N/a: Nova Fic... espero que gostem!

Disclaimer: Nenhum dos personagens são meus. HP e sua trupe são da Tia Jo... e a única coisa que eu ganho escrevendo é o meu próprio divertimento. E um ou outro review...

Capitulo 1 Uma Visita Inesperada.

Harry Potter, também conhecido como o Menino-que-sobreviveu, estava dormindo tranquilamente. Em poucos minutos os sinos distantes da igreja de Oterry st. Catchpole tocariam, anunciando a meia noite. Por muitos anos Harry fez dessa meia noite que se aproximava uma tradição. Ao primeiro minuto do novo dia, 31 de julho, Harry estivera sempre acordado, para felicitar a si mesmo por seu aniversário, ou para receber os presentes mandados por seus amigos, desde o seu terceiro ano em Hogwarts. Essa meia noite, porém, encontrou o rapaz com seus olhos incrivelmente verdes fechados, dormindo pacificamente no quarto que pertencia a Fred e Jorge, na Toca, casa dos Weasleys.

Esse fato, porém, não foi causado por falta de vontade da parte de Harry. Desde as onze da noite, um pesado sono havia se espalhado por toda a casa, fazendo com que todos os seus habitantes estivessem dormindo profundamente naquele momento. Hipnos, deus do sono, se encarregara de entregar todos os habitantes da casa aos braços de seu filho Morfeu.

Deitado em sua cama, Harry não ouviu o bater dos sinos, e assim, não percebeu a chegada de seu aniversário. Quando os sinos terminaram de soar as doze badaladas, Harry se encontrava em um campo florido, uma cidadezinha podia ser vista ao longe, a seu lado, Siris, James e Lily corriam, perseguindo um ao outro, brincando, rindo, como se nada pudesse fazer mal a eles ali. Num momento, porém, os três sumiram, dando lugar a duas mulheres. A primeira tinha longuíssimos cabelos loiros, que lhe caíam em ondas pelas costas até chegar aos tornozelos dela. Estava vestida com um manto branco, com delicadas flores bordadas em prata. A segunda, tinha cabelos negros, que lhe chegavam ao meio das costas, os olhos negros tinham uma profundidade indescritível, podendo fazer um homem se perder facilmente ali. Ela também vestia um manto, esse de um cinza escuro, com detalhes em negro.

- Harry Potter. - falou a loira – nós temos uma proposta a lhe fazer.

- Escute bem, pois é sua única oportunidade, se você decidir não arriscar, não terá chance de voltar atrás. - continuou a morena.

- Quem são vocês? - a curiosidade de Harry havia sido instigada com a aparição dessas duas mulheres de aura poderosa.

- Eu sou Afrodite. – respondeu a loira com um sorriso doce.

- Me chamam de Éris. - disse a morena, seu olhar mostrava que não deveriam aborrecê-la.

- Er... - fez Harry confuso.

- Somos divindades, Harry Potter. - disse Éris, percebendo a confusão na mente do moreno – e estamos aqui para lhe oferecer uma chance de voltar, de retomar decisões, de mudar alguns acontecimentos.

- Voltar? - perguntou Harry agora esperançoso – posso salvar Sirius?

- Se você aceitar nossa proposta, poderemos fazer algo por seu padrinho. - respondeu Afrodite – mas primeiro você deve compreender a nossa proposta. Você, meu querido, tem sofrido muito mais do que o Destino previu. Em sua breve vida, perdeu muito do amor que deveria ser certo a todos os mortais, seu sofrimento não nos passou despercebido. Nem as injustiças que caíram sobre seus jovens ombros.

- E as mudanças em seu destino está causando muito mais problemas do que eu sou capaz de criar. - respondeu Éris, a deusa da discórdia, do caos, com um sorriso – o que quer dizer muito. Por isso, nós vamos lhe dar uma oportunidade.

- Você poderá reviver os últimos anos, mantendo suas lembranças intactas. Éris se encarregará de controlar o Caos que esse tipo de mudança normalmente causa. E eu lhe dou a chance de realmente conhecer o que é o amor incondicional de uma família, ou ao menos o amor incondicional de uma figura paterna, o que tanto lhe falta.

- Mas não é assim tão simples. Você não pode contar a ninguém o que sabe. Deve ter sempre em mente que toda e qualquer escolha que faça terá uma consequência, e que nem todas elas serão boas. Suas escolhas deverão ser suas, assim como as consequências.

- Eu vou poder salvar o Sirius? Impedir que Voldemort recupere seu corpo? Impedir essa guerra de acontecer? - perguntou Harry ansioso.

- Se você fizer as escolhas certas, sim. - respondeu Afrodite – mas não pode esquecer-se de viver. Você tem a chance de não apenas sobreviver, como tem feito por anos, mas de realmente viver sua vida. - lembrou Afrodite.

- Não se esqueça dos seus sentimentos. Das suas paixões, e dos seus inimigos. Nem todos os que se dizem estar do seu lado realmente querem o que é melhor para você. - disse Éris.

- Você está falando de Dumbledore, não é? - perguntou Harry, uma velha raiva voltava a aparecer em seu peito – ele tem manipulado minha vida desde antes de eu entrar em Hogwarts.

Ao se lembrar de Albus Dumbledore, os olhos de Harry brilharam, um vento o envolveu, bagunçando ainda mais os cabelos morenos.

As deusas se olharam, o poder daquele aparentemente frágil mortal era muito maior do que o menino parecia saber.

- Sim. - respondeu Éris – tome cuidado com ele. Nós lhe ajudaremos em seu caminho.

- Éris! - brigou Afrodite – não podemos interferir nas escolhas dele, você sabe muito bem disso!

- Afrodite, deusa do amor e da beleza. Você realmente pretende não se envolver? Não acha que está na hora de alguém cuidar dele? De realmente se preocupar com o bem estar dele? Promova o Caos, Harry, mude a forma como os bruxos veem o mundo, e eu te ajudarei a salvar aqueles que lhe são caros.

Afrodite parecia inflar de raiva, mas um olhar na direção de Harry, na forma ao mesmo tempo frágil e poderosa daquele que não passava de um menino foi o suficiente para que ela tomasse sua decisão.

- Promova o amor, Harry. Mostre a todos que sua maior força, sua motivação é o amor, a vida, e você terá a ajuda das divindades.

- E então? Aceita? - perguntou Éris.

- Aceito. - respondeu Harry sem hesitar.

- Que o Destino volte a ser o que deveria. - disseram as duas deusas ao mesmo tempo.

Uma névoa branca envolveu Harry. Ele fechou os olhos, tentando se livrar dela e quando os reabriu...

Harry levantou-se de um salto. A sua frente estava seu livro de história da Magia, pena, tinteiro e pergaminho meio preenchido com a história de Wendelin, a esquisita. Olhando em volta de si Harry percebeu que estava de volta a casa na rua dos Alfeneiros. Por vários minutos ele olhou pela janela, como se esperasse que toda aquela cena se desfizesse e ele voltasse a se encontrar no quarto do gêmeos, na Toca.

Batidas na janela o acordaram de suas divagações. Edwinges, Errol e uma terceira coruja buscavam entrada.

Harry deixou-as entrar, tirou os pacotes que estavam presos a elas, e acariciou sua coruja branca. Não havia sido um sonho. Ele realmente estava de volta. Era somente isso que se passava na mente dele. Tudo aquilo tinha acontecido de verdade. Ele estava de volta. Sirius estava vivo. O mundo havia voltado aos eixos.


N/A: E então? o que acharam? eu já li tantas vezes (em ingles, é verdade) fics onde o Harry é mandado de volta no tempo, pra reviver sua própria história, que eu não consegui me conter, tive que escrever minha própria versão.

Então... REVIEWS?