Summary: "Os dias naquele colégio, a partir daquele momento, seriam como uma pequena reunião de família." Kyouya x OC; Hikaru x OC.


E de repente ela estava lá, na carteira diante de Tamaki, como se sempre tivesse se sentado lá. Ele não sabia o motivo, mas o cabelo ruivo e encaracolado dela, o perfume, o jeito, tudo dela lhe parecia familiar. A próxima aula começou e o professor fez a chamada. O nome, a voz… Por que Tamaki os conhecia tão bem? Mas não importava o quanto tentasse se lembrar, sua memória não ajudava. Ela continuava um enigma para ele.

O dia passou e as atividades do clube começaram, mas Tamaki continuava tentando se lembrar de onde conhecia a jovem. Ele estava tão concentrado que todos no clube podiam jurar que havia fumaça saindo da cabeça do rei, que só foi tirado de seus devaneios quando uma bola entrou pela janela e foi parar do outro lado da sala. Ao lado de Tono estavam os cacos de vidro.

Tamaki colocou a cabeça para fora, apoiando as mãos na janela e procurando o responsável por aquilo. Seus olhos encontraram a mesma garota de antes, correndo para dentro do prédio como se fosse se esconder. Só naquele momento que o loiro reparou em como ela estava vestida. Era no mesmo estilo de Haruhi no primeiro dia de aula, o que fez um arrepio correr por suas costas. Então seu olhar foi atraído por outra pessoa.

Parecia ser um garoto e também não trajava o uniforme. Corria logo atrás da ruiva e os dois pareciam se divertir. Mais uma vez Tamaki sentiu que conhecia aquele ser de cabelos loiros e enrolados que iam até o meio das costas, aquele jeito de se vestir. Se pudesse olhá-lo de perto, com certeza acharia mais coisas familiares.

Os dois entraram no prédio, o que impediu que Tamaki continuasse os observando, então ele se virou para o clube. As clientes haviam se assustado e por isso estavam juntas em um canto, os integrantes tentavam acalmá-las ao mesmo tempo em que tentavam achar uma explicação para o ocorrido. Mas Haruhi não estavam com eles.

- Você está sangrando, senpai… – a voz da garota veio do seu lado, o assustando. Ela varria o chão.

- Ah… – ele olhou para as mãos. Havia se cortado na hora em que se apoiara na janela – Vou até a enfermaria, nesse caso.

Ele foi até a porta e estava prestes a abri-la quando alguém a derrubou em cima dele. Naquele momento, suas mãos eram as partes mais intactas de seu corpo. Então alguém, provavelmente o responsável, falou e a voz surpreendeu Tamaki. Era da garota ruiva.

- Podem devolver nossa bola?

Tamaki sentiu que alguém saíra de cima da porta, pois o peso sobre ele havia diminuído. Não demorou até a porta ser removida também, o que deu a Tamaki a chance de se levantar e se virar para as pessoas que haviam acabado de entrar. Mas não conseguiu vê-las direito, pois Mori o levantou do chão e o carregou até a enfermaria.

- Desculpem – disse Kyouya, analisando a garota ruiva com os cabelos presos em duas tranças –, mas quem são vocês?

- Ela pediu a bola, quatro-olhos. – o olhar de Kyouya se desviou para a fonte da voz, encontrando um garoto pouco menor do que Haruhi, com o cabelo encaracolado loiro preso em um rabo-de-cavalo baixo.

- Vocês nos causaram prejuízos e terão de pagar. – Kyouya simplesmente o havia ignorado.

- Tudo bem, quanto é? – a ruiva estalou os dedos e um homem de terno apareceu pouco atrás dela.

Kyouya não respondeu.

- Ah, tanto faz. É muito caso por uma bola. – o loiro deu as costas e saiu, mas a ruiva não foi atrás.

Ela havia notado dois olhares em sua direção e agora olhava de volta. Eram os gêmeos, surpresos por de alguma forma ela se parecer tanto com eles. O mesmo tom do cabelo, a mesma cor dos olhos, o mesmo jeito rebelde de falar. E eles podiam sentir que havia mais alguma coisa que os ligava, mas não sabiam dizer o que era. Então a garota desviou o olhar e se retirou, logo alcançando o garotinho loiro. O homem de terno já havia saído há algum tempo.

- Kyouya-senpai… Quem eram eles? – Haruhi já tinha acabado a limpeza e se juntou aos amigos.

- Não sei, Haruhi. Mas aquela garota… Ela está na minha sala, creio.

Silêncio.

- Muito bem, agora que passou, quero que todos esqueçam essa história. – o moreno se virou para o resto do grupo ao começar a falar.

Não havia muito tempo de funcionamento sobrando, então a maioria das clientes já tinha se retirado, principalmente depois do incidente do dia. Isso dava certa liberdade aos Hosts. Kaoru e Hikaru, por exemplo, ficaram discutindo sobre o ocorrido, enquanto Kyouya e Haruhi foram ver Tamaki na enfermaria. Mori, já de volta havia algum tempo, estava sentado no mesmo sofá de Hani, vendo-o comer doces ao mesmo tempo em que atendiam ao restante das clientes.

- Tamaki. – Kyouya entrou na enfermaria e foi direto até o loiro. Haruhi vinha atrás – Como está?

- Ah, Kyouya! Haha, estou bem melhor! Mas… Quem entrou no clube naquela hora?

- Um garotinho loiro e a menina ruiva da nossa sala.

- Ela parecia muito com os gêmeos, não acham? – o comentário veio de Haruhi, o que fez Tamaki finalmente notá-la.

- Ah, você veio ver o papai! Quanta consideração! – Tamaki pareceu se emocionar.

- Parecer com os gêmeos… – o loiro havia sido ignorado. Kyouya continuou – Na verdade, parece mesmo. E o rapaz se parecia com você, Tamaki. – "Claro, de aparência…"

Aquilo fez os olhos do loiro se arregalarem.

- Alguma coisa errada, senpai? – a voz de Haruhi o trouxe de volta à realidade.

- Ah, nada. Mas acho que sei quem são…

Quando ele acabou de falar, a dupla em questão entrou e foi até o trio.

- Então finalmente notou, huh? – eles disseram em uníssono.