No inicio daquele ano, a minha vida tinha piorado, eu tinha fugido de casa e aluguei com as minhas economias um pequeno apartamento e comessava a ficar mais grava as minhas doenças e solidão...
Minhas aulas comessaram na primavera, num a segunda-feira, a temperatura estava boa, via varias pessoas felizes ou rindo, se alegrando por ver os seus amigos após os 2 mêses de férias, porêm, continuei o meu caminho para a minha nova sala de aula que irei ficar durante o ano. Cheguei na sala e vi quinze pessoas, elas pareciam legais, mas nem quis conversar, estava triste e não queria quebrar a felicidade deles. Sentei na ultima cadeira perto da janela, que a paisagem era as quadras de esportes e uma área coberta com uma piscina, observando a paisagem, dormi. Acordei no meio da segunda aula, deveria ter ficado queto durante a primeira aula que nem preceberam a minha presença, comessei a prestar atenção na aula que estava acontecendo nas quadras enquanto o professor estava falando algo.
No intervalo, procurei um lugar para ficar e vi um campo de grama longe de todos, achei o lugar perfeito. Sentei-se no campo de grama e comessei a lanchar, e derrepente, ouço uma voz calma falando perto de mim:

- Porque você esta ai, sozinho?

E respondi:

- Não tenho ninguem que me acompanhe, e não vou ficar atrás de ninguém.

- Então vou te acompanhar, tudo bem?

- Fassa o que você quiser. – Falava enquanto me virava, olhando que a pessoa era um garota, quase adulta, parecia ter dezesseis ou dezessete anos.

- Qual o seu nome? – Ela me perguntou enquanto sentava do meu lado

- Luiz, e o seu?

- O meu nome é Márgara.

Comessamos a conversar sobre algumas coisas e logo depois o intervalo havia terminado. Enquanto andavamos para o prédio aonde estuda o ensino médio, ela me perguntou:

- Você é de qual turma?

- Sou do 1º ano C. Porquê?

- Nada não. – Responde ela enquando ri um pouco.

Dentro do prédio, me despedi dela, entrei em sala de aula e vejo todos me encarando e falando sobre mim. A quarta e quinta aula de segunda, era educação física. Falei com o professor para me liberar pela minha saúde, mas ele não deu atenção e fui obrigado a fazer a aula, pois não queria levar uma advertencia e não queria tambêm que descobrissem que tinha fugido de casa. A aula comessou com um aquecimento e uma corrida em volta da quadra. Durante essa parte da aula, tinha ficado tonto, mas havia decidido fazer a aula toda. No quinto horário, o professor organizou uma competição de corrida, uma de garotos e uma de garotas, sendo que os últimos lugares deveriam correr denovo em volta da quadra. Eu não pensei duas vezes na decisão de tentar ficar perto dos primeiros lugares.

- Bang!

Com esse som, eu e meus colegas comessamos a correr, me esforcei o máximo, porem eu havia chegado em décimo segundo lugar. Comessei a passar muito mal após essa corrida e desmaiei.

Anda de olhos fechados, eu ouvia alguém me chamando, perguntando se eu consigo ouvir e se eu estava bem. Era a Márgara, ela trabalhava na enfermaria do colégio e havia cuidado de mim.

(continua)