• Bichos-Papões •

"I am the one hiding under your bed
Teeth ground sharp and eyes glowing red
I am the one hiding under yours stairs
Fingers like snakes and spiders in my hair
This is halloween, this is halloween
Halloween! Halloween! Halloween! Halloween!
In this town we call home
Everyone hail to the pumpkin song"

(This is Halloween; Marilyn Manson)

(Debaixo da cama)

Assombrando sua mente sem que você saiba e tornando cada sonho um pesadelo daqueles em que se acorda com gosto de medo na boca. E lá fora ninguém ouve as batidas tímidas e assustadas de seu coração, gritando por ajuda quando você - e apenas você - perde a voz para o desespero que te segue à cada esquina. Já não é paranóia quando não consegue dormir. Uma música de ninar de risadas macabras invade-lhe os ouvidos e te mata aos poucos.
[Ela vem lá debaixo.]

(No armário)

Porque agora você sabe que a Coisa está ali, escondida. Apenas esperando, assim como você espera a morte chegar, os olhos assustados, as mãos tremendo, fitando a porta do armário. A cortina da sua janela dança macabramente como um palhaço, rindo daquele seu medo todo, daquele seu pavor em descobrir que tudo era melhor em seus sonhos, quando o monstro - a Coisa! - só existia debaixo da cama.
[Você jura que viu olhos de fogo, ansiosos por sua morte. Bem ali, atrás da porta no armário. ]

(No banheiro)

E quando se levanta com as pernas bambas e desajeitadas, você sabe que precisa correr, que precisa fugir para não sufocar com seu medo, naquele quarto escuro com papel de parede de palhaços felizes que subitamente parecem querer sua cabeça, seu corpo e todas as suas lágrimas. Lágrimas estas que lhe escorrem pelo rosto, caindo no mámore da pia do banheiro. Sua boca está escancarada, mas não há grito, apenas um palhaço de olhos assassinos refeltido em seu espelho. Ele lhe sorri e em sua mão há um balão. Um balão que parece sua cabeça decepada.
Você sabe que não é real. Você é a imagem do pavor, quebrando-se aos poucos como cacos de vidro, escorrendo para o esgoto como suas lágrimas.
[E quando você abre a torneira, você sabe que sai sangue fresco dela.]

(Atrás da porta)

A porta do banheiro está trancada, por mais que não haja mais ninguém na casa. A porta do banheiro está trancada, por mais que você saiba que nada poderá deter a Coisa se ela realmente quiser sua cabeça - Ah, ela definitivamente a quer! - ou o seu corpo.
Você fica ali, o corpo encolhido contra a parede branca-morte do banheiro e chora bem baixinho para ninguém ouvir, tentando abafar as batidas na porta. Elas não podem ser reais. E esforça-se para ignorar as risadinhas maliciosas.
[Mas elas não vem do lado de fora.]

(Ao seu lado)

"Ei, você quer um balão?"
A frase em si assusta mais que qualquer toque.
Enlouquecendo.
Matando.
E o branco-maquiagem-de-palhaço fica todo coberto de vermelho, da cor dos seus gritos e do seu sangue quente, descendo pelo ralo, além de Derry e até os confins do Inferno.
[Por mais que você saiba que nem morrendo irá se esquecer daquele pesadelo vivo.]

(Em todo o lugar)

Na madrugada lá fora, ecoa uma risada estranha com ar de milhões de máscaras de Dia das Bruxas.
[Enquanto balões vermelhos voam pelo céu, flutuando alegres ao som de uma música de circo.]

Nota da Autora:

Para você, Hiei-and-shino.
Porque você ama o It.
Porque você merecia um presente.
Mesmo essa fanfic sendo indigna de você.
E do – ou da? - It, claro.
Por isso, prometo escrever uma até o seu aniversário.
Que se o – ou a! – It quiser, estará melhor que essa.
Então, é isso, quase-gêmea, essa é sua. E é a segunda do fandom em português.
Como diz você, mal cheguei, serei expulsa.

Review ou você receberá uma visita do It!

(De tanguinha. Você quer isso? Realmente? Reflita.)