My Dirty Little Secrets. - Diario de uma garota malvada.

I – Kept

"Fazia tempo que não escrevia aqui. Estava precisando desabafar. Minhas amizades não estão vingando, não estou com ninguém, meus pais não me ouvem, ninguém me entende. E não sei o porquê, mas estou muito magoada. Estou triste, não me sinto bem. Não no momento.

Isso soou estranho, vindo de mim, a garota que sempre agitava as festas, tinha muitos amigos, sempre nos lugares vips. Mas as coisas mudaram de um tempo para cá. Não sou mais tão querida. Tudo mudou muito, e eu me sinto desolada. Sem ninguém. Não sou a mesma de antes, eu não me encaixo mais. E isso dói. Machuca profundamente. Papai e mamãe se separaram, mamãe só sabe lamentar-se, e papai cada semana está com uma vadia diferente.

Minha família não é mais tão unida. Meus avós se mudaram para a Bélgica, e a concentração da familia dissipou-se. Não me sinto bem comigo mesma. Isso me prejudica. Eu queria que aqueles tempos bons, das minhas amigas, os garotos, as festas, e tudo o mais voltassem. Mas estava cada vez mais distante. As coisas pareciam ter um imã, puxando meus objetivos para longe de mim." Elizabeth baixou a cabeça na cama, respirando fundo, concentrando-se em não chorar.

- Venha jantar! - A garota de cabelos castanho claro, olhos cor-de-mel esverdeador, pele branquissima, bochechas rosadas e labios vermelhos carnudos fechou o diário rapidamente, e guardou-o numa caixa, e esta, colocou-a no canto mais distante debaixo da cama, com medo de sua mãe lê-lo. Pois ali, continha seus maiores segredos.

A garota desceu as escadas rapidamente, checando sua respiração, e limpando ao redor dos olhos, eliminando qualquer vestígio de lágrimas.

- Estou aqui mãe. O que temos para o jantar? - A garota perguntou à mãe, uma mulher esbelta, com curvas ainda perfeitas, loira, de olhos verdes.

- Macarrão com brócolis. - A bonita mulher respondeu.

- Posso comer em meu quarto? - Lizz perguntou já colocando a comida no prato. A companhia da mãe tornou-se irritante após o divórcio. A mulher apenas reclamava. De tudo e de todos.

- Claro.

- Obrigada mãe. - A menina deu um beijo na bochecha da mãe, e encaminhou-se para seu quarto novamente.

Deitou-se em sua cama de barriga para baixo, e colocou-se a comer. Saboreava, degustava cada garfada do prato. Depois que terminou, levantou-se, levou o prato para a cozinha, e voltou. Rapidamente olhou-se no espelho de corpo inteiro na porta de seu enorme guarda-roupas e enfiou-se no banheiro. Alguns minutos depois saiu, com o cabelo suado colado ao rosto, e já de pijamas, enfiou-se na cama. Dormindo alguns minutos depois.