Ei! Chegamos então ao último capítulo! Espero que gostem! Não se esqueçam de dar uma olhada na minha nova fic O Legado da Akatsuki!

Disclaimer: Naruto pertence a Kishimoto Masashi-sama!


Rehab

Capítulo IX – Voltando para casa

Os meses que se passaram o fizeram sem grandes movimentações. Sakura e Sasuke vacilavam entre brigas ferozes e dias apaixonados. Naruto apenas observava sem entender nada do que acontecia entre eles. Havia dias em que eles mal se falavam, havia dias que eles agiam como se estivessem namorando há séculos. Em outros dias, Naruto via Sasuke conversando com kunoichis de Suna nos bares locais e Sakura ignorando-o enquanto atraía a atenção de todos enquanto dançava. E quando o Uzumaki perguntava eles respondiam:

- Estamos melhores assim.

- Lembra quando nós não conseguíamos ficar num mesmo cômodo?

O loiro apenas dava de ombros e voltava a seu quarto. Já estava farto de toda aquela areia e da secura de Sunagakure. Queria voltar para casa. Queria tomar coragem e convidar Hinata para sair com ele.

Suspirou.

Em poucos dias completariam dois anos naquele exílio voluntário. Não aguentava mais. Sentia falta do cheiro de grama recém-aparada que só Konoha possuía. Sentia falta de andar pelas ruas sentindo o cheiro maravilhoso do ramen da barraca do Ichiraku.

- Ei, quando vocês acham que Tsunade vai deixar a gente voltar para casa? – Naruto perguntou numa bela manhã do insuportável sol do deserto.

Sakura deu de ombros e suspirou.

- Também queria poder voltar para casa.

- Todos nós. – Sasuke ergueu uma sobrancelha. – Ninguém merece seus dias de TPM.

- Hahaha, muito engraçado, sr. Uchiha.

Ele riu e beijou a bochecha da Haruno.

"Um dos dias de amor." Naruto fez uma anotação mental, segurando-se para não rir. Como eles decidiam que dia era qual era um mistério para o Uzumaki.

- Vamos sair para almoçar? – Sakura perguntou. – Não estou afim de cozinhar hoje. – Nem nunca mais, ela disse para si mesma. Cozinhar durante dois anos para Uzumaki Naruto já estava se provando uma tarefa árdua demais.

- Claro. – Sasuke respondeu lançando um olhar de "e não me conteste" para Naruto.

O Uzumaki suspirou pela décima vez naquele dia. Outra coisa que ele detestava em Suna eram os restaurantes. Nada ali tinha gosto bom.


Sakura estava entretida num prato de salada quando Kankurou se juntou a eles no pequeno restaurante.

- Que bom que achei vocês. – ele disse num tom meio mal-humorado. Provavelmente já havia andado a vila toda atrás dos três hóspedes de Konoha.

- Kankurou-san! Não quer almoçar conosco? – Sakura perguntou sorrindo, percebendo que deveria fazer algo para apaziguar a cara amarrada do irmão do Kazekage.

O ninja deu de ombros e aceitou o convite, para o desagrado de Sasuke que nunca realmente apreciou a presença do manipulador de marionetes.

- Por que estava nos procurando? – Naruto perguntou com a boca cheia de espaguete.

- Gaara quer ver vocês. Acho que chegou um pergaminho da Hokage hoje de manhã.

A esperança brilhou nos olhos dos três. Será que era o que eles tanto aguardavam? Uma permissão para voltar para casa? Imediatamente começaram a fazer planos para a esperada volta. Sakura sonhava em poder deitar em sua verdadeira cama em sua verdadeira casa. Naruto sonhava com vinte tigelas de ramen. Sasuke, bem, ele não tinha realmente nenhum grande plano. Só queria poder ter paz e solidão quando assim desejasse. Nada dos gritos escandalosos de Naruto pela manhã ou das eventuais crises existenciais da Haruno.

Em tempo recorde, os pratos na frente deles se esvaziaram e os três saíram correndo pelas ruas de Suna – deixando com Kankurou a responsabilidade pela conta do almoço.

Sakura segurava as mãos de seus dois melhores amigos enquanto esperava impacientemente a reunião na qual estava o Kazekage acabar. Estava louca para saber se a teoria deles estava correta.

Sua ansiedade aumentou ainda mais enquanto ela observava os homens e mulheres que saíam da sala de Gaara. Temari sorriu para ela.

- Podem entrar agora.

Ela e Naruto levantaram em um salto, fazendo Sasuke revirar os olhos.

- Não seja tão amargo. – ela o repreendeu. – Você está tão ansioso quanto nós.

E era verdade. Embora ela jamais fosse admitir isso em voz alta.

Lentamente, eles andaram a distância mínima que separava a sala de espera da sala de reuniões da torre central de Suna.

Gaara abriu um imperceptível sorriso ao ver a ansiedade estampada no rosto dos três ninjas.

- Hoje pela manhã, recebemos um pergaminho da Hokage endereçado a vocês três. – ele disse, em um falso tom solene, para ver aquela ansiedade aumentar naqueles rostos desesperados.

Ele entregou o pergaminho a Sakura.

Ela respirou fundo umas quatro vezes. Suas mãos tremiam incontrolavelmente.

- Abre isso logo! – Naruto reclamou.

E ela obedeceu, mas não conseguiu obrigar suas mãos a trabalhar de maneira rápida. E se não fosse uma permissão para voltar? E se fosse uma ordem para que eles permanecessem por mais um ano inteiro? Já não havia uma única receita em seus cadernos que agradassem o estômago impossível de Naruto. Ela o estrangularia se o ouvisse reclamar mais uma vez.

- Anda! – Naruto tirou o pergaminho das mãos dela e abriu-o de uma vez.

Dentro, na péssima caligrafia de Tsunade, estava escrito: O que ainda estão fazendo aí? Voltem logo para a vila, seu I-N-Ú-T-E-I-S.

Não conseguiram nem ficar irritados com a mensagem mal-educada. Apenas riram até que lágrimas saíssem de seus olhos e o ar se esvaísse de seus pulmões.


Sakura nunca se sentira tão feliz ao por uma mochila pesada nas costas antes, e sabia muito bem que seria a última vez que se sentiria assim.

- Prontos para passar pela última vez nesse deserto? – Naruto perguntou, mais do que entusiasmado.

Os outros dois riram.

- Essa não vai ser a última vez que passaremos pelo deserto de Suna, Naruto. – Sasuke debochou. – Ou você pretende cortar relações com a Vila da Areia quando for hokage?

Naruto fez um muxoxo. Tinha esquecido esse mísero detalhe.

- Vamos logo.

A viagem se mostrou um pouco longa demais para seus corações ansiosos. Três dias andando e acampando em florestas não era, nem de longe, o que esperavam da gloriosa "volta para casa". Haviam se esquecido que voltar significava viajar. Mas nada poderia abalar seus ânimos revigorados pela perspectiva logo a frente.

Queriam chegar. E isso era tudo que realmente importava.

Por isso, andaram mais rápido do que necessário, almejando intensamente o prêmio final: chegar em casa.

- Naruto nii-san! – era a voz de Konohamaru no portão da Vila Oculta da Folha.

- Sejam bem-vindos de volta, Uzumaki-san, Haruno-san, Uchiha-san. – Moegi disse formalmente, inclinando o corpo em uma reverência.

Sakura sorriu.

- Pobrezinhos, vocês foram os selecionados para garantir que passaríamos pela Torre da Hokage antes de irmos para casa?

Moegi sorriu de volta e Konohamaru corou de leve ao dirigir-se à kunoichi veterana:

- Na verdade, ela nos mandou para informar que vocês podem ir direto para casa e que ela estará os esperando amanhã de manhã.

- Nossa. – Sakura exclamou, impressionada. – Acho que Shizune pois calmantes no saquê de Tsunade-shishou.

Naruto e Sasuke riram. Konohamaru e Moegi ficaram surpresos com o jeito que Sakura falara de sua mestra. Ela era a Hokage!

Sakura sorriu mais uma vez para os dois. Vê-los fê-la lembrar dos tempos em que começara seu treinamento para ser médica – o que parecia ter acontecido há muitas centenas de anos atrás.

- Vamos logo. – Naruto disse, percebendo a nostalgia que brilhava nos olhos cor de esmeralda de sua amiga. – Vamos para casa. – ele passou um braço pelo ombro da Haruno e foi andando portão adentro, doido para chegar em casa.


Antes de subir para seu pequeno apartamento, Naruto passou pela barraca de Ichiraku e pediu suas tão sonhadas tigelas de ramen. Quando estava no começo de sua quarta, Iruka entrou no pequeno quiosque.

- Naruto! – ele parecia genuinamente feliz de ver o loiro. – Voltou, em fim!

Naruto abriu um de seus enormes sorrisos.

- Voltei! Mais um dia naquele deserto e eu morria desidratado.

Iruka riu.

- Você não muda.

- Claro que não.

Parecia que fora ontem que Iruka entregara sua própria bandana ao pequeno Naruto.

- Fico feliz que tenha voltado. Passe pela Academia amanhã. Tenho uma turma que adoraria ver seu kage bunshin.

- Pode deixar! – o Uzumaki disse de boca cheia.

Iruka se despediu e saiu da lojinha levando um pacote para viagem. Pouco depois (após comer a sexta tigela, para dar informações precisas), Naruto também saiu da loja. Tinha mais uma parada antes de voltar definitivamente para casa.

- Hinata! – ele exclamou ao ver a herdeira Hyuuga saindo de sua grande casa.

- Na-Naruto-kun! – ela gaguejou, surpresa em vê-lo. – Você já voltou.

- Sim, acabei de chegar.

Hinata corou. Estava feliz de saber que ela fora uma das prioridades de Naruto.

- Queria saber se você não quer dar uma volta comigo amanhã. Iruka-sensei me pediu para mostrar uns jutsus a uma das turmas dele...

Hinata sentiu a cor sumir completamente de seu rosto e seu suor ficar gelado. Ele estava a convidando para sair com ele?

- E-e-eu adoraria, Naruto-kun.

- Ótimo! – ele disse sorrindo um de seus típicos sorrisos. – Te pego por volta de meio-dia, certo?

Ela fez que sim com a cabeça, policiando-se para não desmaiar.

Naruto saiu do bairro Hyuuga cantarolando e saltitando. Podia voltar para casa finalmente. Era o fim da reabilitação.


Sasuke andou pelo reconstruído bairro Uchiha – que ele mesmo organizara quando tinha folga dos treinos ANBU – admirando cada pequeno detalhe. Tudo parecia exatamente igual, com uma única diferença: as casas não eram mais ocupadas por membros do clã Uchiha, e sim por quem quisesse alugar ou comprar as casas.

- Bom dia, Uchiha-san. – as pessoas que passavam o desejavam.

Ele respondia gentilmente a todos eles.

Logo, a maior casa do complexo – a mansão principal Uchiha – estava logo a sua frente. Ele entrou, largando sua mochila no primeiro canto que encontrou. Para seu total alívio, a casa estava completamente limpa e arrumada.

- Até que Tsunade sabe trabalhar. – ele riu para si mesmo.

Subiu as escadas até seu quarto e se jogou em sua cama, sem nem se preocupar em trocar de roupa, ou tirar a colcha de cima do colchão. Ele apenas se deitou, fechou os olhos e concentrou toda sua energia em escutar os barulhos ao redor.

Mas ele não escutou absolutamente nada.

Sorriu. Finalmente, o silêncio. Era o fim da reabilitação.


Antes de seguir o caminho de casa, Sakura parou na floricultura Yamanaka.

- Ei, porquinha!

- Testuda! Você voltou.

Sakura sorriu.

- Finalmente! Bom, se precisar de mim, estou em casa.

Ino sorriu e assentiu.

Sakura andou vagarosamente para casa, aproveitando a paisagem de Konoha. Parecia que fazia séculos que não a via.

Ficou mais do que feliz ao perceber, assim que entrou em casa, que estava tudo em absoluta ordem e limpeza.

Arigatou, shishou.

Foi direto para o banheiro e tomou banho, a água fumegante. Ah, como ela sentira falta de banhos quentes! Em Suna era simplesmente impossível; estava sempre calor demais para aguentar água quente.

Ela vestiu seu pijama mais confortável, desarrumou sua cama e foi para cozinha preparar um chá. Voltou para cama e se sentou, quando acabou o chá e o pôs na mesa de cabeceira, seus olhos encontraram o porta-retratos com a foto do time 7. Sorriu.

Eles eram um time mais uma vez. Embora, para ela, ainda faltasse Kakashi. Ele sempre fizera parte do time, embora fizesse muito tempo que ela não o via. Hatake Kakashi, sempre ocupado em alguma missão perigosa e longa.

Ela suspirou e se deitou, enrolando-se na coberta. E para ela também era o fim da reabilitação.

"This time we're not giving up

Let's make it last forever

Screaming… Hallelujah

We'll make it last forever."


Tradução da Música: Dessa vez não vamos desistir/ Vamos fazer isso durar para sempre/ Gritando... Aleluia/ Faremos isso durar para sempre

Hallelujah by Paramore

N/A: Bom, para aqueles que não são tão fãs assim de SasuSaku, sugiro que leiam Dearest (já que Rehab era para ser um "antes de" Dearest). Mas, para aqueles que amam de fato SasuSaku, usem a criatividade e imaginem o que quiserem para o futuro deles! ;)

Espero que tenham gostado! Até a próxima!