James e eu.

Capítulo primeiro.

Na minha opinião, nós devemos ser o centro de nosso mundo, senhores de nossas vidas. Construir metas, almejar objetivos, realizar sonhos. Eu vinha tendo bastante sucesso com isso até que...

Na verdade, não sei bem o que aconteceu.

Talvez tenha sido o fato de Marlene ter entrado no time de quadribol no ano passado. É um pouco óbvio que isso um dia iria acontecer, quero dizer, Marlene se aproximar dos Marotos. Eles parecem se dar tão bem hoje em dia, que eu sinceramente tenho ciúmes.

O sexto ano em Hogwarts realmente foi transformador. Antes meu ciclo de amizades era restrito a Marlene e Frank, hoje em dia ele é um pouco mais amplo. E esses novos amigos conseguiram mudar a minha vida. Ou talvez o verbo a ser usado seja "acabar".

Veja bem, sempre tive um relacionamento conturbado com o Potter. Para ser mais exata, me recordo de quando começou a minha antipatia por ele, foi à primeira vista. Lembro-me como se fosse hoje.

Entrei no expresso de Hogwarts feliz e ao mesmo tempo com medo da tal escola de magia. Escolhi numa cabine qualquer com a intenção de chegar até a Janela e acenar para meus pais. E então, lá estavam dois garotos que deviam ter onze anos assim como eu sentados, um de frente para o outro, eles tinham suas varinhas em mãos.

-O que vocês estão fazendo?- perguntei trazendo meu malão para dentro. Esqueci de meus pais, sendo tomada pela curiosidade.

- Estamos mostrando os feitiços que já conhecemos. – me disse o menino de cabelos arrepiados, magro e que usava óculos. – veja este...

E o garoto que depois descobri se chamar James Potter fez o estofado do banco em que estava sentado mudar de vermelho para azul. Lógico que estava impressionada, mas tentei não deixar transparecer, havia algo de presunçoso em sua expressão que não me agradava. Olhei para o outro garoto, um pouco mais moreno e com cabelos maiores e lisos.

- Vocês já se conheciam? – eu realmente tinha medo de que todas aquelas crianças bruxas já se conhecessem e, assim, de alguma forma, me excluíssem. Tudo bem que eu conhecia Severus, mas era só ele.

- Não. – disse Sirius Black em seus onze anos. – Por que não nos mostra o que sabe?

Eu não poderia dizer que não sabia nada para eles, certo? Ambos me encaravam com um ar de superioridade. Olhei de um para outro desejando que não fizessem parte de minha casa, Severus falara que nós seriamos divididos.

- Não gosto de ficar me exibindo como certas pessoas. – disparei com minha voz infantil e ambos ergueram as sobrancelhas para mim. – Vou procurar meu amigo, com licença. – e antes de sair do vagão vi que o menino de óculos fez um pedaço de papel em formato de pássaro vir atrás de mim. Olhei para ele com raiva e esmaguei o pobre pássaro quando fechei a porta.

Realmente não é o que se pode chamar de um bom começo. Como não podia deixar de ser, ambos foram para Grifinória, assim como eu. Aquele chapéu traidor!

Eu bem que pedi para ficar bem longe deles, mas ele não me ouviu.

Logo fizeram um grupinho com os outros meninos do dormitório, se auto-intitulando de Marotos. Adquiriram uma implicância inexplicável com meu ex- amigo Severus, e se tornaram muito populares no castelo. Acontece que minha antipatia só aumentava, apesar de falar pouco com eles.

Quando entramos no quinto ano, fui cruelmente surpreendida. Não que eu já não esperasse receber a nomeação de monitora, Marlene e Frank viviam falando que me preparasse porque obviamente seria escolhida. Contudo, a outra pessoa do quinto ano da Grifinória que se tornou monitor foi ninguém menos que James Potter.

Não parece uma conspiração? O chapéu, o diretor...todos querendo acabar com minhas sanidade.

A monitoria me forçou a conviver um pouco mais com Potter. Só que eu simplesmente não conseguia nem ouvir sua voz, tudo nele me dava raiva. Desde sua mania de passar as mãos nos cabelos o despenteando, até a forma como ele era extremamente inteligente. Potter, no entanto, começou a me chamar para sair e realmente não se cansava de ouvir sonoros nãos. O ápice de meu relacionamento conturbado com a criatura foi uma briga após as provas dos NOM's em que ele e Sirius resolveram se divertir azarando Severus.

E ele era monitor!

Porém, como já expliquei o sexto ano veio para acabar com minha vida. Marlene entrou para o time de quadribol e passou a ser amiga dos marotos, já que Potter era capitão do time, e Sirius artilheiro como ela. Realmente é um absurdoo tempo que ela gasta falando com eles.

Depois, para finalizar, Frank resolveu começar a namorar pouco antes do natal. Alice parecia uma menina legal, era de um ano anterior ao nosso, mas é claro que como amiga, eu morria de ciúmes.

Pensem em minha situação e se ponham no meu lugar por um instante. Se Marlene queria almoçar com seus novos amigos, como poderia pedir ajuda de Frank, ele estando realmente ocupado com Alice? Foi como se minha vida fosse virada de ponta a cabeça.

E vejam onde fui parar. Troquei cartas com James neste verão. Eu sei, para você ver! É assim que eu o chamo agora. James. Nada de formalidade entre nós.

"Lily,

Soube que anda promovendo festas em sua casa. Sirius pediu para dizer que é muito feio não chamar os amigos, principalmente se a comida é de graça.

J.P."

"James,

Não diria que a palavra festa caiba na mesma frase que a expressão 'noivado de minha irmã'. Sirius está na sua casa? Não foi ele quem disse que havia dito um sim para independência e que agora morava sozinho? Pelo visto tem passado fome.

L.E"

"Lily,

Ele não consegue evitar ficar longe de mim, você sabe. Recebeu correspondência de Hogwarts ultimamente?

J.P"

"James,

Na verdade, sim. Sou monitora chefe!

Não me diga que terei que te aturar ao meu lado?

L.E"

"Lily,

Acertou em cheio!

Monitor Chefe.

Saudades,

J.P"

Certamente ele não faz idéia de como a simples palavra saudades me fez sentir. Eu estava absolutamente confusa a respeito dele, já não conseguia mais odiá-lo e até apreciava passar meu tempo com ele. Na verdade, acho que somos amigos.

E todo aquele meu ideal de ser dona de mim mesma, ser o centro de meu mundo, construir metas, simplesmente foi por água abaixo. Fazia algum tempo que não conseguia organizar meus pensamentos. Minha vida, pelo menos a mental, estava uma verdadeira bagunça.

E tudo isso... não me parecia...nada...saudável!

Respirei fundo antes de abrir a porta do vagão a minha frente, sabia que não seriamos somente eu, Marlene e Frank. Era minha última viagem de volta a Hogwarts e certamente teria a companhia dos Marotos desta vez. Revirei os olhos para mim mesma, não havia motivo nenhum para nervosismo.

Lá estavam, todos eles, exceto por Peter. Sirius e Remus no vagão a minha direita, James e Frank a minha esquerda. Marlene estava no centro fazendo a imitação de seu irmão mais novo pelo que pude perceber. Ela parou no meio quando me viu.

Marlene McKinnon era sem sombras de dúvidas minha melhor amiga. Lembro até hoje como ela começou nossa amizade, pediu minhas anotações numa aula de história da Magia e dali a pouco já estava me fazendo confissões. Lene é assim, sabe se impor, rouba atenção de todos, porém consegue ser um doce. Eu e Frank sempre nos divertíamos muito com ela.

Frank Longbotton já era amigo de Lene antes de entrar em Hogwarts, acabou sendo meu amigo por intermédio dela. Apesar de dividir o dormitório com os Marotos, não fazia parte do grupo. O que tenho que admitir me fizeram apreciá-lo ainda mais. Era bom o ter como amigo, adorava seu jeito prático e honesto (às vezes até demais).

- Oi, Lily! – disse Sirius agora com seus 17 anos e bem mais alto.

- Ah! Oi! – falei para todos quando estes me perceberam ali. Realmente era só um reencontro após as férias, por que eu estava tão nervosa?

- Como foram as férias? – Marlene me perguntou indo me abraçar. – Aquela chata da sua irmã deve estar nas nuvens com a história do noivado, não é?

Não respondi a ela. Estava olhando para James que também havia se levantado e vinha em minha direção. Eu definitivamente não estava preparada para um abraço, não um abraço dele. James me parecia ainda mais alto desde a última vez que o vira, e também mais forte e claramente mais bonito.

Ele não me abraçou e eu pude respirar aliviada. Apenas ficou ali do meu lado em pé.

- Aposto como Petúnia escondeu a Lily do noivo dela... - ouvi Frank falar e ri para ele. Se ela realmente pudesse fazer isto, o teria feito.

Estava me incomodando ter o James ali do meu lado e calado. Virei-me para encará-lo e ele apenas sorriu.

- O que houve James? – perguntei impaciente.

- Nós temos que ir à reunião... - ele falou e eu de repente me lembrei.

Maldita reunião dos monitores!

- Vamos, vamos... - saímos apressados da cabine. Corria no corredor do Expresso, com James logo atrás de mim.

Lógico que chegamos atrasados, a professora McGonagall deu um pequeno discurso. Como monitores chefes deveríamos ser exemplos para que os outros seguissem, contudo logo começou a falar sobre nossas tarefas durante o ano letivo. James realmente não anotava nada, mas eu já me acostumara com isso. Como alguém pode achar que ele seria um exemplo a ser seguido era um mistério para mim.

Quando a reunião acabou percorremos juntos os vagões para ver se estava tudo bem. James me contou que Peter não estava na cabine quando nós chegamos, pois estava fofocando por aí. Ele sempre me diz isso quando o amigo some. Acho que ele se diverte com esse tipo de piada que não consigo compreender.

- Sua irmã te prendeu mesmo num quarto escuro? – James me perguntou depois que ajudamos alguns meninos do primeiro ano a encontrar um vagão. Tinha um quê divertido em sua pergunta. – Tinha baratas no quarto?

- Não... - falei lentamente. – Você tem que ver o noivo dela...

Assim, comecei a contar sofre o jantar de noivado de minha irmã. A família do noivo era tão gorda que mal havia espaço na mesa. Ele era bastante feio em minha opinião, mas sei que Petúnia gostou dele por causa de seu dinheiro.

- Você devia ter me convidado para este jantar... - ele falou rindo. Era sempre assim, meus priores dramas transformados em piada, ditos pela boca de James.

Voltamos para nosso vagão que agora continha Peter e já não tínhamos mais Frank- certamente Alice o roubara. Ao que me parece Remus tentava ler o profeta diário, mas era atrapalhado constantemente. Marlene agora discutia com Sirius sobre quem havia marcado o ponto mais bonito da temporada.

- Lily! – Marlene parecia feliz em me ver. Sentei ao seu lado e James depois de mim. – Fale para ele, Lily, quem fez o gol mais bonito...

Ela sempre fazia isso. Olhei para Sirius que estava pronto para qualquer resposta minha. O que eu podia fazer? Ela era minha melhor amiga.

- O seu, Lene... - disse com um sorriso.

- Isso realmente não vale! – Sirius argumentou enquanto Marlene fazia uma cara de "eu não disse" para ele. – Ela é sua melhor amiga, é uma opinião tendenciosa, seria o mesmo que eu perguntar ao Pontas...

-Eu também achei o seu gol mais bonito, Lene... - James falou para provocar o melhor amigo. Sirius pegou o jornal que Remus lia e atirou encima de James.

A tarde se passou neste clima e quando vimos já estava na hora de trocarmos de roupa. Depois disso, exceto pelo jantar, foi uma noite de trabalho duro para mim e para James. Eu estava exausta quando entramos na sala comunal. Sirius ainda estava por lá e nos chamou até o sofá onde estava sentado.

- Héstia estava te procurando. - Sirius informou a James que fez uma careta como se tivesse se esquecido de algo e saiu correndo pelo quadro da mulher gorda.

Esqueci de mencionar este pequeno fato. No meio do sexto ano, James simplesmente parou de me chamar para sair, o que eu lembro de ter achado excelente. Algum tempo depois começou a namorar Héstia Jones, um ano mais nova que nós, da casa Corvinal. E como não poderia deixar de ser, ela é perfeita, cabelos, pele, um doce de pessoa. Perfeita até demais para mim, se é que conseguem me entender.

- Tenho uma proposta para você, Lily. – Sirius me disse assim que me joguei no sofá ao seu lado. Vindo dele eu esperaria qualquer coisa.

Talvez ele tivesse um plano e quisesse minha permissão como monitora chefe. Subir no dormitório feminino? Explodir o salão comunal? Acordar Dumbledore? Tudo era possível.

- Pode falar Sirius. – disse desinteressada, já sabia que a minha resposta ia ser não.

- Vou te fazer uma proposta que vai ser lucrativa para nós dois... - será que ele quer pagar pelo meu silêncio? Sorri para encorajá-lo a continuar. – Eu te ajudo com James e bem... você me ajuda com Marlene.

Eu entendi errado ou ele estava me pedindo ajuda? Sirius Black estava querendo ajuda? E haviam varias questões naquela proposta que eu não compreendia. Ele queria ajuda para quê? Para matar Marlene? Talvez ele quisesse estrelar sozinho como o grande artilheiro da Grifinória. Na verdade, vindo de Sírius, isso é bem provável...

- Sirius, não posso fazer isso. – falei um pouco indignada. Sentia pena de Sirius, ele não era uma pessoa normal e tinha graves motivos para isso. – Você vai ter de aprender a dividir a glória com a Lene! Ela é minha melhor amiga!

- Lily? – ele estava rindo de mim. – Do que acha que estou falando? Estou querendo sua ajuda para conquistar Marlene.

- Ela é minha melhor amiga! – não consegui me frear. Afinal ele é Sirius Black e eu não ia entregar uma amiga nas mãos dele. Já ouvi bastante coisas sobre Sirius. Contudo, observando sua expressão, quase me arrependi de ter falado tão exasperadamente.

- Eu gosto dela, Lily. – ele parecia realmente fazer um grande sacrifício em admitir isto. – Vamos, por favor. - olhei para ele com pena, realmente me pareciam remotas as suas possibilidades. Lene nunca mencionara nenhum afeto por Sirius. – E depois eu vou te ajudar com James, você vai sair ganhando...

Tinha me esquecido dessa parte. Eu ia sair ganhando. Mas a que ponto as pessoas chegam, afinal ele é o melhor amigo de James.

- Do que está falando? – perguntei confusa. – Está querendo convencer James a trocar de escola ou algo assim? Sirius, ele é o seu melhor amigo!

- Não, Lily! – ele riu de mim. Eu realmente estava começando a achar aquilo tudo muito estranho. – Nós podemos dar um jeito daquele namoro dele acabar. Você não ia gostar que acabasse?

Olhei para ele perplexa. Como ele poderia saber que eu gostaria que o namoro de James terminasse? Quero dizer, que tipo de amiga eu seria se desejasse que ele permanecesse com aquela garota sem graça? E tudo bem que eu poderia acabar gostando dela como vim a gostar da namorada de Frank, mas era pouco provável.

- Temos um acordo?- ele me perguntou estendendo uma mão para mim. Seus olhos cinza brilhavam de alegria. De alguma forma ele sabia minha resposta.

- Feito! – apertei a mão dele. – Não custa tentar, não é mesmo?

E este era apenas o começo de meu ano letivo. Fazer acordos com Sirius Black. Fazer acordos com Sirius Black na calada da noite. Calada da noite. Não havia mais ninguém no salão comunal. Subi para meu dormitório pensando em que ponto eu havia chegado e até onde esta minha confusão mental iria me levar.

Nota da autora:

E aí pessoal? Estou eu aqui novamente! Ninguém mais me aguenta? Rs.

Não sei quantos caps teremos, rs. Na verdade ainda to escrevendo o segundo. Espero que gostem dessa Lily, to me divertindo com ela.

Vale lembrar que estou entrando no período mais difícil da faculdade, então, pode ser que eu demore mais para atualizar. Entretanto, pretendo postar pelo menos a cada semana. Não é uma promessa!

Bjs

Ju.

N/B: Oi pessoal! Alguém lembra de mim? Kkkk

Espero que tenham gostado do primeiro cap da nova Fic da juh *-*

Viu? Eu disse que não iriam se livrar tão facilmente de mim... *risada má*

Espero que gostem e acompanhem a Fic e agora... Comentem!

Bjinhuss

MFF