Sobe nova direção:

Tentei deixar tudo de lado, pois o pior já havia passado.

O tempo naquele dia havia passado tão rapidamente quando notamos já estava escurecendo.

Kyouhei saiu para preparar o jantar, até colocou ligou o radio em uma estação de j-music.

Parecíamos recém casados curtindo nossa lua de mel.

Espera recém casados? Lua de mel? Que droga eu estava pensando?

Não demorou muito e a musica e o cheiro da comida infestarão a casa.

Kyouhei entrou no quarto trazendo uma pequena mesa de centro que dava para se utilizar como mesa de jantar japonesa, e aos poucos ele foi trazendo o jantar que lotava a pequena mesa era um pequeno banquete e tinha uma cara muito boa.

Kyouhei se sentou no chão se preparando para atacar a comida, me esforcei para conseguir sair da cama ou pelo menos me sentar nela, a dor era grande mais não queria que aqueles preparativos fossem em vão.

Kyouhei até tentou me ajudar mais dispensei sua ajuda. Desci da cama me sentando entre a mesa e a cama.

Não demorou muito e começamos a comer e o radio continuava a tocar.

Ele devorava tudo em pouco tempo e eu comia calmamente, estava com o estomago fraco

Sentia enjôo mais a fome não me deixava recusar a comida.

Comecei a comer vagarosamente mais logo havia acabado com a comida em meu prato.

Kyouhei logo pegou tudo e levou de volta para a cozinha, e eu me esforcei para levantar no quarto havia uma porta fui mancando até ela e descobri um banheiro. Eu entrei nele trancando a porta acendendo a luz, nele havia uma pequena banheira/chuveiro um vaso sanitário em uma pia com armários.

Fui logo enchendo a banheira com água quente queria tanto tomar banho estava toda suja e fedendo, também tinha que pegar roupas novas as minha estava sujas e suadas e ta elas estavam totalmente suja, não vou entrar em detalhes acabou que tive que lavar ela na pia do banheiro não tinha maquina de lavar pelo menos lá não. As lavei e as pendurei numa espécie de varal que tinha perto da janela, fui vasculhando os armários e encontrei coisas pessoais do Kyouhei não me importei muito apenas peguei uma toalha e desliguei a água quente que abastecia a banheira.

E entrei vagarosamente nela. Meu tornozelo em contato com a água quente parava de doer, fiquei lá por pelo menos uma hora aproveitando cada segundo e me limpando é claro.

Fiquei até que a água se esfriasse e então, sai me enrolando na toalha minha roupa ainda estava molhada, tirando a minha roupa de baixo o resto da minha roupa estava tudo molhado, bolei um plano para ir armário de Kyouhei pegar uma camiseta dele, bem ele não era tão grande mais gostava de usar roupas largas e que uma camisa só bastava ela para me vestir até o pé.

Eu era o anão e ele o gigante, tá bom eu estava exagerando.

Abri a porta do banheiro colocando a cabeça para o lado de fora e verificando que Kyouhei não estava lá então fui pulando de um pé só até o armário dele, o abrindo e procurando alguma blusa que não fosse rasgada ou pelo menos preta com mangas longas até que achei uma gaveta com algumas roupas normais eu diria fui escolhendo uma cuidando para que não bagunçasse a gaveta, foi nesse momento que Kyouhei entrou no quarto me pegando no flagra, fiquei vermelha que nem um pimentão estava apenas com as partes de baixo e a toalha pendurada no ombro.

Ele ficou me olhando com uma cara muito estranha e também estava todo vermelho parecia corado, ele meio que tapou os olhos com uma das mãos, eu sabia que ele estava espiando então me cobri com a toalha.

-O que você esta procurando?

Perguntou ele em um tom de voz estranho, dava para ver que ele estava nervoso e ao mesmo tempo com vergonha eu acho;

-Uma roupa limpa!

Ele deu um pequeno sorriso;

-Tudo bem, vou pegar uma para você!

-OK

Fui em direção a cama não estava agüentando mais ficar de pé. Ficar em pé com um pé só cansa muito, ao chegar à cama sentei usando os lençóis como uma proteção "anti Kyouhei tarado".

Kyouhei simplesmente pegou uma blusa cor branca de manga curta e jogou em cima de mim na verdade na minha cabeça, ele me pegou mexendo nas coisas dele era natural ele se sentir assim.

- Me desculpa.

Falei em quanto vestia a blusa, Kyouhei estava de costas fechando o armário.

-Não faça isso de novo, tá legal?

-Sim.

Deitei-me na cama esperando ele sair do quarto, já era tarde também, não queria mais confrontá-lo.

Mais foi totalmente diferente ele abriu uma das gavetas de uma escrivaninha que havia no quarto tirando algumas faixas e esparadrapos, Sentando do outro lado da cama e começou a refazendo o curativo, ele o apertava tanto que a dor provocada pelo fato de estar apertado quase me matava, enfiei a cara no travesseiro estava quase chorando de dor e pelo fato de ter deixá-lo bravo. Foi nesse momento que acho que ele percebeu que estava me machucando e não me fazendo se sentir melhor. Logo desenrolou a faixa refazendo o curativo menos apertado de com mais calma.

-Está melhor agora?

Tirei o travesseiro da cara limpando as lagrimas dos olhos fiquei surpresa com a reação dele.

E respondi rapidamente.

-Sim!

Ele sorriu e logo terminou o que estava fazendo.

-Prontinho.

Disse ele apoiando meu pé sobre a cama. Logo se levantou desligando a luz do quarto e enquanto fechava a porta se despedia com uma pequena frase;

-Boa noite.

Assim que ele fechou a porta me ajeitei na cama fechando os olhos para dormi, mais minha consciência não me deixava dormi, não havia esclarecido nada para mim pelo menos ainda não. Não dava para alguém entrar lá sozinho derrotar uma dúzia de caras e sair apenas com um machucado superficial no rosto tinha que ter mão de mais gente naquilo. Mais porque que esse assunto me incomodava tanto?

O que interessava era que eu estava aqui viva. Eu queria de alguma forma agradecer a pessoa que me havia me tirado de lá, de perto daquele cara barulhento.

Passei algumas horas pensando nisso me revirando na cama, até se cansar e adormecer.

Logo já era manhã, eu escutava o barulho dele pela casa, parecia falar com alguém. Esfreguei os olhos com uma das mãos e bocejando ao mesmo tempo, logo depois olhei para o relógio que havia em cima da escrivaninha, ele marcava duas horas, tomei um susto me levantei da cama num impulso só e a dor veio à tona me jogando no chão. Cai de cara no chão fazendo muito barulho, vinha vista ficou turva por alguns segundos e quando vi Kyouhei já estava entrando no quarto depois não me lembrava de nada. Acordei novamente alguns minutos depois na cama mais dessa vez não me levantei Kyouhei continuava a discutir com alguém na sala, a voz dessa pessoa era muito familiar parecia até o. Parecia até o Marcelo, não acreditava que ele estava lá precisava ver com os meus próprios olhos me levantei vagarosamente da cama mancando até a porta e há abrindo um pouco com todo o cuidado para que ela não rangesse. Pelo corredor dava para escutar melhor, sim era o Marcelo;

-Kyouhei não vou permitir que a Fabi-chan fique aqui, você é muito irresponsável sabe que aqueles malandros estão atrás de você se eles descobrirem onde você mora quem sabe o que vão fazer com vocês dois?

-É? E o que você pretende fazer? Trancar ela dentro de apartamento e deixa - lá sofrer lá sozinha enquanto você sai para uma turnê? Nem a pau!

-Eu quero a vêla Kyouhei!

-Não pode, ela esta descansando você não viu?

-Eu quero falar com ela, e você não vai me impedir!

Logo depois de escutar Marcelo dizendo aquilo fechei a porta e pulei na cama para fingir que estava dormindo, apesar de gostar muito do Marcelo queria ficar aqui com o Kyouhei e se eu estivesse acordada só pioraria as coisas. Cobri-me fechando rapidamente os olhos, alguns segundos depois já estavam os dois entrando no quarto senti uma mão passar sobre o meu rosto mais não sabia de quem era ela;

-Não te falei?

Marcelo bufou para Kyouhei.

-Eu já estou indo, volto quando ela estiver acordada.

Deu para escutar Marcelo deixando o quarto e batendo a porta da casa.

Continuei a disfarçar que estava dormindo.

Logo depois do estrondo na porta lá em baixo, Kyouhei se sentou na cama e disse com uma voz seria;

-Porque esta fingindo que estava dormindo?

Abri os olhos com o rosto de fudeu fui pega.

-Eu finjo tão mal assim?

-Sim.

-Será que ele percebeu?

-Provavelmente não, o Kai é lerdo.

Não respondi nada. Então se deitou colocando a cabeça na minha barriga e olhando para o teto. Então perguntou baixo;

-Ta a fim de sair?

-Para onde?

-Vamos ao um parque!

-E minha perna?

-Eu te carrego.

Ele se levantou da minha barriga e olhou pra mim dando um sorriso.

Sorri de volta. Foi ai que eu lembrei que não tinha roupa para sair.

-Eu não tenho roupa para sair Kyouhei.

-Não tem problema.

Ele continuava a sorrir logo se levantou saindo do quarto e voltando alguns estantes depois com uma mala na mão.

-Que mala é essa.

Perguntei.

-Sua mala.

Respondeu Kyouhei colocando-a perto da cama.

-Minha? Mais como assim minha?

-Fui até sua casa mais cedo antes do Kai chegar e trouxe algumas coisas para você. E isso aqui também oh!

Kyouhei jogou algo em cima de mim. Era meu diário. Fiquei tão feliz ao ter-lo de novo.

Pedi a Kyouhei uma caneta, ele logo a pegou não entendendo muito bem.

Então comecei a escrever;

Querido diário: 01/3/09

Querido diário já estamos ao um tempo sem se falar, já estamos no outro mês e só agora consegui você de volta, tudo graças ao Kyouhei. Ele esta sendo muito legal comigo, aconteceram coisas muitos ruins, prefiro não comentar,Torci o pé,já faz algum tempo mais mesmo assim Kyouhei e eu vamos ao parque tão contente. Agora tenho que parar de escrever pois alguém além de mim está nos espionando, até a próximas.

Olhei para Kyouhei e logo percebi que ele estava tentando ler o que eu havia escrito.

Então fechei o meu diário. Levantei-me da cama peguei algumas roupas limpas na mala, e fui ao banheiro, tomar banho e me arrumar para ir ao parque. Logo já estava pronta havia vestido uma linda saia branca que havia ganhado de uma das minhas amigas antes de viajar. Ela combinou perfeitamente com a regata meio amarelada que havia vestido.

Logo depois escovei meus dentes e escovei o cabelo. E sai do banheiro anunciando que estava pronta para parti.

Kyouhei ainda não estava pronto estava sentado na cama me admirando com um sorriso no rosto, aquele lado delinqüente para mim já havia sumido há muito tempo.

Estava tão feliz por ele ser meu amigo.

Logo ele se levantou indo para o outro quarto, enquanto isso me sentei na cama o esperando. Logo ele voltou com uma roupa "sou delinqüente" e com o cabelo loiro tingido penteado para traz. Com certeza aquele era o visual perfeito para ele e nada mudaria isso mais apesar de tudo ele ainda tinha um belo coração.

Lá vai eu de novo eu falando besteiras.

-Vamos.

Diz Kyouhei me estendendo a mão. E logo a segurei me levantando.

Fomos até o corredor e se deparamos ao vão de escada enorme. Kyouhei não pensou duas vezes me pegou no colo como se eu fosse uma pena e me levou até a porta, saímos de casa ele me colocou sentada na moto e foi trancar a casa. Em seguida subiu na moto a ligando e começando a acelerada.

-Pedi para Kyouhei ir de vagar.

E ele dessa vez respeitou meu pedido pela primeira vez.

Fomos até ao parque a uns oitenta quilômetros por hora, normalmente era cento e noventa