I Hate You, Kiss Me

Sinopse: Bella desistiu de namoros, mas tem uma noite com o misterioso Edward Cullen. Ambos são surpreendidos quando ele consegue um emprego em seu escritório de advocacia! Os Colegas de trabalho Alice e Jasper, seu melhor amigo Emmett e a chefe sensual Rose, desempenham um papel na vida amorosa de Bella.

Disclaimer: A fanfic pertence a BittenBee que me autorizou a tradução. Os personagens em sua maioria pertencem a Stephenie Meyer. Não copie a tradução e nem a história, tudo é da BittenBee.


"A Lei é a razão, livre da paixão." - Aristóteles

"A paixão faz o mundo girar. Apenas ame e torne o lugar mais seguro." - Ice T


Capítulo 18

(Traduzido por Mili YLJJ)

"Você vai comer esse resto?" Edward inclinou-se nos cotovelos sobre a mesa, apontando para a minha salada inacabada com o garfo.

Eu empurrei o prato pra ele. "Sirva-se."

Edward cavou o meu prato meio comido, mastigando alegremente. Ele realmente gostava de legumes crocantes e eu não pude deixar de sorrir com o seu contentamento. Eu também gostei de assisti-lo comer... eu nunca tinha observado quando alguém comia a sua comida antes, a menos que se tratasse de um jantar de um encontro ruim onde o cara estivesse mastigando e conversando com a boca aberta. Isso nunca era agradável. Edward não era assim, contudo e parecia que tudo o que ele fazia, me fascinava. A forma como seus dentes brancos mordiam, a flexão da mandíbula, os lábios se arrastando sobre o garfo, e emitindo 'hums' de prazer antes de finalmente engolir. Detalhes que costumavam ser sem importância estavam recentemente prendendo a minha atenção, mas ele não tinha conhecimento do quanto ele mexia comigo.

Assim que o feriado acabou, nós tínhamos sido imediatamente lançados nos nossos ocupados horários de trabalho, mais uma vez. Nós ainda tentamos espremer um momento para os nossos almoços e como de costume, estes eram recheados de conversa fiada e discussões. Ao invés de encarar ele, eu atirei nele olhares dissimulados de aborrecimento e, em troca, seus sorrisos parecem brilhar ainda mais, os cantos suavizavam em compreensão e diversão. Isto quase me fazia sentir como se estivéssemos em 'uma relação estável' e parecia que nós estávamos em um estágio avançado compartilhando um milk-shake de chocolate. Mais ou menos.

Eu era nova em tudo isso. Eu estava fora da minha zona de conforto porque eu compreendia totalmente os mecanismos dos relacionamentos. Não que eu estivesse em um relacionamento... Entretanto eu entendia de encontros. Eu não estava esperando conseguir uma ligação de volta? Um segundo encontro? Talvez isto estivesse além de mim.

Minhas preocupações diminuíram quando seus olhos encontraram os meus brevemente, sorrindo quando ele acabava com a minha salada. A franqueza despertou o meu interesse. Eu não teria notado se eu não estivesse o olhando idiotamente, absorta em meus pensamentos. Seu poderoso sorriso sedutor apareceu removendo sua expressão inocente deixando os meus pensamentos mortos e eu fui incapaz de retomar os meus questionamentos interiores. Era tão sensual que fazia meus dedos se enrolarem no meu sapato. Então tudo o que eu podia pensar era deixar a bagunça do escritório pra trás só para estar a sós com ele.

Eu quero um segundo encontro. Eu quero um segundo encontro!

"Tem algo em sua mente?" Edward perguntou, com seu copo de água na mão.

"Hum..." Ele parecia tão casual, sua pergunta não demonstrando nada além de interesse, mas seus olhos estavam me observando. "Hum..." Lembro-me de ser muito mais articulada do que isso. "Você está pronto para irmos?" Eu soltei, a minha habitual falta de finesse.

Edward me olhou por um momento, mas deixou pra lá. Ele colocou o copo na mesa, respondendo: "Sim, é claro. Deveríamos ir."

Eu soltei um suspiro e mudei a minha atenção para a minha bolsa e meu casaco. Eu não sabia como abordar o assunto de um outro encontro, sem aparentar evasiva ou desesperada. Eu esperava não o ter assustado no nosso aquecido encontro do lado de fora da porta do meu apartamento...

Então eu imaginei Edward sorrindo maliciosamente, sozinho em seu escritório, parabenizando-se por um outro trabalho bem feito – domar a 'agressiva mulher do mercado', como ele pontuou. No entanto, ele me disse que eu não era sua conquista ou um louco projeto, mas havia uma pequena parte em mim que continuava a se perguntar e a especular. Ele estava aberto a respeito do que ele queria – eu – mas quanto eu o conhecia, muito dele ainda permanecia um mistério.

No entanto, eu sabia que eu tinha feito muitas decisões ruins nos últimos meses por isso eu estava receptiva, aguardando para ver o seu próximo movimento. Estávamos naturalmente competitivos, teimosos e argumentativos. Mas ele sorria e brincava e bicava meus lábios e isso era tudo. Se os nossos dias de trabalho não tivessem sido cansativos, eu corajosamente o arrastaria de volta para o armário de suprimentos.

Algumas vezes ele me chamava ao seu escritório sob o pretexto dos negócios, mas provocávamos um ao outro e oferecíamos beijos apressados assim que a porta se fechava atrás de mim. Ainda estávamos testando os nossos limites também. Eu nunca me sentei no colo de Edward, sabendo que isso levaria a outras coisas ali mesmo. E eu ficava imaginando o que ele estava realmente pensando. Eu estava respondendo pra ele aquilo que ele esperava e como eu queria, mas Edward continuou desfrutando das casuais interações em meio ao turbilhão dos nossos trabalhos.

Nos poucos momentos de silêncio que tirávamos juntos, nos dando uma pausa para o café na padaria, eu às vezes o pegava olhando pra mim com uma expressão ilegível. Ele sustentava meu olhar por uma fração antes de forçar um pequeno sorriso, rapidamente desviando o olhar. Era doce e expectante, mas eu não podia deixar de sentir que talvez eu tivesse feito algo de errado.

Eu ia perguntar a ele sobre isso, mas, de repente, eu percebi algo naquele olhar. Eu estava tão acostumada a lutar com Edward e ter ele me testando – se eu tinha entendido o momento ou não – ele era o único a me instigar nos diferentes níveis. Houve uma trégua nos nossos empurrar e puxar, porque ele não estava forçando para provocar as minhas fugas e me arrastar pra trás. Eu estava tão preocupada em manter o controle, mas se eu continuasse deixar ele disparar os tiros, eu realmente estaria dando a ele o poder. Eu não podia continuar contando com ele para me empurrar.

Foi uma compreensão difícil para eu engolir.

Nesse meio tempo, eu estava perdida entre as acumuladas pastas e as listas com os toques do telefone. Os saltos de Rosalie clicavam como se fosse uma trilha sonora constante ao longo dos dias, misturado aos chiados de Jessica que apareciam a cada duas horas. As pessoas conversavam umas com as outras, testemunhas eram entrevistadas, ordens foram berradas, secas respostas fornecidas, mas conseguimos carimbar e imprimir um fluxo constante de documentos.

Até o final dos dias as minhas pernas estavam doloridas por ficarem na posição agachada, meus pulsos e pescoço cansados de segurar o telefone, e minha garganta seca de tentar falar com todos para conseguir concluir a mais simples das tarefas.

A única coisa que manteve os meus sentidos em alerta e na margem era a possível proximidade da presença de James. Sua declaração sobre os meus movimentos com a sua atenção explícita era mais do que perturbadora. Isso me preocupava mais do que eu poderia colocar em palavras.

Você não deve se demorar fora do seu apartamento, os esquilos não são as únicas coisas que saem à noite. Estou ansioso para vê-la novamente.

Antes que eu pudesse impedir, um arrepio na espinha viajou para a boca do meu estômago enquanto eu tentava sem sucesso bloquear essa mensagem. Eu esfreguei a pele arrepiada dos meus braços. Eu ainda não tinha vontade de ir para casa, olhei para o meu monitor, sem ver. Refletindo a respeito.

Era mais provável que isto tinha sido um problema constante o meu próprio desconhecimento ignorante e o meu egocentrismo. Mas era pouco provável que este seria um modo casual de contato. Eu não era um detetive, mas as flores foram intencionais, eu não pensei tão frivolamente como a maioria das pessoas consideraria que elas seriam. O fato de que ele tinha me enviado o exato arranjo transmitia o seu desejo de me ver novamente, era intimamente.

Com as longas horas de trabalho e uma mente nadando em Edward, eu tinha sido cegada da atenção de James por mim? Eu teria perdido algo ao longo do caminho?

Eu não podia esperar para bater na bunda dele com uma ordem de restrição. Eu exalei um profundo suspiro. Eu tinha outro problema.

Eu tinha que provar isso.

Eu impacientemente batia minha caneta contra a borda da minha mesa em profunda contemplação.

Por um lado, James era perigoso, mas tudo o que eu tinha era uma nota não assinada, me lembrei com tristeza. Eu não tinha provas documentais que ele havia me seguido nas últimas semanas. Obviamente, eu não poderia provar que isto era assédio ou perseguição.

A vaga mensagem poderia muito bem ser vista como um amigável aviso ou uma brincadeira, mas eu sabia que se tratava de uma ameaça real dele. Nós não tínhamos partilhado as mais agradáveis circunstâncias. Eu sabia que tinha que fornecer ao juiz um especifico motivo de preocupação, para provar que, sem uma ordem judicial, a situação poderia carrear em um dano irreparável da minha parte.

Eu nunca pensei em mim mesma como sendo uma vítima antes, alguém com necessidades de proteção e cuidados.

Eu tive um momentâneo flash do horror daquela noite no museu. A forma como seus dedos tinham cavado em meus ombros, as contusões na minha carne, raspando minhas costas contra a parede, sua boca assolando e sufocando a minha me deixou doente.

Eu não queria nunca mais ter a sensação de ficar chocada, assustada e completamente indefesa novamente. Jamais. A crescente raiva aumentava dentro de mim, uma instintiva ferocidade profunda com a vontade de permanecer incólume, se espalhou através de mim.

A partir deste ponto, eu iria avançar. Eu teria que pedir uma ordem de restrição de longo prazo, isso significava atravessar os tribunais com provas documentais e testemunhas. Imediatamente pensei em Edward, mas joguei para longe essa ideia. Jasper podia testemunhar por mim sobre aquela noite...

Eu hesitei, minha mão pronta para o telefone. Eu tinha um outro homem na minha vida que merecia saber.

Eu liguei para o Departamento de Polícia de Forks.

Demorou um pouco para eu finalmente conseguir falar com o Chefe Swan. O seu vice Tyler normalmente atendia as ligações do seu escritório na pequena cidade, e gostava de conversar comigo. Eu sentia que ele estava flertando para um encontro no futuro, para quando eu estivesse na cidade, mas ele não me perguntaria isso diretamente ao telefone com Chefe Swan na sala. E obrigada a Deus por isso.

"Chefe Swan falando..." Meu pai respondeu no receptor com sua habitual sutileza. Parecia que ele estava tentando manter o calor com o clima frio, mas estava pronto para a ação a qualquer momento. Ele mantinha um bom humor no posto, mas ele era todo profissional. Assim como eu.

Eu contei toda a história da minha situação atual, sabendo que ele perderia as estribeiras. Eu transmiti os fatos e as circunstâncias gerais de uma filha para seu pai, e acalmei o irracional Charlie. Uma vez que ele colocou pra fora a reação irracional inicial (suas preocupações comigo e suas ameaças para James), delicadamente ele se direcionou para os detalhes. Tomei notas como um civil faria com o Chefe de Polícia. Acontece que Charlie tinha, de fato, algumas secretas conexões em Seattle. No ensino médio, eu me recordava, de algumas vezes, condenados que escaparam fugindo de Seattle e viajaram pra longe, para as remotas terras de Forks. E que Charlie tinha trabalhado com o SPD* para recapturar estes criminosos em um raro número de ocasiões.

*SDP - Security Policy Database – Banco de Dados de Segurança da Polícia

Por mais embaraçosa e desconfortável, quanto a situação era, eu estava me sentindo mais preparada para lidar com James agora, me lembrei que eu estava em uma boa posição nesta cidade como uma cidadã residente e funcionária da Lawrence Associates, apesar da noite na cadeia.

Ao final de tudo, Charlie soltou um longo suspiro. "Você precisa de mim para chegar lá? Eu poderia te visitar em algum momento...", ele estava coberto de preocupação.

Eu entendi que isso significava um apoio paterno e meu peito apertou de emoção repentina. "Obrigada pai, mas eu estou bem. Tenho meus amigos aqui, a empresa... eu não vou estar por eu mesma." Eu não queria envolver Charlie se não houvesse nenhuma razão pra isso ainda.

"Tudo bem", ele resmungou, recuperando sua autoridade de Chefia. "É melhor você me enviar uma mensagem ou um e-mail todos os dias até que isso tudo seja resolvido."

Eu prometi e assegurei a ele que daria o meu paradeiro. Só depois de agradecer a ele, ele disse: "E não se esqueça de ligar para esse número que lhe dei. Ele é o melhor."

Primeiro, Chefe Swan tinha um policial que era amigo dele no posto policial da cidade para quem eu poderia solicitar mais informações ao mesmo tempo manter as coisas tranquilas. Achei melhor procurar nos arquivo de James por quaisquer outros casos passados de danos ou assédio sexual.

Além de ferir sua masculinidade e me defender, eu me perguntei se ele estava em busca de vingança depois de todo esse tempo. Ele não tinha muito para processar Emmett e Edward pela surra que ele tinha recebido pouco antes de desaparecer. Mas agora, ele estava fixado em mim .

A única razão substancial que eu poderia pensar para o aparecimento repentino de James era o meu atual envolvimento. As coisas estavam progredindo com Edward muito para meu próprio espanto e, se eu estava sendo honesta comigo mesma, esta era a causa da minha recente nervosa felicidade.

No dia seguinte, contei tudo isso para Alice e Jasper durante o almoço. Coincidentemente, Edward teve um almoço de negócios, então eu aproveitei sua ausência para agarrar esta oportunidade. Alice tinha visto algo em James em novembro que não tinha gostado e que era algo que eu não tinha conseguido ver naquele momento. Ela captou a sua raiva e a sua mascarada agressividade em seus falsos sorrisos.

Nós nos sentamos em frente um do outro, ociosamente mexendo com nossa comida ao redor dos nossos próprios pratos individuais antes de comer.

"Jasper é uma testemunha sólida, ele arrancou James pra fora de você", Alice cortou depois que eu expliquei a ela e a Jasper as informações necessárias.

Jasper acenou um pouco com a cabeça, mas olhou pra mim de uma forma inquietante. "Eu acho que Edward gostaria de saber sobre tudo isso", ele disse em voz baixa antes de tomar outra mordida.

Alice se virou pra mim, interessada na minha resposta. "Eu não quero ele indo atrás de James, ele estaria se colocando em perigo, quando eu posso facilmente usar a lei para cuidar disso", eu disse lentamente, olhando entre os dois, vendo as opiniões piscarem por trás de seus olhos.

Ela fez uma pausa antes de falar. "A possibilidade de que Edward iria atrás dele é uma prova de seus sentimentos por você."

"É um comportamento padronizado dos Perseguidores ferir as pessoas próximas à vítima, se eles se tornam obstáculos. Eu não quero que nada aconteça a ele, ou qualquer um que me interessa." Suspirei e me inclinei sobre a mesa, Alice seguiu o exemplo para nos dar um pouco de privacidade. Jasper educadamente focou em seu almoço. "Além disso", eu disse rangendo os dentes em um sussurro: "Eu acho que eu já coloquei Edward em bastante sofrimento. Eu prefiro que ele me diga dos seus sentimentos em vez de se transformar o cavaleiro da armadura brilhante de qualquer maneira..."

"Olha quem está falando", ela sussurrou. "Os homens precisam de incentivo, Bella. Eles parecem fortes, mas secretamente, eles precisam de segurança." Ela balançou a cabeça com um suspiro, seus olhos passando rapidamente por Jasper. Ela se inclinou de volta se ajustando no lugar, continuando em um tom de voz mais normal. "Obviamente estamos preocupados com você, Bella."

Eu também me inclinei para trás, apunhalando o garfo na minha comida. "Não há necessidade. Isto será resolvido e..."

"E você vai me ligar se algo parecer estranho", ela interrompeu, olhando-me com a sua clássica teimosia que Alice tinha. "Não vai mais desaparecer de noite, ou eu vou fazer Jasper te seguir pra casa depois do trabalho todos os dias."

"Mas..." Jasper tentou protestar, mas foi cortado por sua namorada novamente.

"Ou você se esqueceu de Law and Psychology 101*?" Suspirei e sentei-me, sabendo que ela iria continuar independentemente. "Perseguidores não são só aparentemente acolhedores e charmosos, eles são mais inteligentes do que a maioria dos outros criminosos. Eles são obsessivos e delirantes, mas o mais importante, são persistentes em seu padrão de vigilância. James não é um ex-namorado doente de amor."

* Law and Psychology 101São livros-textos ou livros didáticos trata-se de um manual de instrução em qualquer ramo de estudo. Os livros didáticos são produzidos de acordo com as exigências das instituições de ensino. Embora a maioria dos livros sejam publicados, muitos estão agora disponíveis on-line, como livros eletrônicos, aqui são relatados os de Direito e Psicologia

"Puxa Alice, tenha um pouco de fé. Eu sei de tudo isso. Porque você acha que estou me preparando para usar todas as menores informações da lei contra ele?"

Jasper se inclinou pra frente em seus cotovelos, parecendo desconfortável. "Isso é bom, Bella, e você sabe que nós vamos estar lá por você também. Mas se alguém que eu me importo escondesse algo como isso de mim, eu ficaria fodidamente muito chateado." Seus olhos azuis estavam firme e sérios, quase implorando.

"Eu aprecio isto Jasper..." eu disse suavemente, igualmente grave. "Eu não quero um grande alarde disso no escritório. Vou contar para o Edward, eu só vou esperar por um bom momento. Mas você tem que me dar um período para eu lidar com isso."

"Hmph." Jasper admitiu com um aceno de cabeça e um resmungo.

Alice se virou pra ele com um olho afiado e um sorriso brilhante. "Deixe Bella lidar com isso. É problema dela. Esta não é a nossa decisão... Jazz"

"Obrigada", eu murmurei, empurrando a minha comida no meu prato com uma súbita falta de apetite.

"E se isso também significa ter que ir a encontros com Edward todas as noites, então que assim seja." Seus lábios ficaram fixos em uma linha apertada, mas o canto se contraiu.

"Você nunca vai deixar passar uma oportunidade de brincar de casamenteira, não é?"

Jasper e eu balançamos a cabeça com um sorriso, enquanto Alice ria maliciosamente pra mim.

~x~

As conexões do Chefe Swan realmente vieram a calhar. Isto em particular, eu tinha certeza, de que seria o meu trunfo. Eu também achei que o meu pai foi legal por me fornecer o caminho para solucionar esta questão. Eu não tinha os detalhes reais de como Charlie conhecia este homem.

Este lugar não era um arranha-céu ou uma magnífica obra de arquitetura. Era um prédio privado, que mais parecia uma elegante casa com o foyer composto pelo lobby e um espaço de chá e uma sala de espera. A sala de espera não era nada menos do que enorme e incomum. Cores fortes padronizadas batiam do teto ao chão. Pinturas abstratas penduradas nas paredes com uma ocasional escultura de dois amantes unidos.

A secretária estava sentada atrás da longa mesa, com as pernas cruzadas nos tornozelos com modesta sofisticação enquanto falava ao telefone.

Eu ocupei a minha atenção com a interessante decoração que salpicava ao redor da sala tentando manter as minhas mãos de bater impacientemente na minha bolsa.

Ela finalmente desligou o telefone e se virou para mim com um sorriso angelical. "Sr. St. Jean vai receber você agora."

Ergui meu casaco e minha bolsa para acompanhar a pequena mulher em seu escritório.

A porta de mogno se abriu, revelando um homem muito polido em um terno elegante. "Ah, Senhorita Swan. Por favor, fique à vontade", ele disse com uma voz melodiosa e gesticulou para uma cadeira cara a frente de sua mesa laqueada.

"Obrigada." Eu balancei a cabeça educadamente e graciosamente me reclinei no melhor que eu poderia fazer, dadas às circunstâncias.

Laurent St. Jean era um lucrativo, detetive particular bem estabelecido. Pelo que me disseram, ele fazia com o seu negócio o mesmo que ele fazia com seu estilo de vida. Tudo era limpo, eficiente e feito com estilo. Laurent recostou-se na cadeira alta e preta cruzando as pernas, me examinando educadamente.

Ele estava adornado elegantemente usando um terno roxo queimado, feito de seda finamente costurado com botões de joias e ampliadas ombreiras. Abotoaduras e grandes anéis adornavam seus pulsos e dedos.

Notando as minhas observações, ele sorriu gentilmente pra mim através de seus grossos e escuros cílios.

"Qual ocasião a trás ao meu humilde escritório hoje?" Seus tom ronronou deixando deslizar um sotaque francês sobre meus tímpanos.

Voltei seu meloso sorriso, mantendo-me em cheque. "Eu estou precisando de seus explícitos serviços. Eu procuro o melhor."

Ele riu, notando além do meu elogio, mas apreciando tudo da mesma forma. Peguei meus arquivos que continham os documentos e abri abertamente sobre sua mesa para ele ler.

Ele se inclinou pra frente com agilidade, alongando uma mão bem cuidada com claras unhas polidas e cutículas cuidadas, pegando os documentos. Ele leu em silêncio por um momento, seus amendoados olhos se lançavam pra frente e pra trás.

"Hmm... Você suspeita que está sendo seguida", ele refletiu, pensativo.

"Este não é um caso tradicional de adultério," eu disse firmemente.

"Ah, petit chaton* você está enganada! Asseguro a você que podemos fazer o trabalho..."

*Petit Chaton em Francês pela pesquisa que fiz (eu não sei francês) significa Pequena Gata, Gatinha (sem pejorativos é um elogio)

"É claro." Eu sorri docemente, esperando pacientemente que ele terminasse a leitura.

Seus olhos cor de café brilharam com interesse. "Vamos discutir os detalhes então. O que é que você precisa exatamente e pra quando?" Ele falou como se ele já soubesse, mas estava passando pelas propostas pelo meu benefício.

"Eu preciso de provas fotográficas de que esse homem está me seguindo em uma base regular. Preciso ver se ele está empoleirado em minha casa ou observando o meu paradeiro pessoal. Preciso disto por volta de duas semanas." A partir do momento em que o juiz assinar a ordem de restrição, que levaria cerca de 14 dias para a real audiência ser realizada. Tempo suficiente para rastrear James para a sua convocação do tribunal também. A polícia estaria o notificando... Eu me encolhi rangendo os dentes só de pensar na possibilidade de vê-lo novamente.

As sobrancelhas de Laurent subiram junto com o seu couro cabeludo. "Merde! Este é um trabalho de urgência que você está pedindo. Isto é dificilmente viável... Podemos não encontrar nada ah... tão conclusivo com esse período de tempo tão limitado."

"Mas não é impossível. É por isso que eu procurei o melhor", eu o lembrei, mas ele ainda parecia relutante então eu pressionei ainda mais, suavizando minhas palavras. "Eu sinto que eu vou precisar de algo substancial para mostrar ao juiz ou ele pode considerar esta ordem de restrição desnecessária. Por favor."

Os olhos de Laurent tornaram-se gemas líquidas me contemplando brevemente. Então ele suspirou e alisou o tecido do seu terno. "Será feito então. Por que eu não gostaria que uma beauté* como você seja... envolvida. Mas o meu honorário é de cinquenta a hora."

*Beauté - Beleza

Inclinei-me em minha cadeira, esquecendo de mim mesma. "Isso é sério?"

Ele deu de ombros, golpeando seus cílios. "Se você quer o trabalho concluído por quarenta a hora você pode ir para a Hammitz do outro lado da cidade," Ele disse, referindo-se ao seu concorrente com desgosto antes de recuperar seu charme.

"Depois de tudo Senhorita Swan, foi por isso que você veio procurar o melhor."

~x~

Com a minha mente mais à vontade por conta dos esforços de Laurent, eu fui capaz de me concentrar nas coisas do trabalho. Eu queria contar para Edward o que estava acontecendo, mas... Eu não queria que ele se obrigasse a me proteger. Eu não esperava isso dele. E não importa que caminho eu fizesse na minha cabeça pra isso, nada parecia certo. Bom dia Edward, a propósito James está de volta e eu acho que eu estou sendo perseguida. Tampouco o momento parecia certo. Estávamos ajoelhados sobre os papéis, o estresse do processo nos consumindo. Por que acrescentar um outro problema no seu prato?

Nós trabalhamos no chão do seu escritório, papéis nos rodeavam em pilhas específicas. Eu estava de barriga pra baixo com a minha cabeça apoiada em uma das mãos, olhando para um dos nossos relatórios de projetos. O dia foi longo, as pessoas eram escassas, e nós trabalhamos por horas mais tarde avançando na noite. Eu não estava realmente olhando para o relatório na minha mão, eu estava fingindo. Com o canto do meu olho, eu me concentrei na forma de Edward, descansando sobre o tapete como um grande gato com um marcador de texto e papel nas mãos. Só de estar perto dele me fazia sentir tão bem. O que eu não daria para ser o chão debaixo dele...

"Bella, trabalha", ele disse, sem olhar pra mim.

"Como posso trabalhar com a sua presença me distraindo?" Eu perguntei, sentando-me para realmente focar nele agora.

"Seus olhares estão me distraindo. Você não é muito sutil." Seu lábio enrolou enquanto ele começou a destacar algumas linhas do texto.

"Eu... Hmph." Eu me abaixei pra trás nos meus trabalhos com uma careta.

Depois de um momento eu ouvi a mudança do seu peso corporal e o amassar de papéis.

"Bella."

"Sim?" Eu perguntei levemente, olhando para os parágrafos intermináveis de jurisdição do Tribunal do Estado. Recusei-me a olhar pra ele.

Então eu senti ele se aproximar. "Olha pra mim." Foi um pedido bastante simples.

"Não. Você está certo, temos muito trabalho pra fazer", eu disse casualmente, destapando o meu marcador.

Ele riu ao meu lado e eu olhei pra cima, curiosamente, apenas para encontrar seus lábios. Imediatamente, minhas pálpebras se fecharam. Foi um simples beijo, levemente pressionado. Durou apenas um momento, antes dele se afastar, mas foi tempo suficiente para agitar algo de bom em mim.

"O que..."

"Seus lábios são irresistíveis quando você faz beicinho", ele disse suavemente.

Inclinei-me perplexa. "Por que meu desconforto sempre o diverte?"

Seu olhar permanecia em meus lábios antes de viajar até aos meus olhos. De zero a três segundos, sua expressão tinha ficado complacente e latente. "Tudo que você faz me diverte. Suas reações não são o que eu espero que elas sejam, e eu percebi o quanto eu gosto disso..." Minha respiração ficou presa enquanto seu dedo traçou a curva do meu queixo por um momento até os meus lábios.

Ele viajou ao longo da minha pele muito suavemente com a promessa de mais. Meu olhar caiu, só para parar em sua garganta. Seu botão de cima estava aberto, expondo a pequena cavidade e eu instantaneamente me tornei mais consciente do seu corpo irradiando calor dele e o seu cheiro sedimentando sobre todos os meus sentidos.

Seu polegar puxou levemente o meu lábio inferior, acendendo uma centelha de luxúria. Apenas por me lembrar das duras linhas do seu peito isso me enviou uma tremula sensação através de mim.

Eu virei o rosto e soltei um suspiro, me restringindo a pressionar contra ele.

Assustado, Edward retirou sua mão. "O que foi isso?"

Eu apertei meus olhos fechados. "Edward, eu não posso fazer isso."

Quando houve silêncio sem resposta, eu olhei pra ele. Sua forma estática olhando pra mim com uma expressão solene. "Não pode fazer o que?" ele perguntou devagar, com cuidado.

"Você tem alguma ideia do quanto eu sou atraída por você? Sua provocação está me deixando louca!"

Afastei-me do seu sorriso se espalhando, regulando minha respiração e tentando organizar os documentos ao meu redor buscando alguma aparência por controle. Todos os nossos beijos intermitentes e a proximidade, a véspera de Ano Novo, os almoços de todos os dias... Estar perto de Edward provavelmente iria me matar logo por meio de uma implosão corporal. Cada mínima interação parecia definir isso agora.

"Bella."

Eu olhei pra ele de novo, esperando outro sorriso ou um pouco daquele beijo que parou toda a conversa e me fez esquecer os meus pensamentos. Mas, ele só olhou pra mim, surpreso e sério ao mesmo tempo.

"Você realmente quis dizer isso. Você simplesmente não pode ficar longe de mim..."

"Eu lhe disse isso no armário de abastecimento", eu o lembrei, mas ele parecia estar confuso com a súbita memória disso.

"Sim, mas... eu estou olhando pra você agora, afetada por mim – eu não estava nem tentando." Seu rosto era uma mistura de alívio e diversão.

Larguei meus papéis, gargalhando uma risada que terminou sem graça. O todo confiante Edward Cullen que praticamente irradiava sexo, não tinha essa certeza comigo. Eu estava começando a pensar que Alice estava certa.

"Você parece sempre se controlar muito bem Edward", eu disse me referindo à sua última fuga na minha porta.

"Eu tenho mais autocontrole do que você."

"Se eu realmente colocasse todas as jogadas em você, você não duraria uma noite," eu disse com confiança. "Você está acostumado a me fazer fugir."

Ele engoliu em seco antes de sua determinação se encaixar. "Eu acho que ainda tenho que te derrotar."

"Então, eu tenho a honra de fazer uma aposta. Aposto que você não pode ficar no seu autocontrole quando a situação se inverter."

"Eu não vejo o ponto. De qualquer maneira, eu ganho alguma coisa."

Eu lutei contra o calor no meu rosto. "Eu ainda acho que é tempo que estabelecer a pontuação."

Dando-me o centro das atenções, ele lentamente se inclinou pra trás nos cotovelos com o presunçoso olhar que eu já tinha visto. "E o que você tem em mente?"

Esqueça a sua presunção, Swan! Agora é a sua chance, não estrague tudo.

"Bem... nós provavelmente devíamos testar esta teoria fora do escritório..."

"O que, como um encontro?" ele perguntou com as sobrancelhas levantadas, aparentemente alheio.

"Nós estamos namorando?" As palavras voaram dos meus lábios antes que eu pudesse impedi-las.

Ele me deu um olhar vazio. "Eu realmente não sei Bella, nós estamos?"

Eu passei tudo pela minha cabeça. Passamos um tempo muito juntos no trabalho... embora nós raramente fazíamos alguma atividade fora do trabalho. Além da noite com Ângela e Ben... Nós tínhamos trocado presentes de Natal, mesmo sendo uma foto e algemas. Mas, então, nós tivemos o nosso primeiro encontro. A ponto de tudo era, eu realmente gostava de estar com Edward e se ele não podia ver isso...

Eu bufei e zombei, grosseiramente ao extremo. "É claro que estamos. Eu..." me parei tarde, chocada com a minha própria confissão. Estreitando os olhos para a onda divertida de seu lábio, eu apontei um dedo acusador pra ele. "Você me enganou para eu admitir isso!"

"Ridículo", ele respondeu, tentando manter uma cara séria.

Eu joguei meu marcador de texto nele, que se perdeu e bateu na perna da cadeira atrás dele.

Ele riu e inclinou-se pra mim novamente, falando baixinho com a proximidade de seus lábios brincando com os meus. "Eu simplesmente perguntei aquilo que já sabíamos, porque eu queria ouvir isso de você." Seus lábios tocaram os meus, demorando-se com o beijo. Minha cabeça girou e eu pensei que minhas entranhas iriam se derreter com ele.

A paixão cantarolava na minha garganta um pouco antes dele se lançar nos meus lábios famintos e deslizar sua mão até o pequeno espaço entre nós, pegando o meu marcador de texto.

"Agora, volte ao trabalho assim você pode me levar", ordenou silenciosamente, fingindo seriedade.

Eu mentalmente me tapeei pra longe da névoa na minha cabeça e fiz uma careta, enquanto eu me enrolei de volta no projeto de relatório, o lendo furiosamente até o final da página, grifando os pontos. Minha mente já estava formando planos. Desta vez, eu gostaria de disparar os tiros. Mal sabia Edward no que ele estaria se metendo.


N/T: Quem arrisca dizer que o Jasper esta certo? Ela devia avisar o Edward?

Bem a minha opinião isso vai dar 'Merde' tenho quase certeza (eu leio a fic com vocês)

E esse final hein eu acho ele tão manipulador e charmoso ai ai ai

Enfim o que acharam (a Bella pensa demasiadamente demais, sim eu concordo)

Diga o que pensa

Bjos

Mili YLJJ


A Bella louquinha por um segundo encontro! Pelo menos conseguiu. E os dois não mudam né, apenas não tem mais brigas de ódio, mas implicância sim rsrs Isso deixa o relacionamento deles divertido

Agora indo para a parte séria, a Bella deveria contar ao Edward sobre o James, porque se ele descobrir de outra forma, ou tarde demais, as coisas podem ficar bem complicadas na vida deles.

Bem, como falei no meu group e quando postei o 17, as pessoas estão lendo a fic e comentando cada vez menos. A Bibs saiu da tradução, mas a Nai juntou-se a mim e a Mili e vamos terminar a fic. Mas para que tenha POSTAGEM TODA A SEMANA, ou até mais do que isso, vocês precisam fazer a parte de vocês que é comentar. Então se querem o 19 na semana que vem, quero ver comentários ok?

É isso...

Beijos

xx