Disclaimer: "Perfect Body" e seus personagens não me pertencem, sendo propriedade de Melissa Gould. Esta história não tem fins lucrativos.


Perfeição

O público do ginásio de esportes estava em silêncio. Milhares de pessoas no mais absoluto silêncio.

Leslie não estava entendendo. Por que todos se calariam por causa de uma simples queda?

Abriu os olhos, vendo a barra assimétricas como se estivessem a muitos metros de altura. Por que estavam tão altas?

Piscou, como se quisesse se situar. Algo estava muito errado.

Passos. Escutou passos se aproximando em um som quase ensurdecedor, como se pertencessem a um batalhão. Várias pessoas surgiram em sua frente, quatro ou cinco talvez enchendo-a de perguntas e conversas estranhas.

- O que está sentindo?

- Fique calma, nós já vamos te tirar daqui...

- ... Vai ficar tudo bem...

- Sente dor?

Por que elas pareciam tão preocupadas? Era só uma queda, como milhares de outras que sofria nos treinos. Uma coisa boba se preocuparem daquele jeito. Frescura. E Leslie não era fresca. Leslie Reynolds sempre levantava.

Naquele momento ela só levantar, terminar sua rotina nas barras e levar logo sua bronca. Seu treinador certamente estava louco por uma queda naquela altura da competição. David Blair não perdoava falhas.

- Fique calma, Leslie. Já vamos para o hospital. – ecoou a voz de seu treinador e bastou ouvir aquilo para que as coisas passassem a fazer sentido. As palavras, o silêncio, aquelas pessoas todas em silêncio... a palavra "hospital".

Estava no chão. Não sentia seu corpo.

Não conseguia se mexer.

Não conseguia respirar.

Abriu a boca, tentando dizer alguma coisa, qualquer coisa, mas não houve som. Aquele movimento custou a energia que não tinha.

Tudo foi escurecendo. As cores e rostos sumindo e as vozes passaram a soar tão baixas quanto em um sussurro.

Aquele era o seu fim?

Aquele era o seu prêmio?

Tudo lhe veio a mente: sua família, seu ex-namorado, os muitos anos de treinamento, sacrifícios, as dores de cada lesão e cada queda e cada alimento recusado em suas dietas loucas.

Tudo em troca de minutos de perfeição e reconhecimento.

Por esses poucos minutos Leslie estava ali agora, lutando por seus sonhos em uma final olímpica.

Por esses poucos minutos, Leslie estava ali: por querer ser a mais leve, a mais forte e a mais rápida.

Tinha valido a pena?

Sorriu debilmente para si mesma. Sabia que um dia aquilo ia acontecer, todos já tinha avisado. Só não pensou que seria ali e daquele jeito, quando deveria estar lutando por seu maior sonho: uma medalha de ouro, o símbolo máximo de excelência

E seu momento de glória ainda seria ali ao morrer por seu maior sonho. Perfeição

Fim