Paix o Dos Ventos Cap tulo 2 - Voc tem uma bela casa Natsuo disse jovem que tanto o intrigava como fazia sentir-se estranho de um jeito desconhecido a ele.
- Obrigada. Bem, ainda muito cedo e minha m e deve estar dormindo, mas pode dormir em qualquer quarto de l de cima a jovem disse a Natsuo apontando as escadas.
- Posso saber seu nome?
- Toshie.
- Tem um belo nome, Toshie.
Natsuo ficou sem jeito quando Toshie corou de repente. Natsuo entrou no quarto que Toshie sugeriu e depois dormiu como pedra. Quando Natsuo acordou j tinham se passado seis horas. Ele se viu num quarto luxuoso que nunca sonhara em ver algo parecido na vida. Ele saiu do quarto ainda com as mesmas roupas que usava desde que saiu da casa de seus pais adotivos. Havia uma bela mulher de cabelos castanhos no corredor. Ela o olhou por alguns segundos.
- Bem vindo minha casa Natsuo! Sou a m e de Toshie, que o trouxe at aqui. Tenho o prazer de receb -lo viajante. Deve ter vindo de muito longe, n o?
- Sim.
- Bem, voc pode ficar aqui o tempo que precisar, mas ter que trabalhar nas planta es de arroz da fam lia.
- Est bem.
Ent o come a amanh bem cedo. Sugiro que v dormir cedo tamb m.
- Onde est Toshie?
A m e de Toshie apontou as escadas que desciam e depois disse que ela estava l fora. Natsuo foi procur -la. Quando a encontrou chorando de baixo de uma rvore a envolveu como se fosse a coisa que mais importava na vida, como se fosse a pr pria alma.
- Por que est chorando?
- Me Perdoe! Por favor! Perdoe-Me!
- Por que est pedindo perd o?
- Eu fiz uma coisa terr vel a voc ! Eu gosto tanto de ti!
Nessa hora Natsuo s conseguia ficar mais perto de Toshie.
- Eu te trouxe at aqui, pois minha m e aprisiona os viajantes que chegam aqui por meio de magia negra para trabalhar nas planta es de arroz at a morte. As camas s o enfeiti adas. Uma vez que dorme nelas, voc n o pode mais sair dos dom nios da minha fam lia. Desculpe.
- Eu n o quero mesmo ir a nenhum lugar enquanto tiver voc comigo.
- Natsuo, n o entende. Eu n o posso ter voc , e n o pode me ter. Vou me casar com um estranho em dois meses.
- E se fugirmos?
- Voc n o entende! Estamos todos presos aqui!
- Sempre h um jeito de inverter uma magia negra.
- O que sabe sobre magia negra?
- Sangue.
Nesse instante o sol estava se pondo.
- Vamos fugir daqui hoje.
- O que quer dizer com sangue ?
- Voc ver . Encontro-te aqui a meia-noite. N o traga nada, s venha com a roupa do corpo.