Antes de começar, quero pedir muitas desculpa pela demora

Reviews

Margueritte: Olá princesa, é verdade que foste a primeira a comentar a minha história. Quando resolvi encurtar ao episódio não pensei que ficasse tão pequeno, devo de admitir. Outra coisa que não me saiu com esperava foi a demora do segunda capitulo, não contava que a net metesse férias lol…problema que já está resolvido…foi só comprar uma pen nova hehehe

Morringhan Higurashi: Menina, gostei da tua sinceridade e frontalidade. Eu sei que o capítulo ficou pequeno mas, embora isso possa desagradar-vos, foi propositado. Na verdade, o original era composto por este e o segundo capítulo juntos mas, depois de escritos, pareceu-me melhor lança-los assim

Towanda: Adorei as tuas críticas. Conforme já tinha dito, o capítulo ficou desse tamanho propositadamente mas espero que este compense. Lamento informar que adoro o casal R&M, pelo que vão entrar muito, mas vou tentar não me centrar demasiado neles

David Soria: David, gracias por todo. Sabes que si he decidido a escribir ha sido porque tu me has incitado a eso, porque has creído en mi cuando yo he dudado. Me han gostado todos tus elogios, aunque me gustaría que hubieras criticado algo porque ni todo está perfecto y tu lo sabes.

Te hecho de menos

Madge Krux: Muito obrigada, linda, por essas palavras de ânimo. Posso-te descansar quanto à demora, não creio que volte a acontecer…nem que tenha de bater em alguém. Isso não quer dizer que vá perder o hábito de criar suspense, uma menina tem de defender a sua imagem de marca hehehe

Mamma Corleone: Bonequinha, o teu atraso foi compensado pelo meu…sem problema : )
Obrigada pelos elogios, fico mesmo feliz por gostares da forma com escrevo. Quanto à Veronica, ela é forte…sobrevive até mesmo á sopa do Challenger.


Não posso parar!

Vá lá! Não falta tanto assim. O caminho mais difícil já o percorri. Não vou ... recuso-me a desistir!

Dói-me músculos que não recordava ter. Mas, pelo menos, já nem sinto os arranhões e entorses. Sei que quando parar as dores vão voltar, com mais força ainda. Mas isso será um problema para enfrentar mais tarde.

Olhei mais uma vez para a minha carga. Parece um verdadeiro anjo. Que pensamento! Morfeu faz milagres, isso sim.

Tenho de me manter forte. Por mim. Por ela. Por todos.

–É bom que aguentes ou juro, por tudo, que te seguirei até ao Inferno. Até porque, se algo te acontecer, alguém me irá assassinar.

É idiota, bem sei, mas por instantes imaginei que iria ouvir uma gargalhada. Como será possível sentir tanta falta daquilo que, há pouco tempo, tanto me irritava?

Mesmo com o meu cérebro a funcionar mais rapidamente que o meu corpo, começava a sentir os efeitos do cansaço. Mesmo tentando manter o ritmo, coerência e foco dos meus pensamentos, sinto-os divagar.

Ao passar próximo de uma árvore, percebo que não vou aguentar muito mais sem um descanso.

– Estás a ficar pesada, não?!

Tento rir, ao imaginar a sua expressão, ao me ouvir. Não posso! Ao invés disso, recebo um aperto no coração.

Até ao momento consegui mantê-la ilesa. Mas continuando assim, quanto mais tempo me restará? Tenho a leve sensação de que os caminhos estão diferentes, o que em nada facilita a minha tarefa.

Não posso evitar pensar na Profecia. Será mais do que mera lenda? Não tenho tempo para debruçar-me sobre esse tema mas o meu cérebro parece discordar.

Sei que parar poderá fazer-me perder a força de vontade que ainda me resta. No entanto, os lábios secos da minha protegida decidem por mim.

Deposito-a do modo mais cuidadoso, que os meus trémulos braços permitem. Procuro aclarar a mente e vasculhar, dentre a muita informação acumulada, até recordar que devo molhar-lhe apenas os lábios. Ela encontra-se desidratada. Culpo-me por não ter percebido antes. Por instantes, a minha consciência alerta-me. Não o estarás tu também?Ignoro a insistência dessa incomoda voz. Mas, mesmo assim, decido beber avida e rapidamente.

–Devem faltar 20 minutos, para chegar. Se estou correto, nos meus cálculos. Estamos quase lá. Prometo que poderás dormir depois mas, por agora, podias abrir os olhos.

Tento abafar um suspiro, e preparo-me para pegá-la novamente, quando os meus olhos se encontram com os dela. Abertos!