que eu, do Tweety, Sylvester, Melissa e Daffy Duck.

- Wow! – soltei, o sono esquecido.

- Wow mesmo. – repetiu a minha Mãe.

- Reneesme, olha para o tecto! – disse o meu Pai.

No tecto tinha pintado todos os Baby Looney Tunes.

- Uau! – repeti entusiasmada.

Reparei nos DVD's empilhados ao pé da televisão.

- Papá, Mamã, posso ver? Por favor, por favor? Só um!

- Reneesme, são horas de dormir. Amanhã temos de ir visitar o avô Charlie. – disse a minha Mãe.

- Mas isso é só da parte da tarde. Eu posso depois dormir de manhã.

- Isso é ser-se preguiçosa princesa. – disse o meu Pai.

E eu importada!

- Reneesme. – ele disse levantando o sobrolho.

- Por favor!

Esbugalhei os olhos e fiz biquinho com a minha boca. Juntei as minhas mãos e como conseguia fazer sempre, coloquei os meus olhos castanhos a brilhar. Os meus Pais trocaram olhares derrotados.

- Está bem. Só um e de pequena duração. E enquanto vês bebes o leite. – disse o meu Pai admitindo derrota.

- Essa tua característica herdada ainda vai dar comigo em maluca. E a culpa é tua Edward.

- Minha?

- Oh tira esse ar angelical. Tal pai tal filha. – resmungou a minha Mamã enquanto me colocava em cima da cama e ia ao armário tirar o meu pijama.

O meu Pai piscou-me o olho e saiu do quarto.

- Vá fofinha, hora do banho.

Depois de banho tomado, de pijama vestido e de ter sido aconchegada na minha nova cama, o meu Papá entregou-me o leite enquanto a minha Mamã ligava o plasma e o DVD. Eles deitaram-se do meu lado a ver o programa e de vez em quando também se riam enquanto eu sentia o sono a pesar-me nos olhos e quando dei por mim já estava a sonhar.

-

Estava muito bem, na casa da Avózinha a brincar com a Baby Lola e o Baby Bugs quando foi arrancada do meu sonho por algo a partir no quarto ao meu lado. Sentei-me rapidamente na cama e preparava-me para me levantar…

- Não saias do teu quarto Reneesme.

A voz autoritária do meu Papá fez-me permanecer quieta e desconfiada.

- O Emmett vai fazer a nossa vida num inferno amanhã! – lamentou-se a Mamã.

Huh?!

N/A: O botão verde é o vosso melhor amigo! .D