Entre pais e filhos

Soul Eater não me pertence.
Essa fanfic não foi betada [ Revisada e erros ortográficos corrigidos ].
História: Rei Shinigami e Death the Kid.

Meu pequeno perfeccionista.

Dizem que bons textos não devem ser iniciados com uma negativa, assim como dizem também que qualquer um pode escrever bons textos se tiver realmente vontade. Mas seria mentira dizer algo assim se um texto se baseia completamente no talento da pessoa e não no esforço que ela emprega quando começa a escrever. Vendo por esse ângulo, ele nunca havia escrito textos ruins mas seu talento era reconhecido desde o início e por isso possuia o título de gênio.

Então como devemos iniciar uma história no ponto de vista dos talentosos? Simples, com algo que agrade o olhar de todos, com a única letra que pode despertar interesse e harmonia nas letras que vierem em seguida. Iniciar tudo com a letra: O.

O rei Shinigami certa vez disse "Kid, você é mesmo uma gracinha" e tudo o que o Kid pode fazer foi desviar o olhar para o lado, constrangido pelo elogio tão infantil que acabava de receber. Não tinha o habito de repreender o próprio pai e muito menos rejeitar qualquer elogio que ele fizesse, pois mesmo que procurasse negar, gostava de ouvir os modestos elogios que vinham dele.

Talvez seja trabalho de todos os pais elogiarem seus filhos, cuidarem para que eles fossem felizes e aceitar que nem sempre os filhos iram retribuir as constantes tentativas dos pais de aproximação. Mas ter filhos é aceitar criar um ser vivo sem esperar nada em troca, algumas vezes, recendo o mais puro e terrível sentimento dos mesmos e sem poder pensar em força-los a anular isso.

Mas Kid era diferente dos outros, ele era um gênio, ele era perfeito. Portanto, ele sempre esteve disposto a retribuir o seu pai por tudo o que ele havia lhe concedido, concluindo as missões apresentadas, ajudando-o com seus problemas e aceitando as restrições impostas. Mas isso seria mesmo o suficiente para mostrar ao seu pai o que ele pensava sobre o mesmo? O que sentia? O desejo de lhe retribuir por tudo que recebia?

- Kid, meu pequeno.. - Chamou aquela voz expansiva do rei Shinigami ao presenciar a entrada do seu filho no recinto. Mais uma vez o Kid retornava de uma de suas missões, após ter passado três semanas fora. Mesmo que o rei Shinigami pudesse observa-lo pelo seu espelho, era inegavel a aproximação que possuia do filho e como sentia-se desolado ao ser deixado para trás e não poder se comunicar com ele com a mesma frequência de quando Kid estava presente.

- Estou de volta.. - Falou Kid, levando os seus olhos dourados pela sala e em seguite fitando o espelho atrás de seu pai, notando que ele estava observando mais uma das missões de seus pupilos. Seus dedos massagearam de leve suas temporas, sua última missão havia sido um pouco mais cansativa do que o habitual, mas como sempre, havia concluido-a sem se ferir.

- Eu senti tanto a sua falta, você está uma gracinha como sempre.. - Falou o rei shinigami com aquele tom amigavel, aproximando-se de Kid para observa-lo de cima abaixo, procurando qualquer diferença nele que não houvesse notado nos quinze segundos antes quando o observava chegar na sala através do espelho.

- Uhm.. é.. - O rosto de Kid adquiriu um leve rubror, seu olhar voltou-se para o chão, demonstrando-se pensativo e suas mãos deslizaram para dentro dos bolsos de suas calças. - No mundo humano.. Bem.. está tendo uma festa.. E.. não é bem uma festa, é uma comemoração.. E eu.. - Sua timidez era visivel, não que não estivesse habituado a falar com seu pai, pelo contrário, e muito menos a ter gestos como aqueles, mas sempre que o fazia não podia evitar de ficar constrangido.

- Festa? Você está interessado em ir? - Perguntou, pousando sua mão em cima da cabeça de Kid, acariciando-a de leve e bagunçando um pouco os seus fios de cabelo. - Ah, suas listrinhas estão tortas.. - Disse sem pensar, notando que havia acabado de bagunça-las.

- O.. o que..?! - Kid parecia um pouco chocado com o comentário do pai, levantando o olhar para ele, um tanto surpreso, em seguida correndo em direção ao espelho e visualizando o seu próprio reflexo. - Isso.. isso é.. Inaceitavel!! - Falou, tentando amassar o seu cabelo com a mão e esfregando aquelas listrinhas, tentando retira-las de qualquer modo.

Como sua perfeição podia ser destruida com aquele cabelo? Tudo que poderia ser mantido em perfeito estado graças a sua contante dedicação em manter seus cabelos sempre arrumados e em um corte que não se abalasse devido a mudanças climaticas como uma leve brisa poderia ser arruinado pela cor natural de seu cabelo? Por que justo ele, a única pessoa que conhecia com tamanha beleza havia sido amaldiçoado com um cabelo assim? Isso era inaceitavel!!!

- Minha simetria perfeita... O que devo fazer?! - Perguntava-se, encolhendo-se próximo ao espelho, abraçando seus joelhos e entrando na mais profunda depressão. Era sempre assim, qualquer coisa que ameaçasse o seu senso estetico havia de ser eliminada, mas como eliminar algo que já fazia parte dele?

- Ohh, Kid.. Não se preocupe.. - Falou com a voz suave, tentando tranquilizar o filho, aproximando-se dele e ajeitando superficialmente os fios do cabelo do mesmo. - Você vai sempre ser o meu filho mais bonitinho..

- Eu sou o seu único filho.. - A voz de Kid saiu emburrada, seu olhar foi desviado para o lado, demonstrando sua profunda irritação em relação ao seu progenitor, responsável por faze-lo ter aquelas malditas listrinhas.

- Tem razão.. No primeiro filho já encontrei alguém tão fofinho quanto você.. - Riu, sentia-se tão orgulhoso do seu pequeno Death the Kid, nunca imaginaria quando jovem que conseguiria ver um ser com tantas qualidades que ele pudesse amar. - Em vez de continuar desanimado, por que não vai para festa? - Recordou, tentando reestabelecer o bom humor do filho.

- Ah, isso.. - Falou Kid, retirando um pequeno chaveiro de dentro do bolso. Era um item relativamente simples, uma estrela de seis pontas feita em uma belissima chapa de vidro fosco de cor lilás. - Não é maravilhoso? - Comentou, adquirindo seu animo e mostrando a estrela de vários ângulos. - Não importa o quanto você olhe, sempre será perfeita, completamente simetria, não fazendo diferença alguma o angulo de visualização.

- É mesmo muito bonito, Kid.. - Disse o rei, parecendo satisfeito por ver o filho tão excitado por algo tão pequeno.

- Sim!! Eu sei!! - Seu sorriso mostrava-se maior que o normal, em seguida estendeu o chaveiro para que o rei Shinigami o pegasse, e assim o fez, observando-o com maior atenção. - É para você.. - Falou voltando a recuperar o rubror na face.

- Para mim..? - O rei Shinigami parecia um pouco impressionado com o gesto, admirando assim o chaveiro novamente e pensando-o que talvez ele fosse mais belo do que aparentava.

- No mundo humano está havendo uma comemoração chamada "Dia dos pais" e achei melhor dar alguma coisa a você.. - A voz de Kid soou baixa apesar da tentativa dele de fingir desinteresse, em seguida pois-se a caminhar em direção da porta. - Eu achei.. que você fosse gostar.. - Falou pensativo, em seguida retirando-se do local antes que seu pai notasse qualquer sinal de constragimento causado por tal gesto.

Seu pai apenas sorriu, vendo o pequeno chaveiro em suas mãos, tendo sido escolhido com tamanho cuidado pelo seu tímido perfeccionista. Realmente, seu pequeno Death the Kid era mesmo uma gracinha.