N/A: Capítulo dedicado à Laisa, leitora fofa que me atura com muita paciência no Twitter.

Links das músicas em negrito encontram-se no rodapé desse capítulo.

É o último, gente. Obrigada por todo o carinho que vocês dedicaram a mim e a essa fic. Espero contar com vocês na segunda parte dessa história.

;)


Capítulo 24 – O Inferno

#

BPOV

Duas semanas, exatos 14 dias, 336 horas, 20.160 minutos... Já tinha dado para perceber que eu estava contando cada minuto para meu casamento com Edward.

E ali estava eu, sendo mimada por Alice e Esme enquanto Rosalie tinha ficado encarregada de buscar meu vestido em Port Angeles. É isso mesmo, Rosalie. A irmã psicótica de Edward parecia ter dado uma trégua na sua cisma comigo.

Tá certo que ela não tinha trocado nada mais do que duas ou três palavras, mas já tínhamos evoluído bastante. Ela agora já era capaz de me dar um bom dia ao invés de me ignorar pura e simplesmente. Não que aquilo me afetasse, mas para Edward aquele era o melhor presente de casamento que ele poderia ganhar.

"Bella, quer parar de se remexer nessa cadeira? Eu tô tentando desembaraçar esse ninho que você chama de cabelo."Alice resmungou me dando um tapinha nos ombros.

Olhei para ela através do espelho à nossa frente e fiz uma careta enquanto ela aplicava uma verdadeira tortura em minha cabeça. Escova de cabelos idiota!

"E você quer parar de me castigar com essa escova que mais parece uma arma mortal? Alice, eu vou casar daqui a quatro horas, por favor, não me deixe careca!" pedi em desespero e acabei arrancando uma gargalhada de Esme, que estava terminando de arrumar minhas malas.

No dia seguinte, Edward e eu teríamos que estar em Harvard para a semana de matrículas em nossos respectivos cursos. A lua-de-mel seria adiada até as férias de verão, mas eu não estava me importando muito com isso. O que interessava mesmo era que moraríamos sozinhos em outro estado e só de pensar nisso já sentia meu corpo inteiro reagir em expectativa. Eu realmente estava com medo de entrar em combustão a qualquer momento.

Minha alegria e excitação só eram cortadas devido a um pequeno fato em questão: não estava gostando nada daquela movimentação toda no meu quarto. Sério, poderia muito bem ter me virado sozinha na minha preparação para o casamento.

Mas como Alice tinha ficado de organizar todos os preparativos da cerimônia, ela achou também que teria que cuidar da noiva. E eu tive algum tipo de escolha com exceção daquela que deveria balançar a cabeça e aceitar tudo sem pestanejar?

Alice estava animadíssima com meu casamento com Edward. Ela tinha organizado uma mega festa e convidado Forks inteira. E quando eu digo Forks inteira isso não era uma simples hipérbole. Estava mais para eufemismo, já que estávamos falando de Alice eu-adoro-festas-cheias-de-gente Cullen.

Minha amiga estava usando um lindo vestido azul que tinha sido escolhido para ser o modelo usado pelas damas de honra. Além de minha dama, Alice também seria minha madrinha de casamento, ao lado de meu pai, Charlie. Carlisle e Esme tinham sido os escolhidos para serem os padrinhos de Edward.

E por falar nele, fazia mais de 24 horas que eu não via meu, er... futuro marido. Era fato: eu ainda não tinha me acostumado com aquela nova denominação aplicada a Edward.

Ele deveria estar bem mais aliviado do que eu, já que não tinha duas insanas grudadas no seu pé para onde quer que fosse.

A noite anterior tinha sido a minha despedida de solteira, assim como a de Edward. Alice organizara um jantar em minha casa para algumas poucas meninas do colégio, já que eu não tinha muitas amigas. A festinha foi animada, com direito a striptease de um modelo contratado especialmente para a ocasião. Mais uma obra-prima de Alice.

"Tia Esme, o que acha de prendermos os cabelos de Bella em uma traça solta com alguns fios escapando? Acho que combinaria com o vestido de noiva." Alice comentou me tirando do devaneio.

Esme se aproximou de mim enquanto Alice mostrava como queria fazer o penteado. Eu revirava os olhos toda vez que era ignorada quando tentava dar minha opinião.

Oie, eu sou a noiva, será que tenho algum direito de dar palpite por aqui? Não, eu não tinha. Minha função ali era simples: manter a boca fechada e aceitar tudo sem nem ao menos pensar em retrucar. Eu não sabia o quanto noivas sofriam até aquele dia.

Finalmente, após alguns minutos de discussão sobre qual seria o penteado ideal para mim, Alice e Esme entraram em um consenso.

Nada de tranças. Cabelos soltos com cachos seria perfeito para valorizar meu rosto, que estava impecavelmente maquiado.

Assim que Alice terminou de me arrumar, seu telefone tocou. Esme aproveitou a pausa e decidiu me mostrar o que havia colocado em minhas centenas de malas. Quanto exagero, meu Deus!

Primeiro de tudo, para quê tantas camisolas e lingeries? Do jeito que Edward era, seria bem capaz de eu passar o dia inteiro nua andando pela casa. Corei com o pensamento e nem ousei externá-lo, a tia de meu noivo não precisava compartilhar de detalhes tão íntimos.

"Houve um problema com o vestido. Alguém o pegou antes de Rosalie." Alice murmurou e eu senti meu rosto empalidecer.

O que estava acontecendo? Do que ela estava falando? Como alguém poderia ter roubado o meu vestido de noiva? Com que propósito?

"Como isso aconteceu, Alice?" Esme perguntou e observou a forma como Alice tentava acalmar Rosalie, que estava desesperada do outro da linha.

Dava para ouvir os gritos da irmã mais velha de Edward através do telefone.

"Ela não sabe, tia. Alguém, há mais ou menos uma hora atrás, foi até o ateliê e usou uma identidade falsa se fazendo passar por Rosalie e levou o vestido." Alice sibilou andando de um lado para o outro agitada.

"Edward, Alice. Edward vai me matar!" a voz de Rosalie chegava aos meus ouvidos, histérica de pânico.

"Calma, Rose, não se preocupe, a culpa não foi sua. Fique aí! Eu vou até Port Angeles agora. Nós vamos dar um jeito." Alice tranquilizou a irmã. Ou pelo menos tentou, já que Rosalie parecia ter entrado em uma crise de choro.

Mais alguns segundos de discussão sobre o roubo do vestido e Alice desligou o telefone, rapidamente se voltando em minha direção.

"Bella, eu vou dar um jeito, tudo bem? Você não precisa se preocupar com isso." ela garantiu me segurando pelos ombros. Eu apenas meneei a cabeça em concordância, sem nem ao menos entender o que realmente estava se passando. Acho que estava em choque com a história toda.

Meu vestido tinha sido roubado? A troco de quê?

"Vou até Port Angeles ver se encontro alguma loja de noivas, talvez possa comprar um vestido-" as palavras de Alice soavam longe, como se ela estivesse a quilômetros de distância de mim.

Meu vestido, o modelo lindamente desenhado por minha melhor amiga, feito especialmente para mim, tinha sumido. Aquilo não era um bom presságio.

Tentei afastar aquelas superstições bobas da minha mente, mas a verdade é que eu não estava gostando nada daquela história. Faltava pouco mais de três horas e meia para o casamento. Será que Alice poderia resolver tudo a tempo?

Eu não poderia deixar Edward esperando no altar mais do que o tempo permitido para uma noiva se atrasar. Céus, por que tudo isso está acontecendo? Por que eu?!

"Tia Esme, cuide da Bella. Eu volto o mais rápido que puder." Alice pegou sua bolsa e saiu correndo do quarto, no exato momento em que a campainha soou no andar de baixo.

Esme e eu voamos escada abaixo bem a tempo de ver Alice receber um pacote enorme de um entregador. Ela me encarou tensa e estendeu a grande caixa pra mim. Degluti de ansiedade e senti as palmas das mãos molhadas de suor nervoso.

"Está endereçado a você, Bella. Vai ver que é algum presente de casamento atrasado." meu coração deu um salto dentro do peito e aquilo foi o sinal que dizia que definitivamente aquele pacote não era um presente de casamento.

Abri a caixa com agilidade e quase levei um tombo de susto ao ver meu lindo vestido completamente rasgado, reduzido a um monte de nada. Senti as lágrimas brotarem em meus olhos e passei as costas das mãos pelo rosto, fazendo um muxoxo de desagrado.

"Meu Deus, quem foi capaz de fazer tamanha crueldade?" Esme murmurou chocada e envolveu meus ombros em um abraço terno; meu corpo tremeu de ódio e tristeza.

Tudo que eu mais sonhava era casar tranquilamente com o homem que amava. Mas pelo visto havia alguém naquela maldita cidade que não queria aquilo. E estava disposto a estragar minha felicidade.

"Bella, me dá isso aqui, não fique assim-" Alice tentou retirar a caixa das minhas mãos, mas eu a impedi, olhando-a com ódio.

Estava cansada de sofrer, por um minuto eu tinha sonhado que o dia do meu casamento seria perfeito, que não haveria problema nenhum. Entretanto, ali estava eu com um monte de retalhos do que um dia tinha sido o meu vestido de noiva, cega de ira.

"Me deixa, Alice, eu preciso descobrir quem fez isso!" sibilei revirando a caixa com os pedaços de pano atrás de alguma coisa que me levasse à pessoa que destruira meu vestido.

Não precisei procurar muito, a criatura dos infernos queria ser descoberta. Não havia motivos para ela agir no anonimato, tudo que mais queria era ser vista. Tinha deixado até um bilhete que continha suas iniciais.

Não precisava ser um gênio para desvendar a charada. O J e o S escritos no papel amassado já diziam tudo.

"Jessica Stanley." o nome saiu da minha boca com uma raiva que me fez estremecer.

"Não acredito que essa garota foi capaz de fazer isso!" Alice murmurou indignada.

Joguei a caixa no chão com força e saí correndo pela sala à procura das chaves da minha picape. Tinha uns assuntinhos pendentes à tratar com Jessiva vadia Stanley.

"Bella, Bella! O que você vai fazer?" Alice me seguiu ao perceber que já me dirigia para fora da casa.

"Fique longe disso, Alice! Esse problema só diz respeito a mim. E eu vou acabar com isso de uma vez por todas." gritei e imediatamente senti a mandíbula trincada de ódio.

Saí de minha casa em disparada, ignorando o fato de estar vestindo apenas meu velho robe e sandálias de dedo. Não havia tempo para me preocupar com a aparência naquele momento.

"Bella, não faça nada disso, querida!" Esme ainda tentou me impedir, mas eu fechei meus ouvidos para seus pedidos. Nada iria ser capaz de me fazer voltar atrás na decisão de acabar com a raça de Jessica Stanley.

"Só vou fazer justiça, Esme." dei a partida em minha picape e vi o olhar frustado de Alice me seguindo.

Era hora de fazer picadinho de Stanley!

Não demorou muito para eu chegar à casa de Jessica. Assim que estacionei, desci correndo. Meus passos eram largos e minha mente só tinha um propósito: vingança.

Esmurrei a porta da casa com força enquanto sentia a chuva forte acabando com o penteado que Alice tinha feito com tanto cuidado. Jessica vagabunda ia pagar muito caro por isso!

Assim que a vadia loira apareceu na porta, eu soquei seu nariz sem qualquer aviso prévio. Ela tombou para trás com força e eu aproveitei para entrar na casa, pouco me importando se havia alguém além dela por ali. Nem o Papa seria capaz de me impedir de acabar com Jessica.

"Você brincou comigo, Jessica. E eu tinha avisado a você que não livraria sua cara novamente. Bem, aqui estou eu, pronta para te dar o que você sempre mereceu." gritei e senti os olhos brilharem de alegria perversa ao vê-la tentar fugir de mim, usando o sofá da sala como escudo.

Como ela era covarde. E como eu adorava ver seu nariz plastificado sangrando.

"Fica longe de mim, sua maníaca." ela esbravejou e pegou um cinzeiro em cima da mesinha que ficava ao lado do sofá.

"Maníaca, eu? Quer dizer que fui eu que destruí o seu vestido de noiva, não é mesmo? Sou eu que persigo você 24 horas por dia, correndo atrás do seu namorado que nem sequer olha para mim?" rosnei furiosa e tentei socá-la, mas ela apontou o cinzeiro de vidro em minha direção e sorriu de forma maquiavélica.

A garota era mesmo insana, não sabia a dimensão do perigo que estava correndo ao me ameaçar daquele jeito.

"Só fiz o que devia fazer. Francamente Isabella Swan, você acha mesmo que eu iria deixar que você se casasse com o meu Edward? Logo você, a filha bastarda do chefe de polícia que não tem nem onde cair morto. Edward merece coisa muito melhor do que uma garota metida a macho que não sabe nem quem é a própria mãe." suas palavras venenosas só fizeram com que a raiva fosse atiçada dentro de mim.

Sem pensar, eu pulei em cima do sofá e arranquei o cinzeiro das suas mãos, sorrindo para ela.

"Você é uma imbecil, Stanley! Edward só ficou um mês com você e isso já lhe deu o direito de pensar que ficariam juntos para sempre. Olha só para você, que coisa patética! Passou quase um ano da sua miserável vida atrás de um garoto que nem sequer lhe dirige um olhar." desdenhei com ironia e pulei para longe do sofá, sem nunca deixar meus olhos desviarem o rosto irritado da garota loira.

Jessica tentou me arranhar no rosto, mas eu a segurei pelos braços e lhe apliquei uma joelhada certeira no estômago. Rápida e mortal.

Ela caiu no chão se contorcendo de dor e eu me ajoelhei próximo a ela, segurando seu rosto em minhas mãos.

"Você é a garota mais idiota que eu já tive o desprazer de conhecer. Só porque tem dinheiro acha que pode ter tudo. Bom, eis a prova de que dinheiro não é tudo. Você quer Edward, mas ele não quer você, nunca quis e nunca vai querer. E se você pensa que acabou com o meu casamento, está muito enganada. Eu caso com Edward hoje, nem que tenha que casar nua." sorri largamente e aproveitei para enterrar minhas unhas em seu rosto. "Aliás, Edward iria amar se eu entrasse nua na igreja, mas isso não seria nada ortodoxo." ironizei e notei que Jessica se debatia sob mim.

"Sua vagabunda, sua cara nunca me enganou. Esse casamento só podia ser um golpe da barriga." ela esperneou e eu aproveitei para deslizar as mãos por seu pescoço, enforcando-a.

Jessica tossiu alto e eu gargalhei, antes de murmurar:

"Não preciso ir tão baixo para ter o homem que amo aos meus pés. Edward está casando comigo porque me ama, não preciso de filho para prendê-lo ao meu lado. Tenho outros tipos de cartas na manga, se é que você me entende. Ah, mas é claro que você me entende. Você é Jessica Stanley, a garota mais rodada da Forks High School!" de alguma forma ela tinha conseguido se libertar de mim e agora suas mãos estavam puxando meu cabelo com força ao mesmo tempo que eu apertava seu pescoço com a mesma intensidade.

"Larga o meu cabelo, vadia, ou eu juro que mato você enforcada." rosnei gemendo por causa dos puxões insuportáveis que estava levando. Ela estava quase arrancando meus cabelos!

Jessica puxou ar com força e me soltou; dois segundos depois foi a minha vez de libertar seu pescoço calmamente.

A raiva novamente se apossou de mim quando ela retirou um pedaço do meu vestido de dentro do bolso. Ainda estava em cima dela e ela me encarava com um sorriso cínico nos lábios como se a poucos segundos não estivesse quase morrendo enforcada.

Aquela garota só podia mesmo amar desafiar a morte.

"Essa vai ser para sempre a prova da minha vingança contra você, Swan. Você nunca vai se casar vestida com aquele vestido de noiva, que era lindo demais para ser usado por uma ridícula como você." ela murmurou e teve a coragem de sacudir o pedaço de seda bem diante dos meus olhos.

Respirei fundo e contei até três, oscilando entre trucidar Jessica ou apenas matá-la de tanta porrada. O sorriso cínico dançando em seus lábios foi a deixa que eu precisava para acabar com ela.

Sem pensar, saí distribuindo uma série de tapas por todas as direções, já sentindo o choro rasgando meus olhos de maneira intensa. O rosto de Jessica dançava de um lado para o outro e sua cabeça pendia no chão enquanto eu abanava minha mão em sua face, muitas vezes arrancando sangue da sua pele.

Perdi as contas de quantos tapas dei em Jessica, mas em algum momento que eu não percebi, duas mãos muito fortes me puxaram com força de cima dela e logo em seguida senti dois braços aconchegando-me com gentileza. Não demorou muito para que eu sucumbisse em um choro descontrolado.

"Bella, o que foi que você fez, meu amor?" a voz de Edward chegou aos meus ouvidos e eu solucei de encontro ao seu peito.

"A culpa foi dela, Edward... foi dela." suspirei sentindo meus olhos arderem pelas lágrimas.

"Olha só Edward, Bella fez um estrago e tanto. A garota está desacordada." Emmett murmurou e isso fez com que eu me afastasse de Edward e me virasse para ver o estado de Jessica.

Ela ainda estava deitada no chão, seus olhos agora estavam cerrados e suas mãos pendiam ao lado do corpo enquanto um filete de sangue escapava do seu nariz. Meu Deus, eu matei Jessica Stanley!

"Emmett, cuide de Jessica, por favor. Preciso tirar Bella daqui." Edward pediu ao primo e – antes que pudesse me manifestar – me pegou no colo e saiu da casa.

No instante em que estávamos cruzando o jardim dos Stanley, os pais da vaca loira chegaram e nos encararam com surpresa e choque. Imediatamente fiz Edward me colocar no chão e me aproximei deles.

"Realmente sinto muito por causar um inconveniente na casa de vocês, mas eu precisava fazer isso. Sua filha destruiu meu vestido de casamento sem o menor pretexto para fazê-lo. Fez isso por maldade mesmo. E eu vim retribuir o que ela me fez. Ela está desacordada lá na sala de vocês, mas eu garanto que ficará bem. Só acho que quebrei novamente seu nariz perfeito, mas como vocês são podres de rico, vão saber o que fazer." sibilei encarando os dois, que estavam cada vez mais chocados.

"Só mais uma coisa." parei no meio do caminho e inspirei profundamente ao sentir meus olhos arderem novamente por causa do choro. "Se os senhores quiserem me denunciar para a polícia, podem fazer isso. Não fugirei da minha responsabilidade, mas aviso logo que se caso isso aconteça, eu darei queixa sobre o furto cometido pela sua querida filha." falei antes de me afastar dos pais de Jessica, que me encaravam até com certa compreensão.

Pelo visto eles não eram tão insensíveis quanto a imbecil da filha.

"Isabella, perdoe Jessica-" a mãe da vadia pediu.

Eu balancei a cabeça concordando e depois murmurei:

"Eu a perdoo, senhora Stanley. Ela é uma pobre coitada que vive por aí mendigando o amor dos outros. A senhora pode achar que eu estou com raiva da sua filha, mas não é isso. Eu não tenho raiva dela, não agora. Tudo que Jessica me inspira de sentimento é pena, nada mais do que isso. Cuidem da sua filha, senhor e senhora Stanley, ela está precisando de ajuda médica. Não para os seus ferimentos físicos, mas para os seus problemas mentais." despejei e em seguida abracei Edward com força, deixando que ele me conduzisse até minha picape.

"Você está bem?" perguntou passando as mãos pelos meus braços, tentando me confortar.

"Não." sibilei sincera, recomeçando a chorar.

"Está tudo bem agora, você já mostrou a Jessica o que tinha para mostrar. Nós vamos para a sua casa." ele garantiu me abraçando com força e afagou minhas costas com gentileza.

Edward estava tão absurdamente incrível usando uma camisa branca e calças de alfaiataria pretas. Só faltava o terno para completar o visual de noivo perfeito.

E entretanto nós estávamos ali na chuva abraçados enquanto eu sentia meu corpo relaxar por conta do alivio de ter minha raiva finalmente externada.

"E o nosso casamento?" perguntei soluçando em seu peito.

"Continua mais firme do que nunca. Vamos, nós não temos muito tempo." ele murmurou e me beijou a cabeça. Abriu a porta da picape e me forçou a sentar no banco do carona.

"Edward, eu-" tentei explicar meu comportamento, mas ele me interrompeu.

"Não estou julgando você, meu amor. Entendo perfeitamente seus motivos e não estou aqui para dizer se o que você fez foi certo ou errado. Realmente, isso não é hora para discutirmos esse tipo de assunto."

"Eu só queria dizer que a culpa foi-"

"Sem mais uma palavra, Bella. Vou repetir o que disse: não me interessa saber se você é a mocinha ou a vilã disso tudo. Eu confio em você, sei que só fez o que fez porque foi movida por uma raiva incontrolável. Então pare de ficar tentando se desculpar. Esse assunto está encerrado. Agora você precisa se arrumar e pelo visto eu também terei que me arrumar novamente." ele sorriu ao colocar o cinto de segurança em meu corpo e novamente beijou-me a testa.

Passei as mãos pelos cabelos ensopados e roçei os lábios nos seus por breve segundos. Edward pulou no banco do motorista e disparou o máximo que pôde com a picape rumo à minha casa.

"Bella, esse incidente não vai destruir nossos planos. Nós vamos nos casar hoje e nada nem ninguém irá nos impedir disso, ouviu bem?" ele garantiu quando já estavámos na porta de minha casa. Segurou meu rosto entre as mãos e aproximou seus lábios dos meus.

Soltei um longo suspiro e com isso derramei mais algumas lágrimas. Sua boca colou na minha em um beijo suave e eu senti meu corpo fraquejar, desaguando toda a adrenalina contida dentro de mim.

Edward se afastou e sorriu muito tranquilo enquanto envolvia minhas mãos nas suas. Solucei alto, mas senti que o choro já começava a ceder. Ele tinha razão, eu já tinha feito o que tinha que fazer. Agora precisava me concentrar em coisas mais importantes.

E o meu casamento com Edward agora era a coisa mais primordial de minha vida.

[...]

A cerimônia religiosa começaria em pouco mais de meia hora e ali estava eu, sendo novamente arrumada por Alice que agora parecia me tratar com uma calma excessiva. Ela sabia o nível de estresse em que me encontrava.

Rosalie também estava em meu quarto e – por incrível que pareça – estava preocupada comigo. De tempos em tempos ela murmurava um "Posso ajudar em alguma coisa?" ou
"Está tudo bem por aqui?"

Eu sabia que ela não tinha nada a ver com a confusão com Jessica, mas eu ainda a preferia longe de mim. Nunca nos demos bem, não seria agora que começaríamos uma amizade de infância.

"Rose, será que você pode descer e pegar o vestido de Bella? Ela já está pronta." Alice soltou um suspiro e arrumou o penteado que estava trabalhando duro desde que eu voltara da casa de Jessica.

Considerando a situação catastrófica em que estava quando cruzei a sala de minha casa, minha amiga havia operado um verdadeiro milagre em um curto espaço de mais ou menos duas horas. Arranjara um novo vestido para mim, arrumou novamente meus cabelos e maquiagem e tudo isso sem nem ao menos deslinhar um fio de seu cabelo perfeitamente desalinhado.

"Você está linda, querida!" Esme murmurou acariciando minha mão com gentileza; Rosalie correu até a sala em busca de meu vestido de noiva.

"Obrigada, Esme." sorri meio sem jeito. "Alice, eu não tenho nem palavras para agradecer tudo que você fez por mim. Obrigada por tudo. De verdade." sibilei abrindo um largo sorriso em sua direção. Ela mordeu os lábios e fez uma careta engraçada, denunciando que estava prestes a cair no choro.

"Só fiz o que uma amiga faria por outra, Bella. Você sabe o quanto eu amo você e o imbecil do meu irmão. E tudo que eu mais quero no mundo é ver vocês juntos e felizes." ela riu e correu para me abraçar com olhos marejados de emoção.

"Alice-"

"Não ouse chorar, Bella. Deixa que eu choro por nós duas." ela advertiu soluçando em meus ombros; gargalhei alto e acariciei a ponta de seus cabelos, subitamente me sentindo muito mais leve e sem qualquer vestígio de tensão.

Rosalie entrou no quarto trazendo o vestido nas mãos e eu arfei ao contemplar a peça. Era tão lindo quanto o anterior, só que mais curto. O modelo era um tomara que caia todo rendado com uma pequena cauda na parte traseira.

"E então, o que achou do seu segundo vestido de noiva?" Alice perguntou e delicadamente segurou o vestido de modo que eu o observasse de todos os ângulos possíveis.

"É lindo, Alice. E-eu nem sei o que dizer. Lindo demais." murmurei sorrindo para ela mais aliviada que nunca.

"Então não diga mais nada e aja, por favor! Vamos, levante-se e vista-se! Edward pode esperar algum tempo na igreja, mas também não precisa ser uma eternidade." ela brincou me fazendo soltar uma nova série de risadas.

"Rosalie e eu iremos esperar você lá embaixo, Bella. Vou aproveitar para distrair seu pai. Charlie estava muito nervoso com tudo o que aconteceu entre você e Jessica." Esme comentou.

"Obrigada, Esme. Hm...e obrigada também, Rosalie." precisava me acostumar a trocar palavras ao invés de farpas com a irmã mais velha de Edward.

Assim que as duas saíram, Alice me deu um tapa nos ombros e me encarou sorrindo.

"Vamos, noivinha! A hora de você se algemar a Edward está chegando." ela brincou e me ajudou a levantar; apoveitou também para dar os últimos retoques na arrumação de meu visual.

"É isso aí, pulguinha. Chegou a hora de me acorrentar ao seu irmão. E de preferência para sempre." murmurei emocionada e soltei um risinho bobo quando ela me entregou o lindo e delicado vestido de noiva.

Em pouco menos de trinta minutos, eu seria a nova Sra. Cullen.

"E agora com vocês, a noiva!" Alice murmurou antes de descer alguns degraus para me dar passagem.

Assim que encontrei o olhar embevecido de meu pai, sorri em um estado de felicidade que jamais experimentara. Desci as escadas com um cuidado excessivo, temendo uma queda ou qualquer coisa que estragasse minha produção tão caprichada.

Eu era bastante desastrada, logo não podia dar mole em um dia tão importante como aquele.

"Bella, você está linda." Charlie gracejou assim que se aproximou de mim, estendendo a mão para me ajudar a descer.

"O-obrigada, pai." gaguejei emocionada.

"Você está realmente fabulosa, Bella." Esme concordou e eu me voltei para agradecer à minha futura sogra.

"Obrigada, Esme." sorri e encarei Charlie novamente. "Pai, sobre o que aconteceu com Jessica-"

"Assunto encerrado, Bella. Já falei com os pais de Jessica, eles não vão apresentar nenhuma queixa contra você. Eles entenderam seu comportamento, o que Jessica fez foi cruel demais. Você não precisa se preocupar com isso. Está tudo bem agora." não pude evitar de soltar um longo suspiro de alívio. Menos um assunto para me preocupar no momento.

"Bom, acho que está na hora de irmos, não é mesmo?" Alice comentou e segurou firmemente o lindo buquê de rosas vermelhas que havia sido confeccionado para mim.

Eu balancei a cabeça em concordância e voltei a encarar Charlie.

"Pai, quero que o senhor saiba o quanto o amo. Nada no mundo vai mudar o que eu sinto pelo senhor."

Charlie me beijou a testa com carinho e afagou as costas das minhas mãos.

"Sei disso, Bells. E saiba que essa casa sempre será sua. Aconteça o que acontecer, esse sempre será o seu lar." ele sibilou me abraçando com carinho.

Droga, eu não podia chorar, não agora. Me afastei e sorri, deixando que ele me conduzisse para fora de casa. A chuva do fim da tarde havia dando uma trégua, mas o céu ainda estava completamente coberto por nuvens cinzentas e muito pesadas.

Eu esperava que nenhuma gotinha de água caísse e estragasse a cerimônia. Não seria justo, depois de tudo que acontecera naquele dia.

Dei uma rápida olhada para trás e sorri ao correr os olhos pela sala. Meu pai tinha razão, aquela casa sempre seria meu lar. Mas agora eu estava à caminho de uma nova vida, que prometia ser mais feliz do que qualquer outra que eu um dia vivesse.

[...]

EPOV

"Ela já dez minutos atrasada, tio." resmunguei andando de um lado para o outro no altar da igreja. Caramba, eu estava suando como um porco!

"Edward, é comum que a noiva se atrase! Por favor, fique calmo." Carlisle murmurou e me deu dois tapas nos ombros na tentativa de me tranquilizar. Não resolveu nem um pouco.

"Fica frio, primo. De hoje você não escapa da forca." Emmett brincou e eu revirei os olhos exasperado.

Meu primo tinha acabado de voltar do hospital onde deixara Jessica, que havia sofrido apenas lesões leves no corpo e uma pequena fratura no nariz. Nada que a matasse ou complicasse Bella.

"Elas chegaram." Carlisle anunciou e eu me virei para ver Esme e Rosalie na porta da igreja.

Meu pai me deu um abraço forte e depois seguiu para a entrada da igreja. Emmett o imitou e eu aproveitei para limpar as mãos ensopadas de suor nas pernas das calças.

Era chegada hora.

De repente, todos ficaram de pé ao ver Emmett entrando com Rosalie. Os dois se posicionaram nos bancos da frente, destinados aos familiares. Logo em seguida, meus tios entraram e assumiram seus lugares como padrinhos, bem ao meu lado.

A marcha nupcial começou a tocar e eu sabia que aquele era o prelúdio para a entrada dela.

Alice surgiu sozinha, a única dama de honra que Bella pedira. Para ela, não havia motivos para tantas dama, já que minha irmã era a mais importante de todas.

A garota baixinha e insolente se aproximou de mim e me beijou o rosto com carinho, antes de seguir para meu lado direito, lugar em que ficariam os padrinhos de Bella.

E falando em Bella, eis que ela surgiu em meu campo visual. Estava simplesmente linda usando aquele vestido de noiva que parecia ter sido feito sob medida para ela. Seus olhos buscaram os meus assim que entrou na igreja e um sorriso despontou em seus lábios. Senti uma coisa estranha ao ouvir meu coração pular dentro do peito.

Minha mulher.

Assim que ela se aproximou do altar, Charlie me cumprimentou com um aperto de mão e depois se voltou para Bella, lhe beijando o rosto com carinho.

"Seja feliz, Bells." ele sussurrou antes de se posicionar ao lado de Alice.

Peguei Bella pela mão e lhe beijei a palma. Ela gargalhou – na verdade soluçou – e entrelaçou os dedos nos meus, suspirando nervosamente. Como eu amava aquela mulher. Mais do que jamais ousei pensar que amaria.

"Estamos aqui reunidos para celebrar o casamento de Edward Cullen e Isabella Swan..." as palavras do padre ecoavam longe na minha mente.

Naquele momento tudo que conseguia ouvir eram os suspiros de Bella, a maneira como ela sorria, o barulho que seus lábios faziam quando ela os mordia tentando conter o choro.

Eu estava completamente atento a cada movimento dela, cada gesto que fazia, cada olhar que me lançava com adoração e amor. Ela me amava tanto quanto eu a amava. E aquele era somente o primeiro passo que estávamos dando em direção a uma vida cheia de felicidade e grandes emoções.

"Edward Cullen, você aceita Isabella Swan como sua esposa?" o padre me tirou do devaneio e só aí fui perceber que estávamos nos instantes finais da cerimônia.

"Sim." sibilei ainda tonto com a velocidade dos acontecimentos.

"Isabella Swan, você aceita Edward Cullen como seu legítimo esposo?" o senhor de meia idade repetiu a pergunta à Bella e ela sorriu me encarando.

"Sim." seus olhos estavam muito brilhantes quando eu coloquei o anel em seu dedo. Duas lágrimas despencaram em seu rosto quando foi a vez dela de colocar a grossa aliança em meu dedo.

"E assim eu os declaro marido e mulher." o padre decretou e eu não pude deixar de olhar para Alice que estava à minha frente sorrindo e chorando ao mesmo tempo.

Chocolate - Snow Patrol*

Voltei-me para Bella e vi que ela estava derramando algumas lágrimas, rindo bobamente.

"Hora de beijar a noiva, não é?" perguntei encostando nossas testas, capturando seus olhos com os meus.

"Por favor." ela engoliu um soluço e ofereceu os lábios vermelhos para mim. Suspirei com força e finalmente colei nossas bocas naquele beijo que eu desejava desde que acordara pela manhã.

Os convidados nos aplaudiram e eu aproveitei para abraçar Bella com carinho. Ela roçou o canto da boca em meu pescoço e ficou na pontinha dos pés para beijar meu rosto seguidas vezes.

"Olá, Sr Cullen." ela cantou com a mão pequena agarrada em minha nuca e o nariz colado em meu queixo.

"Olá, Sra Cullen. Pronta para viver para sempre ao lado do seu marido idiota?" brinquei fazendo-a gargalhar enquanto nos dirigíamos rumo à saída da igreja, sendo observados pelos convidados.

"Sempre." ela murmurou e me puxou pela gravata, nos conduzindo até a porta da capela pequena e antiga. Bella parou no meio da calçada e se virou para mim sorrindo.

"Me beija, meu marido idiota. Me beija agora!" ela gritou e eu a puxei em um beijo de tirar o fôlego.

Logo em seguida senti a chuva de arroz caindo sobre nossas cabeças. Bella gargalhou e me abraçou, aproveitando para morder a ponta de minha orelha.

"Amo você, sabia disso?" perguntou em meio a um sussurro.

"Jura? Eu também tenho algo para lhe dizer: te amo." murmurei lhe beijando o rosto.

Ela riu e me beijou o pescoço várias vezes. Os convidados se aglomeravam em frente à igreja, aplaudindo e celebrando um dos dias mais felizes de toda minha vida.

Observei a garota de olhos intensos abraçada a mim e não pude deixar de sorrir.

Bella Swan: a garota que passou a vida inteira em pé de guerra comigo e que me odiava com uma força fora do comum; Bella Swan Cullen: minha esposa e mulher da minha vida.

Era incrível como coisas tão complicadas poderiam ser mudadas por gestos tão simples.

[...]

BPOV

Uma festa enorme havia sido preparada para celebrar minha união com Edward. O jardim da casa dos Cullen fora lindamente decorado com tendas espalhadas por toda extensão do terreno, além do que um palco enorme com dois Dj's foi montado para animar os convidados.

Alice tinha cuidado de tudo e feito mistério sobre a decoração. Então, qual foi minha surpresa ao ver várias tendas com a temática dos cassinos de Vegas?

"Se vocês não vão à Vegas..." Alice comentou semanas antes do casamento quando eu perguntei o que estava aprontando.

Forks literalmente se transformara em Vegas.

"Gostou, amor?" Edward perguntou ao notar como eu olhava boquiaberta através da janela da limusine no exato instante em que entravámos no imenso jardim da casa dos Cullen.

"Você sabia disso?" balancei a cabeça incrédula e ele me deu uma piscadela fofa.

"Ajudei Alice a definir a temática da nossa festa. Nada daqueles bailes de casamento chatos. Então, por que não inovar? Vegas foi a opção mais apropriada." ele sibilou me ajudando a descer do carro.

Uma nova chuva de arroz nos pegou de surpresa, me fazendo rir e procurar abrigo no peito do meu, agora, marido. Alice sorriu e se aproximou de mim e Edward, no mesmo momento em que os fotógrafos registravam cada movimento dos noivos.

Eu geralmente odiava esse tipo de atenção, mas aquele era um dia especial. Nada mais justo do que sorrir e deixar que as pessoas vissem o quanto eu estava feliz com aquilo tudo.

"Ah, vocês não sabem como eu estou feliz. Parabéns, meus amores. Enfim, vocês são marido e mulher." Alice saltitou na nossa frente, se jogando em cima de mim e Edward.

Não pude conter a gargalhada que escapou da minha garganta.

"Obrigada, Alice. E por favor, para de ficar falando que agora eu sou uma mulher casada. As pessoas não precisam saber disso, né?" brinquei piscando para ela.

Edward me puxou pela cintura, possessivo, e me encarou fingindo estar emburrado, seus lindos olhos azuis brilhavam intensamente, combinando com o tom cinza escuro que tingia o céu de Forks. A noite já estava caindo na cidade.

"Quer dizer que a Sra Cullen não quer que ninguém saiba que ela é uma mulher comprometida? Pois bem, vou fazer exatamente o contrário." Edward murmurou e depois subiu os degraus da escada principal da casa, que levava à porta de entrada da residência.

Tapei o rosto para esconder a vergonha que estava sentindo e logo em seguida senti Alice me abraçar e dar vários tapinhas em meus ombros.

"Senhoras e senhores, eu estou aqui para apresentá-los formalmente ao mais novo membro da família Cullen. Com vocês, minha esposa, Isabella Swan Cullen." Edward pronunciou em tom extremamente formal e eu revirei os olhos de exasperação.

Alice me empurrou até a escada e eu subi, corando intensamente enquanto os convidados aplaudiam.

"Você realmente é um idiota." murmurei e ele me beijou as mãos.

"Jura, amor?" ele riu e eu senti o fôlego me faltar.

Edward estava simplesmente lindo de noivo. O noivo mais lindo que eu já vira na minha vida. E era meu marido. Não pude deixar de sorrir.

"Aham. Você é um idiota. O meu idiota." sorri e o puxei pela gravata, beijando-o com carinho nos lábios.

As pessoas gargalharam com meu gesto, enquanto eu sentia a luz dos flashes disparando sobre nós. Edward sorriu e depois me beijou o rosto suavemente e nós então descemos as escadas e seguimos para o jardim, cumprimentando os convidados.

"Edward, viu meu pai?" perguntei quando ele me conduziu pelo jardim, parando para sorrir aos convidados que nos desejavam felicidades.

"Charlie deve estar na mesa reservada aos familiares, amor." ele sibilou afagando minhas costas no mesmo momento em que paramos em frente à uma tenda que tinha uma roleta e várias máquinas caça níqueis.

"Que tal darmos uma jogadinha, amor?" perguntei sorrindo maliciosamente para ele.

Edward me envolveu pela cintura e me beijou delicadamente no pescoço, me fazendo gargalhar.

"Sou péssimo com esses jogos, Bella. Não tenho chances contra você."

"Tá amarelando, Edward?" insisti e apertei os dedos no nó de sua gravata. Era incrível como ele ficava sexy de terno. Precisava pedir para ele se vestir mais vezes daquele jeito.

Ele sorriu e depois colou seus lábios junto ao meu ouvido, sussurrando:

"Você sabe que não sou de amarelar, meu amor. Portanto, não me provoque." ele mordeu a ponta da minha orelha, me fazendo tremer nos seus braços.

Será que nós poderíamos pular essa história toda de festas e blá blá blá e partir logo para a lua de mel?

"Controle-se, Bella! Controle-se!" adverti mentalmente.

"Ei, vocês dois, será que podem se desgrudar um minuto só e virem se juntar à família? É hora das fotos!" Emmett gritou atrás de nós e eu encostei a cabeça nos ombros de Edward, soltando um longo suspiro.

"Hora de cumprimos os nossos papeis, amor." murmurou beijando o alto da minha cabeça.

"Tem certeza disso?" fiz um biquinho de desagrado. Ele me beijou ternamente nos lábios e depois apertou a ponta do meu nariz, antes de falar:

"Foi você quem quis tudo isso. Se tivesse escolhido Vegas, teria sido muito mais fácil." revirei os olhos, fazendo-o gargalhar.

"Tá,tá, agora a culpa é minha." resmunguei. "Todo mundo sabe que você é o maior careta dessa cidade. Duvido que fugiria comigo para Vegas, Edward."

Ele riu alto e me apertou a cintura enquanto seguíamos até onde nossas famílias estavam reunidas.

"Você sabe que eu sou careta em algumas coisas. Em outras posso ser muito ousado." acariciou minha nuca discretamente, provocando uma série de arrepios em meu corpo.

"Em que aspecto você é ousado, Cullen?"

Ele me deu um sorriso sexy e apertou minhas bochechas, puxando meu rosto para um beijo rápido.

"Você saberá no momento certo, senhora Cullen." sibilou deslizando as mãos por todo meu braço, me deixando mole, meus joelhos fraquejando.

Me virei para encará-lo e senti minha boca muito seca. Droga, ele sabia como me provocar!

Tentei controlar minhas pernas bambas e deixei que Edward me conduzisse até o grupo de pessoas que nos aguardavam com ansiedade. Assim que nos aproximamos, fui rapidamente separada dele, perdida em um mar de sorrisos e felicitações por todos os lados.

Carlisle e Esme me abraçaram e Charlie cumprimentou Edward. Emmett me deu um tapa na bunda, o que me deixou vermelha como um pimentão, fazendo todo mundo gargalhar com a cena.

"Acostume-se com isso, amor. Emmett tem mania de sair batendo na bunda das mulheres da família Cullen. Você não poderia ficar de fora." Edward murmurou dando um soco no ombro do primo.

"É isso aí, minha nova priminha, bem vinda à família." Emmett sorriu remexendo nos cabelos naturalmente despenteados de Edward.

Corri para o lado de Charlie, tentando ao máximo aproveitar os momentos que ainda me restavam ao lado dele.

"Você está linda, meu anjo. Uma linda mulher." meu pai sibilou me beijando suavemente nas mãos.

Eu sorri e retribui o beijo, meus lábios repousando nas mãos de meu pai.

"Obrigada, pai. Obrigada por tudo."

Ele me deu um sorriso fraco e enxugou as lágrimas que começavam a desabar dos meus olhos, me fazendo soluçar ainda mais.

"Só quero que você seja feliz. E agora eu sei o quanto esse seu casamento fará bem para você. Você o ama, não é?" ele perguntou e eu balancei a cabeça afirmativamente.

"Dá pra ver que isso é verdade, Bella. Você tinha razão, sua relação com Edward é totalmente diferente da minha com Renée. Há reciprocidade no relacionamento de vocês." Charlie falou e eu sorri meio sem jeito.

"Sei disso, pai. Por isso lutei com unhas e dentes por esse casamento." murmurei enxugando as lágrimas com o lenço que Charlie tinha me entregado.

"Hora das fotos formais, pessoal. Os fotógrafos já cansaram de fazer cliques de Edward se enroscando com Emmett. Daqui a pouco vai parecer que os noivos são os dois." Alice brincou me puxando para perto de Edward.

Eu sorri para Charlie, que acenou com a cabeça e se posicionou ao lado de Rosalie, que estava rindo das peripécias de Emmett. Alice me levou até Edward e os fotógrafos registraram as fotos de todos juntos.

Edward me beijava possessivamente enquanto Alice pulava nos ombros de Emmett, que abraçava Rosalie com carinho. Charlie sorria ao ver a cena. Ao lado deles, Esme e Carlisle se abraçavam carinhosamente, também sorrindo do trio Alice, Emmett e Rosalie.

Impossível fazer um registro formal daquilo tudo.

A felicidade não deixava brecha para qualquer tipo de formalidade. Aquela ali era a mais nova família de Forks, a minha família.

[…]

"Será que agora posso desparafusar meu sorriso?" perguntei bebendo um copo com água e sentei em uma cadeira para observar os convidados servindo-se do bufê ricamente preparado para a comemoração.

"Deixa de ser fraca, Bella. Esse é um dia único na sua vida e você fica fazendo esse corpo mole? Me poupe, por favor." Alice revirou os olhos, sentando ao meu lado.

Ela estava alegrinha demais, chegava a ser exagerada. Mas algo no seu semblante denunciava que ela não estava 100% feliz.

"Alice, está tudo bem?" perguntei encarando-a.

Estávamos sentadas sozinhas na mesa, já que Edward estava conversando com Rosalie e Emmett a uns três metros de onde estávamos.

"Está sim, por que você perguntou isso?" Alice me olhou desconfiada.

"Não está bem coisa nenhuma, amiga. Conheço você." sibilei fazendo-a revirar os olhos.

Ela soltou um longo suspiro e depois falou:

"Tá, tá, eu consigo esconder algo de você, Bella Swan Cullen?" as pessoas agora adoravam me chamar daquele jeito. Era estranho, mas muito agradável. "Acontece que eu estou com o coração na mão só de pensar que amanhã de manhã você e Edward não estarão mais aqui. O que vai ser de mim sem vocês dois na escola, Bella? Eu juro que vou pirar!" ela continuou e eu sorri, antes de abraçá-la.

"Sei que isso vai ser horrível, Alice. E não pense que vai ser ruim só pra você. Vou sentir muito a sua falta. Mais do que você possa imaginar." murmurei e acabei caindo no choro novamente.

Por que as noivas eram tão emotivas? Que saco!

Alice fungou no meu ombro e se afastou, enxugando as lágrimas. Nos entreolhamos e caímos na gargalhada, rindo uma da cara da outra.

Alice suspirou e eu a encarei novamente, ainda sentindo-a tensa.

"Tem mais alguma coisa, Alice?" insisti e ela desviou os olhos para a festa que estava no seu auge.

"Jasper, Bella. Nós terminamos ontem a noite." ela baixou a cabeça e mordeu o lábio inferior, tentando não chorar.

Toquei sua mão com gentileza e murmurei:

"Ah, meu amor, eu sinto tanto. Mas por que isso, Alice, aconteceu alguma coisa?"

Ela balançou a cabeça negativamente e depois sibilou:

"Ele conseguiu uma vaga na Universidade de Yale, Bella. Assim como você e Edward, ele vai ter que se mudar de Forks." soltei um longo suspiro, compreendendo o que Alice estava passando.

Tinha me sentindo exatamente assim quando recebi a notícia de que Edward fora aceito em Harvard.

"Alice, eu nem sei o que dizer-" não completei a frase, pois alguém interrompeu meu raciocínio ao chamar minha amiga.

Era Jasper.

"Alice, será que podemos conversar?" perguntou meio sem graça ao me encarar. "Que mal educado eu sou. Parabéns, Bella. Espero que você seja feliz." ele sibilou completamente corado.

"Obrigada, Jasper." sorri e olhei para Alice, encorajando-a a conversar com seu ex namorado.

Ela revirou os olhos e se levantou para encará-lo. Sem dar chances dela falar algo, ele disparou:

"Alice, só queria dizer a você que eu não vou mais para Yale." ela o encarou surpresa e depois se virou para me olhar, seus olhos estavam tensos e um tanto quanto chocados.

" Jazz-"

"Por favor, me deixe terminar. Consegui ser aceito na Universidade de Port Angeles, Alice. Não precisamos mais no separar." anunciou e eu soltei um suspiro de alivio.

Tudo nos eixos. Como deveria ser.

"Oh, Jasper!" Alice gritou antes de pular nos braços do rapaz, beijando-o seguidas vezes no rosto. "Eu amo tanto você."

"Também te amo, Alice. Muito." ele a abraçou, rodopiando-a no ar. Alice não passava de uma pena, de tão leve que era.

Eu sorri e em seguida desviei o olhar, deixando-os compartilhar aquele momento que era só deles. Quando dei por mim, Alice e Jasper já corriam para a pista de dança, abraçados e gargalhando alto.

"É, eu acho que meu casamento deu sorte para um casal." murmurei observando-os.

"Posso saber quem é o noivo insensível que deixou uma noiva tão linda completamente sozinha?" a voz de Edward soou nos meus ouvidos e eu me virei de costas, abrindo um sorriso enorme quando o vi se aproximar.

The way you look tonight – Rod Stewart**

"Essa é uma ótima pergunta. Por acaso você viu um idiota absurdamente sexy por aí?" perguntei quando ele estendeu a mão para mim, me ajudando a levantar da cadeira.

"Está falando com ele." seu timbre estava rouco e isso provocou uma série de arrepios por toda extensão da minha coluna.

Ele sorriu e me beijou calorosamente, me apertando contra seu peito, deslizando sua língua para dentro da minha boca, me provocando, me enlouquecendo.

Me afastei ofegante, com medo de perder o juízo nos braços de Edward.

Ele sorriu e tocou minha mão com gentileza, antes de perguntar:

"Dança comigo?" e como ele sempre fazia, não esperou por minha aprovação.

Edward me puxou pela cintura com uma delicadeza extrema e entrelaçou nossas mãos, me movimentando lentamente, cantarolando a melodia de uma canção conhecida.

A música que Edward cantava nada tinha a ver com o ritmo agitado que dominava a pista de dança ao fundo.

"Someday, when I'm awfully low, when the world is cold, I will feel a glow just thinking of you and the way you look tonight..¹" ele sussurrou junto ao meu ouvido e eu aproveitei para encostar a cabeça em seu ombro. Inalei o perfume que exalava de seu pescoço e suspirei alto.

"You're so lovely, with your smile so warm, and your cheeks so soft..¹" ele continuou acariciando minhas costas lentamente e eu cerrei os olhos para tentar gravar na memória aquele momento único. "There is nothing for me but to love you and the way you look tonight..¹" Edward me olhou longamente e sorriu, me rodopiando com graça.

Era a minha vez de continuar a canção:

"With each word your tenderness grows, tearing my fears apart and that laugh that wrinkles your nose, touches my foolish heart.¹" só percebi que estava chorando quando senti os lábios de Edward me beijando suavemente as maçãs do rosto.

Sorri e depositei um beijo cálido em seus lábios, fazendo-o sorrir e rodopiar novamente pelo jardim. Naquele momento só havia Edward, eu e nossa bolha particular. Nada mais importava no mundo, desde que ele estivesse ao meu lado.

"Yes you're lovely, never ever change, keep that breathless charm, won't you please arrange it? 'Cause I love you, just the way you look tonight…¹" Edward completou a música me guiando calmamente e eu o beijei no rosto e apertei ainda mais nossas mãos entrelaçadas bem junto ao meu coração.

Eu nunca esqueceria daquele momento.

"Lamento interromper a dança de vocês, mas é hora da valsa dos noivos." Esme quebrou o encantamento que nos cercava e eu a encarei zonza.

Pensei em dizer-lhe que a minha valsa dos noivos com Edward havia acabado acontecer, mas estava totalmente afogada em suspiros e olhares bobos direcionados ao homem que me abraçava de forma tão gentil.

"Vamos?" Edward perguntou.

"Sim." murmurei antes de seguirmos para a pista de dança.

Olhei para trás e vi a mesa próxima ao local em que tínhamos dançado. Fitei a paisagem por alguns segundos e sorri ao relembrar a forma como Edward havia me aconhegado em seus braços. Aquele seria para sempre o meu momento preferido da festa, o único que não tinha sido registrado em fotos. O mais importante de todos.

[...]

"Um brinde aos noivos." Alice gritou de cima do palco, erguendo uma taça de champanhe assim que Edward e eu surgimos no meio dos convidados.

Todos ergueram suas taças e saudaram os noivos. Um garçom nos serviu com champanhe e nós enfim fizemos o tradicional brinde, entrelaçando nossos braços para beber o liquido espumante.

Pausa para mais fotos até que o bolo do casamento foi trazido. Cortamos o primeiro pedaço juntos e um lambuzou a cara do outro com o doce, como era tradição.

Edward lambeu o confeito de bolo de minhas bochechas e eu gargalhei até sentir minha barriga doer. Limpei seu rosto com a ponta do dedo e comi o confeito com vontade.

Alice pegou o microfone e anunciou:

"Hora da valsa dos noivos." ela sorriu e se voltou para nós. "Esse é mais um presente meu. Espero que gostem."

Love me Tender – Elvis Presley***

De repente, a música ecoou pelo jardim e eu não pude deixar de sorrir. Edward me conduziu para o meio do palco e me apertou novamente em seus braços, fazendo meu coração disparar.

Alice como sempre acertando na mosca. Love me tender não poderia ter sido uma escolha melhor.

Mais uma vez, Edward e eu dançamos lentamente, completamente envolvidos um com o outro, perdidos em nossas próprias emoções. Não queria que aquele momento terminasse nunca. Era maravilhoso estar ali, nos braços do homem que eu amava.

"Eu amo você." ele sussurrou em meu ouvido, quase no final da música.

"Assim como eu amo você." murmurei lhe dando um selinho.

A música chegou ao fim e uma outra canção começou a tocar. Alguns casais começaram a ocupar a pista de dança e eu sorri animada.

Esme puxou Edward para dançar e eu aproveitei para ficar mais um tempo com meu pai, que estava animado com a festa. Dançamos com nossas respectivas famílias, aproveitando ao máximo o começo do fim da nossa festa de casamento.

[…]

"Não acredito no que meus olhos estão vendo!" Alice gritou ao meu lado, quicando e apontado para alguma coisa que tinha chamado sua atenção no meio da pista de dança.

Faltava pouco mais de quinze minutos para que Edward e eu deixássemos a festa e fôssemos para o hotel em Port Angeles, onde passaríamos a noite de núpcias.

"O que é, Alice?" perguntei quando ela segurou meu rosto e me forçou a focalizar a atenção nas muitas pessoas que lotavam o imenso jardim dos Cullen.

"Veja você mesma, amiga." ela sibilou e eu finalmente entendi o motivo de tamanha agitação.

Cath estava grudada no pescoço de Mike, os dois se beijavam com uma fome descontrolada.

Olhei para Alice e nós duas sibilamos ao mesmo tempo:

"Go Go Inglesinha! Go Go Mike nerd!"

Gargalhei alto e me voltei novamente para minha amiga.

"Pelo menos ela conseguiu se arranjar. A inglesinha finalmente percebeu que não tinha chances com o meu marido." murmurei de maneira possessiva.

"Ainda bem." Alice completou rindo para mim. "E por falar no seu marido, onde ele está?"

"Bem ali, conversando com Carlisle e Emmett." sibilei observando Edward.

Ele estava segurando seu terno nos ombros e o cabelo ruivo estava mais bagunçado que o normal; a gravata meio frouxa em seu pescoço o deixava ainda mais sexy.

Uma ideia passou na minha mente e eu sorri. O diabinho estava dando as caras novamente.

Corri até o Dj e pedi uma música, que imediatamente começou a tocar.

Take me on the floor – The Veronicas****

Edward se virou para o palco assim que reconheceu a melodia e sorriu ao me ver dançando. Sem perder mais tempo, se aproximou e me puxou para si enquanto eu rebolava e colava meu corpo no seu.

"Estava demorando para você aprontar das suas, Isabella Cullen." ele murmurou no meu ouvido e tentou me acompanhar na dança.

"Só queria dar um presente para o meu maridinho, amor." respondi beijando-o no rosto.

"Você adora provocar, não é mesmo?" Edward perguntou e eu o puxei pela gravata, gargalhando ao vê-lo tão desajeitado com a situação.

"Sempre."

"Bella, minha querida esposa, não mate seu pobre marido. Ainda quero curtir a lua de mel." ele pediu quando eu rebolei à sua frente e envolvi seu pescoço com os braços.

"Não se preocupe, amor. Nós temos todo o tempo do mundo para a nossa lua de mel. Afinal agora somos casados. Não vamos mais precisar fazer amor às escondidas." sibilei, fazendo-o gargalhar.

"Você não sabe o quanto isso me deixa feliz, Sra Cullen." ele murmurou acariciando a minha cintura.

"Sei muito bem o que deixa você feliz, Sr Cullen." sorri e me afastei dele, rebolando de costas e encarando-o por cima do ombro.

Me virei de frente e fiz um gesto com meu dedo indicador, chamando-o. Ele balançou a cabeça e passou a mão pelo seu cabelo bagunçado, rindo sem graça. Sorri e continuei chamando-o com o dedinho enquanto rebolava à sua frente, alheia aos convidados que nos observavam.

Edward se aproximou de mim e eu o puxei novamente pela gravata, beijando-o com vontade; ele envolveu os braços na minha cintura, me esmagando contra seu peito.

Era incrível como um curto espaço de tempo pudesse mudar tanto a vida de duas pessoas tão diferentes. E quem diria que dois inimigos de infância, que se odiavam, um dia fossem acabar juntos e ainda por cima casados.

Edward Cullen tinha sido durante anos o meu maiorpesadelo. Eu não o suportava, odiava ter que dividir o mesmo ar que respirava. E agora ali estava eu, nós braços do mesmo Edward, agora, homem dos meus sonhos.

Não acreditava em contos de fadas, mas tinha achado meu príncipe encantado.

Meu inferno particular, subitamente tinha se transformado em paraíso.

O nome desse inferno? Fácil: Edward Cullen.

~~ FIM ~~

* Chocolate – Snow Patrol : http : / / www . youtube . com/watch?v=FT62Gwv70kM&ob=av2e

** The way you look tonight – Rod Stewart : http : / / www . youtube . com / watch?v=Wi2g9UmB1kU&feature=related

*** Love me Tender – Elvis Presley : http : / / www . youtube . com / watch?v=HZBUb0ElnNY

**** Take me on the floor – The Veronicas: http : / / www . youtube . com / watch?v=jEiGbXvF_Rw&ob=av2e

¹ Tradução da música que o Edward e a Bella cantam: http : / / letras . terra . com . br / rod-stewart / 69772 / traducao. html


É sempre tão dificil colocar a palavra "fim" em uma fic. É como dar adeus a um ente querido que vai embora pra longe, não sei explicar. Mas ao mesmo tempo tenho uma sensação de dever cumprido e de alegria por ver mais uma etapa se cumprindo. Obrigada a todos que me acompanharam em mais essa longa jornada. Nos vemos na próxima temporada de "A Hell Called Edward Cullen."

Me coloquem nos alertas de vocês para receberem o link da segunda temporada, que será postada em breve. Pra quem quiser xingar, gritar, espernear ou simplesmente me dar um oi diretamente, basta seguir (arroba)cella_es.

Espero as reviews de vocês. Espero que tenham curtido esse capítulo imenso e feito com muito carinho. Ah, um último aviso: enquanto esperam a segunda temporada, passem no meu perfil e deem uma olhadinha nas one-shots postadas. "Sunset Kiss" é a mais recente e a mais fofura também. Vale a pena ler!

Até breve. E não esqueçam das minhas reviews.

Gimme some love, guys!

Beijo, Cella.