A Guarda-Costas

Disclaimer: A história não pertence a mim, é da Naobi Chan que me permitiu a tradução. Os personagens aqui citados pertencem a Stephenie Meyer.

Sinopse: Edward Cullen, o presidente de uma importante companhia, está ameaçacado de morte, contacta uma empresa de segurança e eles lhe enviam sua melhor guarda-costas: A agente Bella Black.


Epílogo (Parte 2)

Bella entrou na casa, deixou sua maleta ao lado do sofá e suspirando tirou seus sapatos no processo. Seus pés estavam exaustos e quase não os sentia.

- Você sabe que sou eu quem deve fazer isso... – ouviu a voz do Edward desde o umbral da prota.

Levantou o olhar e encontrou-o de braços cruzados e olhando-a diretamente nos olhos. Tinha sua camisa branca com as mangas enroladas até os cotovelos com os botões de cima abertos e gravata colocada de qualquer forma sem o nó amarrado. Suas calças pretas agarravam a seus quadris perigosamente e estava descalço dando-lhe essa imagem... sexy que a tanto deslocava. Olhou para seus sapatos a seus pés e se lembrou de todas as vezes que tinha feito amor enquanto ela ainda usava. Um rubor leve veio para o rosto e escondeu um sorriso.

- Você tinha que estar me esperando para isso... – protestou tirando a jaqueta e deixando de qualquer modo sobre o sofá.

Edward ergueu uma sobrancelha e se fixou na blusa de Bella que marcavam perigosamente suas curvas, como a sua saia de executiva abraçava seus quadris e marcava suas coxas... só faltavam aqueles sapatos maldita em seus pés... suspirou pesadamente e esfregou o rosto para remover a série de pensamentos quentes que afloravam em sua mente naquele momento.

- Eu fiz o jantar... – sussurrou.

- Você cozinhando? – Bella perguntou, surpresa.

- Eu só coloquei a lasanha congelada no forno e esperei que soasse o alarme ... Eu não vou te intoxicar – se defendeu fingindo indignação – que pouca confiança ...

Bella sorriu e caminhou até ele para ficar na ponta dos pés e beijar seus lábios, Edward sorriu, abraçou sua cintura e a levantou uns centímetros para ter melhor acesso à sua boca.

- Jantar – disse Bella afastando um pouco já com suas bochechas coradas.

Edward riu e a soltou, virou caminhando em direção a cozinha com Bella atrás dele.

Ao entrar Bella ficou surpresa ao ver a cozinha mal iluminada, a mesa posta para dois, com um castiçal com velas vermelhas com cheio de cmorangos, uma garrafa de champanhe e dois copos cheios de esperando-os.

- Lasanha? – perguntou em um sussurro.

- Você sabe que não sou bom na cozinha, hoje é o dia de folga da Kachiri e queria fazer algo especial – Edward disse com um encolher de ombros.

Bella sorriu e aproximou-se dele para beijar seu peito.

- Obrigada – ela sussurrou, sorrindo.

Eles se sentaram à mesa e começaram a jantar, a conversa era tranqüila e sem complicações. De sua viagem para Phoenix, Bella teve uma mudança de 180 graus. Ela realmente precisava dizer adeus a Jacob para deixar seu passado para trás, tinha sido feliz com ele, mas ela sabia que era jovem e ainda tinha muitas coisas para viver. Sem o peso da culpa sobre os ombros, o futuro parecia brilhante e alegre, e se isso somava com a presença de Edward em sua vida, tinha todas as cores do arco-íris.

Edward admitiu que seus sentimentos haviam ganhado o jogo desta vez, Bella era tudo o que precisava de uma mulher. Tinha o ponto justo de doçura e malicia, sabia se fazer respeitar e em caso de perigo se sentia seguro ao seu lado.

- E o trabalho? – Edward perguntou casualmente.

Bella suspirou e bebeu um pouco de champanhe para entrar na situação.

- Hoje tive uma reunião com o diretor-geral do Estado, por isso essa roupa – disse apontando sua roupa de executiva muito pouco normal nela.

Ela agora tinha deixado o FBI como agente especial, mas acompanhada por seus dois amigos, Jasper e Emmett, tinham aberto uma academia para novos agentes em Chicago, da qual era diretora e responsável pelo fornecimento de conhecimentos sobre armas e artilharia.

- E como foi?

- Ótimo – ela sorriu – a academia está indo bem, Emmett é muito bom com os exercícios físicos e Jasper tem todos temerosos com as bombas de brinquedo que esconde em cada canto... Parece uma criança – disse revirando os olhos.

Edward começou a rir lembrando-se quando um par de semanas atrás, Jasper tinha colocado uma bomba de brinquedo no carro de Emmett, este quase teve um ataque cardíaco quando viu como Rosalie a pegava e a jogava fora sem vacilar.

- E você como vai? Seus alunos se comportam? – ele perguntou tentando soar casual, mas se podia ver que tinha um pouco de ciúme que estava tentando fazer passar despercebido.

Bella sorriu e voltou a beber do seu copo olhando para ele.

- Comigo estão bem, você sabe, quando vse tem uma glock na mão e sabe como usá-la qualquer um te respeita – disse divertida.

- Eu tenho certeza que é por isso que prestam atenção – resmungou entre os dentes enquanto cutucava a lasanha mais forte do que o necessário.

- Você está com ciúmes Sr. Cullen? – Bella perguntou sem esconder sua diversão.

Edward rosnou e olhou para ela entre os cílios.

- Você sabe que eu somente me rendo a você... não deveria ficar assim – disse ela em um tom sugestivo.

Edward engoliu em seco e desviou o olhar.

- Hoje chegou o dossel para a nossa cama – disse, sem dar muita importância.

Bella piscou confusa com a mudança repentina na conversa e olhou para ele com a testa franzida.

- Eu não sabia que tínhamos encomendado um dossel, - disse ainda confusa.

- Eu sei... foi apenas um dos meus caprichos – disse Edward com indiferença.

- Por que precisamos de um dossel? – Bella perguntou.

- Logo vou lhe mostrar – Edward disse com uma piscadela.

Bella engoliu em seco e não desviou o olhar por alguns segundos, mas Edward a ignorou e continuou comendo como se não passasse nada de importante.

- Tenho uma coisa para você... – Edward sussurrou após terminar o jantar.

Ele entregou-lhe um pacote com um laço prateado, Bella o olhou indecisa e pegou com as mãos trêmulas.

- Não é uma daquelas bombas de Jasper? – perguntou num sussurro, levantando uma sobrancelha em sua direção.

Edward riu e balançou a cabeça.

- Só abra – sussurrou, apontando com o queixo.

Bella abriu o pacote e encontrou sapatos brancos com um saltos enormes. Ela pegou uma caixa e o virou várias vezes em suas mãos enquanto ele admirava.

- São lindos... – disse com um sorriso.

- Quero vê-los em você essa noite –a voz de Edward soou de forma segura e com esse ponto de prepotência que fazia Bella tremer de antecipação – apenas os sapatos.

Algo se remexeu no ventre de Bella ao imaginar a cena que poderia acontecer minutos depois, o cansaço da reunião e seu trabalho estava no segundo plano e só sentia o olhar ardente de Edward, que parecia estar a despindo lentamente apenas com poder dos seus olhos.

Ele colocou sapatos novos lentamente e sem desviar o olhar de Edward se levantou, e começou a desfazer os botões da blusa. Edward a olhava sem perder de vista até mesmo um de seus movimentos. Bella virou de costas e deslizou a roupa de seda sobre os ombros deixando-a cair aos seus pés.

Sem dizer uma palavra caminhou para o andar superior, enquanto subia lentamente as escadas o zíper da sua saia descia com a mesma velocidade, até que parou no topo das escadas. Continuou subindo até chegar a porta do quarto que partilhavam e deixou ali seu sutiã.

Edward passou pela porta naquele momento, tinha o cinto solto e seu peito descoberto, olhou Bella de cima a baixo e deteve o seu olhar sobre sua calcinha, Bella compreendeu no mesmo instante e o tirou em dois segundos.

Edward começou a andar ao seu redor, olhando para cada uma de suas curvas, pousando os olhos em cada centímetro de pele, Bella estremecia por causa da sua proximidade, sentia o escrutínio de seu corpo, mas em vez de se sentir desconfortável isso a excitava mais... podia sentir a umidade entre suas pernas, deslizando entre as coxas. Era incrível o que Edward era capaz de causar, sem tocá-la.

Edward se despiu lentamente, e sem tirar os olhos do corpo de Bella se aproximou também lentamente dela, olhando-a como um puma preparado para dar-lhe caça. Os joelhos dela tremiam, temia cair dos saltos impossíveis a qualquer momento, mas as mãos de Edward estavam em sua cintura reforçando o seu apoio no último segundo.

Edward aproximou seu rosto até o pescoço, respirou fundo e deslizou o nariz desde a curva de seu ombro. Bella tremeu e um suspiro deixou os seus lábios enquanto sua cabeça caia para trás, fazendo seu próprio cabelo acariciar o início de suas nádegas provocando-lhe cócegas.

Sentiu como Edward avançava com ela para atrás até que suas costas chocaram com algo, olhou por cima do ombro e percebeu nesse momento que era o dossel de madeira entalhada que agora adornava sua cama. Edward mãos de seus lados aumentou ligeiramente a acariciar seus seios, Bella e Edward sorriu levemente gemia contra a pele do seu pescoço que estava beijando levemente.

Edward levou suas mãos até seus ombros e então deslizou por seus braços até chegar as suas mãos, as levantou sobre sua cabeça e Bella sentiu como algo frio agarrou-se a seus pulsos. Levantou o olhar confusa e viu suas próprias algemas prendendo-a a esse precioso dossel que Edward tinha chamado de seu capricho.

- Você sabe que é um crime federa... roubar as algemas... de uma agende do FBI? – perguntou entre respirações enquanto Edward delineava seus mamilos com o nós dos dedos.

- Mas essa agente não está de serviço... – Edward sussurrou contra sua pele.

Bella fechou os olhos com força e gemeu quando seus dentes roçaram a pele de seu peito.

- Você está presa – disse Edward divertido – tem o direito de gritar meu nome todas as vezes que quiser, qualquer coisa que desejar será uma ordem para mim, tem o direito de me pedir para parar, mas não prometo que vou fazê-lo.

Uma das mãos de Edward chegaram ao seu sexo e Bella abriu a boca para sugar ar. Edward teve que usar todas as suas reservas de autocontrole quando lhe tocou, a umidade era tal que só pensava em afundar-se nela uma e outra vez até que tivesse perdido o sentido.

Delineou a linha de seus lábios e Bella tremeu e choramingou implorando por mais. Sem aviso, colocou dois dedos em seu interior e Bella arqueou as costas mostrando-lhe seu peito. Enquanto bombeava em seu interior com os dois dedos, sua língua e os dentes se deleitavam com a doçura dos seios de Bella. Desde o dia em que tinha experimentado pela primeira vez esta mulher, tinha se tornado um viciado, era como uma droga, algo que sempre queria mais e nunca se sentia satisfeito da sua necessidade dela.

Bella gemeu alto quando sentiu seu orgasmo próximo, Edward tinha um sexto sentido para saber onde tinha que acariciá-la, sabia o local exato que a fazia explodir. Tinha gravado em sua memória os movimentos necessários e locais precisos que Bella se sentisse voar e gritar seu nome entre gemidos.

- Edward... – ela murmurou baixinho.

Ele levantou a cabeça entre seus seios, onde a tinha afundado e olhou esse poços chocolate em que era tão fácil se perder.

- Por favor... – Ela implorou.

Edward sorriu e puxou a mão de suas dobras, Bella gemeu, mas não teve tempo para processar apenas porque as mãos de Edward em sua cintura a viraram de costas. Ela ofegou, surpresa e encostou-se na coluna do dossel para manter o equilíbrio.

Edward deslizou suas mãos desde seus seios para seus quadris, marcando as curvas em que era tão fácil se perder. Bella estremeceu ao seu toque, e seus pés pareciam brilhar com gotículas de suor que adornavam. Sem aviso, ele colocou-se atrás dela e a penetrou de uma só vez. Bella gritou pela intrusão, mas em seguida sentiu seu interior contrair com prazer e fechou os olhos com força.

Edward ficou parado, desfrutando do calor, deleitando-se do modo como seus músculos o abraçavam e o fazia sentir-se em casa. Bella moveu seus quadris pedindo mais, implorando-lhe. Edward deslizou lentamente para trás e investiu com força novamente. Bella gemeu... gemeu tão alto que até ela mesma sentiu vergonha, mas Edward queria mais, queria ouvir seu nome sendo gritado por seus lábios, ele queria lhe deixar louca, queria vibrar-se com isso, que transbordava uma e outra vez.

As investidas se tornaram mais fortes e seguidas, Bella estava à beira da inconsciência, nunca se imaginou uma situação similar. Com cada toque, cada carícia... se sentia desfalecer e voltar a renascer. Edward sempre tinha o poder de atordoa-la, mas nesse momento se sentia como enfeitiçada, cada vez que sua carne entrava nela um redemoinho em seu ventre ficava tenso e se afrouxava, mas sem nunca lançar-se. Este tira e põe a tinha no limite, se sentia como fora de seu corpo e ao mesmo tempo tão dentro que a excitação doía.

Edward grunhiu em seu ouvido e agarrou um de seus seios com força, estava perto, ele estava à beira. Ele tinha um regador bom tempo, sustentando a necessidade de se deixar ir, para ver Bella com aqueles sapatos completamente nu e vulnerável diante dele, amarrado, dando-lhe seu corpo sem objeção, seguido pelo jogo que ele inventou e melhorou com a sua própria reação, com os seus gemidos, seus gritos, com o calor de seu corpo.

Se sentia na borda, e sabia que ela também estava, desceu uma mão até seu sexo e esfregou seu clitóris até que ele sentiu que Bella tremeu, um leve gemido deixou seus lábios e sentiu seus muros apertarem em torno de seu membro. Edward grunhiu de novo quando sentiu a primeira picada de prazer na parte inferior do abdômen, sentida havia liberado, enquanto ela gritava seu nome e foi um prisioneiro em seu interior.

Bella caiu de joelhos e Edward a seguiu, ambos estavam com a respiração entrecortada e seus corações batendo em um ritmo frenético. Necessitaram vários minutos para se acalmarem e voltar a respirar com normalidade. Edward liberou Bella das algemas e a levou para a cama, onde ambos se deitaram e seus corpos entrelaçados em um abraço impossível.

Os minutos se passaram em silêncio, não era necessário dizer nada, ambos sabiam o que sentiam, o que significavam esses silêncios entre eles. Bella tinha sua cabeça no peito de Edward, ele acariciava seus cabelos ao longo de suas costas. Era nesses momentos quando agradeciam por terem se encontrado, quando depois de fazer amor e como selvagens a ternura e o amor saiam a superfície, deixando seus sentimentos completamente nus e visíveis diante o outro.

Nesse momento era quando se sentiam um, não quando estavam fazendo amor, não. Era logo depois, quando se abraçavam e diziam tudo sem a necessidade de palavras. O mundo parecia parar ao seu redor e só eram conscientes da presença de sua outra metade presa a eles, tão perto que nem o ar os separava.

Edward se mexeu, inquieto e estendeu o braço para pegar algo na gaveta de sua mesa de cabeceira... Bella não deu importância, continuou em suposição sobre seu peito ouvindo atentamente com as batidas do seu coração.

Edward buscou a mão esquerda de Bella e trouxe-o aos lábios para beijá-la, ela permaneceu com os olhos fechados, mas sabia que não estava dormindo.

- Eu te amo – Edward sussurrou, acariciando a pele do seu braço.

Os lábios de Bella se curvaram em um sorriso e beijou seu peito na altura do coração.

- Eu também te amo – disse, emocionada.

Edward voltou a levantar a mão esquerda e lentamente deslizou um anel em seu dedo anelar. Bella abriu os olhos de repente e ficou ainda imóvel mais que segundos antes.

- Por que não nos casamos? – Edward perguntou com indiferença, mas em seu interior estava prestes a quebrar um furacão do nervoso que ela sentia.

Bella olhou para o anel em seu dedo, era um pequeno diamante cercado por vários menores. Não podia lembrar ela mesma o exato momento quando Jake pediu anos atrás, tampouco sentia a emoção que sentiu naquele momento, mas sim o fazia como se sentia agora, naquele exato momento um calor inexplicável ardia em seu peito. Ela sentiu as lágrimas escorrerem dos seus olhos e suspirou.

Edward estava tão tenso que eles acreditavam que podia ser uma estátua, quase não respirava muito menos piscava, o suspirou de Bella acendeu seus alertas e um suor frio cobriu sua testa. Não sabia como abordar Bella com essa pergunta, só sabia que necessitava fazer e escutar uma resposta positiva para ser feliz. Assim que simplesmente decidiu fazê-lo sem complicações, sem um grande numero, e seu não discursos pré-fabricados. Algo natural e espontâneo, como eles se sentiam, essa idéia veio segundos antes de fazê-lo e quando deslizou o anel de sua avó Elisabeth pelo dedo de Bella se sentiu finalmente completo.

- Ok, nós nos casamos – disse Bella também mostrando indiferença, mas colocando a mão esquerda sobre o coração de Edward para se sentir melhor as batidas rápidas de seu coração.

Edward suspirou aliviado e um sorriso curvou em seus lábios. Aproximou Bella mais contra seu corpo e beijou seus cabelos. Tudo estava onde deveria estar.

FIM


ACABOU! Espero que tenham gostado. Não tem cenas extras e nem continuação.

Obrigada por acompanharem essa fic, o apoio de vocês é sempre importante para as histórias seguirem em frente.

Vejo vocês nas outras fanfics.

Beijos

xx