Prólogo: "The first thing an angel feels"

Se sentia pesado e tonto, mas isso não deixava de ser fascinante. A gravidade era fascinante. Parecia pregado ao chão.

Tentou dar um passo à frente. Caiu— seu corpo todo doía. Levantou-se mais uma vez. Tinha que conseguir. Fora mandado à Terra com uma missão e não descansaria até cumpri-la. Deu o primeiro passo, seguido do segundo, do terceiro.. Andar se tornou uma tarefa fácil, quase automática. Um sorriso invadiu seu rosto amorenado. Corria e pulava pela paisagem catastrófica que pouco condizia com sua alegria.

Passada a euforia inicial, decidiu por concentrar-se em sua missão. Seus olhos atentos analisavam tudo à sua volta. Havia prédios destruídos e uma poeira espessa cobrindo o chão. Alguns animais vagavam à procura de alimento dentre os destroços do que antes talvez pudesse ter sido um simpático bairro de classe média, com ruas asfaltadas e jardins orgulhosamente bem cuidados.

Realmente, não fazia idéia de onde estava, mas sabia exatamente para onde ir. Tinha que encontrá-los. Todos eles. Precisaria de muita ajuda.