Capítulo X

Inuyasha se mexeu na cama e estendeu o braço, à procura de Kagome. Então sentou-se na cama ao sentir que o lugar dela estava vazio.

Depois de haverem feito amor e dormido juntos na noite anterior, pensara que pelo menos restasse alguma chance para eles. Mas, pelo visto, Kagome havia mudado de idéia.

Jogando os lençóis para o lado, vestiu-se e saiu do quarto, deixando a porta aberta atrás de si. Parou de repente ao ver a mala dela próxima à porta da sala.

Chamou-a em voz alta, mas não recebeu nenhuma resposta. Aflito, foi ao quarto dela, depois à cozinha. Encontrou-a sentada à mesa, olhando evasivamente para uma xícara de café.

__ O que diabos significa aquilo? __ perguntou ele, indicando a mala que se encontrava na sala.

__ Recebi um telefonema ainda há pouco. Estão precisando de mim no hospital St. Anthony. Querem que eu chegue lá ainda hoje ou, no máximo, amanhã.

__ E você ia partir sem se despedir de mim?

__ Não.

__ Mentirosa.

Ela olhou para ele.

__ Por favor, não torne isso ainda mais difícil, Inuyasha.

__ Droga, Kagome, claro que vou tornar isso difícil! Você está me deixando!

Ela sentiu um aperto no peito. Pensou em tomar um gole de café, mas soube de imediato que não conseguiria engoli-lo. Então ficou de pé.

__ Está vendo? __ disse a ele. __ Tenho obrigações para cumprir. Calquei meu futuro na medicina, Inuyasha. Assim como meu salário. Preciso pagar minhas contas.

__ Eu poderia cuidar disso em um piscar de olhos.

__ Não quero que faça isso – protestou Kagome. __ Não se trata de sua carreira, mas da minha!

__ Kagome, nós podemos compartilhar tudo isso.

__ Não, não podemos! __ bradou ela. __ Inuyasha, não tenho noção do que seja isso. Passei a maior parte da minha vida sozinha e não sei se sou capaz de compartilhar meus planos com outra pessoa.

__ Podemos mudar isso __ ele insisitiu.

__ Não, não podemos! __ repetiu ela. __ Eu assinei um contrato com o hospital e preciso cumpri-lo. __ Os lábios dela se tornaram trêmulos. – Por favor, não me faça ter de brigar por isso.

__ Eu te amo, Kagome.

Uma lágrima escorreu pelo rosto dela.

__ Eu também te amo, mas isso não é suficiente. Você merece mais do que eu posso te oferecer.

__ Está me dizendo que é melhor eu procurar alguém que aceite viver `beira do fogão? Pelo amor de Deus, Kagome, acha mesmo que é isso que quero de uma esposa? __ Ele passou a mão entre os cabelos. __ Não está nos dando a chance de tentar.

Ela deu um passo atrás.

__ Não diga isso. Por favor, não diga. Já nos dei toda a chance necessária, mas está evidente que não dará certo, Inuyasha. Só você não quer enxergar isso.

Dizendo isso, ela pegou a xícara de café e a levou para a pia. De súbito, sentiu a mão de Inuyasha segurar seu braço.

__ Kagome, não me deixe.

Ela gemeu, recusando-se a olhar para ele.

__ Eu preciso ir __ disse em um sussurro. __ Está fazendo exigências que sabe que eu não posso cumprir.

__ Isso porque quero que você fique comigo. Quero que faça parte da minha vida.

Kagome finalmente se voltou para ele, com um brilho de indignação no olhar.

__ Você quer, não é? __ Mais lágrimas rolaram pelo rosto dela. __ Como sempre, continua pensando apenas em si mesmo, Inuyasha. Como há sete anos.

__ Isso não é verdade __ ele protestou. __ Durante todo esse tempo, não se passou sequer um dia sem que eu não pensasse em você.

__ E devo sentir pena de você por causa disso? __ ironizou ela. __ A escolha foi sua, Inuyasha. Portanto, não espere pela minha piedade. __ Ela desviou a vista, engolindo em seco. __ E quanto ao que é importante para mim, Inuyasha? __ Ela o olhou. __ Na sua vida, o que importa são seus negócios, sua fazenda... Eu te amo, e amo suas filhas, mas não posso sacrificar minha própria vida por vocês.

__ Mas não quero que sacrifique sua vida...

__ Mentira! – Kagome o interrompeu. __ Claro que você quer que eu abra mão dos meus planos para ficar com vocês. __ Diante da expressão confusa de Inuyasha, ela continuou: __ Estou apenas sendo realista. Com você, é "tudo ou nada", lembra-se? Pois não posso lhe dar tudo. Portanto, em que situação isso nos deixa? Não, não me toque. Você sabe que nossa situação continua a mesma de sete anos atrás. As coisas têm de ser como você quer ou nada feito.

__ Eu não queria que a situação chegasse a esse ponto, mas também sei que você está morrendo de medo.

Kagome o fitou nos olhos.

__ Tenho convivido com o medo toda minha vida, Inuyasha. Meu pai era minha única família e senti muito medo quando ele morreu. Eu estava sozinha, sem ninguém para cuidar de mim.

__ Eu queria cuidar de você.

__ Sim, claro que queria __ ela ironizou. __ Tanto que me deixou assim que teve uma chance. kikyou morreu há anos, Inuyasha. Se realmente gostava de mim, por que não voltou para me procurar?

__ Eu sabia que você estava investindo em sua carreira e deduzi que não iria querer abrir feridas do passado. Eu também não queria. Nossa separação havia sido complicada e eu não tinha esperança de que você fosse me querer.

__ Mas você nem sequer tentou! __ bradou ela.

__ Não __ ele admitiu. __ Eu não podia. Tinha minhas filhas para me preocupar, Kagome. Elas são muito sensíveis. Às vezes sentem a tensão no ar antes mesmo que eu a esteja sentindo. E eu sabia que reencontrá-la criaria uma situação difícil para nós.

Kagome desviou a vista, dando alguns passos adiante.

__ Eu deveria tê-lo procurado e pedido uma explicação __ disse a ele. __ Mas achei que se você havia conseguido me deixar com tanta facilidade era porque o que havia acontecido entre nós só existira na minha imaginação. Achei que não valeria a pena perder tempo pedindo uma explicação.

Inuyasha respirou fundo.

__ Kagome, eu te amo e sei que você me ama.

__ Claro que amo __ admitiu ela.

__ Então por que está lutando contra mim?

__ Porque não tenho escolha.

__ Todos nós temos escolha.

Kagome balançou a cabeça, aborrecida com a postura dele.

__ Você não sabia nada a meu respeito há sete anos, e continua não sabendo!

__ Ei, nisso você está errada.

Sem dar ouvidos a ele, ela prosseguiu:

__ Mas como poderia me conhecer? Olhe só para este lugar. __ Ela abriu os braços. __ É um palácio. Você realizou o sonho americano. É rico, bonito, influente, respeitado e adorado por todos, além de ter duas lindas filhas. Viveu em meio ao luxo durante toda sua vida, Inuyasha. Por isso não tem idéia do quanto me custou pagar a faculdade e ter de me sustentar até agora. Não sabe o que seria de mim ter de abrir mão de tudo que conquistei com meu esforço.

__ Mas tudo isso terminou __ salientou ele, aproximando-se dela. __ Você conseguiu, Kagome. Então, do que tem medo agora?

Ela não respondeu. Nem protestou quando Inuyasha segurou seu queixo com delicadeza e a fez olhar para ele.

__ Do que tem medo, meu amor?

Duas lágrimas escorreram pelo rosto dela.

__ Tenho medo de quando finalmente usar o título de "doutora" na frente do meu nome, descobrir que, durante todo o tempo, não era isso o que eu queria __ confessou ela.

Inuyasha franziu o cenho.

__ Por quê?

__ Porque reencontrá-lo e conhecer suas filhas... __ Ela não reagiu quando ele a abraçou. __ Tudo aquilo que eu quis tanto quanto minha carreira continua fora do meu alcance.

Inuyasha compreendeu a angústia de Kagome. De súbito, ela se afastou novamente dele, como que se defendendo de algo.

__ Será que não vê que eu ficaria com vocês se pudesse?

O coração dele se encheu de esperança. Aquilo era tudo que ele precisava ouvir.

__ Então encontrarei uma solução, meu amor __ prometeu a ela. __ Prometo que encontrarei.

Quando voltou a abraçá-la, Kagome não protestou. Chorando, deixou-se ficar nos braços dele, com Inuyasha acariciando seus cabelos e lhe dizendo palavras de consolo.

__ Shh... Encontrarei uma solução __ disse, ao ouvido dela. __ Prometo.

__ Preciso ir, Inuyasha, Por favor não me faça lutar por você e por minha carreira. __ Levantando a vista para ele. __ Preciso de você, mas também preciso de meu trabalho. E sei que não poderei ter os dois ao mesmo tempo.

__ Também estou confuso, Kagome __ confessou ele. __ Não quero que deixe sua carreira, mas não estou certo de que quero uma mulher que tenha de trabalhar todo o tempo e que considere a carreira acima do amor de da família.

__ Já fiz muitos sacrifícios na vida para conseguir aquilo que queria __ falou ela. __ E não estou disposta a ceder mais e perder o que conquistei até aqui. Se não puder aceitar isso em mim, então não poderemos ficar juntos.

Dizendo isso, ela se desvencilhou do abraço e se encaminhou para a sala. Sem olhar para trás, pegou a mala e saiu, fechando a porta atrás de si.

Inuyasha continuou de pé no meio da cozinha, sem saber o que fazer.

Ayame e Asagi estavam sentadas no sofá, assistindo à tevê com olhar vago e com os olhos vermelhos de chorar. Quase não estavam falando com Inuyasha por acharem que Kagome havia indo embora por causa dele.

__ Estão com fome? __ perguntou ele, entrando na sala.

Elas apenas olharam para ele. Inuyasha suspirou e colocou o chapéu sobre uma cadeira. Então se ajoelhou diante delas, ciente de que sua mãe e a sra. Winslow se encontravam á porta, observando-os.

__ Você à mandou embora, papai? __ Asagi perguntou.

Inuyasha sentiu um nó na garganta.

__ Não, claro que não, querida. Eu também queria que Kagome ficasse, mas ela teve de partir. Vocês sabiam desde o início que ela ficaria apenas durante algum tempo.

__ Faça alguma coisa, papai __ pediu Ayame, com os olhos cheios de lágrimas. __ Peça para ela voltar.

__ Não posso.

Inuyasha abraçou-as e levou-as para o quarto, onde as duas acabaram adormecendo de cansaço, depois de horas de choro.

Quando voltou para sala, encontrou a mãe á sua espera.

__ Pensei que tivesse criado um filho mais esperto.

__ O que quer que eu faça, mamãe? Que deixe a fazenda e vá morar ao lado do hospital onde Kagome está trabalhando?

__ Ela está tão assustada que não está conseguindo abrir espaço na vida nem mesmo para o amor __ afirmou Izayoi. __ Ela precisa de você mais do que nunca nesse momento.

__ Também preciso dela.

__ Então, faça alguma coisa, pelo amor de Deus!

__ O quê?

__ Vá buscá-la.

Inuyasha passou a mão pelos cabelos, impaciente.

__ Acha que não tentei fazê-la ficar? Só faltou eu estender um tapete vermelho diante dela.

__ Dinheiro não é tudo, Inuyasha. Dizer a ela o que você pode oferecer é diferente de fazer as coisas acontecerem. E você foi muito ingênuo em achar que ela abriria mão de residência, ainda mais depois de todos os anos de investimento na carreira. Kagome presa muita as coisas que dizem respeito à honra. O tempo que você passou com Kikyo deveria tê-lo ensinado de que essas coisas de honra e dever nos levam a agir de maneira idiota de vez em quando.

Inuyasha enrijeceu o maxilar.

__ Kagome sacrificou mais do que eu e você podemos imaginar, para chegar onde chegou __ continuou Izayoi. __ Compartilhar a vida com outra pessoa nem sempre envolve cinqüenta por cento de sacrifícios para cada lado. Ás vezes é preciso sacrificar mais do que isso.

Inuyasha se lembrou das palavras de Kagome, acusando-o de querer as coisas sempre à moda dele, sem considerar as necessidades dela. Em um impulso, pegou o chapéu e se dirigiu à porta.

__ Aonde você vai? __ perguntou Izayoi, surpresa.

__ Tomar as providências para ter Kagome de volta __ ele respondeu e saiu.

Izayoi sorriu.

__ Este é o meu garoto.

Inuyasha encontrou Kagome na enfermaria do setor de maternidade, trajando um uniforme que a deixava com uma genuína aparência de médica. Uma enfermeira se encontrava ao lado dela, esperando que ela fizesse algumas anotações em uma prancheta.

__ Kagome?

Ela levantou a vista no mesmo instante, reconhecendo a voz dele.

__ Inuyasha? __ Ela engoliu em seco, entregando a prancheta á enfermeira, que se retirou em seguida. __ O que está fazendo aqui?

Inuyasha olhou em volta, notando que havia mais pessoas.

__ Podemos conversar?

Kagome hesitou, mas acabou assentindo. Os dois se dirigiram à sala de espera, que se encontrava vazia. Inuyasha tirou o chapéu e deixou-o de lado.

__ Não posso continuar assim __ disse a ela.

__ Inuyasha...

__ Não. Deixe-me dizer o que tenho a dizer. __ Ele respirou fundo. __ As meninas estão arrasadas. Todos estão me olhando como se eu fosse um vilão e a fazenda não está sendo mais a mesma sem você, querida.

__ Não posso voltar, Inuyasha. Você sabe disso.

Os olhos dela se encheram de lágrimas.

__ Kagome, você tem lidado com problemas sozinha há tanto tempo que não consegue mais deixar que alguém cuide deles para você, Deixe-me resolver isso para você. Quero que confie em mim e que saiba que farei o possível para que fiquemos juntos sem que você tenha de desistir de tudo por minha causa.

Kagome não soube o que responder. Aquilo parecia bom demais para ser verdade, mas depois de tudo que já havia passado na vida, não soube se deveria confiar plenamente em Inuyasha.

Diante do silêncio dela, ele continuou:

__ Tomei algumas providências para que você não precise abrir mão de nada.

Kagome arqueou as sobrancelhas.

__ E o que você fez?

__ Paguei seus empréstimos. Não __ disse ele, quando ela fez menção de protestar. __ Apenas ouça. Deixe-me continuar. Você me ama, não ama?

__ Sim __ admitiu ela, em um sussurro.

Inuyasha suspirou, curvando os lábios em um sorriso de puro alívio.

__ Sei que você tem de cumprir seu período de residência __ falou ele __ ,mas quem disse que precisa ser aqui?

Ela franziu o cenho.

__ Como assim?

__ Falei com o diretor do County Hospital, em Aiken. Ele concordou que você faça a residência lá. Trata-se de um dos melhores hospitais do Estado, se é isso que você precisa para ter um bom currículo. E você vai poder trabalhar com o dr. Swanson. Ele vai se aposentar daqui a dois anos e me disse que quer que você já comece a considerar a possibilidade de substituí-lo.

Kagome não conseguiu falar. Aquilo parecia um sonho! Poderia continuar trabalhando como médica e ficar com Inuyasha e as meninas!

Ao ver que ela não dizia nada, Inuyasha se aproximou e segurou-a pelos ombros, parecendo preocupado.

__ Kagome, não estou fazendo isso para controlar sua vida, mas porque eu te amo e quero tê-la junto de mim. Eu preciso de você. Eu a perdi uma vez por haver sido idiota suficiente para não perceber quanto exercer a medicina é importante para você. Mas não quero cometer o mesmo erro duas vezes. Eu te amo, Kagome. __ Levou a mão dela aos lábios. __ Case-se comigo.

__ Terá que ficar conosco também!

Kagome se virou no mesmo instante, deparando-se com as gêmeas à porta. Aproveitando o momento de distração, Inuyasha enfiou um anel de diamantes no dedo anular dela.

Quando o viu, Kagome conteve o fôlego.

__ Seu lugar é ao nosso lado __ disse ele. __ Completando nossa família.

Ele olhou para ela, esperando uma resposta. Kagome deixou escapar um soluço, então outro e se atirou nos braços dele.

__ Sim!

As meninas festejaram com pulinhos e gritinhos, mas logo se contiveram, quando Inuyasha levou o dedo aos lábios e lembrou que estavam em um hospital. Mesmo assim, elas se limitaram a parar de gritar e continuaram pulando em torno deles.

__ Oh, Kagome, você acabou de salvar minha vida __ falou ele, fitando-a nos olhos.

Kagome sorriu, deitando o rosto junto ao peito de Inuyasha, ainda chorado de felicidade. O amor também salvara a vida dela. Quando acariciou os cabelos das meninas e recebeu um beijo de cada uma, teve a certeza de que sua vida estava completa.

Finalmente tinha tudo que queria. Tudo que sonhara desde a infância. Tinha uma profissão, um homem maravilhoso perdidamente apaixonado por ela e duas lindas meninas que ela já havia passado a considerar como suas filhas.

Sua família estava ali.

Fim.

Bom meninas a fic chegou ao fim, espero que tenham gostado.

Quero agradecer a todas vocês que acompanharam e mandaram reviews.

Em breve esterei de volta com novas fics!!

Obrigada.

Espero receber muitos reviews por este capitulo também, por isso conto com vocês.