SexCall... Qual é a sua maior fantasia sexual?

Disclaimer: Essa história pertence à Joha, que me autorizou traduzir. E os personagens são da Stephenie Meyer.

Sinopse: Por que o céu me odeia? Justo no meu ultimo dia de trabalho esse inferno se converteu em meu paraíso.


Capitulo 1

Bella PDV

Acho que todos nós temos um trabalho que nós odiamos, ou pelo menos uma vez estivemos trabalhando em algo que não nos sentíamos muito orgulhosos, bem, eu me sinto assim, não tinha orgulho do meu trabalho, mas graças a todos os santos, anjos ou não sei o que, já não tenho que trabalhar mais nisso, ontem e hoje eu me formei eu finalmente posso dizer que sou uma jornalista, no período da tarde eu tenho a minha primeira entrevista de trabalho, mas mais do que uma entrevista é um emprego seguro, assim pelo menos foi-me dito na faculdade, já que por minhas notas e por ter me formado como o melhor da minha classe me ofereceram o emprego dos meus sonhos, por fim vou escrever e o melhor é que com isso, vou manter-me e vou deixar meu outro horrível emprego.

Bem, não que eu odeie tanto o meu trabalho, afinal depois de tudo eu agradeço que no dia de hoje eu sou jornalista, nunca com qualquer um dos meus trabalhos como garçonete ou vendedora teria como pagar a faculdade, por isso, afinal não era tão ruim.

Tem alguns anos que me mudei para Los Angeles, toda a minha vida vivi em Forks e queria uma mudança drástica e que melhor mudar da chuva e do frio para o sol e o mar, assim que quando terminei a escola fiz minhas malas e mudei meu destino, e aqui estou desde então, no começo foi difícil, porque meu pai só é o chefe de policia de Forks e minha mãe é… bem… vive sua vida, viaja de um lado para outro somente com uma mochila cheia de sonhos, graças a Deus encontrou Phill para acompanha-la, bom, o caso é que nenhum deles poderia me ajudar nos gastos, por isso é que no começo tive dois empregos, mas quando vi que não podia pagar nada, que sejamos sinceros, só os mínimos, não sou nada consumista, bom, quando achei que teria que voltar com o rabo entre as pernas ao frio de Forks, ela apareceu em vida.

Tanya foi minha amiga e me apoiou todo esse tempo e a ela lhe devo o agrado e desagrado de meu emprego, não sou prostituta, não vendo meu corpo, mas lhes dou prazer aos homens, lhes cumpro até as mais sórdidas fantasias sexuais, mas com uma condição, por telefone, sim trabalho em uma dessas famosas linhas quentes. A verdade é que a primeira vez que cheguei para trabalhar fiquei em choque, minha vida sexual é praticamente nula, uma que outra vez tenho ficado por ai, mas nunca mais do que um par de beijos e quem sabe um que outro tocou, mas ainda assim mantenho minha virgindade, o lugar, devo dizer que é bem… reservado… contamos cada uma com um cubículo privado e a prova de sons, temos todos os brinquedos sexuais existentes e por ainda existir, não há desculpa para não excitarmos, de fato, a maioria ama esse trabalho, quase todas saem daqui com vários orgasmos, enquanto eu… só finjo, jamais tive um orgasmo em minha vida, e me nego que seja por minha própria mão enquanto um loser pervertido se masturba comigo.

O som da buzina de um carro me tirou dos meus devaneios e voltei à realidade, hoje seria o último dia, que ficaria fechada naquele cubículo cumprindo as fantasias dos tarados. Acelerei o ritmo e apressei-me a entrar no prédio, ainda que tivesse todos os tipos de escritórios, recusava-me a crer que alguém iria me reconhecer. Eu cheguei e estava lá a minha querida amiga.

- Parabéns Bella! – não cheguei a responder quando Tanya já estava pendurada em meu pescoço. – É toda uma jornalista agora.

- Obrigada… mas Tanya – ao ver que não tirava seu sorriso tive que abaixar um pouco seus ânimos, já que todos estavam nos olhando – me deu parabéns pelo menos 30 vezes – eu ri antes de fazer-lhe saber que não era serio.

- Você é má – fez um bico fingindo que isso que somente ela sabe fazer.

- Sim – a abracei – melhor não demorarmos porque quanto antes entrarmos antes saímos.

- Ainda não sei como não gosta desse emprego – suspirou e olhou para o céu como buscando respostas – é o melhor emprego do mundo.

- Há… para você… é… - busquei a palavra adequada – horrível – só de pensar ficava com pé de galinha.

- Prometa-me uma coisa – girou e ficou cara a cara comigo.

- O que? – o disse sem vontade, sempre me fazia prometer coisas e sempre terminava arrependida.

- Que hoje vai desfrutar… vê-lo assim como – suspirou – uma despedida.

- Ok – se não lhe digo que sim não terminaria mais com o assunto.

- Essa é minha amiga graduada. – passou um braço por meus ombros e seguimos caminhando.

A verdade é que ainda não sei como uma garota como Tanya é tão simples e doce, tem toda a faixa de típica puta, alta, loira, olhos azuis, corpo de infarto, enfim, a típica modelo oca, mas é todo o contrario, é minha melhor amiga. Ao contrário eu estou tão simples como isto, olhos e cabelos chocolate e de pele mais clara do que um vampiro, outro agradecimento a Forks, onde o sol nunca aparece, e meu corpo… não é ruim, mas eu estou muito magra para meu gosto.

Entrei em meu cubículo e estremeci somente por estar ali, o número de vibradores e brinquedos era impressionante, mas mais impressionante é que os meus ainda estão em sua embalagem original, ao menos é isso que me demonstra que é certo isso de "exclusividade do material de trabalho" como deixaram claro na minha entrevista.

Enfim, coloquei meu fone e esperei a primeira ligação, geralmente essa é a hora onde os homens abaixam seu calor, assim que era coisa de minutos antes que o telefone tocasse e como sou descarada, ai esta… minha primeira chamada do dia.

- SexCall… Qual é a sua maior fantasia sexual? – através do tempo aprendi a colocar minha voz mais sexy, sim até não parece a minha.

- Eu... – Deus! Que linda voz… é como… aveludada… concentre-se Bella… é só outro pervertido.

- Calma querido – continuei com o mesmo tom – agora conte-me… qual sua maior fantasia sexual?

- Foi engano – Ok... a voz é um sonho, mas de verdade parece um estúpido.

- Não acho… melhor porque não me conta onde gostaria que eu me tocasse – e como sempre me mantive firme em meu posto.

- Para onde liguei? – definitivamente estúpido, parece que discou o número errado.

- Onde todas suas fantasias se tornam realidade – e vamos… me pagam por minuto que os mantenho falando.

- Ok… então – notei a mudança no seu tom de voz… e se antes era sexy, agora me molhei somente com escutar sua voz "sensual" – isso é uma linha quente.

- Então… - estava gostando desse joguinho – Onde gostaria que eu me tocasse?

- O que está usando?

- Mmmm… um conjunto de camisola transparente… azul – não era verdade, mas vamos, uns jeans e camiseta desgastada não é sexy – sem roupa interior.

- Uiii garota… fico duro só de imaginar – quase pude adivinhar que estava massageando seu membro por cima da roupa e o pior é que me pos a mil.

- E estou tão molhada… mmmm – quando me dei conta já tinha minhas calças desabotoadas… acho que depois de tudo ia cumprir a promessa que fiz a Tanya.

- Coloque um dedo em você… quero comprovar se é verdade – e como boa menina que sou o fiz e Ohhh eu amei, soltei um gemido só de imaginar o dono dessa voz fazendo por mim.

- Siim… - disse o melhor que pude – estou ensopada.

- ohhhh querida… mmmm – a verdade é que esse homem tem cada vez a voz mais excitante, são os melhores gemidos que escutei – tenho um mamilo seu em minha boca… mmmm… é delicioso – por inércia meus dedos começaram a apertar eles sobre a roupa, mas logo não deu mais, e tirei minha camisa para faze-lo melhor, se já estamos nesse, melhor fazer bem.

- Estão duros… e sua língua parece tão bem – molhei um par de dedos com minha saliva e a apertei em meus eretos mamilos – quero provar seu pênis… qual grande é?

- Ohhh querida… não acho que caiba nessa linda boquinha sua – não sei se é verdade ou não, mas quero achar que é verdade, quem sabe seja tão grande.

- Tão grande?

- Enorme – e segui gemendo.

- Imagina que é minha boca que está fodendo… mmm… é tão bom… está tão duro – quando abri meus olhos vi que já tinha três dedos dando-me prazer como nunca, e me encantava.

- E você… imagina que minha boca é a que está provando sua quente e estreita boceta – isso é diferente, geralmente os pervertidos se preocupavam com eles e não comigo, isso só me fez aumentar mais o ritmo.

- Sim… continue assim… belisca meu clitóris… sim – fechei os olhos e deixei que minhas mais fizeram seu trabalho.

- Ohh… vamos… chupe com vontade… sim… mais rápido – se notava que faltava pouco.

- Falta… pouco… já quase… - e sim… sentia que meu primeiro orgasmo estava chegando e não sei como pude agüentar tanto tempo sem senti-lo.

- Venha comigo… eu quase… siiiiiiim – escutei seu orgasmo e o meu chegou ao golpe.

- Mmmmmmm – não tinha palavras par semelhante sensação, meu primeiro orgasmo – Isso foi...

- Excelente… é uma delicia.

- Sim… é incrível seu sabor – esse jogo estava me encantando.

- Então… - pude sentir que ainda estava agitado – Seu nome…?

- Ovelhinha – quando começamos a trabalhar nos fazer escolher nomes fictícios.

- Bom ovelhinha… amanha na mesma hora?

Por que o céu me odeia? Justo no meu ultimo dia de trabalho esse inferno se converteu em meu paraíso.


Mais uma fic... espero que vocês gostem.

Amo essa fic e já querida traduzir a um tempo.

Deixem reviews se puderem.

Beijos e até semana que vem.