Harry Potter não é meu. Alguma pergunta?

Memories

Viu-o sair pela porta. Seus olhos encheram-se de lágrimas. Gordas e pesadas lágrimas.
Ele era o seu herói.
Um herói com a varinha em punho.

-Diz que me ama. – pediu manhosa.
-Por quê? Você já sabe! – ele retrucou com um sorriso maroto.
-Mas eu quero ouvir! – exclamou com um biquinho.
James Potter se perguntou como conseguira merecer mulher tão linda.
-Eu te amo. – e beijou-a.

Ouviu um baque surdo no andar de baixo. Libertou as lágrimas presas.
Pegou o filho deles. A semente deles.
O fruto do amor deles.

-Corre! Fuja com o Harry! – ele mandou os olhos rasos de lágrimas.
Beijou-lhe os lábios pela última vez. Eles estavam quentes, como da primeira vez que os provara.

Apertou Harry com força. Tinha que fugir com o filho. Tinha que proteger a maior e melhor lembrança de James.

-Hey, Lily! – ele a chamou. Virou-se e encarou os olhos castanho-esverdeados de James.
-O que foi? – perguntou sorrindo.
-Eu te amo, sabia? – perguntou com um sorriso lindo.
-Hm... Sabia. – ela riu. James era o melhor namorado que poderia querer.
-Quer casar comigo? – perguntou rapidamente, erguendo-a do ar.
-James! – ela riu e beijou-o.

-Garota, dê-me o menino. – a voz fria de Voldemort ecoou em seus ouvidos e teve medo. Medo do que o futuro lhe reservaria.
-Não. – disse resoluta.
-Não seja tola. – ele disse, sem emoção.

-Vocês vão se casar? – Sirius perguntou incrédulo.
-Sinto Sirius, mas não poderemos nos casar. – James brincou.
-Oh azar! Perdi o homem da minha vida! – gargalhadas ecoaram no bar.

Um avada kedavra. Um feixe de luz verde. Um baque seco no chão do quarto. Lily Potter morrera.
Unir-se-ia ao seu amado: James Potter.

-Eu te amarei para sempre.

Prata no II Mini-chall JL do 6V

Beijo

E aceito críticas com carinho

Misa