Disclaimer: Faster Than a Kiss não me pertence. Faço este fic sem fins lucrativos, apenas por diversão.

Recompensa

Por Mitzrael Girl

Ela tinha estudado incansavelmente para aquela prova. Não tinha como não passar! Só precisava de mais ela e finalmente poderia ficar livre para aproveitar as férias. E o pior de tudo, é que era Ojiro que estava aplicando. Era a prova de inglês. E ela era péssima em inglês.

Ainda assim, precisava se esforçar. Ele tinha prometido que se ela se desse bem, receberia como recompensa aqueles deliciosos cookies de chocolate que só ele sabia fazer! Precisava muito terminar aquela prova e tirar uma nota alta. Mas claro, acima dos cookies, estava a vontade de ver como ele ficaria orgulhoso dela quando se saísse bem. Ainda assim, queria os cookies. Ele a tinha proibido de comer qualquer coisa doce enquanto não tirasse uma boa nota. Aquela seria sua prova final.

Quando entregou a prova, recebeu o sorriso dele em resposta e saiu do colégio. Agora, era só voltar para casa e esperar. Quando ela entrou no apartamento, permitiu-se sorrir. Há quanto tempo não tinha aquela sensação boa? A sensação de que estava em casa. Só queria às vezes que tivesse outra sensação… a de que realmente era casada. Mas claro, ainda era tratada como uma estudante, como realmente era. E poucas vezes, parecia que Ojiro a olhava realmente como uma mulher. Mesmo que fossem casados.

Suspirou, animando-se novamente ao lembrar que logo teria seus tão desejados cookies, era só se livrar daquela última prova!

xXx

– Fumino-san! – a voz animada dele foi ouvida na entrada da casa, enquanto ela terminava de vestir a sua fantasia de empregada.

– Então, como eu me saí?! – ela correu até a entrada para vê-lo. Ele estava sorridente, com a prova dela em uma das mãos, e na outra, impressionantemente, um buquê de flores. – Eh? O que…?

– Pensei que merecia mais uma recompensa. – ele disse, se aproximando dela, estendendo-lhe o buquê. – Sei que só está interessada nos cookies – sorriu – mas queria lhe dar isso também. meus parabéns, se saiu ótima.

Ela não conseguiu evitar que o rubor surgisse em sua face. Nunca, em sua vida inteira, tinha recebido flores de alguém, especialmente de um homem. Sentiu uma coisa estranha no peito, e nem precisou olhar para Ojiro para confirmar que aquilo era o que sentia por ele… naquele momento, ela se sentiu uma mulher de verdade, amada de verdade, casada de verdade.

– Obrigada. – disse, com o rosto escondido nas flores, completamente vermelho.

– Vá comer seus cookies. Sei que está morrendo por eles. – ele sorriu largamente, e ela aceitou a idéia para se virar e correr na direção da cozinha. Entretanto, parou no caminho e se virou para encará-lo.

– Ojiro-sensei!

– Ahn?

– Okaeri. – ela conseguiu finalmente sorrir, como uma esposa ao receber o marido em casa depois do trabalho.

– Tadaima. – ele sorriu de volta.