"Sempre que eu te abraço, eu começo a entender que tudo sobre a sua pessoa me diz que você é meu melhor amigo."

- Anônimo


Capítulo Extra 3: Apenas Faça

Edward Cullen estava largado em sua cama assistindo a reprises de Um Maluco no Pedaço quando Emmett entrou em seu quarto.

"Onde está o seu Tragic Kingdom?" ele perguntou ao começar a fuxicar o porta-cds portátil onde Edward guardava toda sua coleção de música.

"Cara, você não sabe bater em portas?" Edward repreendeu.

"Que seja. Você não estava nem tocando umazinha aqui. Eu sabia que você estava vendo TV. Então, relaxa, cara," Emmett respondeu, sorrindo por sobre o ombro para o irmão mais novo.

"Esse não é o ponto, Em. É uma questão de respeito."

"Oh, buá-buá, bebê chorão. O que você está fazendo em casa, hein? Pensei que fosse estar com Bella."

"Ela está em Port Angeles com Angela e Jessica," respondeu, levantando-se para se esticar. "Além disso, você sabe que ela não é a única pessoa com quem eu me relaciono."

"Eu sei, mas você se relaciona com ela mais do que com qualquer outro amigo, o que significa que, por mais que eu goste de Bella e tudo o mais, você precisa desencanar dessa. Você precisa de uma garota, Eddie. Uma garota em quem você possa dar uns pegas," Emmett falou, deixando sua busca inútil por um CD de lado.

Edward olhou para o irmão como se tivesse duas cabeças saindo de seu pescoço. Ele sabia que precisava de uma namorada - a reafirmação de tal observação não era necessária, e nem era a primeira vez que ele ouvia isso -, mas Edward gostava de passar o tempo na companhia de Bella, e não iria ameaçar sua amizade com ela, apenas para que ele pudesse passar o tempo com uma outra garota que vá lhe proporcionar prazer físico. Apesar de que, naquele momento, a ideia de ter a boca de uma menina envolvendo seu pau ao invés de sua própria mão soava bem pra cacete.

"Cara, você precisa foder. É simples assim. Procure por uma garota que te deixe fazer isso com ela e que não vá se importar se você for terrível, já que será sua primeira vez," Emmett lhe disse ao voltar a procurar o CD do No Doubt que ele queria.

"Aham…" Edward alongou a palavra. "E como, exatamente, eu procedo nesse assunto, ó sábio mestre?" ele perguntou, impacientemente brincando com um fio solto no final de um antigo suéter do seu pai. Ele estava cansado de ser o único virgem em seu círculo de amizades masculinas. Era embaraçoso, e as provocações que ele tinha que ouvir não eram tão animadoras.

"É simples, apenas diga a verdade a ela. Eu sei que, provavelmente, ao dizer isso vou para um inferno feminista onde serei torturado por garotas que não depilam suas pernas, mas… meninas gostam de um garoto honesto e vulnerável. Apenas diga a ela a verdade, e ela provavelmente vai ficar molhadinha na mesma hora que você disser que é virgem."

Edward franziu o rosto para o comentário chulo de seu irmão.

"Pare de ser todo santinho, cara. Mulheres ficam molhadas quando estão excitadas, aceite isso! Você tem que estar confortável para falar de sexo se quer mesmo fazê-lo. Então, bola pra frente. Eu tenho certeza que você vai conseguir achar alguma garota que está no mesmo barco dos fracassados virgens como você."

"Ah claro, como se alguma menina fosse concordar com isso. Seu idiota," ele castigou. "Aqui, imbecil, os CDs estão em ordem alfabética. Mongol."

"Ei, não gosto desses apelidos," reclamou Emmett, enquanto dava um soco no braço de Edward.

"Porra, Emmett, qual foi, cara?" Edward rugiu. Ele esfregou o braço a fim de aliviar a dor.

"Cresça e apareça, e vá logo encontrar uma namorada. Você está todo reprimido," Emmett insinuou, mas deu o fora do quarto quando Edward partiu para cima dele.

"Babaca," murmurou Edward. Ele caiu de volta na cama, deitando-se na posição que estava antes de ser interrompido. Ele zapeou os canais da televisão, frustrado por não encontrar alguma coisa, qualquer coisa que passasse, mas nada chamou sua atenção. Sem o menor cuidado, ele tacou o controle na parede, e pegou o controle do aparelho de som para ligá-lo, e assim, os sons da voz de Dave Grohl no Foo Fighters começou a preencher seu quarto.

Ele não conseguia tirar da cabeça o que Emmett havia lhe dito, por mais que tentasse apenas se concentrar na letra de Everlong.

Edward lembrava que Emmett era alguns meses mais jovem que ele quando perdeu sua virgindade. Seu irmão havia entrado em seu quarto com o maior sorriso babaca que Edward já vira na vida. Emmett havia até mesmo saltitado ao entrar em casa, e durante duas horas depois de seu retorno, o irmão mais novo teve que ouvir a mesma história repetida dez vezes, antes que Edward fingisse cansaço e Emmett finalmente saísse do quarto… saltitante.

Edward queria provar aquela sensação; aquele sentimento de estar vivo, aquela corrente de energia que Emmett passava após transar pela primeira vez, como a sensação de estar nas nuvens.

Ele queria perder sua bendita virgindade logo, o único problema era que ele não sabia a quem pedir, ou se ele apenas deveria esperar algum tempo até ter uma namorada séria - mesmo sabendo que isso, muito provavelmente, não iria acontecer tão cedo. Portanto, sua melhor opção era pedir a alguém - ele apenas não sabia quem.

A ideia de perder sua virgindade era deveras fascinante. Todo cara esperava pelo dia em que iria, finalmente, dar um jeito nisso logo. Todos os seus amigos já haviam descrito como o ato era mais do que "inacreditavelmente bom". Muitos deles usavam palavras como "úmido" e "quente", e alguns até mesmo chegaram a usar o termo "perfeito".

Ele queria aquilo; nessecitava. Ele estava cansado de usar "Diana", sua mão direita, e "Estela", sua mão esquerda para quando queria sentir algo diversificado.

Ele se revirou em sua cama enquanto tentava ter uma ideia sobre qual garota estaria disposta a tirar sua virgindade. Ele ainda não havia tido a menor ideia, até que o telefone tocou, e quase como um presente enviado dos céus, ele teve sua resposta.

Bella.

oOo

"Você pirou, é?" Bella perguntou a Edward. Eles estavam sentados na lanchonete local dividindo uma porção de batata frita, e ele havia acabado de propor sua ideia a Bella.

Após Bella ligar para Edward, avisando que já havia chegado do shopping, ele lhe contou sua ideia de perder a virgindade como se não fosse grande coisa, e Bella, obviamente, o acusou de ser maluco. Ele bufou e pediu para que se encontrassem na Lanchonete Forks em quinze minutos, e ela claramente aceitou.

"Estou falando sério, Bells. Não há mais ninguém que eu confie para fazer isso do que você," explicou ele com sinceridade. Ele queria certificar-se de que estava encarando diretamente nos olhos de Bella, para que, assim, ela soubesse que ele estava sendo honesto.

"Eu não sei, Edward. Quero dizer, eu entendo de onde essa ideia possa ter surgido, mas esse tipo de coisa tem uma importância muito… grande," ela disse, incerta.

"Como você sabia que era grande?" Edward provocou. Ele até mesmo deu uma piscadela para amenizar o clima. Bella riu, rolando os olhos, e jogou uma batata nele.

"Estou falando sério. Eu achei que você estivesse brincando quando me contou por telefone, mas você está mesmo falando a verdade. Você realmente quer que isso aconteça."

"Bella, você não precisa concordar. Isso vai soar muito errado, mas eu estou cansado de ser o único virgem do grupo, além de você e umas outras meninas. Eu sei que é um motivo esfarrapado, mas Emmett tocou no assunto hoje, e eu fiquei refletindo," Edward explicou.

"Emmett? Você foi pedir conselhos a Emmett?" Bella inquiriu, incrédula. "Agora sim, eu sei que você perdeu a cabeça."

"Isabella," Edward começou a dizer, e os olhos de Bella arregalaram-se antes de encará-lo com raiva. Edward engoliu em seco, sabendo muito bem que chamar Bella pelo nome completo era pedir para morrer.

"Edward-"

"Bella, por favor, me deixe terminar," ele a interrompeu. Bella aquiesceu, e gesticulou para que ele continuasse.

"Eu sei que isso é, de longe, a coisa mais doida que eu já te pedi para fazer."

"Não tenho a menor dúvida disso," Bella o cortou, embora tivesse sido apenas um murmúrio baixo, ainda sim conseguiu deixar Edward irritado.

"Bella, por favor. Só… me deixe explicar," ele pediu, e esperou que Bella concordasse. Ela suspirou, derrotada, e rolou os olhos.

"Obrigado," ele começou novamente. "Eu sei que isso é loucura, é uma piração total, mas não há ninguém mais no mundo com quem eu queira ter a minha primeira vez, só com você. Você é minha melhor amiga, Bells."

"Eu não sei, Edward. Eu entendo suas razões. Você não é o único que quer dar um jeito nessa coisa de virgindade logo. Eu, também, quero saber o porquê de tanto rebuliço em cima desse assunto, mas eu acho que seria muito estranho. Nós somos amigos, Edward," Bella afirmou.

Edward ficou calado, com o rosto inexpressivo e desanimado, tentando esconder sua decepção. Falhou terrivelmente nisso.

"Você, com essa cara, parece até que eu acabei de matar seu peixinho dourado," Bella disse. "Me desculpe," ela pediu rapidamente, o que o tomou de surpresa.

"Bella, você não precisa se desculpar. É só que não há mais ninguém, além de você, que me faria sentir confortável fazendo isso. Se eu tiver que ser horrível na minha primeira vez, então eu quero que seja com alguém que eu sei que não irá me julgar, ou mesmo zombar de mim por isso. A única pessoa em quem eu confio plenamente para fazer algo assim é você."

Bella sorriu timidamente e deixou escapar um suspiro pesado, com o qual Edward pôde quase sentir sua aceitação à proposta indecente.

"Você sabe que eu também confio em você, Edward, mas quando terminar, e você tiver sido horrível, eu, com certeza, irei fazer piadas sobre isso," ela riu enquanto tomava seu refrigerante. Ela quase cuspiu tudo de volta quando viu o queixo de Edward despencando.

Descrença.

Choque.

Uma sensação de êxtase fodida.

Aquelas seriam as melhores palavras para descrever as emoções que se passavam por Edward naquele momento.

Ele não podia crer que ela tinha, de fato, aceitado o trato. Ele estava chocado pelo fato de que o momento que ele havia esperado por anos iria, finalmente, acontecer. E ele não conseguia evitar o sentimento de puro e completo êxtase, pois não tinha motivos para se preocupar se ele seria ruim fazendo sexo, já que tanto ele quanto Bella eram inexperientes.

"Jura? Você está concordando? Está mesmo dizendo sim?" ele perguntou, só para ter certeza. Que ele saiba, Bella podia muito bem estar lhe pregando uma peça; lhe dando esperanças apenas para vê-lo partir-se ao meio e queimar-se quando ela, enfim, respondesse que não.

"Sim, Edward, eu quero perder minha virgindade com você. Então, quando vamos fazer?"

O sorriso de Edward aumentou em quase um quilômetro enquanto ele tentava suprimir o grito de felicidade que ameaçava escapulir dele a qualquer instante.

"Eu te amo," ele falou, pegando Bella de surpresa por um momento. "Sério, você é a melhor amiga que qualquer cara gostaria de ter. Quer dizer, eu… o que você quer por isso? Eu te compro qualquer coisa."

"Você está feliz?" perguntou ela, e Edward parou sua mini-celebração maníaca de ultra-felicidade.

"Sim, por quê?"

"Bom, então isso é tudo que eu preciso," Bella sorriu e pegou outra batata.

Por um momento, Edward estava estupefato, não acreditando no que tinha acabado de ouvir, mas ele afastou a súbita explosão de felicidade que martelou seu coração, além da sensação de palpitação e calor que haviam surgido ali. Com um enorme sorriso, ele abaixou a mão para pegar mais uma batata frita.

"Você comeu a última?" ele perguntou, indignado, enquanto Bella ria e abria a boca para mostrar a ele a batata mastigada.

"Nossa, isso é tão fino, Bells."

"Eu sou uma garota de muita classe, Edward," debochou.

oOo

Os dois acabaram dividindo uma banana split antes de voltarem para casa naquele dia, mas não sem antes concordarem que o sábado seguinte seria o dia em que eles realizariam "o ato" - como Edward tão eloquentemente denominara. Ele chegou até mesmo a escrever "FAZER O ATO COM E.!" em letras garrafais na agenda que Bella carregava para cima e para baixo.

Quando ela perguntou se ele iria escrever no calendário dele, Edward riu, respondendo que ele não precisaria anotar, pois seria incapaz de esquecer.

O garoto tinha razão. E como.

O "Dia D" - como Edward, em sua mente, chamava o evento -, era a única coisa que se passava em seus pensamentos durante a semana precedente. Ele tinha a maioria de suas aulas junto de Bella, e durante aquela semana, sempre que olhava na direção dela, ela piscava um olho, e então todo o sangue de Edward fugia para se concentrar dentro de suas calças.

Durante a semana, bastava apenas que o vento soprasse na direção certa sobre seu membro, para que ele ganhasse uma ereção. Era ridículo.

Naquela semana, ele se masturbou mais do que em qualquer outro período de sua vida. A perspectiva dos eventos que ocorreriam no sábado o deixavam perturbado, e ele se viu tendo reações praticamente incontroláveis.

Ele ficou saltitante, agindo afobadamente durante a semana, e na manhã do dia "D", ele parecia quase drogado com a ansiedade para a noite.

Infelizmente para Edward, seu comportamento não passou despercebido.

"O que deu em você, hein?" Emmett lhe perguntou ao pular em cima de Edward em sua cama.

Edward grunhiu de dor. Ele tentou, sem sucesso, empurrar o irmão mais velho e bem mais pesado, até que o próprio Emmett se retirou - mas não sem antes dar uma cotovelada de brincadeira no estômago de Edward.

"Mas que merda, Em!"

"Mas que merda, Em? Mas que merda, digo eu! O que deu em você, ultimamente, hein? Você está todo esquisito e nervoso a semana inteira."

Edward sorriu ao pensar as imagens de tudo o que seria possível acontecer na noite de hoje. Ele começou a sonhar acordado com os sons que ele e Bella fariam; sobre como Bella seria quando nua, e como ela reagiria ao vê-lo nu. Mas antes que o sonho avançasse, Emmett bateu com um travesseiro em sua cabeça.

"Porra, Em! Qual é o seu problema?" ele reclamou.

"Nenhum, mas você estava sonhando acordado e não me respondeu."

"Eu segui o seu conselho, e encontrei uma garota que estivesse a fim de… ," Edward começou a dizer, mas a timidez tomou conta e ele gesticulou com as mãos para que seu irmão entendesse a que ele se referia.

"A fim de quê?" Emmett perguntou, confuso.

"Você sabe…" Edward, novamente, moveu as mãos, mas Emmett ainda parecia não compreender.

"Não, eu não sei, Edward. Porra, fala logo. A fim de quê?"

"A fim de fazer sexo," ele sussurrou a última parte, e Emmett o fez repetir aquilo.

"Perdão, como é?"

"Sexo! Eu consegui fazer com que Bella concordasse fazer sexo comigo! Céus, você é burro pra caralho," Edward berrou para um Emmett que parecia estar se divertindo com aquilo. Naquele momento, Edward soube quem era o burro entre os dois.

"Merda!" ele xingou, enquanto Emmett simplesmente caiu no chão, rolando com suas risadas. "Como que você sempre consegue fazer isso?"

"Truques mentais de um Jedi, irmãozinho. Você aprenderá algum dia. Mas está falando sério? Bella?"

Edward assentiu sorrindo, mas o sorriso foi abalado quando ele notou a preocupação cobrir o rosto de Emmett.

"Qual o problema de ser com a Bella?" perguntou Edward, sua voz falhando. Seus nervos estavam à flor da pele ao ouvir os comentários que o irmão faria.

"O problema? Além do fato de ela ser a sua melhor amiga?"

Edward sentou-se na cama em silêncio, esperando que Emmett continuasse.

"Cara, você não beija os seus melhores amigos, quanto mais transa com eles. Isso é um definitivo 'não' em vermelho no guia de regras dos melhores amigos, meu chapa."

"Mas Bella é a única pessoa com quem eu teria essa primeira vez. Ela é a única garota que eu sei que não vai rir de mim se minha performance for péssima," Edward respondeu com honestidade, sua voz estava baixa e seu rosto apontado na direção de seus pés.

"Ah," Emmett falou, sentando-se ao lado de Edward. "Saquei. É uma questão de confiança. Você se sente confortável com ela. Sabe, seria igualmente confortável se você tivesse uma namorada, mas eu entendo o seu raciocínio. Eu esperei um ano até que eu e minha ex-namorada fizéssemos sexo e, felizmente para mim, nós dois éramos virgens, então ambos fomos péssimos na primeira vez."

"Foi por isso que eu escolhi Bella. Nós dois somos inexperientes; isso neutraliza o campo entre a gente."

"Verdade, mas você tem que entender que isso vai mudar sua amizade para sempre. Vocês não podem voltar a ser o que eram antes. Para as garotas, sexo é uma coisa muito importante. Você precisa entender isso," Emmett falou sabiamente, e Edward ouviu com atenção, embora tudo o que estava sendo dito soasse confuso para ele.

"Bella não é assim, Em. Você sabe disso," ele tentou convencer o irmão, apesar de que, lá no fundo, aqueles fossem os exatos medos que haviam lhe perseguido durante a semana. A última coisa que ele queria era perder sua melhor amiga, uma das pessoas mais importantes - se não a mais importante de sua vida.

"Você tem certeza? Eu sei que ela é bastante especial pra você, cara. Tem certeza que quer arriscar tudo isso? Não tem problema se você tiver que esperar mais um tempo para fazer sexo."

Edward encarou seu irmão enquanto imaginava esmagar a cabeça dele em suas mãos. "Será que você conseguiria se decidir, Sr. Miyagi? Primeiro você me zoa, dizendo que eu preciso tirar o atraso, e agora você me diz que não faz mal esperar. Você está confundido minha cabeça, e eu tenho dezesseis anos, a vida já é complicada o bastante sem esses seus conselhos."

"Mas isso foi antes de você me contar que pediu a Bella para fazer parte dessa maluquice de plano. Você quer mesmo arriscar doze anos de amizade por conta disso?" Emmett perguntou, e era a primeira vez em toda sua vida que Edward ouvia o irmão falar tão sério daquele jeito.

"Nós não estamos arriscando nada, Em. Nossa amizade vai continuar sendo como sempre foi, nada irá mudar," Edward falou, e Emmett rolou os olhos.

"A quem você está tentando convencer?"

"Vá se ferrar, Em," Edward esbravejou amargamente contra o irmão. Ele esperou por um sorriso de vitória de Emmett por ter conseguido irritá-lo, ao invés da expressão que apareceu - a face dura, pronta para a interrogação.

"Posso te perguntar uma coisa?"

"Tá, pergunta," Edward resmungou irritadiço, olhando para o irmão.

"Você propôs isso a Bella por que sabia que ela diria sim, ou por que tinha esperanças de que Bella dissesse que sim?"

"Isso não faz o menor sentido."

"Claro que faz. Você propôs a Bella por que sabia que ela diria sim a você - pois ela sempre diz -, ou pediu para transar com Bella por que você gosta dela, e lá no fundo você realmente queria que ela fosse a sua primeira?" Emmett perguntou com um sorriso presunçoso, aquele que era a marca registrada dos Cullen.

Edward bufou uma risada incrédula, contorcendo seu rosto de cinco diferentes formas antes de responder. Emmett parecia estar se divertindo mais com cada expressão que passava pelo rosto do caçula.

"Eu fiz essa proposta a Bella pois sabia que ela concordaria, além disso, eu tenho confiança de que ela não dará com a língua nos dentes sobre como eu provavelmente serei péssimo na primeira vez," Edward disse, energicamente, o que fez Emmett erguer uma sobrancelha.

"Então… tá. Você vai beijá-la?"

"Sim. Por que não beijaria? Não devo?" Agora Edward estava congelado em seu assento, mais confuso do que nunca, se perguntando sobre qual a baboseira que Emmett iria lhe dizer a seguir.

"Você não pode beijá-la. O beijo é um ato íntimo durante o sexo. É o primeiro passo para uma conexão mais profunda. Beijar Bella apenas atrairia problemas. Apenas não a beije na boca," Emmett instruiu e Edward protestou com fúria.

"Eu não posso beijá-la? E como eu vou conseguir… sabe… deixá-la no clima, se eu não beijá-la?" A falta de experiência de Edward brilhava como os luminosos de Las Vegas.

"Existem outras coisas que você pode fazer, Edward. Você pode beijar o pescoço dela, pode chupá-la lá embaixo… as possibilidades são inúmeras, mas todo mundo tem aquele lugarzinho que os faz estremecer, faz seus dedos dos pés contraírem-se. Eu, por exemplo, adoro quando minha garota beija o interior da minha coxa."

"Eeeca," grunhiu Edward. "Eu não preciso saber desses detalhes," protestou ele, e Emmett gargalhou.

"Se você não consegue falar sobre isso, então você não poder fazer," ele recordou.

"Eu consigo falar sobre sexo, Em. Eu só não quero ouvir sobre o que deixa você excitado. Existe uma coisa chamada 'informação demais' até mesmo entre irmãos. Mas voltemos a regra de não beijar. Ainda não entendi. Eu pensei que isso fosse uma coisa muito importante em todo o sexo," os comentários ingênuos de Edward fizeram Emmett suspirar de frustração, e ele se levantou, parando em frente a Edward de forma intimidadora.

"Edward, um beijo significa tudo no início de um relacionamento. É assim que vocês saberão se são ou não compatíveis. E se, por acaso, você e Bella forem compatíveis? Você quer se arriscar desse jeito?" O tom de voz de Emmett era sério, dando um ponto final a discussão. Edward sacudiu a cabeça em negação.

"Eu não sei o que eu faria sem Bella. Ela é minha melhor amiga," ele sussurrou, e Emmett voltou a sentar ao lado do irmão, jogando um braço ao redor dele.

"Eu sei que ela é uma parte importante da sua vida, então se divirtam, mas não vá fazer nenhuma merda, porque eu gosto da Bella. Ela me proporciona muitas risadas, principalmente às custas dela," Emmett brincou e ambos riram, amenizando a tensão que havia começado a tomar conta do quarto.

"Então, quando vocês estão planejando fazer isso?"

"Hoje à noite. A mamãe e o papai estarão em Seattle visitando os amigos o fim de semana todo, e você tem um encontro, o que me faz ter certeza de que você não voltará para dormir em casa, então Bella virá pra cá."

"Menino esperto. Eu vou deixar uma camisinha pra você."

"Não precisa. Bella já comprou algumas."

"Bella? Bella Swan? Bella, aquela que fica corada quando os casais se beijam nos filmes? Essa Bella comprou camisinhas? E onde diabos eu estava que perdi isso?" ele quase berrou. "Eu teria amado presenciar esse momento. Cara, eu perco as melhores coisas. Ela provavelmente estava vermelha feito um pimentão. Droga, agora estou puto. Brochei total."

"É, eu amarelei e não consegui comprar sozinho, então ela foi lá e comprou. Mas eu lhe dei o dinheiro, então, tudo bem," ele informou. "Além disso, ela toma pílula," Edward comentou e as sobrancelhas de Emmett atingiram o pico de sua testa.

"Ela toma pílula? Bella Swan? Aquela que tropeça em si mesma, a Bella Swan?" perguntou ele, incrédulo.

"É, para regular a menstruação," respondeu Edward, dando de ombros.

"O fato de você saber essa informação… me assusta."

oOo

Bella chegou às sete na casa dos Cullen, como ela prometera. Ela carregava a já conhecida mochila Jansport azul marinho, que sempre a acompanhava quando ela passava a noite lá. Quando era Natal, Edward sempre achava um novo emblema bordado para adicionar à crescente coleção que enfeitava a mochila.

A casa estava em silêncio, com exceção dos sons da televisão de Edward no andar de cima. Ele estava assistindo a reprises do desenho Doug.

"Oi," ele a cumprimentou ao atender a porta.

"Oi," Bella mal sussurrou, já começando a enrubescer. Edward riu ao ver o tom rosado espalhar-se por seu pescoço até atingir as maçãs de seu rosto.

Ele sorriu. Sentia-se feliz por não ser o único a estar nervoso. Saber que eles estavam compartilhando as mesmas sensações o deixava mais calmo.

"Nervosa?" ele perguntou, seguindo logo atrás dos passos lentos e hesitantes de Bella ao subir pelas escadas.

"Aham," ela afirmou. Sua voz estava estremecida, e quando eles chegaram ao topo da escada, Edward a envolveu em um abraço.

"Eu também estou," sussurrou. "Mas estou muito feliz de estar fazendo isso com você. Não existe ninguém mais perfeita pra esse momento."

"Idem," ela murmurou em seu peito, afastando-se em seguida.

Os dois caminharam até o quarto dele vagarosamente, a cama recostada em um canto parecia estar a milhares de quilômetros. Eles, enfim, chegaram até lá e sentaram um ao lado do outro, em silêncio.

"E agora...?" Bella indagou, e Edward deu de ombros. Ele assistiu enquanto ela tirava uma camisinha de seu bolso, colocando-a sobre a mesa de cabeceira. Ele ainda não conseguia acreditar que ela tinha tido coragem de comprá-las sozinha.

"Nem acredito que você comprou isso," ele gesticulou para o pequeno pacote de preservativo.

"Nem eu. Então, o que a gente faz?"

"Não sei," ele respondeu, sem ter a menor ideia de como prosseguir com tudo isso.

"E se eu tirar a minha blusa?" ela sugeriu e os olhos de Edward arregalaram-se. Ele engoliu em seco; o sangue de suas veias correndo diretamente para sua virilha. Ele já havia visto Bella de biquíni inúmeras vezes, mas agora era diferente. Dessa vez, ela estaria de lingerie, em seu quarto, com a perspectiva de sexo em um futuro muito próximo.

"Está bem, então eu também vou tirar a minha," ele respondeu, e Bella assentiu. Ambos levantaram-se da cama, tiraram suas camisas e as jogaram sobre a cadeira do computador. Edward resfolegou ao ver o sutiã rendado que Bella usava.

Era um sutiã rosa claro, com uma simples faixa de renda nos topos das taças que cobriam seus seios. Por alguns momentos, Edward ficou a olhar, maravilhado pela peça, até que Bella se cobriu.

"Não, Bella, não se esconda. Você é linda," ele parecia hipnotizado pela visão. Ele sabia que sua melhor amiga era bonita. Não conseguia contar nas mãos quantas vezes os rapazes da escola tinham chegado até ele para perguntar se Bella tinha namorado.

"Edward," ela disse envergonhada, andando até o amigo. Ela pôs sua mão sobre o coração dele. Edward imitou o movimentou, e teve que suprimir uma risada ao sentir, sob sua palma, a forma como o coração dela acompanhava o mesmo compasso errático das batidas do seu.

Bella deu mais um passo a frente até que seus torsos se tocassem, e Edward involuntariamente gemeu ao sentir o sutiã dela contra seu peito. Ela inclinou a cabeça para cima, como se fosse beijá-lo, mas ele a afastou para longe.

"Não!" ele praticamente berrou, assustando Bella. "Não podemos nos beijar."

Ela pareceu confusa por um ou dois segundos. "Por quê?"

"É só que… bem, é que… nós somos amigos. Nós estamos ajudando um ao outro com essa… coisa toda. E beijar só faria disso…"

"Algo íntimo?" Bella ofereceu comprimindo os olhos de modo questionador, e ele assentiu a cabeça, grato por ela ter entendido. "Foi o Emmett que falou isso pra você?" ela indagou em voz alta após um instante, e Edward assentiu novamente, prendendo a respiração enquanto esperava pela resposta dela.

"Tá, eu concordo. Seria estranho."

"Ah, que bom, obrigado!" ele expirou enquanto trazia Bella de volta para seu corpo. Ele inclinou-se e beijou a testa de Bella, sorrindo ao sentir o calor aumentando no corpo dela.

Bella deu o primeiro passo real ao começar a beijar o peitoral dele. Edward gemeu com o contato de sua boca sobre ele; as mãos dela vagavam para cima e para baixo sobre suas costas.

"Bella," ele gemeu quando a língua dela passou sobre seu mamilo esquerdo. Sua respiração falhou quando ela repetiu o ato em seu mamilo direito.

"Estou fazendo isso certo?" ela perguntou, e Edward teve que conter seu sorriso. Ele não fazia ideia se o que ela fazia era a forma correta de agir numa situação dessas, mas com toda certeza, a sensação proporcionada parecia mais do que certa. Ele assentiu e enterrou sua mão no cabelo dela, enquanto ela ficava na ponta dos pés para beijar toda a clavícula dele.

"Bella," gemeu novamente. Ele a afastou, e viu quando os olhos dela viajaram de seu rosto até encontrar o volume em sua calça de moletom. Ele riu quando Bella engoliu em seco antes de murmurar um "uau" sem emitir som.

"Posso tirar o seu sutiã, Bella?" perguntou ele timidamente, e ela assentiu a cabeça. Edward, lentamente, envolveu os braços em torno dela, adorando o familiar e reconfortante aroma característico de Bella. Entretanto, também havia outro aroma ali. Era o cheiro da excitação. Edward soube, naquele momento, que aquele seria um cheiro que ele iria para sempre adorar.

Ele beijou a área do pescoço de Bella, e adorou quando ela arfou enquanto ele sugava a clavícula dela. Suas mãos estavam firmemente posicionadas sobre o fecho do sutiã, apenas repousando ali, ao passo que ele quase gozava precocemente sob seu moletom.

Ele apenas mordiscou o lóbulo da orelha de Bella, e ela deixou escapar o mais belo gemido que ele já ouvira, mais sensual do que os das garotas que ele vira no canal da Playboy.

Ele havia encontrado aquele lugar especial.

Edward continuou a mordiscá-la ali, enquanto ela arranhava suas unhas curtas pelas costas dele. Ele sugou o ar entre dentes ao sentir o doce contraste entre prazer e dor.

Finalmente, ele conseguiu abrir o fecho do sutiã. Edward deu um passo para trás ao lentamente retirar as alças rosas, em seguida, vendo o sutiã cair ao chão.

Seus olhos ficaram arregalados ao observar os seios nus de Bella. Era a primeira vez que ele via peitos de uma distância tão curta, além de ser a primeira vez que ele tocaria nos seios de uma garota.

"Posso?" perguntou, sua mão já esticada em direção a ela. Bella engoliu em seco e assentiu.

As mãos dele fizeram contato com ambos os seios. Ele os segurou, começando a massageá-los em um ritmo lento. Bella gemeu de modo apreciativo, fazendo Edward sorrir. Era tudo o que ele podia fazer, pois naqueles breves instantes, o garotinho imaturo em sua mente estava dançando e exclamando, "Peitinhos! Você está tocando nos peitos de uma garota!"

Edward, mais encorajado, começou a beijar o pescoço de Bella, descendo até chegar a um dos mamilos dela, os quais ele sugou até ficarem endurecidos em sua boca.

"Edward," seus papeis inverteram-se, e dessa vez, foi a vez de ele ouvir Bella gemer. As mãos dela brincavam com o cabelo na nuca dele - seu cabelo, finalmente havia crescido desde o fiasco do moicano azul, fruto da aposta que ele havia perdido.

"Bella," ele respondeu, suas mãos se atrapalharam sobre os botões no jeans dela, enquanto ele tentava abri-lo. Com muita trepidação, ele conseguiu abaixar o zíper. Ele esperou para ver se Bella iria o impedir, mas ela o ajudou, deslizando a calça pelas pernas até tirá-la por completo.

Edward deu um passo para trás e apenas observou Bella. Ela estava parada em seu quarto, vestida apenas com uma calcinha cor-de-rosa. O cabelo dela estava bagunçado, e ele jamais havia visto Bella mais linda do que naquele momento.

"Edward," ela o chamou, tirando-o do estado de transe. "Eu acho que seria mais justo se você tirasse sua calça também."

Edward riu, mas aquiesceu ao pedido.

Agora, era a vez de Bella fitar Edward, seus olhos fixados sobre a tenda que se formava em sua cueca boxer.

"Deite-se na cama, Bella."

Ela obedeceu, deitou-se, e ele logo a seguiu, ficando por cima dela. Ele se equilibrou sobre os antebraços, e ficou a fitar Bella. Ela estava mordendo o lábio inferior e Edward não podia evitar achar aquilo adorável.

"E agora?" ela cortou a linha de raciocínio de Edward, e ele se afastou para retirar sua boxer. Bella arquejou ao dar uma primeira olhadela. Ela jamais havia visto um homem nu antes. Era uma experiência bastante esclarecedora.

"Você está bem?"

"Sim," ela sussurrou, e Edward permaneceu no lugar enquanto assistia Bella se desvencilhar de sua calcinha. Assim que todas as roupas de baixo foram jogadas para longe, ele se aproximou dela, o calor emanado do corpo feminino o levou a um inesperado vendaval de intensas sensações. Lentamente, ele abaixou o corpo entre as pernas afastadas de Bella, e a cabeça de seu membro roçou contra o sexo dela.

"Merda," ele xingou ao sentir o quão molhada Bella estava. A tentação cresceu absurdamente, e ele se pegou investindo os quadris contra ela, sem penetrá-la. Para sua felicidade, ela ergueu os dela para encontrá-lo.

"Edward," gemeu ela, suas mãos encontrando o cabelo dele novamente.

"Bella," ele respondeu ao chamado. Sua mão agarrou o quadril dela ao cessar seus movimentos.

"Eu vou pôr…" ele começou a dizer, parando no meio da frase. Ele sabia que Bella havia entendido.

Edward pegou o preservativo, rasgando a embalagem como seu irmão lhe ensinara mais cedo. Ele sentiu-se um completo idiota enquanto se atrapalhava ao desenrolar a camisinha, até finalmente conseguir cobrir-se com sucesso.

"Tá tudo bem, Bells?" ele perguntou ao se alinhar contra a entrada do sexo dela. Ele teve que se controlar. Mesmo com a barreira do preservativo, ele conseguia sentir como ela era quente, e o quão excitada estava. Impedir a si mesmo de simplesmente adentrá-la de uma vez por todas, foi uma luta contra seus impulsos.

"Sim, e você como se sente?" ela perguntou, um sorriso gentil e quase melancólico em sua face. Ambos estavam cobertos por uma fina camada de suor, respirando pesadamente, e Edward estava maravilhado com o brilho das gotículas sobre a testa dela.

"Perfeito," respondeu ele enquanto, vagarosamente, a penetrava. A boca de Bella abriu-se ao sentir a cabeça do membro de Edward adentrando seu corpo. Ele tentou ao máximo não machucá-la, continuando o ritmo lento ao penetrá-la, até estar na metade do caminho.

"Bella?" ele grunhiu, completamente entregue. Ele estava experimentando sensações que jamais teve. Era, de fato, a perfeição. Bella era, de longe, mil vezes melhor que a mão dele. Ela era tudo que sua mão jamais foi - tão quente, tão molhada, e o melhor de tudo, tão apertada.

"Sim," ela lamuriou, e lágrimas saiam de seus olhos. Edward beijou as gotas que escorriam, perguntando se ele podia continuar. Quando Bella assentiu a cabeça, ele a penetrou por completo. Sua boca abriu-se em um silêncio estarrecido, enquanto a sensação tomava conta de seu corpo, o deixando desnorteado.

Era algo intenso demais.

Apenas cinco minutos de lentas estocadas foram suficientes para que Edward atingisse o pico de sua tensão. Ele gozou como nunca antes em sua vida. Quando, enfim, saiu de dentro de Bella, ele sentiu-se culpado.

Tirou a camisinha, enrolando-a em um lenço de papel antes de jogá-la na cesta de lixo mais próxima. Logo após isso, ele deitou-se ao lado de Bella, trazendo-a para perto dele.

"Sinto muito," ele falou e Bella bufou.

"Por que você está se desculpando? Eu sabia que iria doer, mas não foi tão ruim assim. Lá pelo final, estava começando a ficar gostoso."

"É sério?" ele perguntou, sem esconder aquele rastro de alegria em sua voz.

"Sim. Você não foi tão mal."

"Obrigado, Bella. Então, quer que eu pegue o seu pijama?"

"Boa ideia. Quero sim, obrigada."

"Não é nenhum incômodo, Bella… nenhum mesmo."


Nota final da autora: Espero que tenham gostado dessa pequena espiada nos primórdios da relação deles, e agora vocês podem culpar Emmett pela regra de "nada de beijos".

Muito obrigada por todo o apoio de vocês em Alphabet Weekends. Não saberia nem como começar a expressar o quão grata eu sou por cada uma das reviews. Muito obrigada, do fundo do coração.

- Jen; the-glory-days.

Nota final da tradutora: Agora acabou de verdade! Quero muito agradecer a todos que acompanharam a tradução, foi uma jornada longa (mais do que o normal, eu sei, peço perdão), mas foi muito boa. Aprendi muita coisa aqui! Obrigada por todas as reviews fofas elogiando meu trabalho (acreditem, isso aqui, quando bem feito, DÁ um trabalhão), além dos elogios a essa história safadinha, porém linda. :)

Agradeço também à minha beta Carol Venancio, que tinha que segurar a batata quente sempre que eu mandava os capítulos em cima da hora, mas sempre fez um bom trabalho em consertar os infortúnios cometidos pelos meus dedos bêbados. hahahah

Daqui pra frente vou me dedicar às minhas fics originais, como já venho fazendo. Quem quiser continuar me acompanhando, é só colocar no alerta de autor - quem não sabe, é só escolher o "Add Author to Author Alert" nesse retângulo azul embaixo. Não posso dar certeza se voltarei a traduzir alguma coisa, mas quem sabe eu não encontre uma fic que realmente vale a pena?

Quer manter contato, ou sei lá, pedir indicação de fics ou falar das loucuras do fandom? Me encontre nesse twitter aqui - http:/ bit. ly/hHvrgX

A gente se vê por aí!

Beijos!